segunda-feira, junho 27, 2022

Saab Naval

MB na Guerra Fria: submarino soviético na UNITAS XXIV

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Durante a Operação UNITAS XXIV, em outubro de 1983, com a participação do submarino nuclear americano USS Skipjack SSN-585o submarino brasileiro Bahia (S12) foi testemunha de um fato inusitado. Durante o exercício, o operador de sonar do submarino Bahia que estava de serviço na PAC (Plotagem de Alvos e Acompanhamentos) informou um contato submarino com cerca de 35 nós de velocidade!

O contato ultra-rápido não era o submarino americano e foi dada ordem para o submarino brasileiro subir à superfície em emergência. O USS Skipjack foi atrás do contato, mas o submarino intruso mergulhou para uma profundidade maior e aumentou a velocidade, fazendo com que o americano o perdesse. Logo após foi restabelecida a condição normal do exercício.

Mas o evento ocorrido em 1983 não tinha sido o primeiro. Em 1980, durante a UNITAS XXI, entre os portos do Rio de Janeiro, Salvador e Recife, os  aviões Grumman S-2E Tracker (P-16E) da Força Aérea Brasileira, operando a partir do NAeL Minas Gerais, obtiveram um registro atípico no seu sistema de sonoboias Julie/Jezebel, fora dos padrões dos submarinos nucleares americanos presentes no exercício.

Um P-3 Orion da Marinha dos EUA que participava da operação foi chamado e confirmou: tratava-se de um visitante não convidado, um submarino soviético.

NOTA DO PODER NAVAL: se você leitor conhece mais histórias como essa da MB durante a Guerra Fria, envie e-mail para alexgalante@naval.com.br com o relato.

FOTO: submarino nuclear americano USS Snook (SSN 592), da mesma classe do USS Skipjack, em visita ao Rio de Janeiro, em 6.1.1984, durante a Operação UNITAS XXV.

LEIA TAMBÉM:

- Advertisement -

21 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
21 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
MO

uia, um Alfa por aqui ???????

José da Silva

A BOMBA esta em SANTOS !!!

Marcos

Em resumo: quando a coisa complica, ou nem tanto, chama os americanos.

GUPPY

Grumman S-2E Tracker (P-16E) da FAB eram recém-chegados em 1980? Cancei de vê-los em Recife em 1975. A menos que a minha memória esteja sentindo a idade, hehehe.

GUPPY

Já ouvi histórias parecidas com a da matéria só que de supostamente submarinos nucleares americanos acompanhando a esquadra brasileira em exercícios. Quando descobertos, fugiam em alta velocidade. Mas nada que comprove existe.
Outro dia estive pensando: será se quando eu viajava no Ary Parreiras-G21, a 13 nós, algum submarino nuclear, seja soviético, seja americano, não iniciava os procedimentos de lançamento de torpedo, como exercício? Isso em 1976.

Alfredo Araujo

“Marcos disse:
3 de julho de 2012 às 19:55
Em resumo: quando a coisa complica, ou nem tanto, chama os americanos.”

Discordo…

Não era uma “guerra” nossa… era uma guerra dusamericanos… então eles q resolvam… Não se meter, eu considero, um ato de neutralidade, não de covardia.

Guilherme Poggio

Alfredo Araujo

Não era uma “guerra” nossa… era uma guerra dusamericanos… então eles q resolvam… Não se meter, eu considero, um ato de neutralidade, não de covardia.

Perfeito!

Como na II Guerra. Ficamos neutros até que o número de baixas brasileiras chegou ao insustentável. Aí chamamos “usamericanu”.

Fabio ASC

Não sei de quem foi esta idéia maravilhosa, mas estou adorando esta Histórias, que venham mais logo……

Parabéns PN.

Observador

Alfredo Araujo disse:
3 de julho de 2012 às 21:19

Caro Alfredo:

Discordo de você.

Se o submarino estava em águas brasileiras sem ser convidado, era assunto nosso sim.

E o fato levanta algumas questões:

Por que o submarino brasileiro veio à tona?

Não ficou mais vulnerável nesta posição?

Não participou da perseguição por que não tinha velocidade ou por que não tinha armamento suficientes?

Ou veio à tona para não ser confundido com o invasor?

daltonl

A maior velocidade que encontrei para um “Victor” foi 33 nós, mas
como o Galante, também acredito que teria sido um “Victor” e não um
“Alfa” até pela quantidade de submarinos existentes .

Apenas 5 dos 7 Alfas estavam em operação na época. O primeiro já havia sido retirado de serviço devido a problemas insoluveis com o reator e um segundo que também passou por problemas estava na época sendo reparado e só retornou à ativa em 1991.

daltonl

Os “Skipjacks” já não eram mais o suprassumo da força submarina da US Navy na época, imagina então o ” velho ” Bahia S-12…ainda válido
para alguns tipos de missões mas não lidar com um moderno SSN.

Fabio ASC

Será que, ao detectar o sub nesta velocidade, o “Bahia” percebeu que seria inútil ir atrás do mesmo, e talves até quiz preservar sua integridade, pois nesta velocidade só nucs mesmo (correto?).

Sem falar que, se um sub está fazendo exercícios com outra força, é porque estas são amigas, portanto nada mais lógico que “pedir ajuda” ao Amigo.

Será que o “Victor” seguiu o Americano, ou espionava águas brasileiras?

giordani1974

Dúvida. O exercício foi em águas internacionais ou o Victor invadiu?

Observador

Galante disse: 4 de julho de 2012 às 10:22 Caro Galante, É, foi o que eu imaginei quando fiz as perguntas acima. O S-12 não tinha velocidade suficiente para alcançar o submarino e nem armamento adequado; assim, o melhor era ir à superfície e sair do caminho dos americanos. Aí se vê as limitações de um submarino convencional para fazer frente a um submarino nuclear: o primeiro só representa perigo se esperar silenciosa e pacientemente segundo entrar no seu alcance. É a estratégia do jacaré: ficar estático, submerso, só com os olhos (sensores) de fora, esperando que a caça venha… Read more »

daltonl

Caro Observador… não sei se este incidente ajudou a justificar nosso SSN, afinal estes jogos de gato e rato eram muito comuns entre americanos e sovieticos e o russo provavelmente quis ser “ouvido” e o americano mordeu a isca. SSNs eram e continuam sendo muito barulhentos quando em alta velocidade e hoje a tendencia é que SSNs sejam um pouco mais lentos e mais furtivos vide os novos “Virginias” quando comparados com os “Los Angeles”. Um SSN teria que se preocupar com um SSK moderno, o que não era o cado do Bahia S-12, um “barco” da II Guerra, modernizado… Read more »

Iväny Junior

Melhor emergir do que ser um alvo. O pobre Bahia não tem chance contra qualquer SSN.

Publicidade
Parceiro

Últimas Notícias

MODELISMO: Ateliê de Maquetes de André Gomes

O Ateliê de Maquetes de André Gomes produz modelos navios de guerra e mercantes sob encomenda. (Contato: 21-96598-8318 e...
- Advertisement -