Home Marinha do Brasil Helicóptero MH-16 ‘Seahawk’ da MB realiza primeiro lançamento de míssil antinavio Penguim

Helicóptero MH-16 ‘Seahawk’ da MB realiza primeiro lançamento de míssil antinavio Penguim

566
29

penguim

No dia 10.12.2014, a aeronave MH-16 N-3034 realizou com sucesso o primeiro lançamento de um míssil antinavio Penguim pela Marinha do Brasil. O Guerreiro 34 decolou do Navio de Desembarque Doca (NDD) Ceará, que estava navegando no litoral do Rio de Janeiro compondo o Grupo-Tarefa da Operação ADEREX II / Semana da Marinha. Este evento faz parte do programa de qualificação e adestramento das equipes do Primeiro Esquadrão de Helicópteros Antissubmarino (HS-1) na nova aeronave e contribuiu para a evolução operacional do Esquadrão HS-1.

DIVULGAÇÃO: Comando da Força Aeronaval

29
Deixe um comentário

avatar
26 Comment threads
3 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
13 Comment authors
Carlos Alberto SoareslynxMOMarcosMauricio R. Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Vale salientar o novo convoo do NDD “Ceará ” feito de aço, em substituição ao antigo, de madeira.

Esse novo convoo suporta aeronaves de até 15 toneladas.

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Coloco, abaixo, o comentário que fiz outro dia sobre o PMG do “Ceará”:

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Luiz Monteiro8 de dezembro de 2014 at 22:53 # Prezados, Vale lembrar que, se este NDD for adquirido, ele se juntará ao NDD “Ceará” que encerrou a pouco o seu PMG. Os principais pontos do PMG do NDD “Ceará” foram: – a revisão estrutural da porta de popa e de seu içamento; – a revisão geral dos sistemas de propulsão; -a revisão geral dos sistemas de geração de energia; – a revisão geral dos sistemas de ar condicionado; – a revisão geral das câmaras frigoríficas; – a instalação de novo armamento de tubo para defesa antiaérea e apoio de fogo; –… Read more »

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Quanto ao post, ambos, MH-16 e Penguim, formam uma dupla bastante eficaz.

Outros mísseis poderão ser integrados à aeronave.

rommelqe
Visitante
rommelqe

Prezado cmte Mnteiro: em quais navios da MB hoje o binômio seahawk\ penguim poderia operar?

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Prezado Rommelqe,

Se considerarmos todos os meios navais da MB, incluindo aqueles que se encontram em PMM ou em PMG, aqueles que podem operar o MH-16 são:

NAe “São Paulo”;
NDD “Ceará”;
NDCC “Garcia D’Avila”;
NDCC “Mattoso Maia”; e
NDCC “Almirante Saboia”

Abraços

rafael oliveira
Visitante
Member
rafael oliveira

Prezado Luiz Monteiro,

A nova capacidade do convôo é de 11 ou 15 toneladas? (Há divergência nos comentários)

O senhor poderia dar mais informações sobre o lançamento? (Distância, características do alvo, acerto, destruição, etc)

Agradeço desde já.

eparro
Visitante
Member
eparro

Pareceu-me bem complexa a operação do MH-16 Seahawk com só um “Penguim”.

A manobra ficou dificultosa! Aparentemente o desequilíbrio do conjunto pegou o piloto desprevenido.

Aliás, que armação “treliçada” é aquela ali, próxima ao convôo? Parece que atrapalha muito o pouso e a descolagem do helicóptero.

juarezmartinez
Visitante
Member
juarezmartinez

Caro comandante LM! Me permita uma observação em relação ao termo”operar o Mh 16″ nos navios citados a excessão do SP,.
Penso que o mais apropriado seria:

Podem receber em seu convoo, pois operar demandaria em poder hangarar, efetuar manutenção e armar.

Grande abraço

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Prezado amigo Juarez,

Em todos os navios que citei, o MH-16 pode pousar, ser abastecido, municiado e receber diferentes tipos de reparo.

Concordo com você quando diz que somente será orgânico no “São Paulo”, onde poderá operar e ser manutenido sem quaisquer restrições.

Porém, mesmo sem poder receber todos os níveis de manutenção nos demais meios, podemos dizer que os MH-16 operam em todos eles.

Abraços

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Prezado Rafael,

O NDD “Ceará” irá operar com aeronaves de até 11 toneladas. Porém, em situações de necessidade e esporadicamente, seu convoo supota aeronaves de até 15 toneladas.

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Prezado Rafael,

O míssil acertou o alvo. Este alvo era fixo e se localizava quase no limite de seu alcance.

As demais perguntas infelizmente não poderei te responder.

Abraços

Guilherme Poggio
Editor
Noble Member

Nada como adquirir um sistema de armas testado e comprovado.

juarezmartinez
Visitante
Member
juarezmartinez

Comandante, osenhor sabe que sou Gaúcho, creio na divindadade, em bruxas pero yo no creio, agora eu vi a decolagem do SH, mar de almirante, céu cavok, mar classe 1 ou 2 e agora com a sua permissão vamos as viagens alucinógenas:

Mar classe 4 ou 5, teto 300 fts, batendo agua..armar no convoo a céu aberto em uma condição destas não é para qulaquer peão……

Grande abraço

rommelqe
Visitante
rommelqe

Obrigado pela informação! Operando a partir dos NDCC creio que o pinguim seria utilizado principalmente na defesa contra navios que estiverem se contrapondo a desembarques, correto? Com isso demais armamentos nos SH agora seriam destinados a apoiar tropas dos FN contra blindados inimigos. Misseis hellfire por exemplo?

juarezmartinez
Visitante
Member
juarezmartinez

Impressionante estes equipamentos “duzamericanu”:

Chegam, voam, treinam, formam, operam e combatem, tudo isto em um ano, sem panes, faniquitos bichônicos,luzes âmbar e demais viadagens….
Estes yankees e seus contratos pontinho por pontinho tudo cumprido a risca, aeronaves entregues dentro do prazo, armamentos cumprindo parâmetros mínimos acima de 30%, que coisa tchê.

Grande abraço

joseboscojr
Membro
Active Member
joseboscojr

Só de curiosidade, o MH-16 (S-70B) pode levar dois tanques extras ou dois torpedos Mk-46 ou um tanque e um torpedo, nos lançadores conectados juntos à célula, e apenas um lançador de míssil Penguin (ou um lançador quádruplo de Hellfires) num lançador único do lado esquerdo situado um pouco atrás do trem de pouso principal e logo abaixo da “janela”. A atual versão MH-60R da USN pode levar dois lançadores de mísseis (Hellfires), ficando o do lado direito deslocado um pouco mais para a frente e junto ao trem de pouso, para não impedir o livre acesso à porta lateral.… Read more »

rafael oliveira
Visitante
Member
rafael oliveira

Muito obrigado pela correção e pelas informações, Luiz Monteiro, e obviamente compreendo as restrições existentes.

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Gostei do brinquedinho.

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Prezado amigo Juarez,

Você tem razão em suas ponderações.

Todavia, vale salientar que em nosso TO, as condições de clima e do mar em pelo menos 80% do ano permitirão operar os MH-16 nos meios supramencionados.

Em breve a MB contará com mais um navio capaz de operar, de forma orgânica, com os MH-16.

Abraços e feliz 2015.

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Quanto ao “Mattoso Maia”, ele deverá retornará ao Setor Operativo no segundo semestre de 2015.

No momento, este navio encontra-se em PMG onde foram realizadas modernizações e revitalizaçoes de uma série de sistemas. Podemos destacar:

. Implementação do Sistema de Controle e Monitoracao da Propulsão e Auxiliares (SCMPA);

. Obras estruturais no costado;

. Substituição de tanques de combustível e de lastro;

. Revisão geral dos 6 motores de propulsão;

. Revisão geral dos geradores de energia;

. Realização de outros serviços de mecanica pesada
.

MO
Membro

Ummm revitalização dos Tq´s de combustivel e Lastro, MCA´s, MCP´s, vao revitalizar legal eel então, removeram o phalanx tbm ?

MO
Membro

em tempo =

o ultimo navio a suspender de SSZ em 2014 – the “last ship” .. time being …

http://santosshiplovers.blogspot.com.br/2015/01/mv-oshimana-9vah9-ultima-manobra-no.html

Marcos
Visitante
Member
Marcos

SH operando sem gambiarra.

lynx
Visitante
lynx

Alguns esclarecimentos: O tempo que o MH-16 ficou pairando sobre o convoo é o necessário para que a tripulação faça os cheques pré-decolagem. Cada operador de cada modelo de helicóptero define os seus. Os navios da MB são classificados de acordo com seu nível de operação e sua capacidade ( ou classe) de apoio. O nível de operaçãovai desde aqueles onde só é feita operação com guincho até pousos e decolagens noturnas ou IMC. A classe de apoio informa o que o navio pode proporcionar ao helicóptero. Desde nada até hangaragem. O NDD Ceará recebeu equipamentos que o classificavam no… Read more »

Carlos Alberto Soares
Visitante

“lynx
2 de janeiro de 2015 at 20:01 #”

Obrigado pela aula.

Abraços

Carlos Alberto Soares
Visitante

“joseboscojr
30 de dezembro de 2014 at 22:38 #”

Mestre Bosco, obrigado pela aula
e o convite está de pé, para 2018/19.

Abraços

Carlos Alberto Soares
Visitante

“juarezmartinez
30 de dezembro de 2014 at 22:23 #

Impressionante estes equipamentos “duzamericanu”:

Chegam, voam, treinam, formam, operam e combatem, tudo isto em um ano, sem panes, faniquitos bichônicos,luzes âmbar e demais viadagens….
Estes yankees e seus contratos pontinho por pontinho tudo cumprido a risca, aeronaves entregues dentro do prazo, armamentos cumprindo parâmetros mínimos acima de 30%, que coisa tchê.”

Aonde assino ??

E lá no ForTe tem urso, bambi, gray wolf, etc …. putz um zoológico …………..

Corremos o risco de nos tornarmos a Índia em Hélis.

Héli é USA, palavras tuas JM, corroboro.

Abraços