domingo, abril 11, 2021

Saab Naval

O porta-aviões ‘Charles de Gaulle’ partiu para o Oceano Índico

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

O porta-aviões Charles de Gaulle partiu de Toulon esta manhã para ganhar o Oceano Índico. Sua partida havia sido adiada, a fim de efetuar a substituição padrão de uma válvula de segurança no circuito de propulsão traseiro.

O problema não representaria um perigo e em nada afetaria a capacidade operacional, mas, por causa da legislação muito restritiva a respeito da segurança nuclear e pelo fato de o deslocamento do grupo aeronaval não ser de natureza urgente, foi decidido efetuar reparo em Toulon, principalmente porque o Charles de Gaulle ainda estava perto da sua base. O navio havia retornado ao porto em 14 de outubro. “O profissionalismo e a dedicação das equipes encarregadas dessa intervenção técnica permitiu sua conclusão em duas semanas.

Desde a sua admissão ao serviço ativo há cerca de 10 anos, esta é a segunda vez que o porta-aviões retorna ao cais devido a um incidente técnico”, diz a Marinha Nacional Francesa.

Acompanhado das fragatas Forbin e Tourville, do navio-tanque Meuse e de um submarino de ataque nuclear, o porta-aviões francês embarca, nesta missão de quatro meses, 12 Super Etendard Modernizados (SEM), 10 Rafale M (F3), 2 aviões de vigilância Hawkeye e vários helicópteros.

O grupo aeronaval vai realizar vários treinamentos e exercícios no Mediterrâneo, Mar Vermelho, Oceano Índico e Golfo Pérsico durante a sua participação em operações conjuntas. Deve, assim, auxiliar na operação europeia Atalante de luta contra a pirataria, e apoiar com aviões as tropas envolvidas no Afeganistão (Operação Pamir).

Com 261 metros de comprimento e um deslocamento de 42.000 toneladas, o Charles de Gaulle, construído pela DCNS em Brest, foi incorporado à frota em 2001. Desde então, já percorreu o equivalente a 15 viagens ao redor do mundo e realizou mais de 23.000 catapultagens. A missão Agapanthe é o seu quinto deslocamento para o Oceano Índico.

FONTE: MER ET MARINE / COLABOROU: Just in Case

- Advertisement -

61 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
61 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcelo

Agora vai! Rafale F3 e AASM neles!

Giordani RS

Enquanto se locupletam no Sea Gripen o Rafaele M parte em missão…

Ricardo_Mga

Tomara que não tenha que dar meia volta novamente….

Abrivio

Tomara é que não passe no atlântico sul!!!!

MatheusTS

To vendo que eles nunca mais vão envestir em um PA nuclear pq aja problemas cada um mes tem um…. Quero ver quando tiver em ataque botar esse motor ao maximo pra ve oque acontece…

MatheusTS

Abrivio realmente não quero que ele passe por aqui ja penso a bomba nuclear estourar aqui!

General

Não mete medo.

Galileu

Tem alguma oficina no meio da caminho?? ahahah Por garantia..

Rodrigo

Giordani RS disse:
31 de outubro de 2010 às 18:09

Calma!! Vai que precisa voltar de novo ?

—————————————

Pergunta as rafaletes apaixonadas…

Os SE estão indo por que ?

— Reposta..

O todo poderoso Damocles, ainda não atingiu estágio operacional.

Marcelo

O Damocles está operacional no Rafale F3, mas por falta de tempo para treinamento dos pilotos da Marinha Francesa, não será usado pelo Rafale M nessa missão.

Jacubão (21 Kg mais magro)

Vamos tentar tudo de novo, rsrsrsrs… 😀

Steen

Nessa foto dá pra ver bem que se tivessem feito ele um pouquinho mais comprido, dava pra ter pouso e decolagem simultâneos e o E-2 não precisaria operar tão justo… Será que seria tão mais caro assim? Não é o aço que encarece o navio….

Jacubão (21 Kg mais magro)

É…. O meu desin de porta-aviões é maior e o E-2 poderia ser ultilzado nas três catapultas e com sobra. Infelizmente esse tipo de coisa não dá votos, né??????

Jacubão (21 Kg mais magro)

O meu desin é de um PA bem maior que CDG, com 3 catapultas e deslocando na faixa de 50 a 60.0000 t e podendo operar umas 60 aeronaves, o que seria algo espetacular para um país emergente, né????

Sopa

As especialistas uma pergunta.

Pq. os Super Etendard Modernizados (SEM), se tem os Rafale´s F3 no mesmo PA ? o Rafale não consegue fazer o serviço dele o dos Super Etendard ?

SdS

Abrivio

“Sopa disse: 31 de outubro de 2010 às 22:12 Pq. os Super Etendard Modernizados (SEM), se tem os Rafale´s F3 no mesmo PA ? o Rafale não consegue fazer o serviço dele o dos Super Etendard ?” O todo poderoso multi omni extra mega role Rafale só realiza missões de ataque fazendo casalzinho com um dos vovôs. Ou na ala de um Mirage 2000 ou de um SEM. De acordo com os “especialistas”, ele está 100% operacional. Da mesma forma, já foi “testado em combate”, apesar de nunca ter enfrentado uma defesa aérea ou um dogfight. Para atirar bomba em… Read more »

Abrivio

Marcelo disse:
31 de outubro de 2010 às 21:30
O Damocles está operacional no Rafale F3, mas por falta de tempo para treinamento dos pilotos da Marinha Francesa, não será usado pelo Rafale M nessa missão.

Alegria de dia das bruxas. Está operacional, mas não é usado.

Giordani RS

Vou fazer uma pergunta de ignorante no ramo naval: Sería possível adicionar mais uma seção a um NAe dessa classe? Por exemplo, aumentar a extensão dele com mais uma seção? Obviamente que desconsiderando o custo.

raul

Vai acabar quebrando de novo isso sim.

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Edcreek

Olá,

Rodrigo, os SE está indo porque ainda estão no seu tempo de vida util desde a ultima modernização, seguindo a programação.

Sem falar que “apenas” 10 Rafales F-3-M já terminaram os teste e estão 100% operacionais o outros estão em avaliação, depois da atualização para o padrão F-3….

Em poucas semanas teremos:

Rafale F-3/AASM-IR/INS/Damoclès sendo testado operacionalmente no Afeganistão, queira os Anti-Francofilos ou não….

Abraços,

Fabio

Tão falando que ele quebra toda hora, mas no texto fala em Segunda Parada…. qual a verdade?

Marcelo

para mim, essa foto é tradução literal do nome do blog: Poder Naval. Coisa que a França exerce, a Inglaterra abandonou por 10 anos, e o Brasil sonha.

Nick

Boa sorte ao CdG, e, só por precaução, não seria interessante um navio dique-seco para acompanhar??? 😉

[]’s

Vplemes

Steen disse:
31 de outubro de 2010 às 21:57

Steen,

A resposta é: Foi pura imcompetencia. Depois que terminaram de construir o P.A, quando foram para os testes viram que não daria para operar os E-2. Tiveram que voltar para o estaleiro e modificar o P.A para que tivesse como operalos. Ficou um belo remendão.

Dalton

Giordani… na verdade o CDG teve seu convés em angulo aumentado em quase 5 metros logo depois que os primeiros testes de mar confirmaram que o E2-C Hawkeye necessitava de mais espaço para pousar em segurança e manobrar rapidamente para desobstruir o convoo. Mas se adicionar uma seção ao casco vc estaria pensando na utilidade dele poder lançar e recolher aeronaves simultaneamente , não é algo relevante até pelo tamanho da ala aerea do mesmo, que é o que os franceses desejavam e podem operar. O CDG foi planejado desde o inicio para ter este tamanho. Um porta-avioes convencional para… Read more »

TonyGun

Dor de cotovelo pra quem sonhava com Sea Gripen é phoooodaaaa!!!!rsssss
Rafale M já surrou os SuperHornets em exercícios conjuntos.
O melhor caça naval da atualidade!

Pedro Mota

Bom que já fizeram os reparos devidos… Quando vêm para cá, mesmo?

ABraços.

Antonio

Quantos jatos podem ser vistos aí nessa foto?

Quantos jatos o Brasil quer comprar com o FX-2?

Como dizia o macaco: “eu só queria entender!”.

Edcreek

OLá,

Nessa foto estão visiveis:
12 Rafales M;
14 Super Etendard Modernize;
2 Hawkeye E-2;
1 Helicóptero?????;

Certamente ha mais Helicópteros, no andar de baixo, a força de asa fixa é de 26 unidades nesse caso mais de 70% da força do programa FX-2.

Como o bem dito acima o NAe Frances, só perde mesmo em capaçidade para os Super Porta-Aviões Americanos, já que por ser nuclear sobra muito espaço que era utilizado em combustivel.

Abraços,

peter pown

Aí Jacubão, posta um desenho deste seu PA.

Jorge

Informação no mínimo muito curiosa, pois antes dessa ja havia sido divulgado q um hélice havia se soltado e caido no meio do aoceano, obrigando o porta avioes frances retornar “mancando” para casa…. mas, ninguem o chama de sucata…

O Nae Sp fica 4 anos em reparos (“normal” para um navio desse porte e sua complexidade), e alguns “entendidos” o chamam de “sucata”…

lastimavel injustica

GUPPY

A MB poderia muito bem se interessar pela planta desse CDG para num futuro não muito distante desenvolver um PA nuclear brasileiro baseado nele. Queimaria etapas e ganhar-se-ia tempo.
Abs

Abrivio

“GUPPY disse:
1 de novembro de 2010 às 18:26
A MB poderia muito bem se interessar pela planta desse CDG para num futuro não muito distante desenvolver um PA nuclear brasileiro baseado nele. Queimaria etapas e ganhar-se-ia tempo.
Abs”

O problema é se outras coisas queimarem ou explodirem também.

Rodrigo

Edcreek disse:
1 de novembro de 2010 às 7:53

100% operacionais no CdG, só o SE…

Rafale está longe ainda, queiram os pró-França ou não.

tomas

Vamos ver se não quebra novamente!!!

rogerio

Muitos criticam esse porta avião mais daqui a 20 anos ele podera ser o substituto
do são paulo e bom refletir as chances de um novo e dificil mais facil e ter usado como sempre se faz aqui

Mahan

Logo, logo estará fazendo um cruzeiro pelas Falklands. Agora mesmo que já era para os args. E agora, grandes estrategistas, como é que fica??

rodrigo ds

Charles de Gaulle o Retorno IV em breve nos cinemas, ops…. estaleiro….

Rafael

“TonyGun disse:
1 de novembro de 2010 às 10:54
Rafale M já surrou os SuperHornets em exercícios conjuntos.
O melhor caça naval da atualidade!”

Quando você acha que já viu tudo…

Gerson Victorio

Novo vídeo do Rafale M mostrando que não “opera” no A-12.

http://www.dailymotion.com/video/xdui8e_rafale-marine_news#from=embed

Rodrigo

Gerson Victorio disse:
2 de novembro de 2010 às 14:09

Já que você é um dos últimos que insiste nesta tese do Rafale operar no SP.

Poderia nos brindar com fontes oficiais indicando com quanto de combustível interno ele operou nestes testes e com quais cargas externas ?

hms tireless

“TonyGun disse:
1 de novembro de 2010 às 10:54
Rafale M já surrou os SuperHornets em exercícios conjuntos.
O melhor caça naval da atualidade!”

Exercícios não dizem lá muita coisa. Por este critério “supertrunfístico” o Rafale é inferior ao F-4F Phantom, já que o Rafale levou uma surra de 5×0 em um exercício militar.

Gustavo

Rodrigo
Não sou defensor do Rafale, porem tenho que fazer umas considerações sobre sua capacidade no A-12.
Capacidade em umas de suas catapultas de 20 T.O Rafale tem como peso inicial de 10T e carga interna de 4,3T combustível assim ainda sobram 5,7T de carga paga porem o mesmo transporta no Maximo 4T de carga paga sobrando 1,7 T de combustível em tanque externo.
Fonte http://www.dassault-aviation.com/en/defense/rafale/aircraft-characteristics.html?L=1

Mauricio R.

OFF TOPIC…

…mas nem tanto!!!

Probabilidade dos ingleses venderem e os franceses comprarem o futuro HMS Queen Elizabeth:

“France: France could certainly use a second carrier; recent events have demonstrated the problems associated with even a reliable single carrier fleet. However, I would be deeply surprised if the French government chose not to take advantage of the opportunity to build such a vessel in French yards. Even though QE might fit the bill, I suspect that the French will either go with a French built ship or no second carrier for the foreseeable future. Odds on Carla Bruni (R92): 20-1”

Mauricio R.

OUTRO OFF TOPIC… …mas nem tanto!!! Vem aí o N A “Imperatriz Isabel”!!! “Brazil: In 2020, Sao Paulo will be fifty-seven years old. Refurbishment notwithstanding, that’s really old, and it’s unclear where Brazil intends to acquire a replacement vessel. Brazil has CATOBAR experience, and will presumably at some point decide on a modern carrier-borne fighter/strike aircraft. Brazil also appears to have an interest in expanding its navy. Queen Elizabeth would seem to fit Brazil’s needs perfectly. While it’s possible to envision competition between Brazil and the United Kingdom over South Atlantic sea access, the scenario is somewhat far-fetched. I don’t… Read more »

wjw

Quantos que custa para operar um PA nimitz ?

Gerson Victorio

Rodrigo,

se eu te contar…terei que te matar….para o time “dos contra” seria uma perda lastimável… 😆

Edcreek

Olá, Rodrigo, chegando no Indico teremos a resposta do que e o quanto está operacional. Eu aposto em: Damoclès 100%, e Recon NG 100%, e teste praticos da nova versão da AASM ainda não 100% operacional, vamos ver…. O pessoal da Europa age rapidamente e não querem perder influencia no cenario mundial: Agora Franca e a Inglaterra criam uma força conjunta de até 5.000 soldados e libera a utilização conjunta de seus navios Aerodromos: Charles De Gaulle e futuramente o Queem Elizabete na pior das hipoteses eles terão dois NAe. Podem aparecer outras coisas como compra de aeronaves conjuntas, utilização… Read more »

Vader

TonyGun disse:
1 de novembro de 2010 às 10:54

“Rafale M já surrou os SuperHornets em exercícios conjuntos”

Uai, mas não eram os Rafale do AdlA? O da Marine participou do mesmo exercício?

Quanto aos exercícios: https://1.bp.blogspot.com/_WU2hNNpYFZk/THWzzruvjQI/AAAAAAAAAC8/6TTo7Hbwn0Y/s1600/RafaleEater.jpg 🙂

Sds.

Vader

No tópico, espero que o CdG finalmente cumpra sua missão de prestar apoio às tropas da OTAN. Ainda que com alvos iluminados por Mirage ou SEM…

Sds.

- Publicidade -

Guerra Antissubmarino

Quando o P-3AM Orion da FAB enfrentou um submarino nuclear

Imagine buscar um inimigo invisível em uma área de 2 mil quilômetros quadrados, equivalente a mais de 242 mil...
- Publicidade -
- Advertisement -