HMS Coventry seatrials
O destróier antiaéreo Type 42 HMS Coventry (D118), classe “Sheffield” da Royal Navy, foi lançado ao mar em 29 de janeiro de 1973, incorporado ao serviço ativo em 21 de junho de 1974 e entrou em serviço em 20 de outubro de 1978. A foto do alto mostra o navio em testes de mar

Há exatamente 35 anos, o moderno destróier britânico HMS Coventry foi afundado durante a campanha para a recuperação das Ilhas Falklands/Malvinas no dia 25 de maio de 1982, quando foi atacado por duas levas de jatos A-4B Skyhawk do Grupo 5 da Força Aérea Argentina.

HMS-Coventry-3

O HMS Coventry foi atingido por três bombas de 250kg, sendo que duas explodiram provocando violento incêndio e embarque de água. O navio emborcou 20 minutos depois do ataque e afundou logo em seguida. 19 membros da tripulação perderam a vida e 30 saíram feridos.

A fragata HMS Broadsword (atual fragata Greenhalgh da Marinha do Brasil) estava acompanhando o HMS Coventry durante o ataque e também foi atingida por uma bomba no convoo, mas a mesma não explodiu.

O HMS Coventry foi o segundo destróier Type 42 afundado na Guerra das Malvinas pela Aviação Argentina. O primeiro foi líder da classe, o HMS Sheffield, afundado por um míssil Exocet AM39 lançado de uma jato Super Étendard da Armada Argentina.

As fotos em cores mostram o navio após o ataque dos Skyhawk. Na última imagem, a reprodução de uma pintura alusiva ao ataque.

HMS Coventry 2

HMS Coventry

HMS-Coventry-Falklands-War

06

11
Deixe um comentário

avatar
11 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
9 Comment authors
XONicoJonas RafaelXOAgnelo Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Fernando (Dragon44)
Visitante
Fernando (Dragon44)

pq os sistemas anti-aéreo não detectavam as aeronaves, e pq tantos armamentos falhavam? inacreditável a sequencia de erros nessa guerra

Bosco
Visitante
Bosco

Fernando, Por incrível que pareça os navios britânicos estavam preparados para as ameças russas das décadas de 70 e 80 mas estavam completamente vulneráveis às táticas da SGM. Somando essas táticas à velocidade subsônica alta de um avião de ataque a jato e têm-se um quadro perturbador. Um destróier britânico típico da SGM tinha uns 20 canhões de 114, 40 e 20 mm para a defesa antiaérea enquanto o Conventry contava com um lançador de mísseis Sea Dart de grande altitude que não era adequado para alvos em nível ultra baixo, um canhão de 114 mm que também não era… Read more »

Marco
Visitante
Marco

A.Conventry foi posicionada como armadilha e havia abatido o.Cap.Palaver, que voltava de San Carlos opos ataque ja buscando altitude para poupar combustivel, ele era chefe de operacoes do esquadrao, seus 4 companheiroa fizeram esse voo especial poucas horas depois, eles foram informados pelos observadores no Aerodromo Calderon em Peble Island.

Bosco
Visitante
Bosco

correção: “ameaças soviéticas” e não “ameaças russas”.

Dalton
Visitante
Dalton

O maior inimigo em potencial da Royal Navy em 1982 eram os submarinos soviéticos…para tudo o
mais ela teria a companhia da US Navy que a propósito, não parava de crescer e atingiria seu
ápice alguns anos depois…isso pode ajudar à explicar algumas situações ocorridas.

Agnelo
Visitante
Agnelo

Prezados
Creio q um grande fator, foi a perda de AEW da RN. Isso foi solucionado com os Sea King AEW mais tarde. Se esse tipo de aeronave estivesse presente, a antecipação em verificar a ameaça poderia ter dado solução a muitos ataques.
Sds

XO
Visitante
XO

Fernando, o buraco é bem mais embaixo… somente o Sea Wolflf era adequado para fazer frente às ameaças configuradas pelas aeronaves argentinas em perfil baixo de voo… o radar DT, nessa situação, fica oscilando levemente, por causa do retorno do mar, prejudicando a solução de tiro… o 4,5 tem baixa cadência para emprego AA… e o Zé Cat nem conta (embora tenha conseguido algum sucesso)… sem contar as ocasiões, por vezes no meio do combate, em que o pessoal tinha de ir nos lançadores e radares para retirar sal impregnado, o que impactava no correto funcionamento dos equipamentos… enfim… ambiente… Read more »

Jonas Rafael
Visitante
Jonas Rafael

Assim como a ARA foi para o combate antes do que previa, a RN também estava em processo de reformulação, na época tinha poucas unidades equipadas com o mísseis AA mais modernos, a combinação NAe VSTOL + Harrier era uma coisa nova e não tinha sido pensada para esse emprego. Uma coisa é projeto e teste outra coisa é emprego real. Só na hora do “vamos vê” é que se tem certeza que as tecnologias irão funcionar como previsto. Não foi à toa que o comandante do Conqueror optou por utilizar torpedos “burros” pra atingir o Belgrano, não confiava plenamente… Read more »

Fernando (Dragon44)
Visitante
Fernando (Dragon44)

Agradeço aos colegas pelas resposas esclarecedoras. XO, “ambiente hostil, ameaças para as quais eles não estavam preparados” em plena guerra fria os britânicos não estarem preparados para enfrentarem ambiente hostil e uma ameaça inferior é estranho. Visto que eles tinham uma tradição de combate, principalmente naval, bem mais a frente doq os argentinos. Creio que se fosse um inimigo mais capacitado, em conhecimento estratégico e em equipamentos, a história teria sido diferente. Vale salientar que problemas foram enfrentados por ambas as forças, vide o caso das bombas lançadas pelos A4 que não explodiram, enfim, é só na hora do vamo… Read more »

Nico
Visitante
Nico

Huelo rasante y huevos, muchos huevos amigos. Saludos!!

XO
Visitante
XO

Fernando, quando a crise estourou, muitos militares britânicos tiveram de ir aos mapas saber onde era a tal ilha… o foco deles ficava no norte… quando cito ambiente hostil e as ameaças quero dizer que o intel deles era fraco para o teatro de operações e o inimigo a ser enfrentado… foram de certa forma surpreendidos…. só o profissionalismo os salvou ( um pouco de sorte também)… aos argentinos restou a coragem, o que não pode ser desmerecido, mas que não sustentou seu despreparo para uma campanha como aquela… abraço…