Home História Modelo campeão do Contratorpedeiro ‘Santa Catarina’ (D32)

Modelo campeão do Contratorpedeiro ‘Santa Catarina’ (D32)

2850
17

3

Por Marcus Silva, em 29 de agosto de 2015

Modelo Contratorpedeiro “Santa Catarina” D32
Escala : 1/144

Caro Galante:

Conforme nosso contato, por Facebook, e também por e-mail, envio fotos do modelo que construímos.

medalha

O modelo é estático, foi elaborado a partir de um kit de navio da classe Fletcher, fabricante Revell, que reproduz um navio transferido dos EUA para a Alemanha, sendo renomeado neste país como classe 119, sendo 6 navios componentes da classe, incorporados no final dos anos 1950, servindo até mais ou menos anos 1980.

É marcante a diferença destes navios para o CT “Santa Catarina”, classe Fletcher, que foi incorporado a Marinha do Brasil em 1968, sendo então que muitas peças do kit original foram substituídas por outras que viessem a condizer com o navio brasileiro. A área do passadiço e estação de sinais ( ré do passadiço ) foram construídas em técnica de scratchbuilt, os 5 canhões de 127mm substituídos por outros também assim construídos com melhor detalhamento, além de todo armamento, inclusive o kit original nem possuía toda equivalência de armas do navio brasileiro. Há no modelo enorme variedade de materiais, incluindo plástico e metais.

Nós dois modelistas, Marcus Silva e Marcelo Costa, procuramos empenho no modelo de forma a deixa-lo com aparência externa o mais próximo possível do navio real, mas com enorme dificuldade para levar a tarefa a cabo face a escassez de materiais visuais que ajudassem a embasar a construção, do que citamos aqui com enorme agradecimento as fotos do site NGB – Navios de Guerra Brasileiros, que foram poucas imagens, mas de prestimosa valia para entendermos algumas áreas para fazer o modelo, mas também utilizamos fotos de outros navios da mesma classe, além de desenhos técnicos e plantas gerais de procedência americana, que foram cruciais para conseguirmos detalhamento de peças e porções do navio. A tarefa de estudo para fazer esse navio levou cerca de 2 anos, mas durante o primeiro ano de avaliação, a partir de 2013, empenhávamo-nos na construção de um modelo do encouraçado francês Richelieu, em escala 1/350.

Enquanto construíamos o Richelieu, também estudando características deste navio em várias fontes, fomos fazendo o estudo do CT “Santa Catarina”. Chegamos a conclusão de que teríamos apenas 18 fotos, em baixa resolução, para nos auxiliar a construção. O “Santa Catarina” foi um Fletcher modificado com características de pós-guerra nos EUA nos anos 1950, modificações estas aplicadas a classe em geral, introduzindo o mastro trípode e outras transformações que o deixavam bem diferente do aspecto da construção original dos anos 1940, quando os Fletchers foram construídos, o passadiço foi “encapsulado”, algumas armas introduzidas, outras em padrão foram retiradas, ou seja, o navio foi modernizado, mas praticamente era quase impossível ver 2 Fletchers muito iguais, então tínhamos o “Santa Catarina” com um aspecto muito peculiar e isso foi um fator que dificultou a captação de elementos de sua estrutura.

Quando iniciamos a construção do modelo, tínhamos em mente apresentar o mesmo na exposição do IPMS da APRJ que ocorre anualmente no Tijuca Tênis Clube no Rio de Janeiro, o que acabou coincidindo com o estudo prévio que fazíamos, já que a temática principal naval era de navios pertencentes a Marinha do Brasil. O evento ocorreu em julho de 2015, sendo então que tivemos cerca de 10 meses para iniciar e concluir o modelo, dada a data que foi anunciada a temática, em 2014, que incluía unidades da Marinha do Brasil.

5

Nessa exposição fomos agraciados com medalha de Melhor Modelo Brasil e América Latina, em uma categoria que inclui outras modalidades ( aviação, militaria e outros ) , mas escolhia 10 entre todos os modelos inscritos para exposição. Ora, depois fizemos piadas conosco mesmos, porque na categoria de navio da Marinha do Brasil, somente nós atendemos ao tema, ou seja, éramos os únicos dentro da temática naval, então como poderíamos concorrer sozinhos? Seria mais ou menos como uma corrida de carros onde apenas um carro corre sozinho.

Mas disso sabíamos reconhecer a qualidade de nosso modelo, e no fim das contas eu até fiquei triste porque nenhum outro modelista retratou navio brasileiro, do que eu sinceramente sabia existir kits que proporcionam a montagem de navios da nossa Marinha, então essa expectativa de ver outros modelos assim me acabou sendo frustrada, eu achava até que alguém acabaria levando um modelo do NAe “São Paulo”, que pode ser feito a partir de um modelo do kit do PA “Foch” escala 1/400 do fabricante Heller, que é bem cogitado entre os modelistas, mas isso não ocorreu. Apareceram outros modelos de navios de outras nações, de excelente qualidade, mas estavam fora da temática, sendo então que não se enquadravam na premiação.

Normalmente nós vendemos os navios que construímos e estes dois mais recentes, o “Santa Catarina” e o “Richelieu”, ainda estamos fazendo alguns ajustes por conta de recente confecção, do que então ainda não fizemos a oferta.

Para melhor entendimento da apresentação do modelo, ele está assentado em dois pinos e neste sobre um espelho, que torna visível alguns detalhes que retratamos nas obras-vivas, há uma placa com nome do navio, e outra com descrição das características do navio real, onde informamos sobre dimensões e composição do armamento e sensores. Para as fotos, retiramos o case de proteção. O navio foi retratado com suas características gerais, enquanto pertencente a Marinha do Brasil, mas não especifica um ano. O modelo tem comprimento de 79,7 cms.
Bom, basicamente são estas as informações.

24

Em muito agradecemos seu interesse pelo modelo. Qualquer ajuste que você ache necessário, para o fim a que você se propõe, do que é claro você tem plena liberdade para dispor como melhor lhe aprouver e publicar no seu site, me ponho à disposição para fornecer, informar, modificar, o que quer que seja. Coloquei nas fotos uma marca dágua simples, mas isso é uma pequena proteção contra qualquer forma de publicação que terceiros possam querer fazer, o que não inclui você, e se você achar inconveniente para seu site, eu posso até subtraí-las, não há problema algum com relação a isso. E face a seu convite para que eu lhe enviasse fotos para uma eventual matéria, eu lhe apresento as fotos, conforme as enviei, e você tem plena liberdade para utilizá-las, conforme melhor lhe aprouver, podendo recortar, utilizar photoshop, dar zoom, modificando de forma geral a melhor adaptar a seu uso.

E mais também qualquer informação que você ache interessante e que eu não tenha colocado neste texto, como acima, peço me informar e podemos adicionar algo. Eu fiz apenas um resumo do que ocorreu comigo e com Marcelo sobre a decisão de construir o modelo e dos problemas e fatos relacionados a montagem.

13

E independente de publicação em matéria, eu acho que vocês todos do site, você, o Poggio, Nunão, pessoal do NGB, José da Silva, Luiz Brazil Cotta, Marcelo Ostra, e peço desculpas senão cito mais nomes, mas incluo o grupo todo, que é por desconhecimento mesmo, então digo que acho que vocês gostarão de ver as fotos do modelo, e saberão apreciar as linhas, o design da classe Fletcher, que foi muito agradável aos olhos, mas que coube ao tempo enterrar por infeliz obsolescência do meio. Fica também a liberdade para publicar as fotos no facebook, conforme a conta que vocês possuem por lá, e dessa forma então eu só tenho a agradecer qualquer publicidade, e agradecer o interesse que você manifestou pelo modelo, então eu e Marcelo deixamos nosso abração a todos e muito obrigado por tudo.

Aproveitamos o ensejo e desejamos continuado sucesso nas empreitadas do site Poder Naval, e felicidade a todos.

Saudações:

Marcus Silva – [email protected]

Este slideshow necessita de JavaScript.

17
Deixe um comentário

avatar
14 Comment threads
3 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
13 Comment authors
jorge fernandoSamuel Gomes LoiolaFellipeHiginoEdimilson Pires Monteiro Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
MO
Membro

powta keu pareu 🙁 ) ………

rafael oliveira
Visitante
Member
rafael oliveira

Que trabalho primoroso!!!!

MO
Membro

Umm escala 1/144, salvo engano é um Fletcher almão o casco, Z qqr coisa da Revell DE … acho eu

Em tempo:

http://santosshiplovers.blogspot.com.br/2015/09/mt-lpgc-bw-nice-zceh7-video-e-fotos.html

Video + 6 photos

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Lindo!!!

Guilherme Poggio
Editor
Noble Member

Só uma palavra.

Sensacional!!!!

Carlos André
Visitante
Carlos André

Maravilhoso o modelo, espero que o próximo, o Richelieu, também ganhe um espaço por aqui.

Sobre as poucas fotos disponíveis, o antigo Serviço de Documentação da Marinha, hoje DPHDM, tem muitas fotos desses Fletcher (boa parte oriunda do Livro de Navio), algumas até já digitalizadas em alta resolução.

MO
Membro

Verdade, mas poderia Haver uma distribuição mais fácil de fotos dos nossos navios por aqu, sempre é uma briga conseguir algo de qualidade

Os cobstrutores estão de pabens, até por que tambem sairam daquela de modelista que a tremenda reptição de Missouri, New Jersey, Yamato, Enterprise, Nimitz e bla bla bla, nao sai disso …

Em tempo:

Capacitado para 5.110 veiculos (autos)(

http://santosshiplovers.blogspot.com.br/2015/09/pctc-global-leader-c6su5-em-operacao-no.html

Marcelo Valério
Visitante
Marcelo Valério

Estou emocionado… que coisa mais linda o CT SANTA CATARINA, “o mais rápido da esquadra”. Esse Destroyer participou do ataque à IWO JIMA e resgate da APOLO 13! Segundo meu irmão mais velho, que tinha 9 anos quando o pai embarcou no navio, o D32 era o mais rápido na tradicional corrida Maria Cebola e diziam ter sido “envenenado” nos EUA. Isso lhe conferia um certo status na esquadra…

Ronald Cardoso Guimarães
Visitante
Ronald Cardoso Guimarães

Grande D32. Fiz parte do Grupo de Recebimento como Capitão- Tenente. Foi realmente o Fita Azul da Esquadra , mas seu valor maior foi ter introduzido na Esquadra um moderno conceito de adestramento oriundo de nossa passagem pela Base de Guantanamo que aumentou em muito a eficiencia dos navios na época a ponto de nos igualarmos aos navios americanos nos exercicios das Unitas , posteriormente.

Osvaldo Baceloar
Visitante
Osvaldo Baceloar

O CT Santa Catarina teve o privilegio de participar de todas as operações ” UNITAS e “SPRING BORDO” assim como foi responsável pelo translado dos restos mortais de D.Pedro I de Portugal para o Brasil – Rio de Janeiro. Foi também quem transportou os restos mortais do Presidente Castelo Branco para Fortaleza no Ceará. Participei dessa operações como 1ª Classe CI

Dalilu Borges Borges
Visitante

O CT Santa Catarina teve o privilegio de participar de todas as operações ” UNITAS e “SPRING BORDO” assim como foi responsável pelo translado dos restos mortais de D.Pedro I de Portugal para o Brasil – Rio de Janeiro. Foi também quem transportou os restos mortais do Presidente Castelo Branco para Fortaleza no Ceará. Participei dessa operações como 1ª Classe CI
Osvaldo Bacelar Borges

Edimilson Pires Monteiro
Visitante
Edimilson Pires Monteiro

Com muito orgulho fiz parte da guarnição (máquina) deste navio e contribui para a conquista da fita azul aqui mencionada. Parabéns a todos os que tiveram esta honra.

Higino
Visitante
Higino

Saudades desse Navio pois era minha casa durante alguns anos onde tive grandes amigos que terminaram já sua missão aqui nessa terra .

Edimilson Pires Monteiro
Visitante
Edimilson Pires Monteiro

Cadê as fotos das casas de máquinas e caldeiras.

Fellipe
Visitante
Fellipe

estou querendo montar uma replica do CT ACRE, em qual navio seria o mais adequado a montar no mesmo Fletcher da ravell ??

Samuel Gomes Loiola
Visitante
Samuel Gomes Loiola

Tive o privilégio de servir nesse monumento da Marinha do Brasil, de 1984 a 1986 como Marinheiro; sinto imenso orgulho em ter em meus registros essa passagem. O D 32, O CT Santa Catarina ou carinhosamente “Tigre do Caribe”, sempre estará eternizado na memória de todos aqueles que um dia, tiveram a honra de pisar naquela monumental “Máquina de Guerra”.

jorge fernando
Visitante
jorge fernando

saudades do meu navio , servi nele