Home Marinha do Brasil Marinha do Brasil realiza Operação Dragão XXXVII em Itaóca – ES

Marinha do Brasil realiza Operação Dragão XXXVII em Itaóca – ES

7551
23

ndm-bahia

De 28 de novembro a 16 de dezembro, a Força de Fuzileiros da Esquadra (FFE) e o Comando em Chefe da Esquadra realizarão a OPERAÇÃO DRAGÃO-XXXVII, uma Operação Anfíbia na sua modalidade Assalto Anfíbio que será realizada na área marítima compreendida entre o Rio de Janeiro e Itaóca (ES).

O Dia D da operação (desembarque de meios e pessoal) ocorrerá no domingo 4 de dezembro, a partir das 8h00 da manhã (Hora H), na praia de Itaóca, nas proximidades da Base de Apoio Administrativo de Fuzileiros Navais, 1744 Rodovia do Sol, 2, Itapemirim. O exercício simulará uma tomada de uma parte do território inimigo por meio de um Assalto Anfíbio. Pelo cronograma proposto, a partir das 8h00 até aproximadamente 13h00 ocorrerá o movimento navio para terra (MNT), quando os navios da marinha lançarão ao mar os meios anfíbios, que num primeiro momento conquistarão os objetivos próximos ao litoral e posteriormente seguirão em direção ao interior para conquista dos demais objetivos e consolidação da Cabeça de Praia (CP). A ação envolverá a utilização dos 12 Carros Lagarta Anfíbios (CLAnf), quatro embarcações de desembarque contendo meios de pessoal e material e dois helicópteros UH-15.

O exercício é importante para a Marinha do Brasil e principalmente para o Corpo de Fuzileiros Navais por incluir todas as fases de uma Operação Anfíbia: planejamento, embarque, ensaio, travessia, e assalto. As Operações Anfíbias são consideradas a razão se ser dos Fuzileiros Navais, e simbolizam o ápice de seu adestramento operativo. A DRAGÃO é uma operação de Guerra Naval bastante complexa, pois envolve o emprego de diversos meios navais, aeronavais e de Fuzileiros Navais. O exercício de 2016 terá a participação de cerca de dois mil militares e será o primeiro a empregar o Navio Doca Multipropósito (NDM) Bahia, recentemente incorporado à Marinha do Brasil. Além do Bahia, participarão da operação os Navios de Desembarque de Carros de Combate (NDCC) Almirante Saboia e Garcia D’Ávila, as Fragatas Independência, Greenhalgh e Rademaker, a Corveta Barroso, os Submarinos Tapajó e Tupi, os Navios Patrulha Oceânico Apa e Amazonas, o Rebocador de Alto Mar Almirante Guillobel, o Navio Patrulha Macaé e as aeronaves de asa fixa Skyhawk AF-1 e asa rotativa Seahawk SH-16 e Super Cougar UH-15.

itaoca-1

itaoca-2

itaoca-3

ndcc-saboia-ao-fundo

npo-amazonas-ao-fundo

saboia-ao-fundo-2

DIVULGAÇÃO: Comunicação Social do Comando da Força de Fuzileiros da Esquadra

Subscribe
Notify of
guest
23 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Delmo Almeida
Delmo Almeida
3 anos atrás

Metade da marinha vai estar ai… dois submarinos de uma vez…

Caio Romão
Caio Romão
3 anos atrás

Sem uma esquadra de escolta decente, a MB só serve pra isso mesmo: desembarques em cabeça de praia (isso em uma situação hipotética na qual o inimigo também não tem submarinos e escoltas decentes). O que temos são, pequenas patrulhas desdentadas de guarda costeira, bases e pessoal administrativo em excesso e um corpo de fuzileiros navais inchado, que serve apenas para manter a ordem nas ruas quando a polícia carioca não consegue controlar a situação. Além de dois submarinos razoáveis e, é claro, grandes alvos, inoperantes como o Opalão ou operantes como o Bahia. . Fora isso, nada de novo… Read more »

André
André
3 anos atrás

Romão. Antes de você lançar sua opinião ou critica tenha certeza do que você fala.
Guerra ou um assalto anfíbio não se faz apenas com tecnologia, isso não é um jogo de video-game e sim. Nosso Corpo de Fuzileiros Navais tem total capacidade para fazer um tipo de operação como essa,porque em questão de profissionalismo e disciplina temos em abundância. Desde já Grato.

Marcelo
Marcelo
3 anos atrás

Queiram ou não, as forças armadas brasileiras hoje estão somente aparelhadas e adequadas para agir contra insurreições urbanas internas, ou seja para bom entendedor: entrar em ação contra futuras insatisfações da população, isto foi muito bem planejado nos últimos anos, o processo de internacionalização destas Terras Brazilys está em processo e será de maneira que não seja percebido pela população, a MIDIA sempre continuará informando o que eles querem….

Leandro Costa
Leandro Costa
3 anos atrás

Processo de internacionalização? Putz, o LSD começou cedo nesse tópico.
.
Enfim, é bom ver a MB treinando com o que tem, pelo menos.

Tomcat3.7
Tomcat3.7
3 anos atrás

A marinha está fazendo o que dá com o que tem, se houveram excessos e muitos erros na adm passada, fazer o quê, o mundo não para e treinar é sempre necessário para uma instituição militar. O excesso de pessimismo e reclamação de alguns não vai contribuir em nada, assim como não contribuiu no passado . Bons ventos para a MB !!!
Obs. ta rolando uma viagem na marinalga da braba hein com essa de internacionalização !!!kkkk

XO
XO
3 anos atrás

Que pena que não tem Navio- Varredor nessa… é um adestramento importante pada o pessoal do ComForMinVar…

sergio ribamar ferreira
sergio ribamar ferreira
3 anos atrás

Boa tarde a todos. Mesmo com parcos recursos o treinamento ´e de suma importância, principalmente para os fuzileiros, ou seja:” se não usar(treinar) enferruja”. Já presenciei pelos idos de 80/81 ou 1982 e o treinamento era bem rigoroso. sigam em frente Armada/fuzileiros. Deus abençoe a todos.

sergio ribamar ferreira
sergio ribamar ferreira
3 anos atrás

Observação: …é de suma importância…

Jagderband#44
Jagderband#44
3 anos atrás

Pergunta:
Na segunda e terceira fotos é um Lynx?
Se sim, o que um HE orgânico naval faz “em cima” de uma cabeça de praia?

att.
Jagd

Marujo
Marujo
3 anos atrás

Se há um assunto que parece definitivamente fora da cogitação da MB é a renovação da força de minagem e varredura, um investimento relativamente barato e com opções de segunda mão. Talvez o amigo XO possa me desmentir.

Space Jockey
Space Jockey
3 anos atrás

Quando criança vi umas duas dessas operações aqui no litoral de SC, a DRAGÃO de 1988 foi IMENSA, a fila de Vtrs Tipo Cascavel, Urutu, M-113 e sei la quais mais era imensa passando na rua em frente da minha casa, parecia que não acabava mais. E todos acenando para os soldados tipo filme de guerra. Existia aviaçào fazendo ataques simulados, helicópteros, combates com festin entre pelotões, FN MAGs cuspindo festin do nosso lado e vários navios que conseguíamos avistá-los da base dos FN numa colina. (inclusive eles davam o binóculos para olhar-mos), era a alegria da criançada. Passavam jatos… Read more »

XO
XO
3 anos atrás

Marujo, desconheço planos para o ComForMinVar… não sei valores, mas os NV estado da arte não devem ser tão baratos assim… motores, geradores, tudo é amagnético… encarece bastante…enquanto isso, esperemos que o meu querido Albardão seus irmãos segurem as pontas… “raia corrida, mina varrida”… abraço…

Valim
Valim
3 anos atrás

Uai!!!
A DRAGÃO não tinha sido extinta para dar lugar à ÁGATA que é um exercício combinados das FFAA???
Desculpe, é apenas uma dúvida.

Airacobra
Airacobra
3 anos atrás

Parece que a MB está voltando às origens, ao menos em relação à volta da dragão (do nome pelo menos, pois enquanto não houve dragão houveram várias incursex, uanfex, atlantico e etc) vejo com bons olhos a atuação do Alte Leal Ferreira no comanso da Briosa.

Juarez
Juarez
3 anos atrás

Vamos ver se o Com Leal acaba de vez com as Guanabarex, Desfilex, Faz de Contex, Enrolex e prioriza operações q aprimorem a doutrina operacional.

G abraco

OCP
OCP
3 anos atrás

Valim: As Operacoes Dragao, que ocorreram até 2001, foram substituídas, após a criacao do MD EM 1999, pelas Opracoes Leao. Posteriormente, estas, de acordo com o calendário de planejamento do MD, foram substituídas pelas Operacoes Atlantico, as quais, nao necessariamente, abordavam temas de operavoes anfibias. Esta Dragão representa, simbolicamente, mesmo que com uma quantidade de meios menor do que os envolvidos naquelas da década de 1980 e 1990, uma retomada das operacoes anfíbias, num contexto conceitual muito mais amplo, o qual envolve, além dos tipos tradicionais (assalto, incursao, demonstracao e retirada), a projecao anfíbia.

Antonio palhares
Antonio palhares
3 anos atrás

A falta de compromisso com a defesa do país começou e piorou mais com a chegada dos civis ao poder.
Falta recursos por causa da corrupção profissional que existe no país. Nossos politicos não prestam. De nenhum partido.

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
3 anos atrás

KKKK Juarez, Guanabarex, desfilex, kkk você não vale um pão na chapa, kkkkk!!!!!!

Valim
Valim
3 anos atrás

era o ano de 1985. Me lembro de um desembarque de fuzileiros (não sei se era DRAGÃO) em Itaguaí-SC. Eu pertenci á Turma Delta-II da EAMSC e estava para embarcar no NTTr – Ari Parreiras para a viagem de 1 semana como GRUMETE.
Havia centenas de fuzileiros e uma quantidade enorme de viaturas. Enquanto ficamos no mar durante 1 semana, os fuzileiros ficaram realizando adestramento em terra.
Bons tempos aqueles.

Gabriel
Gabriel
3 anos atrás

Acabei de ver uma bela foto, de uma FT no site do vizinho se deslocando para a operação , http://55ca7cd0-f8ac-0132-1185-705681baa5c1.s3-website-sa-east-1.amazonaws.com/defesanet/site/upload/news_image/2016/12/33853_resize_800_600_false_true_null.jpg ,

Temos 2 greenhalgh / 01 niteroi / 01 jacegui / 2 transporte + 01 G40 “nau capitania ” correto produção?

Carlos Eduardo Oliveira
3 anos atrás

Não dou mais 3 anos, para a Corveta Barroso ficar no mesmo estado como as corvetas da classe Inhaúma estão hoje em dia.

Marcio
Marcio
2 anos atrás

Ola Saudações A MB , Gostaria DE Saber Se Ta Tendo Operação No Litoral Sul Do ES Na Praia De Itaoca ? Grato