quarta-feira, dezembro 1, 2021

Saab Naval

Array

Mais cara que o F-X2

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.naval.com.br
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

FREMM recursos

A Marinha prepara uma licitação mais cara que a dos caças, encruada desde o governo Lula. A força quer comprar cinco navios-patrulha, cinco fragatas e um navio de apoio. A conta chega a 4,2 bilhões de euros. Estão pré-qualificados para a concorrência os governos da Alemanha, Coréia do Sul, França, Itália, Espanha, Holanda e Inglaterra. As embarcações deverão ser construídas no Brasil com tecnologia stealth, que impede a sua identificação por radar.

FONTE: Época

NOTA DO EDITOR: título original – “No mar: Marinha prepara uma megalicitação”

- Advertisement -

32 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
32 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Daglian

Isso deve demorar pra sair (se sair) tal como o FX-2.

Agora… a tecnologia stealth não “impede” a detecção da embarcação, apenas dificulta ao máximo esta situação, tal como mesmo caças de 5a geração não são totalmente imunes a detecção por radar.

andreas

Tomara que saia, e seria muito bom se fosse a Type 26, ou a Fremm italiana.

Luiz Monteiro

Para ser stealth o meio naval precisa reduzir suas assinaturas radar, sonar e térmica.

Vou levantar o cronograma (anos) em que os atuais 14 escoltas serão desencorporados do serviço ativo da MB e irei postar aqui. As incorporações dos escoltas de 6.000t, bem como as corvetas “Barroso Mod.” deverão seguir este cronograma.

MO

Ofi topica ao topico, mas se alguem se enteressar na imagem do Timbira entrando em SSZ ontem: http://santosshiplovers.blogspot.com.br/2013/01/s-timbira-s-32-pwti-demandando-o.html

Luiz Monteiro

Conforme prometido segue o cronograma de incorporação e desincorporação dos navios de escolta da MB. A escolha de qual navio da respectiva classe, dependerá de vistoria a ser realizada anualmente, a partir de 2018: Incorporações: 2017 – Incorporação do primeiro escolta de 6.000t; 2019 – Incorporação do segundo escolta de 6.000t; Incorporação da primeira Barroso Mod. 2020 – Incorporação do terceiro escolta de 6.000t; 2021 – Incorporação do quarto escolta de 6.000t; Incorporação da segunda Barroso Mod; 2022 – Incorporação do quinto escolta de 6.000t; Incorporação da terceira Barroso Mod; 2023 – Incorporação da quarta Barroso Mod. O segundo lote… Read more »

andreas

Luiz Monteiro, 2017 para a entrega da 1ª Escolta de 6.000 toneladas, não está já muito apertado? A MB teria de decidir nesse primeiro semestre a classe escolhida para dar tempo pra isso…

Giordani

Penso que a MB tem mais “competência” política…

andreas

Concordo Giordani!

thomas_dw

o resultado da concorrencia deve sair junto com o FX3

daltonl

2017 quando muito poderá ser a data de lançamento ao mar, desde que,
a construção seja iniciada ainda ao menos no fim de 2014 restando
portanto agora uns 22 meses para a assinatura do contrato e os preparativos iniciais para a construção.

andre.dadys

Pois bem, vejamos:

O FX-2 ou 3 ou 156, não importa, está servindo de “cortina de fumaça” para um monte de coisas que a MB vem conseguindo, tais como:
– a construção do estaleiro para os submarinos,
– a compra de novos navios patrulha,
– o desenvolvimento do reator nuclear, etc…

Não se pode reclamar na verdade. Acho até que a MB vem recebendo mais “presentinhos” que as suas “forças irmãs” FAB e EB.

daltonl

Espero que os submarinos não sejam uma “cortina de fumaça” para os problemas da força de superficie, André. O nr historico de combatentes de superficie era 18, agora são 14 incluindo 4 Inhaumas que por razoes obvias não tiveram seu desenho repetido. Ano passado deu baixa o “Rio de Janeiro” e o irmão dele teve/está tendo um PMG de duração maior do que um RCOH de um NAe da US Navy…mais de 4 anos e ambos foram comissionados em 1956 e há outros casos “geriatricos” também. O PMG da fragata Defensora está indo para o terceiro ano isto se de… Read more »

eduardo.pereira1

Bem que eu gostaria de umas kdx III na MB e as novas Barroso nos moldes das (se tiver errado me corrijam) Pks tbm da familia coreana.

daltonl

Eduardo…

Os KDs III – o x foi usado apenas na fase de projeto – são grandes demais e totalmente fora do que a MB quer, navios com no máximo 6000
toneladas a plena carga.

Se vc está se referindo as novas FFKs coreanas/Ulsan class então sim,
enquadram-se na realidade de Barrosos melhoradas.

marciomacedo

No site Defesabr há uma análise de possíveis desdobramentos de programas da MB, como a construção de quatro Tipe 23 com equipamentos das novas fragatas inglesas (T26). Parece, no entanto, que isso ficou para trás, com a abertura próxima da nova concorrência. Alguns comentários neste post também confirmam isso, como a escala de desincorporação de unidades hoje na ativa.

eduardo.pereira1

Daltonl ,valeu ! Realmente a classe da kdsIII é bem mais pesada e sai bem fora do que almeja a MB.
A propósito o navio ao qual me referia sobre as novas Barroso nao tem nada a ver com o que escrevi(onde eu tava com a cabeça), trata-se do ff ,ha algumas fotos do projeto ao lado da kdxIII no google .

juarezmartinez

Este cronogram de incorporações é mais uma peça cientifica protgnizada pela atual MB do Pt, infelizment que esá levando a outrora gloriosa MB ao quase fim. Piada né, escolta de 6000 tons e não consegue manter uma de 3,.600 full operation, só pode ser coisa wescrita pelos mesmos duentes mentais donos do blog que propagava a volta do SP em 2009 em 2010 em 2011 em 2012, e aqueles debil mental ou melhor sem vegonha CMG da reserva que se intitulava O DONO DA MARINHA.
Esquiecam, o negpócio do anda deposi do FX e olhe lá.

Grande abraço

nunes neto

tb acho que esse cronograma de incorporação tá fora da realidade,um navio patulha de 500 toneladas leva mais de dois anos para ser lançado nesse país, lembram quantos a MB ia ter em pouco tempo 47? A ficha caiu e já foi bemmmmmmmmmmm reduzido esse número,essa incorporação de uma escolta por ano,faz-me rir……..

Luiz Monteiro

Prezado Dalton,

Assim como está ocorrendo no caso do submarino “Riachuelo” (S40), cujas seções de casco serão produzidas no estaleiro de origem (DCNS), com supervisão de engenheiros e técnicos da MB, e apenas a montagem final realizada em Itaguaí, assim acontecerá, também, com a primeira unidade da nova classe de navios de escolta de 6.000t.

Por isso, a segunda unidade (Primeira totalmente construída no Brasil) será completada dois anos depois da primeira (2019)

Luiz Monteiro

Prezado Juarez Martinez,

O cronograma supramencionado foi estabelecido pela Diretoria-Geral do Material da Marinha / Coordenadoria do Programa de Reaparelhamento da Marinha (DGPM / C-PRM) e não por supostos “duentes mentais donos do blog que propagava a volta do SP em 2009 em 2010 em 2011 em 2012, e aqueles debil mental ou melhor sem vegonha CMG da reserva que se intitulava O DONO DA MARINHA.”

Não sou dono de blog, nem fui para a reserva, ainda! O único “dono de blog” que conheço é o Galante.

daltonl

Luiz…

compreendo que o primeiro será construido no exterior, o que não compreendo é como o primeiro será incorporado em 2017, ou seja
em apenas 4 anos quando nem o contrato foi assinado ainda !

Um Arleigh Burke, mesmo maior, pode ser comissionado em menos de 4 anos, mas não é o caso dos europeus.

abs

Baschera

Luiz Monteiro,

Comandante, há quanto tempo não o víamos (ou eu que venho pouco…) por aqui….

Pergunto: Que tipo(s) de modificação(es) na “Improved Barroso” ou Barroso Mod. podemos esperar em relação a V-34 ??

Grande Abraço.

Luiz Monteiro

Prezado Baschera,

Não tenho tido tempo mesmo. Bom falar contigo novamente.

Ainda não foram definidos os Requisitos de Estado-Maior (REM) nem os Requisitos de Alto Nível de Sistemas (RANS) para as futuras corvetas.

Todavia, a MB precisa de meios com deslocamento entre 2.500 e 3.000 toneladas. Com características que reduzam suas assinaturas radar, sonar e térmica. Esses escoltas deverão ser capazes de operar um helicóptero orgânico (capacidade de hangaragem) de até 10 toneladas.

O canhão principal poderá ser de 76 mm. Terá sistema de mísseis de defesa aérea de ponto, 4 mísseis mar-mar e metralhadoras.

Abraços

Luiz Monteiro

Faltou falar que disporão de 2 lançadores triplos para torpedos Mk-46 ou similar.

Luiz Monteiro

Dalton, O escolta de 6.000 toneladas a ser escolhido, será muito semelhante àquele operado pelo país de origem. As diferenças devem ficar no sistema de combate que será de origem nacional. A parte externa e o armamento não divergirão dos navios originais operado pela marinha daquele país. Em razão da crise financeira vivida pelos países europeus, deve ocorrer atraso nos seus pedidos, possibilitando que os super blocos do primeiro escolta a ser construído sejam “postos na frente” na cadeia de produção do estaleiro escolhido e, assim, possa ser finalizado até dezembro de 2017. Outrossim, vale ressaltar que o cronograma depende… Read more »

juarezmartinez

Prezado Juarez Martinez, O cronograma supramencionado foi estabelecido pela Diretoria-Geral do Material da Marinha / Coordenadoria do Programa de Reaparelhamento da Marinha (DGPM / C-PRM) e não por supostos “duentes mentais donos do blog que propagava a volta do SP em 2009 em 2010 em 2011 em 2012, e aqueles debil mental ou melhor sem vegonha CMG da reserva que se intitulava O DONO DA MARINHA.” Não sou dono de blog, nem fui para a reserva, ainda! O único “dono de blog” que conheço é o Galante. Read more: http://www.naval.com.br/blog/2013/01/28/mais-cara-que-o-f-x2/#ixzz2JUpCKcJL Caro Sr. Luiz Monteiro, eu não me referia ao senhor… Read more »

Luiz Monteiro

Prezado Juarez Martinez, Inicialmente, gostaria de esclarecer que não tive a intenção de agredi-lo ou disse que sabia mais que qualquer outro comentarista do blog. Suas perguntas são pertinentes e, desde já, concordo com V.Sa. que, caso não haja aumento de orçamento e ao mesmo tempo priorização de investimentos por parte da MB, não será possível operar nem o que a Esquadra possui hoje. Respondendo ao questionamento sobre como a MB fará para operar os novos navios de escolta de 6.000 toneladas, vou tentar explicar. Hoje, os custos de manutenção e operação das fragatas da Classe “Niterói” e Classe “Greenhalgh”… Read more »

Luiz Monteiro

Prezado Juarez Martinez, O mesmo raciocínio serve para o “Ceará”, “Marajó”, entre outros meios. Imagine que você tem uma frota de Maverick’s dos anos de 1970 em operação nos dias de hoje. É um veiculo excelente, mas que deixou de ser fabricado há muito tempo. E você possui uma frota deles. Se for necessário substituir uma peça do motor, da suspensão, do câmbio, vidros, lanternas, ou qualquer outra, você precisará encomendar sob medida. Isso vai custar caríssimo e até que fabriquem e te entreguem, vai demorar. Além disso, o dinheiro não está sobrando. É melhor substituir sua frota por veículos… Read more »

andreas

Caro Comandante Luiz Monteiro, muito obrigado por todas as suas explicações, aprendi muito com elas hoje. E anseio muito que tanto as novas Barrosos quanto às novas Fragatas saiam do papel!

Luiz Monteiro

Prezado Andreas,

Também anseio que consigamos substituir todos os escoltas por meios modernos e no estado da arte.

Abraços

Baschera

Comandante Monteiro,

Grato por responder.

Torcemos que os cronogramas e principalmente as verbas sejam generosamente cumpridos (as).

Sds.

juarezmartinez

de janeiro de 2013 às 19:13 Prezado Juarez Martinez, Inicialmente, gostaria de esclarecer que não tive a intenção de agredi-lo ou disse que sabia mais que qualquer outro comentarista do blog. Igualmente eu ao senhor, pois me referia um outro oficial que hoje graças a Deus para o bem da MM foi para o Pijama de” livre e espencada” vontado para deixar de se meter aonde não deve. Suas perguntas são pertinentes e, desde já, concordo com V.Sa. que, caso não haja aumento de orçamento e ao mesmo tempo priorização de investimentos por parte da MB, não será possível operar… Read more »

Publicidade
- Publicidade -
Parceiro

Últimas Notícias

Reator nuclear pode tornar Brasil autossuficiente em radiofármacos

Empreendimento reduzirá riscos de desabastecimento e custos dos medicamentos, além de ampliar o acesso dos brasileiros à medicina nuclear São...
- Advertisement -