Home Marinhas de Guerra A situação dos navios de escolta da Royal Navy

A situação dos navios de escolta da Royal Navy

5126
40
HMS Somerset, Type 23

No final do mês passado, o jornal inglês The Telegraph publicou uma matéria criticando a atual situação da Royal Navy e o estado de prontidão dos seus navios.

O jornal disse também que o porta-helicópteros HMS Ocean tinha atrasado uma semana na missão de socorro às vítimas de furacões no Caribe por causa de problemas nos motores, o que foi desmentido pela Royal Navy.

A matéria também afirmou que 3/4 dos navios de escolta da RN estariam “fora de ação”, o que também foi desementido. Mas o quadro abaixo divulgado no Twitter parece confirmar a situação, mostrando que somente dois destróieres Type 45 e quatro fragatas Type 23 estavam no mar em julho de 2017.

O site NavyLookout disse que o British Army estaria incentivando seus amigos na mídia contra a Royal Navy, talvez porque estejam preocupados com todas as manchetes positivas e publicidade que os novos porta-aviões “Queen Elizabeth” estão tendo.

A razão da briga seria a disputa por futuras verbas.

Subscribe
Notify of
guest
40 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mauricio_Silva
Mauricio_Silva
2 anos atrás

Olá.
Não é a primeira vez que o HMS Ocean é citado como tendo problemas nos motores. Isso poderia justificar sua “prematura” (2018) expectativa de baixa de serviço.
Seria uma boa aquisição para a MB?
SDS.

Ozawa
Ozawa
2 anos atrás

Enquanto o povo de uma nação discutir a situação da sua esquadra nos pubs e for o centro de uma disputa, quase passional, entre as forças armadas, almejando o apoio nas dotações do seu parlamento, não há muito o que se desesperar por mais difícil que esteja o quadro geral…

Situação desesperadora é de uma nação onde a polêmica popular, quase apocalíptica, é quando a administração municipal diz que não vai financiar desfile de escola de samba com os recursos públicos e a União, num jogo político, diz que apóia… Aí é a certeza do fim…

Top Gun Sea
2 anos atrás

Será que o Ocean tem problemas de motor/ propulsão? Me parece um problema antigo desde a época do seu comissionamento. Isso não é bom!

Top Gun Sea
2 anos atrás

Ao que tudo indica a RN está sofrendo com orçamentos para o comissionamento do QE, F35 marine, a construção do segundo NAE e as novas Fragatas Type 26 – efeito A12 SP e Prosub.

Nonato
Nonato
2 anos atrás

Claro. Tudo com preços estratosféricos…
1 bi para projeto A, 2 bi para projeto B, 12 bi para projeto C…
E esses navios que vivem em manutenção?
Na minha opinião de leigo navios de guerra deveriam viver parados (atracados?).
Não faz sentido viverem navegando para lá e para cá e depois viverem em manutenção…
Acho que para a proteção uns 3 navios, que nem precisariam ser grandes navios de guerra, estaria ótimo.
Na hora da necessidade, manda os outros para navegar…
Que desperdício. Gastam-se bilhões e os navios vivem parados fazendo manutenção…
São feitos de sonrisal?

Otto Lima
2 anos atrás

HMS Ocean com problemas nos motores? Que dedo podre a MB tem!

Bardini
Bardini
2 anos atrás

Existe uma diferença importante entre Brasil e UK.
.
Aqui, o Governo repassa o dinheiro as FFAA e elas gastam como e onde bem entendem.
Lá, o Governo decide onde e como vai gastar o dinheiro que vai decidir repassar as FFAA.
.
Traduzindo:
Aqui o Governo lava as mãos. Lá é o Governo que administra.

Top Gun Sea
2 anos atrás

Nonato 15 de outubro de 2017 at 16:44
Claro. Tudo com preços estratosféricos…
1 bi para projeto A, 2 bi para projeto B, 12 bi para projeto C…
E esses navios que vivem em manutenção?….

O preço exorbitante na elaboração do projeto, bem como na sua execução/ construção de navios de guerra se dá principalmente pelo Know How que chega a mais de 50℅ do custo real do produto concluído. É o que se cobra uma construtora como Bae Systems, Ficantieri, Navantia, antiga DCNS…., É o preço absurdo do saber fazer.

Zé
2 anos atrás

Opa, pera aí. Verificar bem se há ou não problemas. Já basta aquela jaca fracesa.

Mercenário
Mercenário
2 anos atrás

Aproximadamente 1/3 dos meios em missões.

Mais estranho se todos os combatentes estivessem ativos ao mesmo tempo.

Agnelo
Agnelo
2 anos atrás

Bardini 15 de outubro de 2017 at 17:14
Será q seria melhor?
Temos o Sabre dando problema pra burro… “um se vira nos 30 sinistro”…
O q nos teriam reservado certas decisões nas mãos de governos bizarros?
Lá, UK, eles sofreram na pele pra entender a importância da Defesa.
Sds

Nonato
Nonato
2 anos atrás

Top Gun Sea. Poderíamos, quem sabe, aprofundar esses conhecimentos relacionados a custo e preço de venda. Toda empresa tem direito a ter seu lucro. Defesa tem despesas. Mas é importante que os países encontrem o equilíbrio entre de manter na ponta da tecnologia a preços que não torne a defesa inviável. Imagino que alta tecnologia não tem que ser muito cara. Houve uma época que as válvulas eletrônicas a vácuo eram a ponta… Hoje são chips minúsculos a preços reduzidissimo. Até nanotecnologia. Um transistor era o máximo. Um chip contém milhões de transistores… Cobrar caro ou não pode ser uma… Read more »

Felipe Morais
Felipe Morais
2 anos atrás

“Traduzindo:
Aqui o Governo lava as mãos. Lá é o Governo que administra.”

Pois é Bardini. Ainda bem que é assim.

Nonato
Nonato
2 anos atrás

E saber fazer o que? Um navio?
Porque saber navios muitas empresas sabem.
EUA. Inglaterra. Itália, França, Alemanha, Holanda, Suécia, Rússia, China, Singapura, Austrália…
Construir navios ou submarinos não é exclusividade de duas ou três empresas…

Doug385
Doug385
2 anos atrás

Bardini 15 de outubro de 2017 at 17:14

Talvez seja esse o problema por lá. Governos trabalhistas e verdes que veem gastos com defesa como não tão necessários.

Bardini
Bardini
2 anos atrás

Agnelo 15 de outubro de 2017 at 18:52
.
“Será q seria melhor?”
De jeito nenhum…

Ivan BC
Ivan BC
2 anos atrás

Bardini 15 de outubro de 2017 at 17:14
Pô Bardini, acho que nem você concorda com o que você disse kkkkkk
Deixar os nossos políticos cuidando do orçamento da dafesa é complicado…
Eu prefiro com os militares cuidando disso, isso não significa ausência total da classe política na fiscalização da apliacação do dinheiro público.
Valeu!

Top Gun Sea
2 anos atrás

Nonato 15 de outubro de 2017 at 18:58 Top Gun Sea. Poderíamos, quem sabe, aprofundar esses conhecimentos relacionados a custo e preço de venda. Realmente eu também não concordo pelo preço que se paga pela grife. A MB por exemplo precisa explorar outros mercados em outros continentes que pratique o preço justo pela tecnologia e qualidade. A MB haje como aquele cidadão que vive do bolsa família mas não compra uma calça jeans sem marca que pode custar uns 70,00 numa lojinha e com boa qualidade mas, compra uma calça de grife de marca X que custa 580,00 no shopping… Read more »

Bardini
Bardini
2 anos atrás

Ivan BC 15 de outubro de 2017 at 19:29 . Talvez eu tenha me expressado mal. Não quis dizer que lá é o certo e aqui o errado. . Fato é que do jeito que está, tudo que é administrado pelo Governo aqui é uma grande e bela porcaria. Por isso, deveríamos limitar o alcance do Estado em fazer os seus estragos… . Até mesmo lá se você analisar, existem decisões bem “ruins” sendo tomadas e faz tempo, sendo que a situação atual deles é de fato uma grande e bela porcaria, em vista do que já foram. Não são… Read more »

Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
2 anos atrás

“Nonato 15 de outubro de 2017 at 16:44
Na minha opinião de leigo navios de guerra deveriam viver parados (atracados?).
Não faz sentido viverem navegando para lá e para cá e depois viverem em manutenção…”
.
Pra que treinar né ?
Na hora da necessidade, um supletivo rapidão resolve tudo

Top Gun Sea
2 anos atrás

Alfredo Araujo
Há um conceito que está sendo muito praticado na Europa é a hibernação do vaso, principalmente embarcações de guerra novas. Para uma classe de 4 Navios navega se 6 meses e troca por outro da mesma classe por mais 6 meses e assim por diante, nunca os 4 operando em conjunto. Esse rodízio permite que um navio fique até um ano e meio parado sucedido de PMGs…., com isso prolonga se a vida do casco, propulsores e menas tripulação.

sergio ribamar ferreira
2 anos atrás

Concordo com o Sr. Ozawa. Disse tudo.

Agnelo
Agnelo
2 anos atrás

Bardini 15 de outubro de 2017 at 19:54
“Até mesmo lá se você analisar, existem decisões bem “ruins” sendo tomadas e faz tempo,…”
Concordo
Lembro do descomissionamento no fim da década de 70. A Argentina pegou os ingleses sem um Porta-Aviões com aeronaves de grande desempenho e sem AEW. Deu no q deu, pelo zaralho q eram as FFAA + Governo argentino, mas poderia ter sido pior pros ingleses.
Sds

Renan
Renan
2 anos atrás

É ao menos eles tem esquadra. E nós temos oque mesmo?
Diria que alvos moveis que custa menos que o torpedo para afundalos.

Burgos
Burgos
2 anos atrás

Já falei no post anterior !!!
“Pacotão da Rainha Elisabeth para o Brasil”
Tá pintando um por aí e vai ser bom.
Kkkkkkkk

Agnelo
Agnelo
2 anos atrás

Renan 16 de outubro de 2017 at 1:51 Porque o governo e povo de lá tem a noção de Defesa. Só por isso. E se deixassem nas mãos só dos militares, talvez estivessem melhor. Um bom livro que foi feito em crítica contra as mudanças impostas pelo governo às FFAA chama-se Terceira Guerra Mundial – 1983, de um Brigadeiro q via a decadência de suas FFAA e como isso poderia se refletir em um conflito com o Pacto de Varsóvia. Não houve esse enfrentamento, mas a Guerra das Malvinas evidenciou as falhas na defesa britânica. Hj, o RU tem um… Read more »

Rodrigo Tavares
Rodrigo Tavares
2 anos atrás

“Pacotão da Rainha Elisabeth para o Brasil”

Será?

Gabriel
2 anos atrás

O Brasil está tão fora de rumo que muitos já perderam algumas referencias básicas. A grande maioria das decisões políticas no Brasil tem apenas o foco da visibilidade para a próxima eleição. Poucos políticos estão preocupados com o certo e errado ou com o melhor ou pior. Na grande maioria das vezes não sabem do tema e não se interessam pelo tema a ser debatido, aprovado ou reprovado. Não faltam exemplos diários para comprovar minha afirmação. Tento imaginar um “conselho” de defesa formado por civis para definir as prioridades das Forças Armadas e sinceramente não consigo. O modelo atual até… Read more »

Wagner
Wagner
2 anos atrás

Para uma Nação que se expões em tantos perigos, em sua ânsia de ser subserviente aos Estados Unidos, a Gra Bretanha deveria melhorar sua Marinha.

Ou mudar a política externa . Que faça a Política externa BRITÂNICA, e não a norte-americana.

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
2 anos atrás

Wagner 16 de outubro de 2017 at 12:11

A questão é que os interesses nacionais britânicos estão intrinsecamente ligados aos dos EUA tendo em vista que os países agem juntos na arena internacional. É muito difícil dissociar um do outro e para piorar o Brexit, que segundo a turminha de extrema-direita de Nigel Farage seria reafirmação de soberania britânica, está criando mais problemas que vantagens ao país.

Ademais, como eu te conheço, você certamente diria que a Grã-Bretanha seria “soberana” se fosse alinhada à Rússia de Putin…kkkkkkkk

Rodrigo Tavares
Rodrigo Tavares
2 anos atrás

Uns 4 anos atrás eu vi em Gilbratar em uma viagem que eu fiz, o HMS Duke Argyll e o HMS Duke Montrose, HMS Iron Duke e outros que não lembro, estavam impecáveis

havia outras escoltas como HMS Daring (type 45 né?), e escoltas da US Navy

Estavam indo para golfo de Sidra

Wagner
Wagner
2 anos atrás

Tireless kkkkkkkkkkkkkkkk !!!! boa ! Falando em Rússia, off Topic, eu deixo aqui ( nao tinha onde deixar ) essa listinha que compilei, para ajudar o Editor em Novembro !! As novidades para Novembro na Marinha Russa( Frota de Superfície) : 1) Entrada em Serviço Ativo ( finalmente…) da Fragata Admiral Gorshkov ( project 22350) . 2) Entrada em Serviço ( finalmente…) da Ivan Green, ( project 11711) , Nave de Desembarque de Tropas. Primeira nave do tipo a ser construida desde o fim da URSS. 3) Entrada em serviço da Fragata Admiral Makharov ( project 11356) . 4) Retorno… Read more »

Zorann
Zorann
2 anos atrás

Oi Bardini 15 de outubro de 2017 at 17:14 !

Concordo com você plenamente. Perfeito!! Aqui gastam como querem, ninguém cobra nada.

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
2 anos atrás

Wagner 16 de outubro de 2017 at 13:02

Interessantes informações acerca das movimentações da marinha russa. Você poderia contribuir muito aqui com isso! por exemplo, eu não sabia que a construção de quebra-gelos havia sido interrompida com o fim da URSS.

XO
XO
2 anos atrás

Prezados Bardini e Zorann, de acordo com a sistemática do plano diretor, a pré-proposta orçamentária constitui-se na apresentação das necessidades da Marinha ao MD, para composição da proposta de LOA… trata-se de um documento que apresenta as
necessidades da MB e as formata em duas dimensões: Manutenção Operativa
e Projetos de Expansão. Essa informação servirá de subsídio para o MD negociar, junto à área econômica governamental, os limites a serem considerados na elaboração da proposta orçamentária da MB… ou seja, o MD sabe onde e quanto queremos investir… não gastamos como queremos não… abraço…

Wagner
Wagner
2 anos atrás

Oi Tireless Foi, parou tudo. Só em 2014-2015 eles conseguiram retomar. Aliás o grosso da atividade industrial naval da Rússia recomeçou bem nessa época, todos os estaleiros estão atualmente sobrecarregados. E ao mesmo tempo esses estaleiros, alguns deles, estão em modernização… É eu acompanho a Marinha Russa quase que diariamente, as vezes é difícil conseguir informações específicas. Para eu achar uma foto atualizada então da Admiral Butakov, a quarta fragata do projeto 11356 , Meu Deus, tive que mergulhar na profundezas da internet Russa kkkkkkkkkkk !! E posso me achar um poquinho, pq eu calculei antes dos anúncios quando a… Read more »

Delfim Sobreira
Delfim Sobreira
2 anos atrás

Bardini 15 de outubro de 2017 at 17:14
.
A questão é a autoridade do Ministério da Defesa. Este deveria ser ocupado por Oficial-General da reserva/reformado, ou por um civil com extremo conhecimento da área, o que no Brasil é raro.
Ou pelo Vice-Presidente para este ter o que fazer.
MD acaba sendo moeda de troca política.

Mercenário
Mercenário
2 anos atrás

Peço desculpas pelo assunto fora do tópico, mas…

O HMS Servern (classe River batch 1) está em vias de ser descomissionado pela RN, já que em seguida estará entrando em serviço o novo HMS Forth (River batch 2).

Em vista da comunalidade com os Amazonas, seria uma bla aquisição para a MB?

Mercenário
Mercenário
2 anos atrás

Em tempo, corrigindo:
Severn*
boa*