Home Noticiário Internacional NaPaOc classe ‘Amazonas’ já tem sucessor, indicado até para funções não-militares

NaPaOc classe ‘Amazonas’ já tem sucessor, indicado até para funções não-militares

1600
5

RN-New-OPV_01

O grupo empresarial BAE Systems divulgou, esta semana, que a Agência de Fiscalização Marítima da Malásia (Malaysian Maritime Enforcement Agency – MMEA), uma entidade do Serviço Civil Malaio supervisionada pelo Ministério das Finanças local, ficará com uma unidade da sua nova embarcação de patrulha offshore classe River Batch 2 – projeto derivado da classe River original, no Brasil conhecida por classe Amazonas.

O governo de Kuala Lampur negocia com os ingleses fabricar o navio em um de seus estaleiros, sob licença da BAE.

Na Esquadra brasileira, os três classe Amazonas (originalmente construídos para a Guarda Costeira de Trinidad Tobago) figuram como “meios distritais”, mas, em função do severo desgaste da força de superfície, vêm sendo comissionados para missões de longa distância, mais apropriadas a corvetas ou fragatas.

O conceito do Batch 2 resulta em um navio de 90 m de comprimento, que apresenta algumas inovações como, por exemplo, um convés de voo, à ré, de dimensões ampliadas e estrutura reforçada, apto a receber não apenas helicópteros médios – de até 12 toneladas –, mas também drones de asas rotativas.

E apesar dele ter sido selecionado por um serviço civil de proteção marítima da Malásia, a BAE Systems assegura que o Batch 2 continua a ser uma embarcação adequada a frotas militares. Tanto que a Marinha Real está negociando a aquisição de três desses barcos para aumentar suas operações de segurança em áreas marítimas críticas – como as zonas, em alto mar, onde operam plataformas de petróleo.

OTO-76mm-62-2
OTO-76mm-62-2

Oto Melara – De acordo com Clive Marchant, executivo de desenvolvimento de negócios internacionais da BAE Systems, os préstimos da classe River vem sendo amplamente demonstrados por seu bom aproveitamento nas Marinhas do Brasil e da Tailândia.

O HTMS Krabi, da Esquadra tailandesa, está equipado com um canhão Oto Melara, de 76 mm – peça de artilharia inusitadamente grande e poderosa para uma embarcação offshore. Marchant acredita que o Batch 2, da MMEA não será dotado de nenhuma arma mais imponente do que uma peça de 30 mm.

O Krabi foi construído nos estaleiros de Bangkok, sob os termos de um acordo de transferência de tecnologia assinado em 2009 pela BAE Systems – e que representa uma experiência comercial de grande importância para o bem-sucedido grupo empresarial britânico.

5
Deixe um comentário

avatar
5 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
3 Comment authors
AlexandreMauricio R.nunes neto Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
nunes neto
Visitante
Member
nunes neto

Manda 5 dessas pra ontem, com peças de 40 ou 76 mm ,gosto desse navio!

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Tb sou fã, mas o design poderia incorporar um hangar, como no OPV classe “Protector” da Nova Zelândia.

nunes neto
Visitante
Member
nunes neto

Com um hangar já seria uma River Batch 3, bom acho que dependendo do desejo e dinheiro do cliente tudo é possivel, mas deveriamos sem dúvidas solicidar pelo menos mais duas (de patreleira mesmo) , sinto que esses navios vão carregar piano durante alguns anos para a MB, as quantas anda as NAPA de 500?

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Se o estaleiro EISA ainda estiver enrolado, então nada de NAPA 500ton.

Alexandre
Visitante
Alexandre

Nossa, todos os navios de patrulha oceânico e fluvial precisam ser substituídos por este aí, pelo menos uns 120 navios desse aí.