Home Noticiário Internacional Austrália investe em desenvolvimento de radar nacional

Austrália investe em desenvolvimento de radar nacional

249
10

phased array CEA Technologies

O Departamento de Defesa divulgou hoje uma solicitação para a CEA Technologies para o desenvolvimento de demonstrador de conceito do radar de varredura de alta potência.

CEA Technologies Pty Ltd é uma empresa baseada na cidade australiana de Camberra cuja tecnologia de radar CEAFAR está sendo implementada nas fragatas classe Anzac da Royal Australian Navy (RAN) como parte do projeto de atualização dos navios.

“Esta solicitação é para o desenvolvimento de sistemas baseados no radar CEAFAR que podem dar suporte a aquisições futuras como o Projeto  SEA 5000, que seria a próxima classe de fragatas da marinha australiana,” informou o ministros da Defesa, Mike Kelly.

“O montante inicial do investimento foi antecipado para a casa dos quatro milhões de dólares [australianos, possivelmente].”

O desenvolvimento de um Radar de Varredura de Alta Potência baseado no radar CEAFAR introduzirá investimentos consideráveis por parte do governo australiano em programas de pesquisa e desenvolvimento  locais e soluções para as futuras fragatas.

FONTE: Ministéro da Defesa da Austrália (tradução e adaptação do Poder Naval)

10
Deixe um comentário

avatar
8 Comment threads
2 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
8 Comment authors
MarcoserabreuColombelliMOdaltonl Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Soyuz
Visitante
Member
Soyuz

Aqui no Brasil se estivéssemos realmente coerentes com o projeto estratégico de um SNA, deveriamos estar nesta altura dos acontecimentos demonstrando um SINCONTA versão embarcada em submarinos que deveria ser JÁ incorporado no primeiro Scorpene brasileiro. Igualmente termos um demonstrador de tecnologia de sonar que também deveria ser incorporado nos Scorpenes. Submarino não é só casco e reator. Isto é parte do problema mas não o todo. Ninguem vai ser bonzinho de vender subsistemas ao SNA. Até mesmo os franceses vai chegar uma hora em que ou vai vender um sonar, periscópio, gerador elétrico ou seja lá o que for,… Read more »

virgilio
Visitante
Member
virgilio

Mas o presidente Russo numa entrevista ao Fantástico disse que vende tudo o que o Brasil quiser e passa até tecnologia é só pagar bem!!!

Em outras palavras tem dinheiro que gastar a Russia dá o que quiser simples não?.

Apesar que tenho um pé atras em armamentos Russos.

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Calma Soyuz,

Acabamos de aprovar a END e a BID, depois de 30 anos de sucateamento de nossas FFAA,.

A propósito, alguém sabe que classe de naviot é esta da foto?

MO
Membro

Anzac Australopiteca

daltonl
Membro
Member
daltonl

Marcelo…

trata-se de uma fragata “Anzac” a HMAS Perth !

abs

Colombelli
Visitante
Member
Colombelli

Marcelo, meu chará, pelo andar da carruagem do FX-2 e Prosuper, não podemos esperar muita coisa da END. Muita megalomania e pouca ação até o momento em vista do tamanho da ambição. O Soyuz tem razão, pois, ao que consta, há tecnicos aprendendo soldagem na França, mas fora a parte de construção em si, ou seja, o casco, não se nota movimentação para aquisição de tecnologias em outras áreas necessárias à operação dos submarinos. Não adiantará sabermos fazer o casco e o sistema de propulsão, nuclear ou não, se ficarmos na mão deles para o restante e este restante é… Read more »

daltonl
Membro
Member
daltonl

Complementando, a fragata HMAS Sidney já chegou à Yokosuka
no Japão lar do USS George Washington, onde permanecerá pelos próximos três meses treinando com a US Navy e ganhando experiência
para quando os novos DDGs e LHDs entrarem em serviço além da
continuidade da boa relação com o Japão.

A HMAS Sidney é uma fragata classe Perry e apesar da US Navy não possuir mais nenhuma Perry baseada no Japão desde 2007 já que
não eram mais consideradas adequadas, a HMAS Sidney ao contrario manteve o lançador de misseis MK-13 para SM-2/Harpoon e conta com um VLS para 32 ESSM.

erabreu
Visitante
erabreu

TEMOS END, LIVRO BRANCO. VAMOS TER 2a. FROTA, CAÇAS MULTI-HOLE, SUBNUC DESDENTADO….
Muito papo para enganar trouxa.
Esses caras acham que esse papo furado vai impressionar e manter afastados possíveis adversários.
Mas também, a gente somos tudo gente boa, nóis tem praia, samba, cerveja, churrasco, futibó e mulé de tanga. Deixa nois quieto aqui no nosso canto, seu yankee (muito embora eu ache que os chinas são muito mais perigosos…)
Politicalha e imprensa de M.

MO
Membro

risos bem por ai ‘multi hole’ = esburacado … quanto a “vamos ter” .. eh ruim eim .. heheheh, abs !

Marcos
Visitante
Marcos

Essa submarino nuclear brasileiro é uma falácia. Esse negócio foi somente para justificar a aquisição de submarinos franceses, que por si só são estão obsoletos, se comparados com os submarinos equipados com AIP.
Ao final teremos quatro submarinos convencionais com tecnologia da década de 70, nenhuma submarino nuclear e terão sido submergidos bilhões de reais num projeto fantasioso.
Repito o que já disse: não há um único parafuso que será utilizado no Scorpène que seja aproveitado no Elefante das Profundezas.