Home Noticiário Internacional Novo lote de armas russas chega à Venezuela

Novo lote de armas russas chega à Venezuela

503
26

Foi noticiado que um novo lote de armas comprado da Rússia chegou ao país, entre 20 e 24 de março, em três navios mercantes, Ocean Voyager (foto) e Oceano Fortune, que zarparam de um porto no Mar Negro. O terceiro navio que saiu do Báltico, o Sluisgracht, deve chegar no dia 27.

Esta seria a terceira parcela do equipamento militar russo adquirido em setembro de 2009. A primeira entrega foi registrada em maio de 2011 e a segunda em janeiro deste ano.

Entre os equipamentos pendentes para entrega incluem os lançadores múltiplos de foguetes BM-30 Smerch de 300mm, sistemas móveis de defesa costeira BAL-E, e de mísseis de defesa aérea S-300 e Buk-M1-2. Da mesma forma, pretende-se continuar a completar a dotação de sistemas de armas russas já em operação no país, com o fornecimento de equipamentos de munição e apoio.

FONTE: FAV-Club

VEJA TAMBÉM:

Subscribe
Notify of
guest
26 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Almeida
Almeida
8 anos atrás

S-300 e Buk-M1, difícil conseguir tacar uma bomba em Caracas, estão muito bem protegidos.

Mas já já a farra do Chavito vai acabar e voltaremos ao normal…

giordani1974
giordani1974
8 anos atrás

Bah…a venezuela com S-300…não bastava os Sukhois? Tinha de humilhar?
Enquanto isso na sala de justiça…

Marcelo
Marcelo
8 anos atrás

putz, S-300 e Buk-M? humilhou…
Alguém sabe se esses Smerch de 300 mm tem mais alcance que os Astros II ? E os futuros Astros 2020?
Abraços.

Marcelo
Marcelo
8 anos atrás

putz de novo, deu uma pesquisada e o tal do BAL-E é um sistema que lança da costa mísseis Kh-35 (o famoso “Harpoonski”).

é…agora até os US Marines iam ter um trabalhinho para entrar lá…

daltonl
daltonl
8 anos atrás

Nem o próprio Chavez acredita que os EUA irão invadir a venezuela, mas é bom manter os venezuelanos, ao menos, os que o apoiam pensando assim…como ocorreu ao menos em duas ocasioes quando o USS George Washington foi enviado ao Caribe poucos anos atrás. Muito antes a US navy já havia anunciado que enviaria o “GW” para o Japão em substituição ao USS Kitty Hawk, mas Chavez e muitos outros já o haviam incorporado a IV Frota ! E de fato…o “GW” está no Japão hj em dia, mais especificamente em Yokosuka ! Mas em uma hipotetica invasão, nada que… Read more »

joseboscojr
joseboscojr
8 anos atrás

Enquanto alguém não inventar uma fórmula mágica que consiga fazer os americanos não serem capazes de estabelecer a superioridade aérea, nada adianta muita coisa não. E não serão alguns mísseis S-300, Buk ou Sukhois que o farão. O custo para se contrapor aos EUA é inviável dentro de um futuro previsível. Os americanos têm a doutrina certa e conseguem reproduzi-la na prática, com a variedade, a quantidade e a qualidade de equipamentos e homens necessários para tal. Os russos e chineses estão tentando acharem a receita e tudo indica estarem no caminho certo, mas o percurso ainda é longo, mesmo… Read more »

Marcelo
Marcelo
8 anos atrás

é verdade Dalton! Mas vc concorda que agora “ficou um pouquinho” mais difícil? Não? Se quiserem, o custo em $$$ e humano deve aumentar um pouco, talvez a ponto de inviabilizar a tentativa (isso depende da quantidade de sistemas comprados e o treinamento e suporte que terão, é claro).
Abraços.

Marcelo
Marcelo
8 anos atrás

Bosco, vc está comparando um sistema S-300 com um canhão 40L70??? Eu hein?…..se fosse assim, então os EUA não teriam solicitado à Rússia o embargo desse sistema ao Irã…
Os EUA respeitam os sistemas S-300/400/500 sim.

juarezmartinez
juarezmartinez
8 anos atrás

Marcelo! Comprar não siguinifica operar, na Geórgia, de posse de sistemas AA modernos, os operadores só fizerama m……a, de nada adianta “El gran libertador bolivariano” ter um S 300 e não ter C4I e principalmente gente treinada e qualificada nos
sistema EW.
O 3º do 10º da FAB entra lá com Skyshield up date 2 e tira até os radinhos de pilha de Caracas fora do ar….

Grande abraço

daltonl
daltonl
8 anos atrás

Marcelo…

se os EUA invadiram o Iraque que fica do outro lado do mundo, um pesadelo de logistica, imagine o que fariam com a venezuela tão próxima ?

Antes mesmo da USAF e dos “marines” é possivel que submarinos despejariam centenas de TLAMs.

Arrisco comparar, guardadas as devidas proporções, que seria algo como Georgia X Russia que o Juarez mencionou acima.

Mas é mais provável que o Paraguai invada novamente o Brasil antes disso ocorrer. 🙂

abraços

fragatamendes
fragatamendes
8 anos atrás

Vamos ver daqui mais uns anos, se os VENEZUELANOS, vão conseguir manter e operar adequadamente estas armas, se a Russia não manterem a reposição de sobressalentes e etc….Abraços do MENDES.

joseboscojr
joseboscojr
8 anos atrás

Marcelo,

Claro que os EUA respeitam os sistemas S-300 e S-400, assim como respeitam os canhões 40L70, basta se colocarem dentro da zona letal desses sistemas independente de terem 4 km ou 400 km de alcance.
E claro que se eles puderem exercer sua influência para evitar a venda de armas, eles irão solicitar que a Rússia não venda nem bombinhas de São João para qualquer um que esteja em seus planos de ataque.
Agora, eu considero que os recursos à disposição dos americanos fazem de qualquer sistema antiaéreo um empecilho passageiro, principalmente nas mão da Venezuela.

aldoghisolfi
aldoghisolfi
8 anos atrás

A Venezuela é abatida em pouquíssimo tempo sem que seja preciso disparar um tiro sequer… se o inimigo for o tio Sam, basta que ele crie zonas de exclusão, uma militar e outra econômica/comercial e pronto. O acesso via Brasil (BV8) pode ser mantido fechado desde longínqua distância. A Guiana emprestará território para os americanos a qualquer momento de um possível conflito. Idem a Colômbia.

Marcelo
Marcelo
8 anos atrás

pois é gente, nem tanto ao céu, nem tanto ao inferno…por isso que eu disse que tudo depende da quantidade de sistemas comprados, do treinamento na operação deles e no suporte ao cliente dado pela Russia (que todo mundo sabe que é uma m….).
acho que estamos de acordo!
Abraços!
p.s.: Mas será que nossos amigos bolivarianos são tão ruins assim para operar esses sistemas?

Comandante Supremo
Comandante Supremo
8 anos atrás

Nossa que que isso aqui, o pessoal já tá tramando uma invasão Ianque a venezuela cruz credo que deus não ouça vcs se não o inferno vai ficar cheio tem gente adivinhando quantas bombas que vão jogar, no Irã por onde vão vir os ataques e blá blá blá blá blá. O mais Hilario e o comentário de alguns o titio sam destrói aquilo ali rapidinho, que e desperdício de dinheiro comprar um S300 que Tio acaba rapidinho com ele, acho que o Ministério da Defesa deve ter o mesmo pensamento que vcs e o FHC, Forças armadas pra quê,… Read more »

joseboscojr
joseboscojr
8 anos atrás

Comandante, Se for pra evitar um ataque americano, que eu pessoalmente descarto completamente mas que o Chaves alardeia como sendo não só possível como altamente provável, eu acho que é desperdício de dinheiro, idem. Temos que ter forças militares adequadas às suas funções constitucionais e de acordo com a grandeza de nosso país levando-se em consideração uma série de cenários previstos. Mas repito, se for para deter uma improvável invasão americana, não temos como lhes opor resistência pelo menos nos próximos 30 anos e não há nada que façamos que os impeçam de sugarem o pré-sal ou nos roubar o… Read more »

joseboscojr
joseboscojr
8 anos atrás

Correção: Se for pra evitar um ataque americano, que eu pessoalmente descarto completamente mas que o Chaves alardeia como sendo não só possível como altamente provável, eu acho que é desperdício de dinheiro. Se o Brasil quer gastar dinheiro com suas forças armadas com o mesmo objetivo, idem. Temos que ter forças militares adequadas às suas funções constitucionais e de acordo com a grandeza de nosso país levando-se em consideração uma série de cenários previstos. Mas repito, se for para deter uma improvável invasão americana, não temos como lhes opor resistência pelo menos nos próximos 30 anos e não há… Read more »

joseboscojr
joseboscojr
8 anos atrás

Haroldo, Cada um sabe onde o calo aperta. O sistema S-300 pode até ser mais capaz do que o sistema Patriot porque a enfase da defesa antiaérea americana se da em torno da sua capacidade antibalística, da C-RAM e da capacidade anti cruise missile. Os americanos têm a irritante mania , rsrsrsrs, de estabelecerem e manterem a superioridade aérea nas áreas em que atuam e consideram menor a capacidade anti-aérea convencional (contra aviões de asa fixa e rotativa) e inclusive a capacidade counter PGM, já que é improvável que alguma aeronave se aproxime a ponto de lançar mísseis sup-ar táticos.… Read more »

juarezmartinez
juarezmartinez
8 anos atrás

Perfeito Bosco! Tire os radares diretores de tiro das baterias AA fora do ar e acabou, para isto o nosso amigo Bolivariano teri[a que ter a já bem comentada superiorida aérea no To , mas como n´so todos sabemos nem um sistema AWACS ele tem, etnão…menos super trunfos……

Grande abraço

Daglian
Daglian
8 anos atrás

Comandante Supremo,

Com todo o respeito, porém os comentários são e serão obviamente ESPECULAÇÕES. A não ser que haja coronéis das forças armadas venezuelanas ou dos EUA aqui, não há como sabermos se metade do que falamos é verdade. Mas a graça é tentar aproximar isso o máximo da realidade. Somos entusiastas, e daí é interessante, de novo, ESPECULAR, o que aconteceria se os EUA eventualmente atacassem a Venezuela. Não vejo problema algum nisso pois este é o local correto para este tipo de discussões.

Sds.

Marcelo
Marcelo
8 anos atrás

Falou e disse Daglian, é isso Mesmo!

joseboscojr
joseboscojr
8 anos atrás

A fórmula para qualquer nação se opor com eficiência no teatro convencional ao poderio aéreo americano é simples, bastando que o dito cujo tenha a quantidade, a variedade e a qualidade pelo menos igual ou de preferência superior às aeronaves americanas que tenham sido disponibilizadas para determinada ação, além disso tem que ter treinamento, experiência real de combate e táticas e técnicas adequadas. O mesmo vale para as forças navais e terrestres. Claro que forças menores podem ter capacidade dissuasiva já que poderiam cobrar um preço inaceitável politicamente para o sedento invasor do norte, rssrsrsr, mas mesmo para apenas ter… Read more »

Ivan
Ivan
8 anos atrás

Mestre Bosco e demais amigos, Acredito que caímos na ‘pegadinha’ do Chavez… 🙂 A compra de armas da República Bolivariana da Venezuela tem objetivos diferentes que simplesmente deter uma invasão imperialista dos Yankees comedores de cachorro quente. P’ra começo de conversa o melhor negócio para a Venezuela é vender seu petróleo para os EUA, pois seu óleo é de baixa qualidade, pesado e precisa de refinarias específicas para suas características, justamente as norte americanas do Caribe. Sim, como vcs sabem o maior cliente bolivariano é seu ‘inimigo’ declarado. P’ra continuar a conversa o melhor negócio para os americanos é comprar… Read more »

Marcelo
Marcelo
8 anos atrás

“Fica a questão:
Porque tantos Flankers e T-72s?
Porque mísseis de defesa aérea S-300 e Buk-M1-2?
Contra quem ele pretende lutar?”

bem que o Chavito podia ter comprado T-90 né? T-72 é meio démodé…
pelo menos para mim, que sou um entusiasta, ia ser mais interessante. Mas acho que o T-72 combina bem com os nossos Leos 1…tipo Guerra Fria década de 70…ô pobreza…

Ivan
Ivan
8 anos atrás

Um líder populista ou simplesmente autoritário pode começar uma guerra externa para desviar a atenção dos problemas internos. Não seria novidade no mundo, muito menos na América Latina. Na verdade já há um conflito, ou guerra de conquista, latente para Caracas desviar a atenção popular, uma disputa de fronteira com a pequena Guiana. Antiga Guiana Inglesa, hoje país independente, fica entre a Venezuela (oeste) e o Suriname (leste), com o Brasil ao sul e o Caribe ao norte. Desde 1963 a Venezuela reclama todo o território que fica a leste do Rio Esequibo, metade de toda a Guiana. Nem mesmo… Read more »

joseboscojr
joseboscojr
8 anos atrás

Viajando na maionese e afogando no ketchup…. O que o Brasil precisaria para se contrapor a um hipotético ataque de uma hipotética coalizão de potências ocidentais lideradas pelos EUA para forçar a internacionalização da Amazônia, tão apregoada tanto por intelectuais americanos de direita quanto por intelectuais da esquerda brasileira? Primeiro, teríamos que ter forças convencionais (de ar, terra e mar) capazes de segurar um ataque, principalmente por ar e mar, impondo um alto custo ao agressor a ponto de retardá-lo, detê-lo e fazê-lo recuar. Por ar, a maior ameaça seriam os bombardeiros e para tanto teríamos que ter sistema de… Read more »