Home Marinha do Brasil Helicóptero MH-16 ‘Seahawk’ da MB realiza primeiro lançamento de míssil antinavio Penguim

Helicóptero MH-16 ‘Seahawk’ da MB realiza primeiro lançamento de míssil antinavio Penguim

633
29

penguim

No dia 10.12.2014, a aeronave MH-16 N-3034 realizou com sucesso o primeiro lançamento de um míssil antinavio Penguim pela Marinha do Brasil. O Guerreiro 34 decolou do Navio de Desembarque Doca (NDD) Ceará, que estava navegando no litoral do Rio de Janeiro compondo o Grupo-Tarefa da Operação ADEREX II / Semana da Marinha. Este evento faz parte do programa de qualificação e adestramento das equipes do Primeiro Esquadrão de Helicópteros Antissubmarino (HS-1) na nova aeronave e contribuiu para a evolução operacional do Esquadrão HS-1.

DIVULGAÇÃO: Comando da Força Aeronaval

Subscribe
Notify of
guest
29 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Luiz Monteiro
Luiz Monteiro
5 anos atrás

Vale salientar o novo convoo do NDD “Ceará ” feito de aço, em substituição ao antigo, de madeira.

Esse novo convoo suporta aeronaves de até 15 toneladas.

Luiz Monteiro
Luiz Monteiro
5 anos atrás

Coloco, abaixo, o comentário que fiz outro dia sobre o PMG do “Ceará”:

Luiz Monteiro
Luiz Monteiro
5 anos atrás

Luiz Monteiro8 de dezembro de 2014 at 22:53 # Prezados, Vale lembrar que, se este NDD for adquirido, ele se juntará ao NDD “Ceará” que encerrou a pouco o seu PMG. Os principais pontos do PMG do NDD “Ceará” foram: – a revisão estrutural da porta de popa e de seu içamento; – a revisão geral dos sistemas de propulsão; -a revisão geral dos sistemas de geração de energia; – a revisão geral dos sistemas de ar condicionado; – a revisão geral das câmaras frigoríficas; – a instalação de novo armamento de tubo para defesa antiaérea e apoio de fogo; –… Read more »

Luiz Monteiro
Luiz Monteiro
5 anos atrás

Quanto ao post, ambos, MH-16 e Penguim, formam uma dupla bastante eficaz.

Outros mísseis poderão ser integrados à aeronave.

rommelqe
rommelqe
5 anos atrás

Prezado cmte Mnteiro: em quais navios da MB hoje o binômio seahawk\ penguim poderia operar?

Luiz Monteiro
Luiz Monteiro
5 anos atrás

Prezado Rommelqe,

Se considerarmos todos os meios navais da MB, incluindo aqueles que se encontram em PMM ou em PMG, aqueles que podem operar o MH-16 são:

NAe “São Paulo”;
NDD “Ceará”;
NDCC “Garcia D’Avila”;
NDCC “Mattoso Maia”; e
NDCC “Almirante Saboia”

Abraços

rafael oliveira
rafael oliveira
5 anos atrás

Prezado Luiz Monteiro,

A nova capacidade do convôo é de 11 ou 15 toneladas? (Há divergência nos comentários)

O senhor poderia dar mais informações sobre o lançamento? (Distância, características do alvo, acerto, destruição, etc)

Agradeço desde já.

eparro
eparro
5 anos atrás

Pareceu-me bem complexa a operação do MH-16 Seahawk com só um “Penguim”.

A manobra ficou dificultosa! Aparentemente o desequilíbrio do conjunto pegou o piloto desprevenido.

Aliás, que armação “treliçada” é aquela ali, próxima ao convôo? Parece que atrapalha muito o pouso e a descolagem do helicóptero.

juarezmartinez
juarezmartinez
5 anos atrás

Caro comandante LM! Me permita uma observação em relação ao termo”operar o Mh 16″ nos navios citados a excessão do SP,.
Penso que o mais apropriado seria:

Podem receber em seu convoo, pois operar demandaria em poder hangarar, efetuar manutenção e armar.

Grande abraço

Luiz Monteiro
Luiz Monteiro
5 anos atrás

Prezado amigo Juarez,

Em todos os navios que citei, o MH-16 pode pousar, ser abastecido, municiado e receber diferentes tipos de reparo.

Concordo com você quando diz que somente será orgânico no “São Paulo”, onde poderá operar e ser manutenido sem quaisquer restrições.

Porém, mesmo sem poder receber todos os níveis de manutenção nos demais meios, podemos dizer que os MH-16 operam em todos eles.

Abraços

Luiz Monteiro
Luiz Monteiro
5 anos atrás

Prezado Rafael,

O NDD “Ceará” irá operar com aeronaves de até 11 toneladas. Porém, em situações de necessidade e esporadicamente, seu convoo supota aeronaves de até 15 toneladas.

Luiz Monteiro
Luiz Monteiro
5 anos atrás

Prezado Rafael,

O míssil acertou o alvo. Este alvo era fixo e se localizava quase no limite de seu alcance.

As demais perguntas infelizmente não poderei te responder.

Abraços

Guilherme Poggio
Editor
5 anos atrás

Nada como adquirir um sistema de armas testado e comprovado.

juarezmartinez
juarezmartinez
5 anos atrás

Comandante, osenhor sabe que sou Gaúcho, creio na divindadade, em bruxas pero yo no creio, agora eu vi a decolagem do SH, mar de almirante, céu cavok, mar classe 1 ou 2 e agora com a sua permissão vamos as viagens alucinógenas:

Mar classe 4 ou 5, teto 300 fts, batendo agua..armar no convoo a céu aberto em uma condição destas não é para qulaquer peão……

Grande abraço

rommelqe
rommelqe
5 anos atrás

Obrigado pela informação! Operando a partir dos NDCC creio que o pinguim seria utilizado principalmente na defesa contra navios que estiverem se contrapondo a desembarques, correto? Com isso demais armamentos nos SH agora seriam destinados a apoiar tropas dos FN contra blindados inimigos. Misseis hellfire por exemplo?

juarezmartinez
juarezmartinez
5 anos atrás

Impressionante estes equipamentos “duzamericanu”:

Chegam, voam, treinam, formam, operam e combatem, tudo isto em um ano, sem panes, faniquitos bichônicos,luzes âmbar e demais viadagens….
Estes yankees e seus contratos pontinho por pontinho tudo cumprido a risca, aeronaves entregues dentro do prazo, armamentos cumprindo parâmetros mínimos acima de 30%, que coisa tchê.

Grande abraço

joseboscojr
joseboscojr
5 anos atrás

Só de curiosidade, o MH-16 (S-70B) pode levar dois tanques extras ou dois torpedos Mk-46 ou um tanque e um torpedo, nos lançadores conectados juntos à célula, e apenas um lançador de míssil Penguin (ou um lançador quádruplo de Hellfires) num lançador único do lado esquerdo situado um pouco atrás do trem de pouso principal e logo abaixo da “janela”. A atual versão MH-60R da USN pode levar dois lançadores de mísseis (Hellfires), ficando o do lado direito deslocado um pouco mais para a frente e junto ao trem de pouso, para não impedir o livre acesso à porta lateral.… Read more »

rafael oliveira
rafael oliveira
5 anos atrás

Muito obrigado pela correção e pelas informações, Luiz Monteiro, e obviamente compreendo as restrições existentes.

Mauricio R.
Mauricio R.
5 anos atrás

Gostei do brinquedinho.

Luiz Monteiro
Luiz Monteiro
5 anos atrás

Prezado amigo Juarez,

Você tem razão em suas ponderações.

Todavia, vale salientar que em nosso TO, as condições de clima e do mar em pelo menos 80% do ano permitirão operar os MH-16 nos meios supramencionados.

Em breve a MB contará com mais um navio capaz de operar, de forma orgânica, com os MH-16.

Abraços e feliz 2015.

Luiz Monteiro
Luiz Monteiro
5 anos atrás

Quanto ao “Mattoso Maia”, ele deverá retornará ao Setor Operativo no segundo semestre de 2015.

No momento, este navio encontra-se em PMG onde foram realizadas modernizações e revitalizaçoes de uma série de sistemas. Podemos destacar:

. Implementação do Sistema de Controle e Monitoracao da Propulsão e Auxiliares (SCMPA);

. Obras estruturais no costado;

. Substituição de tanques de combustível e de lastro;

. Revisão geral dos 6 motores de propulsão;

. Revisão geral dos geradores de energia;

. Realização de outros serviços de mecanica pesada
.

MO
MO
Reply to  Luiz Monteiro
5 anos atrás

Ummm revitalização dos Tq´s de combustivel e Lastro, MCA´s, MCP´s, vao revitalizar legal eel então, removeram o phalanx tbm ?

MO
MO
Reply to  MO
5 anos atrás

em tempo =

o ultimo navio a suspender de SSZ em 2014 – the “last ship” .. time being …

http://santosshiplovers.blogspot.com.br/2015/01/mv-oshimana-9vah9-ultima-manobra-no.html

Marcos
Marcos
5 anos atrás

SH operando sem gambiarra.

lynx
lynx
5 anos atrás

Alguns esclarecimentos: O tempo que o MH-16 ficou pairando sobre o convoo é o necessário para que a tripulação faça os cheques pré-decolagem. Cada operador de cada modelo de helicóptero define os seus. Os navios da MB são classificados de acordo com seu nível de operação e sua capacidade ( ou classe) de apoio. O nível de operaçãovai desde aqueles onde só é feita operação com guincho até pousos e decolagens noturnas ou IMC. A classe de apoio informa o que o navio pode proporcionar ao helicóptero. Desde nada até hangaragem. O NDD Ceará recebeu equipamentos que o classificavam no… Read more »

Carlos Alberto Soares
5 anos atrás

“lynx
2 de janeiro de 2015 at 20:01 #”

Obrigado pela aula.

Abraços

Carlos Alberto Soares
5 anos atrás

“joseboscojr
30 de dezembro de 2014 at 22:38 #”

Mestre Bosco, obrigado pela aula
e o convite está de pé, para 2018/19.

Abraços

Carlos Alberto Soares
5 anos atrás

“juarezmartinez
30 de dezembro de 2014 at 22:23 #

Impressionante estes equipamentos “duzamericanu”:

Chegam, voam, treinam, formam, operam e combatem, tudo isto em um ano, sem panes, faniquitos bichônicos,luzes âmbar e demais viadagens….
Estes yankees e seus contratos pontinho por pontinho tudo cumprido a risca, aeronaves entregues dentro do prazo, armamentos cumprindo parâmetros mínimos acima de 30%, que coisa tchê.”

Aonde assino ??

E lá no ForTe tem urso, bambi, gray wolf, etc …. putz um zoológico …………..

Corremos o risco de nos tornarmos a Índia em Hélis.

Héli é USA, palavras tuas JM, corroboro.

Abraços