Técnicos retiram balsa que encalhou no litoral paulista

    366
    0

    Rebocador ainda está no local

     

    Depois de três dias de trabalho, os técnicos conseguiram retirar a balsa que encalhou em uma praia do litoral paulista. Mas o rebocador ainda está no local.

    No começo da tarde houve uma tentativa de desencalhar a embarcação. Treze mil litros de óleo diesel foram retirados do rebocador para deixá-lo mais leve, mas um cabo arrebentou. O trabalho deve recomeçar na madrugada desta quarta-feira (26).

    FONTE: O Globo, via Sinopse da Marinha

    PARA ENTENDER O CASO

    MARINHA DO BRASIL
    COMANDO DO 8º DISTRITO NAVAL
    CAPITANIA DOS PORTOS DE SÃO PAULO
    ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

    “NOTA À IMPRENSA”
    Santos, 23 de dezembro de 2012.
    ENCALHE DE REBOCADOR E BALSA NA PRAIA DE SANTOS
    Por volta das 22:00 horas do dia 22 de dezembro de 2012, o Rebocador “Titã”, enquanto rebocava a “Balsa Rubinéia” encalhou nas proximidades do Canal 4, na Praia de Santos. Em virtude das condições meteorológicas apresentadas na noite do dia 22, o
    rebocador reduziu o comprimento do cabo de reboque. Em consequência, o cabo enroscou no hélice e partiu, acarretando perda da propulsão do rebocador e deixando a balsa à deriva. Na tentativa de evitar o encalhe, o rebocador lançou o ferro (âncora),  sem sucesso, pois não aguentou a força da corrente local, o que acarretou o encalhe de ambas as embarcações. No início desta madrugada, durante a preamar (momento em que a maré atinge seu nível máximo), o rebocador conseguiu liberar o hélice e realizou diversas tentativas de “desencalhe natural”, mas não obteve êxito. Apesar de não haver, até o momento, impacto ambiental ou vítimas, a Capitania dos Portos de São Paulo (CPSP) instaurou inquérito administrativo denominado Inquérito sobre Acidentes e Fatos da Navegação (IAFN) para apurar as causas do fato, bem como seus responsáveis, cujo prazo para conclusão é de até 90 dias. A situação se encontra sob a coordenação e controle da CPSP, que aguarda a apresentação de um “Plano de Desencalhe” pela Agência representante do Armador (Laçador Navegação Ltda), a fim de que seja possibilitada a retirada das embarcações do local, com o isolamento da área, sob a supervisão da CPSP, que já possui peritos no local desde a madrugada acompanhando o desenrolar da situação.
    Capitania dos Portos de São Paulo

    Deixe um comentário

    avatar
      Subscribe  
    Notify of