Home Noticiário Internacional Navios russos disparam 26 mísseis de cruzeiro contra o Estado Islâmico

Navios russos disparam 26 mísseis de cruzeiro contra o Estado Islâmico

4743
118

4 Russian warships launch 26 missiles against ISIS from Caspian Sea

Quatro navios da Marinha Russa dispararam um total de 26 mísseis de cruzeio contra posições do grupo terrorista Estado Islâmico na Síria, anunciou o ministro da Defesa russo Sergey Shoigu. Os mísseis foram disparados do Mar Cáspio. Os mísseis voaram cerca de 1.500km antes de acertarem seus alvos.

Os mísseis vieram da Frota Russa do Mar Cáspio, que faz fronteira com a Rússia, Irã e o litoral de outros três países. As armas de precisão atingiram todos os alvos pretendidos. Os ataques necessitaram da cooperação do Irã e do Iraque, pois os mísseis tiveram que viajar através de seu espaço aéreo para chegar à Síria.

Os quatro navios que dispararam os mísseis foram a fragata Dagestan da classe “Gepard” e as corvetas Grad Sviyazhsk, Uglich e Veliky Ustyug da classe Buyan-M. Foram disparados mísseis Kalibr NK (Klub) de lançadores verticais. Os mísseis podem atingir alvos a 2.500km de distância, com precisão de 3 metros.

4 Russian warships launch 26 missiles against ISIS from Caspian Sea - 2

Subscribe
Notify of
guest
118 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Matheus Augusto
Matheus Augusto
4 anos atrás

Vou esperar os especialistas comentarem antes de me aprofundar sobre essa notícia.

Mas que essa estória de 2500 km de alcance parece um mega exagero, não dá pra acreditar.

Especialistas no assunto por favor, comentem sobre isso.

Baschera
Baschera
4 anos atrás

Muito fumo…. Nenhuma versão do Novator 3M-54 Klub / Kalibr / SS-N-27 conhecida tem este suposto “alcance”: The Klub missile complex consists of the following members: The 3M-54E is a sea-skimming, active radar, subsonic anti-ship missile with a supersonic terminal stage: length of 8.2 m, weight is 2300 kg, range is 220 km, warhead of 200 kg, maximum speed of Mach 2.9 The 3M-54E1 is a sea-skimming, active radar, subsonic anti-ship missile: length of 6.2 m, weight is 1780 kg, range is 300 km, warhead is 400 kg, maximum speed of Mach 0.8 The 3M-14E is a low-flying land attack… Read more »

Wellington Góes
Wellington Góes
4 anos atrás

Segundo o O Globo a distância teria sido e 1.500 km, mas não cita quais mísseis de cruzeiro teriam sido usados.

joseboscojr
joseboscojr
4 anos atrás

Essa rota mostrada no mapa tem em linha reta algo próximo de 1200 km.

Eduardo Alves Sobrinho
Eduardo Alves Sobrinho
4 anos atrás

Baschera, Estas versões que você apresenta são a de exportação do míssil. O (E) no final é indicador de exportação. Existe um tratado interncional que não permite um míssil a ser exportado tenha um alcance maior do que 300 km. Segundo o Wikipedia, que não é uma fonte 100% confiável, esta versão teria 2.500 km de alcance. Como a distância entre um ponto na costa do mar Cáspio no Irã até um ponto na fronteira Síria/Iraque é de 892 km (fonte: https://www.google.com.br/maps/dir/37.5763334,49.1919452/36.8104552,42.071309/@37.0144078,42.3614539,7z/data=!4m2!4m1!3e2), é de se supor que o míssil tenha um alcance pelo menos superior a 1.000 km, caso o… Read more »

joseboscojr
joseboscojr
4 anos atrás

A Wiki fala de alcance entre 1500 e 2500 km. Como tudo que é informação que vem da Rússia é de difícil interpretação rsrss não dá pra saber ao certo, mas tudo indica que seria mesmo de pelo menos 1500 km de alcance. Já ter 2500 km seria meio difícil para um míssil do porte do citado levando-se em conta que a ogiva é na faixa de 1000 lb. Só pra comparação o Tomahawk nuclear tinha 2500 km de alcance (com uma ogiva nuclear na faixa de 200 kg de masa) e o convencional com ogiva unitária de 1000 lb… Read more »

joseboscojr
joseboscojr
4 anos atrás

O alcance de um míssil cruise também é dependente de qual distância ele voa sobre território amigo, a grande altitude (6000 metros mais ou menos).
Geralmente se adota o perfil Hi-Lo.
No caso do post, onde os mísseis cruise atravessaram país amigo (com aviso prévio) e o alvo não tendo defesa antiaérea, a trajetória do míssil pode ter sido toda em grande altitude, o que amplia o alcance e permite uma rota mais retilínea.

joseboscojr
joseboscojr
4 anos atrás

Os russófilos estão se mijando de alegria e a fúria se volta para os que eles denominam de fanboys americanos.
Eles são apaixonados pelos russos mas só souberam agora que a Russia tinha mísseis cruise. Os ditos fanboys já sabem disso há muito tempo.
É cada uma que me aparece!!!

Oganza
Oganza
4 anos atrás

26 mísseis cruise em aparentes 26 alvos que provavelmente eram fixos? Se foi assim mesmo, o mérito não é para o míssil mas para um grande trabalho de reconhecimento, identificação e marcação dos alvos pela inteligência Russa.

Algo difíssil de se engolir, mas até que se prove o contrário… foi um trbalho muito bem feito.

Grande Abraço.

Joker
4 anos atrás

Bosco me perdoe a falta de memoria, mas misseis cruise usam combustivel solido?

joseboscojr
joseboscojr
4 anos atrás

Joker,
Geralmente não.
O Exocet é um míssil cruise subsônico e usa combustível sólido, mas é exceção.
Em geral os mísseis cruise subsônicos usam como propulsor uma turbina (turbojato ou turbofan) e como combustível, o querosene. Só no booster é que usam combustível sólido, para o lançamento a partir da superfície.
Outros mísseis cruise supersônicos usam propulsão ramjet e também usam querosene como combustível de cruzeiro, e também têm um booster de combustível sólido na fase de lançamento.

Eduardo Alves Sobrinho
Eduardo Alves Sobrinho
4 anos atrás

Oganza,

Pelo que eu li em vários jornais mundo afora, foram 26 mísseis para 11 alvos. Foi necessário mais de 2 mísseis por alvo. Talvez ele não seja tão poderoso ou confiável.

Abraço

joseboscojr
joseboscojr
4 anos atrás

Eduardo,
Mas eu acho que essa prática é adotada pelos americanos também.
Mesmo porque um alvo pode representar mais de uma edificação ou se espalhar numa área grande, onde uma única ogiva unitária de 500 kg não garantiria a neutralização dele.

joseboscojr
joseboscojr
4 anos atrás

Na Guerra do Golfo uns 5% dos Tomahawks falharam em alguma fase do voo (do laçamento até a fase de trancar no alvo), uns “tantos” por cento foram interceptados pela antiaérea, mais uns outros tantos por cento foram obscurecidos pela fumaça e poeira levantada pelo primeiro míssil e simplesmente erraram o alvo, mais outro tanto simplesmente errou não se sabe porque, e um outro tanto acertou o alvo mas a ogiva não explodiu.
Ou seja, o seguro manda lançar mais de um míssil por alvo.

Eduardo Alves Sobrinho
Eduardo Alves Sobrinho
4 anos atrás

Bosco,

Você tem 1 ponto.

Mas como você mesmo disse: “Como tudo que é informação que vem da Rússia é de difícil interpretação rsrss não dá pra saber ao certo”… é difícil dizer a qualidade desses mísseis. Existe muita propaganda contra e a favor e nenhuma 100% fidedigna.

Abraço

MO
MO
4 anos atrás

Risos foi se a época que os Slavas, Sovremeny´s e Udaloys eram protagonistas … rsssssss

Em tempo = um dos nossos Rb´s

http://santosshiplovers.blogspot.com.br/2015/10/rb-sst-potiguar-ppkc-meninos-in-action.html

10 pohots + video

Groo
Groo
4 anos atrás
joseboscojr
joseboscojr
4 anos atrás

Os russos que adotam vários tipos de mísseis de cruzeiro supersônico na hora que precisam de longo alcance apelam para o velho e bom míssil subsônico. rsrsss

joseboscojr
joseboscojr
4 anos atrás

Joker,
Só complementando, alguns mísseis supersônicos adotam também o turbojato, como por exemplo o SS-N-19 e o SS-N-12.

João Filho
João Filho
4 anos atrás

E o Brasil? Ja possui essa capacidade???

MO
MO
Reply to  João Filho
4 anos atrás

Brazil, sim posue (em 2472 DC … ) kkkkkkk

joseboscojr
joseboscojr
4 anos atrás

João, Existem basicamente dois tipos de mísseis cruise, os ASCM (míssil de cruzeiro antinavio) e o LACM (míssil de cruzeiro de ataque a alvos terrestres). O Brasil tem 4 tipos de ASCM: Sea Skua, Penguin e Harpoon Block II e o AM-39, lançados do ar, e o MM-40, lançado de navio. E 2 tipos de LACM: o Harpoon Block II (lançado do ar) e futuramente o AVTM-300 (lançado de terra). Ambos, com não mais de 300 km de alcance. Não temos nada parecido com o Tomahawk ou essa versão do míssil Klub ou o SCALP-N, com mais de 1000 km… Read more »

Oganza
Oganza
4 anos atrás

Eduardo Alves Sobrinho,

blz… é praticamente 2 vetores para cada alvo, mas mesmo assim estou surpreso com essa inteligência para a localização e classificação dos alvos.

Só posso expecular que a maioria das informações vieram do pessoal do Assad, pois simplesmente não teve tempo de se estabelecer uma base de reconhecimento do TO, já o governo Sírio!!! 🙂

Grande Abraço.

joseboscojr
joseboscojr
4 anos atrás

Numa definição genérica qualquer míssil que VOE do lançamento ao ponto de impacto é um míssil de cruzeiro, e isso inclui mísseis com motor foguete e de curto alcance, como o Sea Skua ou o Penguin.
Já numa definição “estrita” míssil de cruzeiro é um míssil que VOA do lançamento até o impacto, com propulsão aspirada (turbina ou ramjet), subsônico ou supersônico, de grande alcance, geralmente acima de 100 km.
Num futuro próximo irá incluir também os mísseis hipersônicos com propulsão scramjet.

Victor Matheus
Victor Matheus
4 anos atrás

Boa noite!
Pois é, quer dizer então que a Força Naval Russa ainda funciona e possui armamentos prontos para o disparo? Hahahahaha!!! Brinks!
Realmente a Rússia como não víamos há muito tempo…
Caro Bosco,
Então o BR só possui atualmente o Harpoon!
Mas de qualquer forma ainda não poderia ser usado para uma missão dessa magnitude, nem mesmo o AVTM… Isso se ele ficar pronto e também tiver uma versão naval, hahahaha!!
Abraços!

joseboscojr
joseboscojr
4 anos atrás

Victor, A FAB possui apenas 16 Harpoons e que só operam a partir do P-3. E vale salientar que embora tecnicamente eles possam ser usados para atacar alvos em terra são mais dedicados à função antinavio. Quanto ao AVTM-300, tenho as mesmas preocupações que você. Não sei se sequer terá seu desenvolvimento concluído. Quanto a operarmos mísseis de cruzeiro de longo alcance para ataque terrestre a partir de meios navais, parece haver previsão em nosso subnuc de lançadores verticais, o que sinaliza que isso possa estar nos planos de nossos almirantes (embora mesmo sem eles mísseis cruise podem ser lançados… Read more »

Reinaldo Deprera
Reinaldo Deprera
4 anos atrás

Para nós, vai ser muito bom ver o material que será produzido a partir dessa campanha russa. Pois até então, muito do que se sabe sobre material bélico russo é pura propaganda antiamericana. Os russos farão uso do que há de mais moderno em seu arsenal para não fazer feio. O interesse deles na propaganda é tanta, que chega a ser vexatória. Na medida que, logo no primeiro dia de campanha eles distribuem vídeos e infográficos que não podem ser produzidos com tanta agilidade. Ou seja, é um circo e o show foi planejado, produzido e ensaiado com pelo menos… Read more »

CVN76
4 anos atrás

@Bosco:

“A FAB possui apenas 16 Harpoons “.

E se não me engano; somente 6 Penguin….!!

Resumindo; além de não possuirmos nenhum míssil com mais de 1000 km de alcance; os que temos são em quantidades muito baixas!

joseboscojr
joseboscojr
4 anos atrás

Reinaldo, E os russófilos acreditam em tudo! De acordo com eles centenas de alvos já foram atingidos, todos da maior relevância. Sem falar que “raio terrorizificador” lançado pelo pod de ECM do Su-24, aquele que faz marujo pular no mar, parece que voltou a ser usado porque mais de três mil militantes do EI já deserdaram. Os russófilos, maioria absoluta nos outros blogs de defesa (não é à toa que o PT faliu o país haja vista tanta “bolsa blog” pra propagar a política externa oficial do Partido) deliram com a “demonstração de força” de um Su-24 lançando 4 bombas… Read more »

joseboscojr
joseboscojr
4 anos atrás

E como a coerência não é um atributo dos russófilos eles estão rindo à toa com o uso de bombas de fragmentação por parte da Mãe Russia.
Se é contra os inimigos da Mãe Rússia. pode tudo.

joseboscojr
joseboscojr
4 anos atrás

Outra razão de se usar mísseis cruise de longo alcance é se o alvo estiver encravado num ponto que caças teriam que atravessar espaço aéreo hostil ou numa situação em que não há tempo, em rezão de premência de tempo, de pedir autorização do uso do espaço aéreo.

Wellington Góes
Wellington Góes
4 anos atrás

Até aonde eu sei, me corrijam se estiver errado, mas a FAB ainda não tem nenhum Harpoon em seus paióis, mas tão somente uma autorização de compra, ou eu perdi algo?! CVN76, quem possui os Penguin é a MB, não a FAB. Bosco, não faz sentido usar mísseis de cruzeiro supersônicos em missões deste tipo, com esta distância e contornando o terreno, o perfil de voo (grande altitude e em baixa desviando de morros e montanhas) e o próprio perfil dos mísseis (asas), são diferentes. Aliás, estes mísseis de cruzeiro supersônicos (como o Brahmos) têm como alvos prioritários navios. Assim… Read more »

Leonardo
Leonardo
4 anos atrás

Caro Bosco , Porque está generalizando as coisas dessa forma? Todos são incoerentes? Vc é mais inteligente do que isso!!!! Parece haver raiva de sua parte dada a impotência dos EUA e da OTAN em lidar com os fatos, vcs querem o que? Que o caldo entorne de vez, pelo orgulho americano ferido? Conforme foi dito por um colega, quanto mais os EUA e a OTAN esbravejam, mais os russos riem deles!!! Eu sou um que curto os equipamentos russos, mas em nenhum momento fiz qualquer comentário esbravejando os feitos dos Ivans, somente observo, mas como está “generalizando” afirmando que… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
4 anos atrás

Pois é, como escreveu o Wellington, não fiquei sabendo de nenhuma concretização de entregas de Harpoon. Apenas do anúncio obrigatório de possível venda via FMS, feito pela agência americana DSCA, e outras notícias relacionadas, sendo a mais recente uma nota da FAB sobre a aquisição divulgada em meados deste ano (notícia requentada para coincidir com o aniversário da Aviação de Patrulha): http://www.aereo.jor.br/2015/05/21/aviacao-de-patrulha-fab-tera-missil-antinavio-com-278-km-de-alcance/ Não me lembro de notícia alguma sobre entregas, sejam elas realizadas ou mesmo prazos. A compra do Harpoon para os P-3 da FAB, pelo que pesquisei rapidamente agora, não aparece na base de dados do Sipri. Vale lembrar… Read more »

Pedro Rocha de Lima Filho
Pedro Rocha de Lima Filho
4 anos atrás

Olá senhores! Mestre Bosco, discordo acho que o uso de misseis de cruzeiro tem uma finalidade tática muito importante nesse contexto. É logico que os SU (24 e 34) mesmo o “Pé de Sapo”, SU 25 seriam até mais efetivos, porem toda vez que decolam os “alvos” são alertados! Alerta que viria mesmo que decolasse de um porta-aviões no Mediterrâneo. Portanto, no meu ponto de vista, o uso tático foi corretíssimo!
Acredito que varias lições táticas (militares) serão aprendidas dessa intervenção na Síria, pois essa é uma guerra assimétrica em grande escala, na qual possuem vários “atores” externos.

Matheus Augusto
Matheus Augusto
4 anos atrás

Leonardo, ia fazer um comentário praticamente identico ao seu mas você foi mais rápido kkk

Também não entendo a aparente raiva que muitos aqui parecem ter da rússia(e antes que alguém fale não sou russófilo, antiamericano ou que seja), um povo que nunca nos fez nada, com quem sempre tivemos boas relações, os caras não são vilões, só estão defendendo seus interesses como qualquer bom ator global, como os EUA, china e UK fazem, sinceramente não sei pra que tanta crítica.

E mais uma coisa, colocar Russia e PT no mesmo saco é sacanagem com os Russos kkk

joseboscojr
joseboscojr
4 anos atrás

Leonardo, Parece que minhas críticas solitárias fazem mais efeito nos seus brios que as intermináveis e irritantes críticas de russófilos antiocidentais brasileiros que pululam em outras paragens. Só lamento!! Me dou o direito de continuar a fazê-las independente do conceito que Vossa Senhoria tenha de minha pessoa, principalmente se for citado direta ou indiretamente na blogosfera. rsrssss Quanto a sentir “raiva”, ledo engano. Acho justificável a ação russa no Síria, embora não tenha base para achá-la legítima, já que desconheço qualquer resolução da ONU a respeito, seja contra ou a favor. Do mesmo modo, acho justificável a ação da OTAN,… Read more »

joseboscojr
joseboscojr
4 anos atrás

Matheus,
Cite um enunciado meu que demonstre que eu tenho ódio da Rússia.
O que faço e continuarei fazendo é combater os que têm ódio do Ocidente e de forma pra mim misteriosa, torcem para que ele se lasque.

Matheus Augusto
Matheus Augusto
4 anos atrás

Caro Bosco, antes de mais nada, quero que saiba que tenho um grande respeito por você e pelas contribuições interessantes que faz ao blog, dito isso, acredito não ter mencionado seu nome no meu comentário, minha crítica é apenas contra as aparentes brigas e raiva sem sentido que muitos aqui tem por um lado ou outro e se esse pessoal antiamericano em outros blogs( eu só acompanho esse) fazem também esse tipo de coisa, não deixam de ser rídiculos, desocupados e imbecis.

Boa tarde.

joseboscojr
joseboscojr
4 anos atrás

Quanto a colocar a Rússia e o PT no mesmo saco, quem fez isso foi o PT quando assumiu o Poder e se alinhou automaticamente a tudo que seja anti-imperialista e anticapitalista e flertando com ditadores e terroristas, bons moços humanitários que são, e de lambuja se alinharam automaticamente à Rússia e China e demonizaram os EUA e Israel, num processo de desinformação institucionalizada, com claro objetivo de “desviar o foco” e “achar um bode expiatório” externo.
Hoje temos consciência do porque essa política foi colocada em prática.
Vá reclamar com eles.

costamarques
costamarques
4 anos atrás

Voltando a falar desses misseis!

Esses misseis se lançados de Teerã, podem atingir Israel?

joseboscojr
joseboscojr
4 anos atrás

Beleza Matheus! Mas se você prestar atenção ninguém nesse blog demonstra ódio ou raiva contra Rússia ou a China, só pra citar um exemplo. Diferente do que ocorre em relação ao Ocidente, notadamente em relação aos EUA e Israel. O que se vê é o mais puro sentimento de ódio a esses atores, sendo destilado com a complacência dos “isentos” editores e moderadores dos mais diversos sítios. Aqui, no máximo que ocorre é uma argumentação em defesa de um ponto de vista mais alinhado com a posição dita “ocidental” mas não se vê a replicação de mantras de ódio, tipicas… Read more »

costamarques
costamarques
4 anos atrás

Pergunto isso pois, essa tecnologia se mostra pergiosa!

E como o Iran odeia Israel e atualmente é aliada da Russia!

joseboscojr
joseboscojr
4 anos atrás

Costa,
Tudo indica que o Irã tenha seu próprio míssil cruise de longo alcance, o Meshkat, com 2000 km de alcance.

Wellington Góes
Wellington Góes
4 anos atrás

Off Topic:

Aproveitando a oportunidade, parabéns por mais uma primavera Galante!!! 😉

costamarques
costamarques
4 anos atrás

Isso é perigoso d+ para o mundo em si, e acredito que com misseis assim os caças são obsoletos em te tratando de mortes em massa, pois atacar uma aldeia ou um acampamento ou um batalhão inimigo é uma coisa, precisa de precisao e caças etc! Mas atacar uma cidade populosa com uma ogiva com intuito de matar! esses misseis que a Russia lançou pode deixar uma nação de joelhos! Imaginem os EUA lançando misseis em um pais hostil! Gosto dos equipamentos militares, mas velos em ação me faz me questionar muitas coisas sobre o rumo que aquela região tem… Read more »

joseboscojr
joseboscojr
4 anos atrás

Costa, Existem algumas dezenas de milhares de mísseis cruise antinavios (ASCM) no mundo e eles representam uma preocupação para a comunidade internacional já que milhares podem cair nas mãos de terroristas e serem usados como míssil cruise de ataque terrestre. Hoje, os drones, os mísseis antinavios e os manpads são uma grande preocupação internacional, em relação a atividades terroristas. Por exemplo, se se pegar um Exocet e desabilitar o radar e o radioaltímetro, ele irá funcionar como um míssil de ataque terrestre fazendo uso de seu guia inercial, com razoável precisão. Voando mais alto e até o alcance melhora. Se… Read more »

joseboscojr
joseboscojr
4 anos atrás

Costa,
Tem um artigo em pdf que se chama “The Cruise Missile Challenge” de Thomas G. Mahnken que é muito interessante.
Eu não sei como é que posta artigo em pdf mas é fácil achá-lo no Google.

costamarques
costamarques
4 anos atrás

Gostei do artigo Bosco!

“Another path to acquiring a LACM would be to convert an ASCM into
a LACM”

Preocupante!

Essa conversão seria facil para paises instaveis como coreia do norte ou iran?

costamarques
costamarques
4 anos atrás

Estou lendo ele e irei traduzir para postar depois para quem se interessar, só de uma breve olhada vemos o quanto é perigoso esse tipo de tecnologia, eu gosto dos equipamentos russos, mas é triste ver essa demonstração, pois o telefone do “COMERCIAL” deve estar tocando lá com muitos interessados digamos assim por uma fatia dessa tecnologia!

Victor Matheus
Victor Matheus
4 anos atrás

Boa tarde!
Uma observação sobre o vídeo:
Percebi que a cadência de disparo dos mísseis cruise russos é bem maior que a dos mísseis Tomahawk.
Talvez não signifique muita coisa mas acredito que com uma maior cadência de disparo esses mísseis talvez tenham maior capacidade de saturação da defesa de um alvo (lembrando que essa saturação seria causada pelo engajamento de mais de um míssil sobre o mesmo alvo).
Um múltiplo ataque de mísseis disparados rapidamente poderiam deixar qualquer sistema de defesa antiaérea em apuros. Haja Phalanx!!!!! kkkkkkkkk!!
Abraços!