domingo, setembro 19, 2021

Saab Naval

Array

Prosub: a inauguração da SIF em Saint Mandrier

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

SIF Saint Mandrier

Saint Mandrier, na baía de Toulon na Côte d’Azur, é o centro de treinamento da Marinha Francesa onde milhares de oficiais estão sendo formados a cada ano para garantir a capacidade operacional da força. Lá se aprende a operar e manter os sistemas mais complexos dos navios da Marinha Nacional daquele país.

Esse lugar também foi eleito pela Delegação Geral de Armamento do Ministério da Defesa Francês e a DCNS para a instalação da SIF. A SIF (Shore Integration Facility) literalmente “facilidade de integração em terra” é uma das ferramentas mais importantes do processo de desenvolvimento de sistemas de combate para submarinos, fragatas e outros navios de superfície. A SIF proporciona a integração dos diferentes equipamentos e subsistemas de tal forma que se verifique as interfaces e perfeita comunicação entre eles, buscando a melhor eficácia do sistema de combate do submarino. Ela é uma réplica em terra do sistema de combate de bordo com as mesmas configurações operacionais.

Lá estão os consoles multifunção, feitos no Brasil pela ATECH (São Paulo), os gabinetes eletrônicos do Sonar integrados na Omnisys (São Bernardo do Campo), o sistema de navegação sendo testado pela EZUTE (São Paulo), e a Marinha do Brasil sob a supervisão das equipes da DCNS, os vários sensores como Periscópios, MAGE (Medida de Apoio à Guerra Eletrônica), Sistema Optrônico, Link y, e antenas, ou seja, tudo que compõe os “olhos” e “orelhas” do submarino e que vão determinar depois a designação de alvo, o uso de um sistema de arma e eventualmente o disparo.

O coração do submarino está lá em Saint Mandrier, tripulado por engenheiros brasileiros da EZUTE que desenvolvem softwares, oficiais da Marinha do Brasil em OJT, engenheiros da ICN que ficarão encarregados da instalação do sistema dentro do primeiro navio da Marinha do Brasil, todos sob o gerenciamento da DCNS, responsável pelo sucesso da transferência de tecnologia.

Maquete submarino Scorpéne com sistema de combate subtics ao fundo na Laad 2011 - foto Nunão - Poder Naval

Subtics
Subtics – consoles do submarino SBR

DIVULGAÇÃO: DCNS do Brasil

- Advertisement -

5 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
5 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Corsario137

Pergunta do ignorante aqui: o correto não seria o tal SIF ser aqui?

daltonl

Os franceses possuem 10 submarinos de propulsão nuclear e já estão construindo outros 6, que irão substituir os 6 Rubis antes mesmo do nosso primeiro nuclear, então,
além da maior necessidade deles é muito mais em conta
poder usar o SIF deles…uma questão custo-beneficio penso eu.

Corsario137

Ótimo argumento.

wsmdal

Esse SIF não é especifico para os submarinos da MB? Se sim, acho que deveria estar localizado no Brasil, não?

daltonl

Não apenas não é especifico para os submarinos da MB
como também não é especifico para submarinos pois conforme o texto, o SIF será fundamental para o desenvolvimento de sistemas de combate para os combatentes de superficie da Marinha Francesa.

- Publicidade -

Últimas Notícias

Como foi feito o acordo entre a Austrália, Reino Unido e EUA para o compartilhamento da tecnologia de submarinos nucleares

The Times: ‘Como uma cena de Le Carré’: como o pacto do submarino nuclear foi o maior segredo do...
- Advertisement -