sexta-feira, julho 30, 2021

Saab Naval

Dia D 70 anos: veja fotos e matérias no blog das Forças Terrestres

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Dia D 70 anos - detalhe desembarque -  foto Reuters via ibtimes

Clique aqui para acessar matérias e fotos, no blog das Forças Terrestres, sobre os 70 anos do Dia D comemorados neste 6 de junho de 2014.

- Advertisement -

8 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
8 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
a.cancado

Putz!, a esta hora, 70 anos atrás, o pau ainda estava quebrando feio naquelas cinco praias da Normandia…Hitler acordou tarde, teve um ataque histérico, quando soube,e a vaca foi pro brejo…

Pangloss

Prezado a.cancado, àquela altura, o Hitler poderia arrancar as calças pela cabeça à vontade, que a vaca já tinha ido para o brejo para os planos nazistas – por culpa do próprio Hitler, deve-se salientar. Graças a Deus, acrescento.

A própria existência do desembarque demonstra que a Alemanha já estava sucumbindo à loucura de manter duas frentes.

A guerra, então, já era uma corrida entre o Ocidente e a URSS, para definir as fronteiras das respectivas zonas de influência. A Alemanha já vivia o seu ocaso, na guerra.

daltonl

E ao fundo…o LCT (6) Landing Craft Tank Mark 6 nr 533
com capacidade para umas 150 toneladas de carga.

Guilherme Poggio

Caro Pangloss

A vaca o boi e todos os demais ruminantes caminhavam não para o brejo, mas para o seu fim.

Não eram duas frentes (na Europa). Era a terceira e decisiva frente.

Lembrar que os aliados desembarcaram na Itália em setembro de 1943.

Falando em Itália, no mês que vem fará 70 anos do desembarque dos pracinhas em Nápoles.

Pangloss

Poggio, obrigado pela resposta. Entretanto, com todo o respeito que merecem nossos pracinhas, a frente italiana era bastante secundária, no contexto geral da guerra na Europa. Ficava a meio caminho de uma manobra diversionista. Teve a importância de isolar a Alemanha de seu maior aliado, a Itália, e de aumentar a supremacia aliada sobre o Mediterrâneo. Mas se os americanos usassem aquele caminho para tentar chegar à Alemanha, hoje Portugal falaria russo. Daí a urgência do desembarque na Normandia. Aliás, seria curioso imaginar os custos de operação semelhante nos dias de hoje. O objetivo a ser conquistado deveria valer muito… Read more »

Reinaldo Deprera

Pangloss, com todo o respeito. Mas se os EUA precisassem da Rússia longe de Portugal, bastava cortar a ajuda do seu serviço de inteligência e a Rússia caia na batalha de Kursk; se precisassem manter os russos onde estavam, cortavam a ajuda material e humana; se precisassem que a Rússia fosse resignada por completo, cortavam as latas de sardinha; et cetera.

Pangloss

Reinaldo Deprera, eu devo ter me expressado mal.
Não quis dizer que a URSS conseguiria fazer o que bem entendesse, em seu avanço.
Mas eles certamente ganhariam alento à medida em que fossem avançando, e, por via de conseqüência, vampirizando as economias dos países ocupados.
Eles precisavam ser contidos, tão rapidamente quanto possível, e o foram.
Eram aliados de circunstância, e tais circunstâncias já eram passado. Naquele momento, URSS e EUA já tinham bastante claro para si que uma nova disputa hegemônica já tinha começado.

Reinaldo Deprera

Sim, em 1943 os russos já abriam as “latas de sardinha” dizendo que estavam “abrindo o segundo front”. Não acho que os países ocidentais erraram por que deixaram de ajudar a URSS tarde demais. Pra mim, foi pura ignorância mesmo, mix de políticos simpáticos à URSS e falta de informação sobre o que se passava na lá de 1917 até o começo da Guerra Fria. Portanto, pra mim, o erro foi a falta de informação, muito por causa do isolacionismo americano pós primeira guerra. Até hoje alias, se depender do povo norte-americano o mudo pode se acabar em matança contanto… Read more »

- Publicidade -

Últimas Notícias

Global Times: O Reino Unido não deve tentar o próprio destino no Mar da China Meridional

O grupo de ataque do porta-aviões HMS Queen Elizabeth do Reino Unido entrou no Mar da China Meridional no...
- Advertisement -