Home Inteligência US Navy visita Comando do Controle Naval do Tráfego Marítimo

US Navy visita Comando do Controle Naval do Tráfego Marítimo

222
1

No dia 4 de outubro, o Vice-Chefe de Operações Navais e Diretor da Inteligência Naval da Marinha dos Estados Unidos da América, Vice-Almirante Kendall L. Card, e comitiva visitaram o Comando do Controle Naval do Tráfego Marítimo (ComCoNTraM), no Rio de Janeiro (RJ). A delegação estava na cidade para participar da IX Conferência Interamericana Especializada de Diretores de Inteligência (CNIE-DI), realizada de 05 a 07 de outubro.

Na ocasião, o grupo percorreu as instalações do ComCoNTraM e, posteriormente, assistiu a uma apresentação no Centro de Controle do Tráfego Marítimo (CCTRAM).

Durante a palestra, foram destacadas as principais ameaças e obstáculos para a condução do Controle Naval do Tráfego Marítimo, bem como o Sistema de Informações Sobre o Tráfego Marítimo (SISTRAM), características, possibilidades e importância para a navegação mercante e pesqueira nas vertentes fluvial e marítima.

Por último, ressaltou-se o Centro Regional de Tráfego Marítimo da Área Marítima do Atlântico Sul, sistema desenvolvido pela Marinha do Brasil para intercâmbio de informações diárias entre as Marinhas da Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai. O evento propiciou aos visitantes conhecimentos sobre como o monitoramento do tráfego marítimo realizado pela Marinha contribui para o domínio do conhecimento situacional nas águas de interesse do Brasil.

FONTE: MB

Subscribe
Notify of
guest
1 Comentário
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
sergiocintra
sergiocintra
8 anos atrás

Sou muito, mas muito leigo nessa parte, mas esse tipo de controle possui um carater mais de necessidade civil – muito embora a “guarda costeira” por essas bandas seja executada pela MB.
Um controle também para o “policiamento” de outros órgãos do Estado, tipo Ibama, PF, RF, no entanto, sem evidentemente tirar as funções específicas da Marinha.
Nada contra a iniciativa, que é essencial! Assunto mais apropriado para o OSTRA.