quinta-feira, junho 30, 2022

Saab Naval

‘HMS Calamity’ ?

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

HMS ‘Calamity’: primeiro encalhou, em seguida colidiu com um rebocador. Agora, o submarino britânico HMS Astute que custou a bagatela de  £ 1,2 bilhão, quebra em seu primeiro dia de volta ao serviço na problemática Royal Navy . O  HMS Astute – carro-chefe da frota de submarinos da Marinha, que encalhou ao largo da Escócia,  quebrou em seu primeiro dia de volta ao mar. Ele foi forçado a retornar ao porto de origem de Faslane na sexta-feira depois de uma falha mecânica durante testes no mar no dia anterior ao largo da costa da Escócia, revelaram fontes militares.

Na noite anterior, os peritos identificaram uma falha na usina de vapor, que afetou o sistema de propulsão e o sistema de dessalinização que transforma a água do mar em água doce para a tripulação do navio . O último incidente embaraçoso veio quando o Ministério da Defesa admitiu que, apesar eriçada com o mais recente posicionamento global e os sistemas de escutas, os super-submarinos ainda se baseiam em cartas de papel semelhantes aos utilizados em submarinos britânicos durante a Segunda Guerra Mundial.

Fontes da Marinha disseram que os cortes nos gastos de defesa significam que, apesar de gráficos eletrônicos estarem instalados em alguns navios da Royal Navy,os mesmos não serão instalados no HMS Astute até o próximo ano. O HMS Astute é o primeiro de sete novos submarinos nucleares da classe e vai passar por reparos no fim de semana. A Marinha espera que ele  volte ao mar nesta semana.

A avaria ocorreu perto das ilhas ocidentais apenas sete semanas após HMS Astute ter encalhado na ilha de Skye e teve de esperar pela maré alta antes que pudesse ser reflutuado e rebocado. Durante o resgate, um rebocador colidiu com o submarino, avariando o seu lado de boreste. Os reparos custaram £ 7 milhões. O capitão do submarino, o Comandante Andy Coles, foi retirado de seu comando no final de novembro. Um inquérito oficial, que acaba de ser concluído, afirmou que foi erro humano.

O incidente mais recente aconteceu no primeiro dia novo capitão do submarino, o comandante Iain Breckenridge, que assumiu o comando do navio de 7.800 toneladas e capaz de lançar mísseis de cruzeiro Tomahawk. Fontes da Marinha disseram que o HMS Astute – capaz de permanecer no mar por três meses sem retornar a base – chegou a Faslane sob seus próprios meios. Uma fonte disse: “Nós poderíamos navegar sem esses novos problemas técnicos apenas algumas semanas depois do Astute encalhar. Pelo menos desta vez não foi danificado “Falando sobre os recursos de mapeamento do submarino, um porta-voz do MoD disse:” HMS Astute é equipado com uma série de sistemas de navegação, que incluem GPS e um quadro eletrônico de plotagem. Ela será equipada com gráficos eletrônicos como parte de uma atualização contínua dos sistemas de navegação de todos os navios da Royal Navy. “As circunstâncias que rodearam o incidente [encalhe] foram investigadas e o inquérito foi relatado e está sendo considerado. É muito cedo para discutir o resultado. “HMS Astute foi completar os testes de mar e voltou para ter um pequeno defeito corrigido.”

Fonte: dailymail.co.uk

- Advertisement -

2 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Joker

Se fazer e operar um SUBNUC fosse facil, teriamos o nosso a tempos. Como já foi colocado aqui no naval a grande teia de tecnologias que devem se dominar para a produçã e operação eficiente de meios navais estrategicos torna esses percaussos ainda mais provaveis, fora a lei de murphy!

Guilherme Poggio

Esse é o preço que se paga pelo desenvolvimento de novos projetos. Nem tudo sai como o esperado.

Pelo menos os franceses terão alguém para bancar o desenvolvimento da classe Suffren. Infelizmente somos nós.

Publicidade
Parceiro

Últimas Notícias

Navios da Marinha serão abertos para visitação neste fim de semana em Vitória (ES)

Serão diversas embarcações e cerca de 1.700 militares atuando durante operação da Marinha do Brasil Quem tem vontade de conhecer...
- Advertisement -