Home História Ode ao contratorpedeiro Piauí (D31)

Ode ao contratorpedeiro Piauí (D31)

3145
4

piaui04

ODE AO CONTRATORPEDEIRO* PIAUÍ
(ex-USS Lewis Hancock – DD 675)

Por Net 7 Mares

Singra os mares, imponente,
E, a bordo, em lida dura,
valoroso contingente
Não se importa com a clausura.

O que importa é a captura
Do inimigo submerso
que foge à luta dura
e, no mar, mantém-se imerso.

De tão bela envergadura,
Os raios do sol, em feixe,
Iluminam-lhe a bravura;

Nem lhe abala a barafunda
Das ondas. Piau é peixe,
E, nem morto, peixe afunda.

piaui01
*Contratorpedeiro: navio veloz, de porte médio, que dispõe de torpedos, especialmente empregado na guerra anti-submarino.

4
Deixe um comentário

avatar
2 Comment threads
2 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
4 Comment authors
LuizAlexandre GalanteFernando "Nunão" De MartiniVader Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Vader
Membro

Na nomenclatura pindoramense “contratorpedeiro” seria o equivalente ao “destroyer” norte-americano correto?

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Noble Member

Sim, porque “destroyer” é a redução do antigo nome dessa categoria de navios quando surgiu no final do século XIX, chamados de “torpedo boat destroyer” – o que em português significa “destruidor de torpedeiro”, ou simplesmente contratorpedeiro. Em pouco tempo passou simplesmente a ser chamado de destroyer, antes mesmo dessa função de destruidor de torpedeiros ser ultrapassada pelo desenvolvimento das tecnologias e táticas, quando o destroyer passou a ser tanto um navio de defesa da linha de batalha contra outros navios lançadores de torpedos quanto, principalmente, de ataque. Isso porque a própria função de lançamento de torpedos na superfície em… Read more »

Luiz
Visitante
Luiz

Net 7 Mares:
Brilhante……
Parabéns.
Na pintura que ilustra a matéria (baseada em uma foto verdadeira), o saudoso Piauí com a bandeira ROMEO atopetada, por bombordo, iniciando sua aproximação para uma faina de transferência, como navio recebedor, aparentemente com mais de 240 rotações (cerca de 24 nós)!
Essa era a velocidade de evolução, para esse tipo de faina. Pouco antes de chegar na altura da popa do fornecedor, o CT cortava as rotações para a veloc de transferência (11 nós se fosse o Marajó) e caia certinho na posição adequada….
Bons tempos.