Home Marinha do Brasil Casco da ex-corveta ‘Frontin’ é afundado na Operação MISSILEX 2016

Casco da ex-corveta ‘Frontin’ é afundado na Operação MISSILEX 2016

16302
102

MISSILEX 2016 - 4

A Marinha do Brasil realiza, no período de 11 a 20 de abril, na área marítima compreendida entre o Rio de Janeiro (RJ) e Vitória (ES), a Operação MISSILEX 2016, sob coordenação do Comando da 1ª Divisão da Esquadra (ComDiv-1). A Operação tem como objetivo realizar exercícios no mar, de caráter estritamente militar, concernentes às tarefas básicas do Poder Naval, executar lançamentos de mísseis sobre o casco de uma ex-corveta, com o propósito de afundá-lo, além de efetuar testes exploratórios em proveito da Avaliação Operacional da aeronave SH-16.

O Grupo-Tarefa (GT) é composto pelas Fragatas “União” (F45), “Constituição” (F42) e “Rademaker” (F49); pelo Navio de Desembarque de Carros de Combate (NDCC) “Almirante Saboia” (G25); pelas aeronaves AH-11, UH-13, SH-16, UH-15 e AF-1; e por uma aeronave P-3 AM, da Força Aérea Brasileira (FAB).

Na tarde do dia 12 de abril, duas aeronaves SH-16, recém-adquiridas pela Marinha do Brasil e pertencentes ao 1º Esquadrão de Helicópteros Antissubmarino (HS-1), lançaram dois Mísseis Ar-Superfície (MAS) PENGUIN sobre o casco de uma ex-corveta, causando danos significativos ao alvo.

Na sequência, a F45 – Capitânia do GT – lançou o Míssil Superfície-Superfície (MSS) EXOCET sobre o casco da ex-corveta, afundando-o em poucos minutos

Ressalta-se que o êxito obtido pela Esquadra, na execução do exercício de lançamento de mísseis, só foi possível em função do apoio prestado por diversas Organizações Militares do Setor do Material, que prepararam o armamento e o alvo, e pelos Rebocadores de Alto-Mar “Tridente” e “Guillobel”, subordinados ao Comando do 1º Distrito Naval, que conduziram o casco até a área de operação.

MISSILEX 2016 - 3
Míssil ar-superfície PENGUIN lançado pelo SH-16
MISSILEX 2016 - 5
Míssil Exocet MM-40 disparado pela fragata União
MISSILEX 2016 -6
Impacto do míssil Exocet no casco da ex-corveta Frontin

FONTE: MB

Subscribe
Notify of
guest
102 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Antonio Abel
Antonio Abel
4 anos atrás

Tem filmagem???

Juarez
Juarez
4 anos atrás

Bem, isto aí é um exemplo de um treinamento válido, aonde um vetor testado, homologado, operacional e que cumpre a missão mostrou o que é capaz sem lero lero, sem promessas nunca antes vistas antes vistas, em fim comprovou aquilo que o fabricante tanto do vetor quanto do armamento atestaram.
As coisas funcionam e andam, quando a MB resolve não querer reinventar a roda.
Falta agora pelo menos quatro escoltas que comportassem a operação full do SH 16, usadas, é óbvio, porque no hay la plata.

G abraço

Airacobra
Airacobra
4 anos atrás

Meus sentimentos ao XO.

Airacobra
Airacobra
4 anos atrás

Ao menos teve um fim digno.

Caio Romão
Caio Romão
4 anos atrás

Bom, foi um fim mais digno do que parar num ferro velho na Índia ou Bangladesh como acontece geralmente com os cascos antigos da MB.

Airacobra
Airacobra
4 anos atrás

E diga-se de passagem que a Frontin não era um navio antigo, era a mais nova da classe Inhauma, sendo incorporada em meados da decada de 90

Carlos Eduardo Oliveira
4 anos atrás

Acho que em 2010, esse navio estava em Rio Grande e voltou rebocado para o AMRJ.
Ele morreu nessa viagem.

Carlos Eduardo Oliveira
4 anos atrás

Airacobra, se não me engano, ele foi incorporado em 1995. Durou 15 anos.

Renato de Mello Machado
Renato de Mello Machado
4 anos atrás

Sim é um treinamento,interessante.Não resta dúvida.

Flávio
Flávio
4 anos atrás

Bom dia.
Num exercício desses , além dos testes e avaliações dos helicópteros e mísseis.
Lembro que quando foi anunciado que a Frontin seria usada como alvo, alguém comentou a respeito de se avaliar como o casco do navio se comportaria nesses impactos.
Existe algum tipo de avaliação quanto a capacidade do navio alvo receber avarias?
Afinal duas dessa classe ainda continuam na ativa e os navios foram construídos aqui.
sds.

XO
XO
4 anos atrás

Meus amigos, quem foi de Marinha entende esse sentimento… 6 anos, 350 dias de mar 2 promoções a bordo desse Navio, meu primeiro… descanse em paz, Carrasco dos Mares…

Lewandowski
Lewandowski
4 anos atrás

Sei que em outras postagens já comentaram a respeito da Frontin, mas 15 anos ou um pouco mais não é pouco tempo? Para uma Marinha que cogita compra de escoltas de 20-25 anos…
.
Realmente eu não sei o por quê da desativação, mas me parece pura falta de planejamento. Enquanto se gasta meios impróprios para a MB, como o opalão de mais de 50 anos, desativa-se uma corveta com menos de 20…
.
Sds.

XO
XO
4 anos atrás

Flávio, normalmente, é realizada uma inspeção a bordo, mas, pelas fotos, acho que não rolou…
é importante dizer que a avaliação é muito superficial, não há combustível, munição etc…

Carlos Eduardo Oliveira
4 anos atrás

O casco da Frontin, dizem, estava igual um queijo suíço.
Por isso que foi desativada prematuramente.

XO
XO
4 anos atrás

Carlos, realmente, as obras vivas estavam comprometidas… seria necessário substituir uma grande parte do chapeamento… não valia…

Delmo Almeida
Delmo Almeida
4 anos atrás

E qual seria o motivo desse desgaste prematuro? Erro no projeto? Materiais? Construção? Manutenção? Alguma outra coisa? Grato!

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Delmo Almeida
4 anos atrás

Delmo Almeida, bom dia. . Há vários motivos. Um dos que são aventados é que as corvetas tiveram, durante vários anos da década passada, suas manutenções postergadas para que a Esquadra cumprisse suas missões enquanto boa parte das fragatas classe “Niterói” se encontrava indisponível devido ao programa “Modfrag”. Então o desgaste foi além do normal, esticando-se o período de operação entre as manutenções obrigatórias devido à redução de navios operacionais. Quando chegou a vez das corvetas passarem pelas manutenções postergadas (que seriam combinadas com modernizações), já na virada para esta década, esse desgaste cobrou seu preço, com quase todas necessitarem… Read more »

Flávio
Flávio
4 anos atrás

XO, obrigado pela resposta.
Tem filmagem do exercício?
sds

Dalton
4 anos atrás

Além do que o Nunão escreveu penso que certos navios, principalmente os combatentes de superfície de pequeno porte tem sua expectativa de vida taxada em 25 anos, o “LCS” da US Navy é um exemplo e uma vez li sobre as “Inhaúmas” terem essa expectativa ou seja não foram construídas para muito mais do que isso então se considerarmos que a “Frontin” foi incorporada no início de 1994 e passou para a reserva em 2004 já se foram 20 anos. . Claro que na prática os navios taxados para 25 anos acabam durando muito mais mesmo que às custas de… Read more »

XO
XO
4 anos atrás

Flávio, só tenho a filmagem do lançamento de MM 40 que a própria Frontin fez em 2000… do afundamento dela, nem quero ver… sorry…

Gelson Jorge Emerim
4 anos atrás

Exercícios com munição e alvos reais sempre põem à prova a formação das equipes e a confiabilidade dos armamentos. Apesar de não haver novidade tecnológica nenhuma neste caso esta é uma oportunidade excelente para a conclusão do adestramento. Cara, mas necessária.
Se não funcionar, afunda!
Parece que a MB vai ter muitas oportunidades neste segmento da instrução. Há uma longa lista de futuros prováveis alvos dentro desta organização. A marujada vai ficar “na ponta dos cascos”. Sem navios mas, instruída.
Abraços.

Bosco
4 anos atrás

A avaliação de dano não é muito realista tendo em vista que o navio não tinha combustível e nem munição.
Quanto à utilização do Penguin que tem uma cabeça de busca térmica (sem formação de imagem) será que incrementaram a assinatura térmica do navio (com aquecedores) ou o seeker tranca no navio à deriva sem nenhum preparo prévio??

XO
XO
4 anos atrás

Bosco, não sei dizer, mas acho muito difícil tracking sem uma fonte térmica decente… na EOS-400, que é um sensor, víamos muito bem definida a praça de máquinas, chaminé, fica fácil assim, mas, como disse não participei do evento e não conheço as capacidades do míssil…

Flávio
Flávio
4 anos atrás

OK XO, entendo você, acho que se eu estivesse no seu lugar também não iria querer ver os impactos.
Abraço.
Bosco, pelo menos sabemos que o efeito do afundamento se deu apenas pelo poder das cabeças de guerra, já é alguma coisa.
O Penguin só tem cabeça de busca térmica ? Tem algum outro tipo de guiamento ? Eu achava que era radar ativo.
Quantos misseis foram lançados ?
Saudações a todos.

Blind Mans Bluff
Blind Mans Bluff
4 anos atrás

Seria legal se a MB divulgasse os videos.

Bosco
4 anos atrás

Valeu XO!

Flávio,
O Penguin só tem cabeça de busca térmica.
Só de curiosidade, o único míssil antinavio operacional que tem duplo sistema de orientação (IR e radar ativo) é o Hsiung Feng II de Taiwan.
http://missilethreat.com/wp-content/uploads/2013/04/hs-2.jpg
Nessa foto é visível o seeker IR acima do nariz do míssil que contém o radar ativo.

Fernando
Fernando
4 anos atrás

logo em breve oq vai ter de embarcação para alvo não vai ser brincadeira. A MB tem que correr para acelerar o programa de substituição de seus meios navais.

Flávio
Flávio
4 anos atrás

Valeu Bosco. Eu estava dando uma pesquisada aqui, eu confundi, o sea skua é que tem cabeça de busca “semi” ativa.
Abraço.

Seal
4 anos atrás

Com o Exocet MM-40 não tem conversa, acertou já era uma vez um navio.Importante participação dos SH-16(Sea Hawk). Em tempo, vídeo da operação UANFEX, que visa o adestramento de um desembarque anfíbio. A operação contou com a presença do NDCC Almirante Sabóia que lançou os Clanfs para projeção anfíbia.
https://youtu.be/HtxgVI3tHuk?t=215

João Paullo S Conceição
4 anos atrás

Brasil comprou o Penguin MK2 ou Mk3 com maior alcance ?

Bosco
4 anos atrás

João, O Penguin da MB é o Mk-2 mod 7, específico de helicóptero. O alcance maior do Mk-3 se deve ao lançamento por caças de médias altitudes onde o míssil plana antes de acionar o motor foguete que tem um motor foguete com queima um pouco maior também. – Seal, A ogiva do Exocet não é muito diferente da do Penguin. A do Exocet tem massa de 160 kg e a do Penguin de 120 kg. Claro, tendo mais massa (incluindo na maioria das vezes propelente residual) que o Penguin e uma ogiva 40 kg mais pesada é claro que… Read more »

Caio Romão
Caio Romão
4 anos atrás

Marcos 23 de setembro de 2014 at 22:40
“Deveriam ter começado desenvolvendo NaPOc no estado da arte, já pensando em um segundo momento, que seria, com o mesmo projeto, uma Corveta. E então não seria difícil fazer uma Fragata.
Mas a megalomania tomou conta de todos: submarinos nucleares, uma segunda frota, dois NAes nucleares”.

—————————————————————————————–
Exato!
Dito isso, acrescentar o quê ???

Caio Romão
Caio Romão
4 anos atrás

PS: Tá certo que segundo a MB os custos da reforma do casco da “Frontin” estavam acima do esperado… Mas quanto aos custos exorbitantes para a “reforma” de um certo porta-aviões de 50 anos de idade, que foi usado até a medula pela França e em que a caldeira explodiu, matando gente, inclusive e que já deveria estar num ferro velho indiano há tempos ??? Acho que o Almirantado brasileiro anda bebendo muito Whisky… E por falar em Whisky… http://oglobo.globo.com/brasil/pregao-com-mais-de-180-mil-garrafas-de-bebidas-alcoolicas-suspenso-pela-marinha-12190208 Com diria um saudoso membro do blog: “O problema da Marinha do Brasil é que ela não forma oficias mas… Read more »

GuiAmaral
GuiAmaral
4 anos atrás

Senhores, parabéns aos comentários. Assim da até gosto de acompanhar, sem choradera e politicagem chata. T

Nunca vi a MB aproveitar um exercício destes para treinar sua tripulação de submarinos no lançamento de torpedos. Existe alguma razão para isso? Seria interessante ver.

Abs

Jakson de Almeida
4 anos atrás

E o desenvolvimento do MAN-1 ,por anda anda?

Delmo Almeida
Delmo Almeida
4 anos atrás

Muito obrigado pelas respostas.
E concordo com a parte de que a Marinha forma príncipes. As três forças ainda fazem muito isso, mas a marinha se supera.

fidalgo
4 anos atrás

Também gostava de ver o filme! assim conseguia-se ver o efeito da explosão ao longo de segundos, estava curioso para ver o “velho” Exocet em ação…
Alguém deve ter filmado.

Alexandro
Alexandro
4 anos atrás

Com certeza um treinamento necessário para nossa gloriosa marinha.

fidalgo
4 anos atrás

Bosco,

aqueles misseis sea wolf dos escoltas brasileiros funcionam ou não? Na guerra da Malvinas foram uma desgraça, falhavam sempre o disparo…

Um abraço

Caio F
4 anos atrás

Alguém consiga esse vídeo, por favor!

Bardini
Bardini
4 anos atrás

Será que foi o P-3AM quem buscou e monitorou o alvo fornecendo as informações para a operação?

by mauro
by mauro
4 anos atrás

Senhores, as corvetas de fabricação nacional como a maioria aqui já deve saber possui um grave erro em seu projeto onde a proa afunda em mar revolto com grandes ondas, lembro de saber que a proa afundava ao corta uma onda e demorava voltar, fiquei sabendo ate que foi colocado concreto na popa para que a proa subisse. Não sei porque não foi trocado o canhão mega pesado por algo mais leve do tipo 76 mm ou 40 mm. Uma pena o acontecido porem é melhor que ir para o desmanche e virar parafuso. Uma boa noite a todos.

Bosco
4 anos atrás

Fidalgo,
Os Sea Wolf da Marinha do Brasil eu não sei tendo em vista a precariedade de nossos meios de superfície, agora o sistema Sea Wolf era reconhecido como sendo bastante eficiente.
Nas Malvinas há de salientar que era a primeira versão, que não era capaz de operar de modo satisfatório contra alvos sea-skimming. Essa capacidade só foi adicionada nas versões posteriores.
Um abraço.

Luciano
Luciano
4 anos atrás

A última foto, da Frontin já em chamas – sinto muito, XO -, foi feita por um P3? Qual o papel deste meio nesse exercício?

XO
XO
4 anos atrás

Senhores, em todo lugar existem “mordomicos”, entre nós inclusive, mas falar em “príncipe” é demais… GuiAmaral, em 2000, por ocasião do lançamento de MM40 pela V33, houve disparo de torpedo também…

Seal
4 anos atrás

Bosco, sem contar que o Exocet MM-40 tem 300Kg de peso a mais que o Penguin que pesa 340Kg. O Exocet MK-2, como é lançado além do horizonte, necessita de um helicóptero para designar o alvo, nào sei se foi utilizado o Sea Hawk ou o P-3. Será que teremos a versão MK-3 que mantém a mesma cabeça de busca e radar mas guiado por GPS , e pode ser lançado pelo mesmo tubo do MK-2?. Se não me engano, as Marinhas do Peru e Venezuela utilizam o míssil anti-navio Otomat. A versão MK-2 tem alcance de 180Km.

Mahan
Mahan
4 anos atrás

E ai companheiro maduro, vai encarar?

Bosco
4 anos atrás

Seal,
Claro que pode ter sido utilizado outra aeronave pra poder designar o alvo mas a fragata União tem um helicóptero Super Lynx orgânico e geralmente é ele que é utilizado de modo geral pra designar alvos OTH para a fragata.

Seal
4 anos atrás

Bem lembrado Bosco. Tinha esquecido dos heli Super Lynx, material orgânico das Fragatas, que estão sendo modernizados também.

Alex Tiago
Alex Tiago
4 anos atrás

Uma pergunta aos entendedores. Estamos sem escoltas e ate mesmo sem corvetas então se por uma necessidade seria possivel realocar os sistemas e armamento retirados da corveta e fragatas desativadas tipo22 e realocar nos patrulhas oceanicas , sea wolf, exocet, 40mm, 20mm e assim transformando em escoltas de baixa potencia e adotar um canhão 76mm super rapid ou algo mais adequado.