Home Opinião Perder suas bases na região é algo impensável para os líderes russos

Perder suas bases na região é algo impensável para os líderes russos

506
1
Sebastopol
Sebastopol

 

RICARDO BONALUME NETO, DE SÃO PAULO

ClippingNEWS-PAHá um fator que torna mais complexa a crise entre Rússia e Ucrânia em torno da Crimeia: as importantes instalações militares na região, notadamente a base de Sebastopol, sede da Frota do Mar Negro russa. Os líderes da finada União das Repúblicas Socialistas Soviéticas achavam que o comunismo não acabaria jamais, muito menos suspeitavam que as tais repúblicas fossem um dia se tornar países independentes.

O resultado foi espalhar russos étnicos por todo o vasto país e estabelecer instalações militares importantes em territórios fora da Rússia. Com a desintegração da URSS, isso significou que bases importantes passaram a ficar em território estrangeiro –como o centro espacial de Baikonur, no Cazaquistão.

O expansionismo russo a partir da Idade Média levou pouco a pouco as fronteiras do país na direção do mar, mas com restrito acesso oceânico mesmo no auge do poderio do país. Ao norte estão o gelado mar de Barents e o Ártico, região de difícil navegação. O mar Báltico e o mar Negro estão “fechados” por estreitos dominados por outros países.

O acesso oceânico só é mais livre no distante oceano Pacífico –longe da principal área econômica russa. Ter acesso a portos em “águas quentes” sempre foi um objetivo político da Rússia dos czares, encampado pela URSS.

Soviet_and_Russian_Black_Sea_Fleet

Durante o período soviético, Sebastopol era sede de uma poderosa esquadra que vigiava as frotas americanas no Mediterrâneo, por exemplo em momentos de crise, como a Guerra do Yom Kippur entre árabes e israelenses, em 1973. Nacionalistas russos como Putin têm saudades desse período em que o país era uma potência com influência planetária.

A Marinha da União Soviética entrou em grave decadência depois do colapso do comunismo. Não só muitos navios foram desativados, como alguns foram “repartidos” entre os novos países. A Ucrânia ficou com parte da Frota do Mar Negro, por exemplo.

Ironicamente, os principais estaleiros militares na região estão situados em Mikolaiv/Nilolaiev, no
território ucraniano. A melhora da economia russa trouxe um aumento de gastos militares e a Marinha voltou a operar mais continuamente, além de receber novos navios.

Perder o acesso aos estaleiros já foi um grande baque para o poderio da Marinha russa. Perder as bases navais na Crimeia é algo simplesmente impensável para os líderes russos. Mesmo que hoje a Marinha russa não tenha mais um rival tradicional, como era a americana durante a Guerra Fria, navios de guerra ainda são um forte símbolo de prestígio internacional.

Ïîäàðêè ïðåçèäåíòàì

FONTE: Folha de São Paulo

1
Deixe um comentário

avatar
1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
Ivan Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Ivan
Membro
Member
Ivan

“Há um fator que torna mais complexa a crise entre Rússia e Ucrânia em torno da Crimeia: as importantes instalações militares na região, notadamente a base de Sebastopol, sede da Frota do Mar Negro russa.” Uma reparação é necessária. A Crimeia não é importante por causa das bases, pelo contrário. As bases navais, as fortificações e demais instalações mitares foram construídos na Crimeia ao longo dos SÉCULOS por que a Crimeia era importante. Há uma inversão de valores. Este pedaço de terra pouco menor que as Alagoas (26.081km² contra 27.767km²) divide o Mar Negro, lançado como uma ponta de lança… Read more »