A Fragata “União” (F45) atracará no Porto de Salvador nesta sexta-feira (13), às 13h45, após cumprir seis meses de missão no litoral do Líbano, e estará aberta à visitação pública nos dias 14 e 15 (sábado e domingo), das 14h às 17h.

A capital baiana é o primeiro porto brasileiro na viagem de volta da Fragata “União” que, de março a setembro de 2017, foi o navio capitânia da Força-Tarefa Marítima (FTM) da Força Interina das Nações Unidas no Líbano (United Nations Interim Force in Lebanon – UNIFIL).

No Líbano, a “União” atuou em operações de interdição marítima, com o objetivo de impedir a entrada de armas ilegais, drogas e contrabando naquele país. A FTM da UNIFIL também contribui para o treinamento da Marinha libanesa, de modo que, no futuro, a mesma possa conduzir suas atribuições de forma autônoma.

A FTM-UNIFIL foi criada em 15 de outubro de 2006, em atendimento à Resolução 1701 do Conselho de Segurança das Nações Unidas, por solicitação do governo libanês, tendo a peculiaridade de ser a única Força Naval componente de missão de paz da ONU.

Desde fevereiro de 2011, a Marinha do Brasil comanda a FTM-UNIFIL que possui um Estado-Maior multinacional e sete navios, de seis diferentes nacionalidades: Alemanha, Bangladesh, Brasil, Grécia, Indonésia e Turquia.

FONTE: www.jornaldamidia.com.br

Subscribe
Notify of
guest
47 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
John Paul Jones
John Paul Jones
3 anos atrás

É impressionante ver estas “Old ladies” voltando de uma comissão tão importante no exterior …

É bonito mas surreal ao mesmo tempo.

Somos um país que não merece os recursos marítimos que temos …

Robson
3 anos atrás

O casco desses navios, estaria obsoleto … não daria pra trocar todo o miolo incluindo motores, turbinas, sistemas eletrônicos e deixar -las modernas novamente? ou produzir cascos iguais….

Gabriel Oliveira
Gabriel Oliveira
3 anos atrás

São navios que apesar de ultrapassados são lindos,uma pena que nunca houve a intenção de se desenvolver classes sequenciais a essa fragata,acho que o nosso país há uns 20 anos atrás perdeu uma oportoportunidade de ouro de desenvolver uma geração 2 desse navio,mas o tempo passou não é mesmo…

Bueno
Bueno
3 anos atrás

Linda a União. Que a nossa Gloriosa MB consiga se ajustar neste mar turbulento que passa nosso pais.

Ozawa
Ozawa
3 anos atrás

Não sei se o Brasil poderia evoluir o projeto Vosper Mk10, se nem os britânicos, detentores do projeto, o fizeram…

Agora pra mim é devolver o Cesare Battisti pra Itália em troca da participação no programa FREMM deles e construção de umas 4 por aqui… Eles já lançaram 7 desde 2011…

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Ozawa
3 anos atrás

Eu prefiro a ideia de viabilizar a construção das 4 corvetas classe Tamandaré. Se os testes com as primeiras unidades mostrarem-se positivos, seria o caso de começar um novo projeto, usando o mesmo formato de casco e com melhorias pontuais na configuração geral, para um navio de maior comprimento e boca, com o deslocamento de cerca de 6.000t pretendido pela MB. . Nessa tonelagem, poderia incorporar propulsão CODLAG com turbina para aumentar a geração em velocidade de pico, hangar para duas aeronaves, mais silos verticais, canhão principal de maior calibre, um canhão antiaéreo adicional, e mais contêineres para mísseis mar-mar.… Read more »

Fabio Souto.
Fabio Souto.
3 anos atrás

Nunão a fragata Defensora ja começou testes ou provas de mar?

Nunao
Nunao
3 anos atrás

Fabio, também vou dar tchauzinho pra ela da próxima vez que for ao Rio, ok?

Ozawa
Ozawa
3 anos atrás

Francamente o nosso nível de desespero por tonelagem bruta é tão intenso, que penso que a MB deva renunciar parcialmente um projeto nacional e eleger um de prateleira que se aproxime dos seus requisitos.

Minha escolta preferida, desde que o PRO SUPER começou até se transformar em PRA SEMPRE é a Fremm Italiana… Construir 2 lá e 2 aqui, e sem prejuízo das corvetas nacionais, mas aquelas antes dessas…

Nunao
Nunao
3 anos atrás

Aliás, não sei onde vc mora, mas recomendo que visite o Rio de Janeiro um dia, tipo num feriado prolongado, férias e, se puder, aproveite para ir ao espaço cultural da Marinha, incluindo o passeio à Ilha Fiscal, e à parte externa do Museu do Amanhã. . Esses lugares oferecem vistas ótimas do AMRJ, e aí vc poderá ver belas imagens atracadas da Jaceguai, da Julio de Noronha, da Defensora, verá submarinos no dique e na oficina e, quem sabe, até no cais. Há anos eu vejo esses navios por lá, vez por outra um deles até sai do cais,… Read more »

Nunao
Nunao
3 anos atrás

Ozawa, minha preferida no início do Prosuper era a Zeven Provincien, mas aoa poucos a FREMM italiana ganhou minha preferência.
.
Por mim construiria só uma aqui e quatro na Itália, pois a “linha de montagem” delas na Fincantieri estava azeitadissima até a última vez que pesquisei a respeito, e o custo-benefício deve ser mais vantajoso. Só depois desse primeiro lote pensaria num outro construído inteiro no país.

Nunao
Nunao
3 anos atrás

Obs – o penúltimo comentário é pro Fabio, o último pro Ozawa.

Top Gun Sea
3 anos atrás

O que acho atingível para os dias de hoje para a MB são compras de oportunidade mas, de navios não velhos demais, de no máximo 23 anos e de boa qualidade de armamentos e conservação. Assim a MB poderia buscar parceiros internacionais para novos desenvolvimentos como as Tamandarés com certa tranquilidade. Contudo, teria que dar muita sorte de encontrá los, ainda mais com a eliminação do Chile da Copa do Mundo pelo Brasil a vingança será implacável.

Ozawa
Ozawa
3 anos atrás

Certo, Nunão, 3 x 1 lá…

4 Freem (Italianas) já estariam de boníssimo tamanho para nossos requisitos operacionais, especialmente eventuais comissões da ONU como o Líbano. E, insisto, as Tamandaré o quanto der…

Tenho absoluta certeza que a estatura econômica e geopolítica do Brasil reclama e sustenta, sim, uma esquadra dessas dimensões. Mas, por favor, esqueçam de vez essa “coisa” de asa fixa e NAe…

No resto estamos de acordo e me atrevo a dizer que 80% do blog…

Flávio Henrique
Flávio Henrique
3 anos atrás

Ozawa 13 de outubro de 2017 at 19:21

Concordo com quase tudo, pois um(s) NAe é muito importante para a soberania de um país, mas ele deveria ser pensado de forma calma para ser simples (no que der), ser desenvolvido em parceria com outro país de modo que tenha economia em escala. Mas seria um projeto para daqui a uns 10 há 15 anos (ha não ser for com uma parceria com um país que tenha domínio da tecnologia).

Rodrigo Tavares
Rodrigo Tavares
3 anos atrás

Lembro do meu finado tio ex MB falando com orgulho das Niterói contruidas no “estado da arte” e como não deviam nada para nenhuma outra escolta de outra Marinha.
Isso na metade dos anos 80

Depois vieram os governos civis ( ou quadrilhas civis) e acabaram com tudo….

E como é linda essa escolta

Corsario137
Corsario137
3 anos atrás

Museu flutuante 🙁

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
3 anos atrás

Já visitou alguma vez?
(é pergunta mesmo, não é pegadinha ou sabão)

Ivan BC
Ivan BC
3 anos atrás

Lindo navio!
Fernando “Nunão” De Martini 13 de outubro de 2017 at 17:05
Boa ideia!

Bosco
Bosco
3 anos atrás

A evolução da tecnologia naval pós modernização das Niterói não foi assim tão radical. Há 5 itens relativamente ultrapassados (mas longe de serem ineficazes). O primeiro é o radar de busca aérea 2D. Hoje, em regra se utiliza radares 3D rotativos para esse tipo de navio. Outro quesito “fora de moda” é a arma BOROC antisubmarino. Sem falar que uma arma desse tipo ao meu ver seria mais útil em países de mares fechados. Os mísseis Exocet Block 2 tem perna curta. O sistema de míssil Barracuda não oferece defesa contra ameaças simultâneas (o que obriga que o radar seja… Read more »

Alberto
Alberto
3 anos atrás

Pena que as belonaves não atracam mais em Recife. Lembro que até meados dos anos 90 Recife era parada obrigatória dos navios da MB que zarpavam pro exterior. Ou quando se iniciava as operações UNITAS . Era muito bom ir visitar os navios. Hoje não passam mais por aqui, seguem para a Bahia e depois Fortaleza. Bons tempos que não voltam mais.

Marujo
Marujo
3 anos atrás

Ótima análise, Bosco. Nada que não possa ser solucionado nas Niteróis enquanto elas aguentarem o batente. Valeria a pena corrigir as deficiências que você apontou nas seis, já a incorporação de novas e modernas unidades ainda não está na linha do horizonte. Quanto a Tamandaré, aponto mais um desacerto: a permanência do Bofors 40 como CIWS.

XO
XO
3 anos atrás

A revitalização das FCN busca, basicamente, recuperar o que já existe… existe a possibilidade de adotar o MAGE Mk-3 e o link STERNA, mas isso depende da finalização do desenvolvimento destes… não esperem mais do que isso… abraço a todos…

Ozawa
Ozawa
3 anos atrás

Nossas Vosper Mk 10 derivam muito da famosa classe 21 britânica e esta classe, agora, se encontra no Paquistão com 4 unidades ainda em operação como as nossas…

Bosco
Bosco
3 anos atrás

Marujo,
Eu até gosto do Trinity, mas sem dúvida um par de Milleniuns ou um par de Dardos não seria ruim.
Eu gosto de canhões de maior calibre para a defesa de ponto, com maior alcance e projéteis de fragmentação. Me parecem mais efetivos que os CIWS de menor calibre e alta cadência.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Bosco
3 anos atrás

Eu penso a mesma coisa, Bosco. E acho bem adequada a combinação que se planejou para a Tamandaré de um 76mm no convés de proa e um 40mm sobre o hangar, cobrindo amplos arcos. . Para uma eventual e futura fragata de maior porte que seguisse mais ou menos a configuração da Tamandaré (mesmo formato de casco, mas em proporção maior de boca e comprimento, evidentemente) em caso de optarem por um canhão principal de maior calibre (127mm, por exemplo), eu acrescentaria ao 40mm do hangar um segundo 40mm à vante da superestrutura do passadiço. Ali na posição em que,… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
3 anos atrás

Xiiii, falei na Defensora, sem querer… Daqui a pouco o Souto vai perguntar de novo das provas de mar…

Bosco
Bosco
3 anos atrás

Nunão,
Exatamente! Se uma futura fragata optar por um canhão de 127 mm seria interessante um outro CIWS à vante e aí eu acrescentaria um segundo diretor de tiro radar/OP.
Já na Tamandaré o 76 mm dá conta do recado. O “problema” é que só tem um diretor de tiro radar e o outro é OP, mas ainda assim é bem equilibrada.

Bavaria Lion
3 anos atrás

A vosper é um charme. Não fosse o problema de manutenção da propulsão…
Também há várias controvérsias acerca do estado real dos cascos. Quem souber, fale.

Saudações a todos.

jagderband#44
jagderband#44
3 anos atrás

Um belo alvo.

Roberto
Roberto
3 anos atrás

Ja deu o que tinha que dar! hoje sou até a favor da produção das type 23 e como são lindas! e lembrar que o Brasil perdeu pro Chile.

Nunao
Nunao
3 anos atrás

Roberto, não entendi, vc gostaria que fragatas Tipo 23 voltassem a ser construídas? . São boas fragatas, mas às vezes (não estou dizendo que seja seu caso, só aproveitei a deixa) não entendo tanta admiração pelo projeto, que a meu ver perde para outros da mesma época, bem mais equilibrados. . As fragatas Tipo 23 concentram à vante do passadiço seus principais armamentos ASuW e AAW (canhão de 114mm, mísseis Harpoon e Seawolf) em cerca de 20 e poucos metros de seu comprimento total. Nos cerca de 100m restantes, só hangar, sensores, e lançadores de torpedos ASW, além de um… Read more »

Nunao
Nunao
3 anos atrás

Maldito corretor!!!!
“estes tamulá” (onde que esse corretor inventou isso?!? ) = estão lá

Marujo
Marujo
3 anos atrás

Meus amigos, só não entendo uma coisa: por que a MB podendo derivar uma nova plataforma das Niteróis, preferiu fazer da Barroso, com capacidade oceânica mais limitada. O acréscimo no peso não a tornaria tão mais cara assim, pois aço é o que há de mais barato na construção naval militar.Falta se ambição?

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
3 anos atrás

Concordo com muitos aqui, as linhas das “Niterói” são belíssimas, pena mesmo não darmos continuidade atualizando o projeto e construindo aqui mais escoltas. Agor o tempo já passou.

Também sou a favor das FREMM italianas, belíssimos navios, pena que o caso Cesare Baptiste, melou toda a negociação que havia com a Fincanttiere. Brasil petista preferiu asilar este terrorista ao invés de entregá-lo à Itália, comprando uma briga que não é nossa!!

Mas no caso dos boxeadores cubanos que solicitaram asilo aqui, foram extraditados sem piedade!!! Dois pesos e duas medidas!!!

Leonardo
Leonardo
3 anos atrás

Só de curiosidade, é uma classe Niterói que ilustra o logo do Poder Naval?

Rodrigo Tavares
Rodrigo Tavares
3 anos atrás

Sim Leonardo

Me parece que é a Niterói F 40

Rodrigo Tavares
Rodrigo Tavares
3 anos atrás

Gostaria de saber da galera mais gabaritado no assunto

Como sairiam as Niterói com seus Aspide, MBDA Exocet e as Greenhalgh, Barroso em um conflito contra escoltas modernas hoje???

Fabio Souto.
Fabio Souto.
3 anos atrás

Nunão o Boroc da fragata defensora esta funcionando?

Bosco
Bosco
3 anos atrás

Rodrigo,
Se sairiam mal.
Os navios mais modernos (e nem vamos colocar os navios russos e chineses na equação) podem nos atacar 3 x mais distante do que nós podemos atacá-los e podem se defender de um ataque de saturação de forma bem mais eficaz que nós com nossos Trinity, Sea Wolf e Albatroz.

XO
XO
3 anos atrás

Souto – cortando a proa do Nunão, o Boroc está descontinuado na MB…

Bosco – em princípio, é isso mesmo… a comparação de poder combatente dos nossos meios e outros, modernos, nos coloca em inferioridade… mas, dependendo da situação tática e havendo apoio de ANV e submarino, esse gap poderia ser diminuído…

Fabio Souto.
Fabio Souto.
3 anos atrás

XO há possibilidade da vinda de navios usados para MB?obrigado pela resposta acima.

Batman
Batman
3 anos atrás

Com o BOROC descontinuado, não seria possível a instalação do SeaCeptor no lugar, em substituição do MSA Aspide, permitindo assim aumento no convoo/espaço para lancha de abordagem?
Isso seria viável em termo de vida remanescente da plataforma?

XO
XO
3 anos atrás

Souto – o EMA está estudando o assunto… se vai acontecer, não sabemos… Batman – quando a gente fala em trocar ou incorporar outro sensor/sistema, temo de saber: o sensor ou sistema pode ser integrado ao sistema de combate ??? A geração de energia tem reserva para aguentar esse novo sistema ??? Onde seria armazenado o míssil ??? O lançador do SeaCeptor é leve o bastante para o convés aguentar seu peso ??? Causa algum problema de estabilidade esse novo peso alto ??? Outras perguntas devem existir, isso eu tirei rápido da minha experiência como Oficial Armamentista… Quanto ao convoo,… Read more »

Rodrigo Tavares
Rodrigo Tavares
3 anos atrás

Bosco

Que dureza

Obrigado pela explicação