segunda-feira, março 8, 2021

Saab Naval

‘Economist’: resultado do leilão do pré-sal revela fraqueza do modelo

Destaques

IMAGENS: Navio-Aeródromo Ligeiro Minas Gerais – A11

Algumas das melhores fotos do NAeL Minas Gerais (A11) com seu grupo aéreo embarcado de aviões P-16 Tracker da...

TOPEX 1-87: USS Nimitz e cruzador nuclear USS California no Brasil, em 1987

Em 1987 eu era tripulante da fragata Niterói - F40 e quando estava em operação no mar, fazia parte...

SIMULAÇÃO: ‘Operação Pólvora’ – FAB e MB enfrentam o USS Nimitz

No início de novembro, o presidente Jair Bolsonaro em discurso com tom bélico ameaçou usar pólvora quando acabar a...
Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

marcosdepaulaEstadao600

A revista britânica The Economist publica na edição que chega este fim de semana às bancas reportagem sobre o primeiro leilão para exploração do pré-sal. Com o título “Preço barato”, a reportagem diz que a presença de apenas uma proposta para os campos de exploração de petróleo mostra “a fraqueza da abordagem liderada pelo governo para desenvolver as reservas”. Para a revista, o resultado do leilão “foi uma decepção”.

Na reportagem, a revista diz que a “a presença da Shell e da Total no consórcio vencedor permitiu que o governo declarasse o leilão como um sucesso”. Apesar disso, a publicação discorda. “Enquanto o governo esperava mais de 40 empresas interessadas, apenas 11 se registraram no leilão”, lembra o texto. “E, apesar de ter esperado pelo menos a oferta de seis consórcios, só foi feita uma proposta e com o valor mínimo exigido”, diz a reportagem.

“A falta de competição foi uma decepção após a euforia de seis anos atrás quando o presidente da época, Luiz Inácio Lula da Silva, descreveu o pré-sal como um ‘bilhete de loteria premiado'”, diz o texto. Para a revista, uma das causas dessa falta de interesse foi a demora do governo em oferecer os campos. “Durante a longa espera, enquanto as regras do leilão foram reescritas e os governos discutiam como dividir os eventuais recursos, o xisto retirou do pré-sal o título de perspectiva energética mais emocionante do mundo. A maioria do interesse privado desapareceu”, completa a reportagem, que destaca a ausência das gigantes BG, BP, Chevron e Exxon.

Apesar das críticas, a reportagem reconhece que as perspectivas de extração dos campos nos próximos 35 anos “são tão vastas que os riscos de exploração são bem baixos”.

FONTE: O Estado de S. Paulo

- Advertisement -

11 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
11 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcos

Pois é!

Esperavam mais de quarenta propostas e só veio um consórcio.

E além de terem entregue nosso petróleo aos chineses, vão transferir toda a tecnologia de exploração em águas profundas e que levamos mais de cinquenta anos para conseguir, coisa que eles não tem.

Agora vem a governanta e diz que se trata de xenofobia.

Marcos

Até o “Líder” ficou furioso com esse negócio da entrega do Pré Sal aos estrangeiros:

Colombelli

So o governo mentiroso do PT para dizer que privatização é parceria” e que leilão com uma oferta e peço mínimo é sucesso. Isso é a antítese da finalidade de um leilão.

Meu espanto é que há pessoas que acreditam.

Marcos

Esse modelo foi pensado por um deputado do PCdoB, justamente para afastar empresas privadas.

Observador

Colombelli24 de outubro de 2013 at 16:23 #

Meu espanto não é que tem gente que acredita, afinal de contas, como dizia Phineas Taylor Barnum (ou P.T. Barnum!): “nasce um otário a cada minuto”.

Meu espanto é com o silêncio dos demais, que mesmo sem acreditar, apóia esta corja por omissão.

Eu não conto umas historinhas que sei do setor de energia elétrica porque aqui não é o lugar adequado, mas esta mania do PT de reinventar a roda está afastando todo o tipo de investimento.

Vamos virar o país do apagão. Energético, moral e intelectual.

Guilherme Poggio

Prezados,

Os erros cometidos na gestão anterior começam a ser corrigidos.

Plataformas que já deveriam estar em operação (os motivos pelo atrasado devem ser atribuídos à dupla Gabrielli/Lula) começarão a operar em breve.

Com isso a produção de petróleo aumentará e o governo aproveitará essa notícia para dizer que tudo está bem (quando na verdade está tudo atrasado).

Marcos

Guilherme Poggio

“Os erros cometidos na gestão anterior começam a ser corrigidos.”

Não vejo onde a dupla Mulher Maravilha/Bat Girl seja melhor que a dupla Super Man/Lanterna Verde.

É bom lembrar que a falta de linhas de transmissão de energia de origem eólica no RS é de responsabilidade da “Doutora” Gerentona Governanta e que a Gracinha mandou enterrar uma Máquina de R$ 100 milhões para cumprir prazos (eleitorais).

Guilherme Poggio

Caro Marcos

Algumas plataformas que já deveriam estar em atividade produzindo ou com capacidade aumentada, não estão. E isso ocorrerá em breve, com um pequeno atraso de três anos em média. E assim a produção deve sair da atual estagnação e subir. Essa subida será comemorada como uma vitória do governo e uma demonstração de sua eficiência, mas na verdade está atrasada.

Marcos

Quer dizer: US$ 100 milhões.

Observador

Marcos25 de outubro de 2013 at 12:07 #

É amigo, você só levantou a pontinha do lençol, ao mencionar a falta de linhas de transmissão para o parque eólico. Mas creio que este problema específico (das linhas para os parques eólicos) se dê muito mais no Nordeste que no Sul.

Marcos

Poggio:

Não sei se a coisa vai sair do lugar, já que poços mais antigos vem perdendo produtividade.

No mais, petróleo de Libra, se nada sair errado, só lá por 2020.

- Advertisement -

Guerra Antissubmarino

Quando o P-3AM Orion da FAB enfrentou um submarino nuclear

Imagine buscar um inimigo invisível em uma área de 2 mil quilômetros quadrados, equivalente a mais de 242 mil...
- Advertisement -
- Advertisement -