sábado, maio 28, 2022

Saab Naval

Navantia oferece renovar esquadra peruana com fragata de porte médio

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Navantia_F-538_Frigate_Peru_Avante_NAVDEX_2015_1

No momento de seu maior investimento na renovação das forças navais sul-americanas, o grupo espanhol Navantia – que acaba de concretizar uma associação com o estaleiro SIMA (Servicios Industriales de la Marina), do porto peruano de Callao – ofereceu renovar a força de superfície da esquadra do Peru por meio do fornecimento de fragatas de porte médio classe F-538.

A aceitação da oferta implicaria na construção de quatro a seis embarcações, por meio de um sistema em que o estaleiro peruano seria gradualmente qualificado, até que os últimos barcos pudessem ser inteiramente fabricados no Peru.

As F-538, de 3.800 toneladas, permitiriam a gradual desativação das sete fragatas peruanas classe Lupo, de 2.525 toneladas e desenho italiano (da década de 1970). Um oitavo navio dessa categoria teve parte de seu armamento removido e foi convertido em navio-patrulha oceânico.

Navantia_F-538_Frigate_Peru_Avante_NAVDEX_2015_3

 

Poderio – A embarcação proposta pela Navantia tem 113,2m de comprimento, boca de 15,6m (36,8% maior que a definida originalmente pelo Centro de Projetos de Navios da Marinha do Brasil para a corveta classe Barroso Modificada), e calado de 4,7m.

Sua velocidade máxima é de 30 nós, mas em marcha reduzida a unidade adquiriria uma autonomia de 4.000 milhas (ou 7.200 km).

O modelo espanhol possui um convés de voo à ré ampliado – capaz de operar um aparelho de porte médio SH-3D Sea King ou um moderno NH-90 –, radar multifunção Smart S Mk.2, radar de controle de fogo Thales Sting Mk.2, sonar (ventral) Thales UMS-4132 Kinklip, de média frequência, e um conjunto de mísseis, torpedos, canhões e metralhadoras que, efetivamente, impressiona.

Navantia_F-538_Frigate_Peru_Avante_NAVDEX_2015_2

A relação dos armamentos proposta pelos espanhóis aos almirantes peruanos é a seguinte:

  • 1 conjunto de silos Mk. 41 para 16 mísseis de lançamento vertical ESSM situado na proa;
  • 2 lançadores de mísseis MBDA Exocet Block III instalados à meia nau;
  • 1 lançador Raytheon RAM para 21 mísseis antiaéreos Block 1 fixado acima do hangar da aeronave;
  • 1 canhão Oto Melara de 76mm na proa;
  • 2 canhões Rheinmetall Millenium de 35 mm fincados um em cada bordo da superestrutura de ré;
  • 2 metralhadoras Hitrole de 12,7mm e controle remoto instaladas, uma em cada bordo, no teto do passadiço; e
  • 1 reparo para torpedos de 324mm a boreste.

Abaixo, um vídeo da classe AVANTE 3000/2400 que servirá de base para a F-538

- Advertisement -

36 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
36 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
jcsleao

Err… O reparo de torpedos é “nestibordo” ou “naquelebordo”?

Jorge Alberto

Um belo navio e bem armado….

Faz falta alguns desses em uma certa marinha sul-americana (que deseja reinventar a roda), e q possui grandes pretensões…

jcsleao

Desculpem mas não resisti a piada infame.

wwolf22

Depois o brasil nao quer ser chamado de anão diplomático…
cade a Engeprom para oferecer seus produtos aos nossos vizinhos sul americanos ???? o mercado sul americano de armas deveria ter presença maciça do brasil…
ta faltando marketing nessa porra !!!!!!!! ou vontade mesmo…

joseboscojr

Extremamente bem armada.
Acho até exagero haver um lançador RAM e dois Milleniuns, somados aos ESSMs e ao 76 mm.
Tirando o fato de haver ao que parece somente um radar diretor de tiro/iluminador para o canhão de 76 mm, para o sistema de mísseis ESSM e para os Milleniums, ela é muito bem armada.
Houvesse um segundo canal para iluminar alvos para os ESSMs, e não haveria necessidade alguma do RAM ou dos Milleniums. Bastaria ser o RAM mais dois canhões de menor capacidade, sem capacidade antiaérea.
Ou mantem-se os canhões Millenium e tira o RAM.

eduardo.pereira1

Este modelo de fragata já seria excelente,creio eu, pra MB a qual mira em fragatas de maior tonelagem, mas o futuro a Deus pertence, quem sabe a necessidade não nos abra os olhos. Belo navio e muito bem armado como disse o Bosco.

eduardo.pereira1

Na verdade esta fragata esta mais pra uma super corveta , concorda Boscão??

joseboscojr

Eduardo,
Eu até tinha minha torcida pelo sistema ESSM para as novas corvetas porque acreditava que se ele ganhasse estaria meio que resolvido nosso gap em relação a um navio de defesa de área, mesmo que com autonomia reduzida, relativo a uma corveta se comparado a uma fragata.
Mas o escolhido foi o Sea Ceptor. Fazer o quê?!!

joseboscojr

Não adianta colocar um monte de armas mas reduzir os canais de tiro. Nisso temos que tirar o chapéu para russos e chineses que abarrotam seus navios de canais de tiro (radares diretores, alças eletro-óticas, radares iluminadores, etc). O Ocidente é sempre parcimonioso nesse quesito, que despolui o visual, mas em compensação reduz a possibilidade de enfrentar ameaças simultâneas. Tudo bem que um cenário onde simultaneamente um canhão de 76 mm, os dois Milleniums e pelo menos um alvo esteja sendo engajado pelo ESSM seria raro, mas então, também não precisaria de tantas armas disponíveis. Não há porque economizar de… Read more »

eduardo.pereira1

Bosco, parece até que pegaram uma carona no projeto da Cv03 Tamandaré e sapecaram armamento sem miséria !!rs Bem que poderíamos fazer o inverso tbm e colocar maisdiretor/iluminador (es) .

Sds.

joseboscojr

Eduardo, Eu tiraria os canhões Milleniums (apesar de serem o que de melhor existe no mundo tanto para a defesa antimíssil quanto para a defesa de ameaças assimétricas de superfície) e colocaria em seu lugar 2 Mk-3, e ainda colocaria um radar iluminador voltado para ré, para os ESSMs. Aí teria um diretor/iluminador voltado para a vante, para os ESSMs e para o canhão 76, e um iluminador (apenas) voltado para ré, para os ESSMs. Se fossem mantidos os Milleniums, o ideal é que o segundo iluminador, voltado para ré, também fosse um “diretor de tiro” para os canhões. Havendo… Read more »

joseboscojr

Mk-3 = Mk-38

Oganza

Eduardo,

“Bosco, parece até que pegaram uma carona no projeto da Cv03 Tamandaré”.

Na verdade quem pegou carona fomos nós… a ineficiente estatal EMGEPRON é que pegou carona nesse projeto…

a verdade verdadeira é que esse conceito é da holandesa DAMEN com sua Classe SIGMA. No fundo os espanhóis só aumentaram a boca. pois até o desenho hidrodinâmico do casco possui os mesmos conceitos.

SIGMA Class:

https://www.seaforces.org/marint/Moroccan-Navy/SIGMA-9813-class-Dateien/image022.jpg

Grande Abraço.

eduardo.pereira1

Ta meio parecido com televisão hein Oganza, “nada se cria ,tudo se copia”.rs Aqui se copia o que já esta bacana e diminui o trabalho e se acrescenta o que agrada ao freguês .

Abraço e bom fim de semana.

XO

Nao conheco esse radar DT, mas o bom e velho RTN-10X da minha saudosa V33 podia ser fonte de dados para mais de um armamento… nos podiamos bater o mesmo alvo, por exemplo com o 4,5 e um dos 40mm… nao sei se o conceito de aplica para canhoes+misseis… de qualquer forma, senti falta de uma alca otica tipo a EOS-400 das CCI e FCN…

joseboscojr

XO,
O radar de DT fornece solução de tiro para mais de um armamento ao mesmo tempo, no caso, para os Milleniums, o 76 mm e ainda ilumina para os mísseis ESSM, só que só contra um alvo de cada vez.
Tivesse mais de um DT e poderia ser engajado mais de um alvo de cada vez.
E ele deve ter uma alça EO, só que não foi citada.
Um abraço.

eparro

joseboscojr 6 de março de 2015 at 12:04 #

Mas Bosco, esta é a configuração apresentada!

Isto não quer dizer que outras diretoras de tiro não possam ser acrescentadas e integradas (ou não podem)? O que parece menos trabalhoso do que acrescentar mais “canhões” ou mísseis.

Muito embora, no filminho, o patrulheiro venezuelano apresente somente um Rheinmetall Millenium.

juarezth

Excelente configuração, mas quanto ficaria o preço de cada unidade ? Seria um bom exemplo para nossa marinha

joseboscojr

Eparro, No vídeo o navio tá mais pra um navio patrulha oceânico que pra uma corveta, desse modo é até desculpável ele só ter um diretor de tiro radar/EO, que poderia servir a qualquer uma das duas armas (76 mm e 35 mm). Sem falar que num caso de engajamento de dois alvos simultâneos, deve haver uma alça EO independente para alvos de superfície. Como navio de patrulha não tem em geral, que dar conta de um ataque de saturação com mísseis anti-navios, a falta de diretores de tiro é bem compreensível. O que inusitado no navio patrulha do vídeo… Read more »

eparro

joseboscojr 7 de março de 2015 at 14:47 #

Entendi, grazie!

O mais adequado é que para esta configuração JÁ houvesse a disponibilidade ou ao menos a futura localização dos canais de tiro adicionias.

É mesmo questionável esta falta.

Saudações

Mauricio R.

Uma forma de aliviar o congestionamento do DT, seria a troca do RAM pelo SeaRAM, pois este tem sua própria capacidade de designação de alvo.

joseboscojr

Maurição, O RAM não precisa de um DT dedicado desde que o navio possua um radar 3D, que é o caso desse F-538. Nos navios da USN que tem o RAM mas não tem radar 3D e nem radares diretores de tiro (a USN só usa radares diretores de tiro AA nos Perrys, por conta dos canhões MK-75 de 76mm), o sistema de combate “pega emprestado” o radar DT do Phalanx para designar alvos para os RAM, que operam no modo LOAL. Isso ocorre por exemplo nos LSD-41, que não têm radar 3D, não tem diretoras de tiro, mas têm… Read more »

joseboscojr

A única classe de navios da USN e USCG que tem um radar de controle de tiro AA dedicado (Mk-92) é a classe de fragatas OHP, para o canhão Mk-75. Os navios Aegis podem usar o SPY-1 na função de solução de tiro AA para o canhão Mk-45, mas isso não é usual, tendo em vista que o canhão de 127 mm não é mais usado na função AA. Os outros navios que possuem canhões de 57mm (LCS 1 e 2 e NSC), e 76 mm (da USCG) não têm radar diretor de tiro AA, e só usam seus canhões… Read more »

eparro

joseboscojr 7 de março de 2015 at 22:30 # Pô Bosco, então o mais razoável mesmo seria um sistema tipo Phalanx, Goalkeeper ou Type 730 no lugar dos Millenium. Aliás, o tempo de reação dos Phalanx, Goalkeeper ou Type 730 deve ser até melhor que este lance de RAM. Em que pese o maior alcance do RAM, está sujeito a contramedidas (na proximidade do alvo) e um segundo disparo deve ter um custo de tempo superior ao da reação do tipo Phalanx, Goalkeeper ou Type 730. Ou então, em dupla, Phalanx-RAM. Bom, sei lá se não estou escrevendo uma “groselha… Read more »

joseboscojr

Eparro, Se fossem dois Phalanx ou Goalkeeper no lugar dos Milleniums e se houvesse mais um radar iluminador para os mísseis ESSMs, o equilíbrio estaria perfeito. O radar/EO iluminador/DT, que já existe, serviria ao Super Rapid e para iluminar os alvos dos ESSMs. O radar 3D faria o controle de tiro dos RAM e dos ESSMs. Cada Phalanx é autônomo. Haveria mais um radar iluminador para os ESSMs. Perfeito! Mas nem vamos viajar tanto na maionese. Acho que bastaria um segundo radar DT/iluminador voltado pra ré. Quanto ao RAM, não é usual que mísseis antinavios usem ECMs. Bom para a… Read more »

eparro

joseboscojr 8 de março de 2015 at 14:34 #

Grazie Bosco, sempre muito instrutivo.

Mauricio R.

OFF TOPIC…

…mas nem tanto!!!

Navio venezuelano será reparado em estaleiro cubano:

The Venezuelan Navy has contracted Cuba’s Granma Military Industrial Shipyards to perform a comprehensive refit of its General Soublette (F 24) Lupo-class guided-missile frigate, according to local Venezuelan media reports.

(http://www.janes.com/article/49786/cuban-shipyard-to-repair-venezuelan-missile-frigate)

Kojak

Maravilha.

Cuba tem um posicionamento Global em Expertise militar naval invejáveis.

Parabéns a Venefavela.

O planeta será outro com essa notícia !

Shalom

Kojak

“juarezth
7 de março de 2015 at 14:35 #”

Juarez ?

O original ?

Kojak
joseboscojr

Kojak,
As lideranças iranianas atualmente não têm feito jus ao esforço empreendido pelos cientistas e engenheiros do país e se levarmos em conta que é um país teocrático, liderado por sisudos senhores que alegam conhecer os mais recônditos pensamentos do Criador, é lamentável o circo que eles aprontam quando fazem sua propaganda belicista dissuasória, com direito a maquete a la Joãozinho Trinta e a photoshop brabo.
Até que saibamos algo de mais consistente esse rastro de fumaça saindo de dentro d’água não passa de um rastro de fumaça saindo de dentro d’água.

Kojak

Bosco

kkkk

Estão fazendo Kafta embaixo da água.

Sds

Kojak

“Kojak
9 de março de 2015 at 8:55 #

“juarezth

7 de março de 2015 at 14:35 #”

Juarez ?

O original ?”

A 2 ?

O original já teria respondido “a la Gaúcho da fronteira” (rs).

Fernando "Nunão" De Martini

“Kojak em 11/03/2015 as 11:02”

Kojak,

O comentarista ao qual você se refere foi suspenso há 2 meses, por motivos de conduta. A suspensão acaba no final do mês.

Wagner

Oferecer é uma coisa, o problema é o Peru ter realmente grana para tudo isso.

é comum noticias sobre aquisições espetaculares do Peru, que tem uma otima marinha, mas, ainda é um país de terceiro mundo latino americano.

- Publicidade -
Publicidade
Parceiro

Últimas Notícias

EUA pretendem restringir a China moldando seu entorno, diz Blinken

O secretário de Estado dos EUA deu um vislumbre da estratégia confidencial do presidente Biden sobre a China, na...
- Advertisement -