Home Divulgação Corveta classe Tamandaré: Marinha distribui RFP para empresas

Corveta classe Tamandaré: Marinha distribui RFP para empresas

5474
67
Concepção em 3D da corveta classe Tamandaré

MARINHA DO BRASIL

CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA MARINHA

PRESS RELEASE

A Marinha do Brasil, por meio da Diretoria de Gestão de Programas da Marinha (DGePM), informa que, após o encerramento da cerimônia de lançamento da Solicitação de Propostas (RFP) para o Projeto “Corveta Classe Tamandaré”, realizado no último dia 19 de dezembro, e até o presente momento, distribuiu a referida RFP, após as devidas qualificações jurídicas, para as seguintes empresas interessadas no processo:

  • BAE Systems Ltda
  • Chalkis Shipyards S A
  • Damen Schelde Naval Shipbuiding BV
  • Fincantieri SpA
  • Naval Group BR
  • Navantia S A
  • Posco Daewoo do Brasil
  • Rosoboronexport Joint Stock Company
  • SAAB AB
  • Thyssenkrupp Marine Systems GmbH
  • Wuhu Shipyard CO Ltd
  • Zentech do Brasil Serviços Técnicos Ltda

O período de distribuição da RFP para as demais empresas nacionais e internacionais, as quais demonstrem interesse pelo projeto, estará encerrado no dia 19 de janeiro de 2018.

CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA MARINHA

Subscribe
Notify of
guest
67 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
FERNANDO
FERNANDO
2 anos atrás

Só faltava ganhar a Rosoboronexport Joint Stock Company.

Bem, tudo pode ocorrer em licitação.

Sandro
Sandro
2 anos atrás

Acredito que va dar Ficantieri, pela semelhança do projeto da Tamandaré com a sua Fragata.

marcos
marcos
2 anos atrás

Fernando
Isso aí não é menor preço.
Melhor técnica/menor preço.

diego
diego
2 anos atrás

Se é para apostar, vou com FINCANTIERI, e que construam as 4 bem LONGE do estado do RJ…

Arnaldo Rocha
Arnaldo Rocha
2 anos atrás

Fincantieri, eles tem um projeto de corveta multirole bem parecido com o atual da classe Tamandaré.

Theo Gatos
Theo Gatos
2 anos atrás

Alea Jacta Est
.
Que seja feito o melhor pro Brasil!
.
Sds

Roberto Bozzo
Roberto Bozzo
2 anos atrás

Então, na matéria abaixo foi divulgado que 20 empresas haviam se habilitado a participar, mas somente 12 retiraram a RFP…

http://www.naval.com.br/blog/2017/12/20/corveta-tamandare-saiba-mais-sobre-o-rfp-apresentado-pela-mb/

Pode ser que as outras retirem a RFP depois, mas achei estranho elas não retirarem na hora.

Bueno
Bueno
2 anos atrás

Maravilha!!! só alegria….

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
2 anos atrás

Diego, pelo comentário, já vi que vc não é do RJ!

Delfim Sobreira
Delfim Sobreira
2 anos atrás

Então a MB ignorou solenemente as sugestões dos fabricantes de projetos melhores e mais baratos ?

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Delfim Sobreira
2 anos atrás

“Delfim Sobreira em 22/12/2017 às 14:54
Então a MB ignorou solenemente as sugestões dos fabricantes de projetos melhores e mais baratos ?”

De onde você tirou essa conclusão?

Danilo José
Danilo José
2 anos atrás

Vamos la Fincantieri não me desaponte !

Marujo
Marujo
2 anos atrás

Talvez com a vinda do Ocean para o Brasil e de alguma futura desincorporação inglesa (NDDs, caça-minas, navio tanque e fragatas), as possibilidades da BAE tenham aumentado enormemente.

Aldo Ghisolfi
2 anos atrás

POR conta de minhas memórias, a aquisição de material bélico dispensa licitação…

Marcos
Marcos
2 anos atrás

Aldo:
O FX-2 teve licitação.

Guizmo
Guizmo
2 anos atrás

Se for licitação classica, vençe por preço

Ozzy
Ozzy
2 anos atrás

Não é uma licitação tradicional. Compras de equipamentos especificamente militares são feitas por concurso, em que uma comissão pontua cada proposta a partir de uma visão geral, ou por meio de inexigibilidade, já que cada equipamento tem especificidades que tornam cada um singular, bastando que haja justificativa da escolha.

Humberto
Humberto
2 anos atrás

Marcos 22 de dezembro de 2017 at 16:14
Não, não houve licitação
http://www.aereo.jor.br/2014/10/27/compra-de-36-cacas-gripen-extrato-de-dispensa-de-licitacao-publicado-no-dou/
Compra de 36 caças Gripen: extrato de dispensa de licitação publicado no DOU

Nunão
Nunão
2 anos atrás

Senhores, dispensa de licitação não significa dispensa de processo de seleção. Ela tem que ser justificada e o processo de seleção/concorrência subsidia a decisão por uma das propostas que chegarem ao short-list.

Marcos
Marcos
2 anos atrás

Humberto:
” Dispensa de Licitação ” é um processo de licitação.
Houveram três propostas analisadas: Dassault, Saab e Boeing.

Delfim Sobreira
Delfim Sobreira
2 anos atrás

De Martini.
.
O texto do tópico dá a entender.

Nunão
Nunão
2 anos atrás

Não consegui ver onde ele dá a entender isso, Delfim.

Delfim Sobreira
Delfim Sobreira
2 anos atrás

Então entendi mal e a MB não obrigará os concorrentes a produzir seu projeto próprio, podendo apresentar alternativas melhores que um Barroso melhorado ?

Nunão
Nunão
2 anos atrás

Delfim, essa nota à Imprensa da Marinha só diz que ela distribuiu a solicitação de propostas às empresas mencionadas. E que vai distribuir mais solicitações a empresas que se interessarem até 19 de janeiro. Não entendi onde você interpretou algo diferente disso. Agora as empresas vão trabalhar para responder à MB com suas propostas. Tem outras matérias publicadas aqui desde anteontem dando mais detalhes sobre o que a empresa que responder deverá cumprir: uma proposta para a construção da classe Tamandaré, conforme especificações detalhadas no projeto de propriedade intelectual da MB, e uma proposta (se interessar incluir) de construção de… Read more »

Flávio Cardia
Flávio Cardia
2 anos atrás

A DCSN não entrará com a Gowind 2500 não??

Rennany Gomes
Rennany Gomes
2 anos atrás

A DCNS tem até o dia 19/01 pra retirar o RFP.

Nikiti
Nikiti
2 anos atrás

Rosoboronexport Joint Stock Company e Saab são os meus projetos favoritos… mas acho que a Fincantieri SpA tá bem forte.

Os russos têm o Project 20386 de nova geração, os 20385 que caem como uma luva ao marinha brasileira… São equipadas com radares AESA, mísseis onyx e kalibre e possuem peso de até 3400t

E a menos sofisticada 20381 que já possui integração com equipamentos franceses.

Marcelo
Marcelo
2 anos atrás

Uma dúvida senhores:
O que pode acrescentar o estaleiro grego? Me parece que ele não possui nenhum projeto militar. Em que ele acrescentaria algo, caso vencesse sua proposta (que ainda resta conhecer)?
E Flavio Cardia…
A DCNS é o Naval Group.

Marcelo
Marcelo
2 anos atrás

E outra ainda,
A Zentech do Brasil é uma empresa cadastrada para prestação de serviços de engenharia, com capital social de R$ 1.000,00 (mil reais). Quais credenciais ela teria para participar de uma concorrência deste porte?

Paulo
Paulo
2 anos atrás

Fernando, deve ganhar a que fizer a melhor proposta independente de qual país ela seja. Ou o sr tem uma maneira mais honesta de escolha?

Delfim Sobreira
Delfim Sobreira
2 anos atrás

De Martini
Não seria interessante corvetas pesadas, ou fragatas leves, de 3500 ton, multimissão, em quantidade que permitisse economia de escala em aquisição, operação e manutenção ?
Assim como a FAB que centralizou com os Gripen.

Augusto
Augusto
2 anos atrás

Gente, não existe mais DCNS. A empresa passou a se chamar Naval Group que, como se vê do texto, já recebeu o RFP.

Nunão
Nunão
2 anos atrás

Delfim, tecnicamente a classe Tamandaré só é corveta no nome. Pelo deslocamento carregado de quase 2800t, já poderia tranquilamente ser chamada de fragata e será multimissão. Eu preferiria um porte maior para aprimorar essa capacidade multimissão com uma área disponível abaixo do convoo para equipamentos em módulos customizáveis, e um pouco mais de reserva de espaço e peso a meia nau ou no convés de proa para mais misseis. Mas isso não tira os méritos do projeto da Tamandaré, que é bem equilibrado e promete cumprir bem várias missões de forma econômica e com bom custo-benefício, como é o caso… Read more »

Roberto
Roberto
2 anos atrás

———> mais materias sobre o Ocean
a America do sul só fala nele!!!!!!!!!!!!!!

Ádson
Ádson
2 anos atrás

Delfin, resumindo o que Nunão disse e que também defendo a tempos. A Tamandaré são pensadas para a necessidade da MB em paz e para complementar a esquadra em guerra. Outros navios até parecem interessantes, mas nenhum foi pensado para a necessidade real da MB(velocidade, custo, custo operacional, autonomia/endurance, nível de autonomia tecnológica, etc). Uma fragata de 6000 ton, caríssima de operar, com equipamentos que se desgastam desnecessariamente em comissões que poderiam ser assumidas por navios mais simples e baratos e jogar fora um dinheiro que não temos. Meu sonho são doze Tamandarés e seis de 6000 ton multimição, sendo… Read more »

Mercenário
Mercenário
2 anos atrás

Rennany,

O Naval Group já consta na lista
divulgada.

A Gowind 2500 tem pouco endurance. Nem a França adquiriu este tipo de navio. Se engana quem acha que a versão adquirida pela Malásia está dentro do preço que a MB pretende pagar.

Leandro
Leandro
2 anos atrás

Na torcida pela SAAB AB! Eles possuem algum projeto bom?

Leandro Costa
Leandro Costa
2 anos atrás

Concordo em parte com o diego. Que as construam bem longe do Estado do Rio. E moro aqui.

Ádson
Ádson
2 anos atrás

“Leandro Costa 23 de dezembro de 2017 at 5:38”
Leandro, a Fincantieri ajudou no projeto, a Fincantieri tem estaleiro em Pernambuco, a Fincantieri ……

Carlos A Soares
Carlos A Soares
2 anos atrás

Não conheço:

http://www.chalkis-shipyards.gr/index.asp

http://www.wuhu.com.cn/en/

Conheço somente em O&G, vem associada com alguém ?

http://zentech-usa.com

Demais são tradicionais.

Cadê os Ukranianos ?

Carlos A Soares
Carlos A Soares
2 anos atrás

Por ordem alfabetica minhas preferências, estaremos bem servidos com eles.

BAE Systems Ltda

Damen Schelde Naval Shipbuiding BV

Fincantieri SpA

Navantia S A

Posco Daewoo do Brasil

SAAB AB

Thyssenkrupp Marine Systems GmbH

MARCOV
MARCOV
2 anos atrás

Eu entendo que os estaleiros a seguir, caso sigam em frente, apresentarão proposta para a construção da CCT conforme o projeto da MB:
Chalkis Shipyards S A – Grécia
Zentech do Brasil Serviços Técnicos Ltda – Filial brasileira de empresa americana
Wuhu Shipyard Co, Ltd – China

As demais empresas possuem experiência em construção de outros modelos que poderão ser ofertados, embora alguns não têm a capacidade da Tamandaré e devem ser modificados para que possam competir.

Até agora não foi retirada a RFP pela Istanbul Shipyard (construtora do Milgem). Talvez ainda seja.

GUPPY
GUPPY
2 anos atrás

Aposto que as corvetas serão pernambucanas.

Fabio Jeffer
Fabio Jeffer
2 anos atrás

Que as Corvetas sejam fabricadas bem longe do RJ
Tudo muito centralizado no RJ e isso não é bom

Ádson
Ádson
2 anos atrás

“GUPPY 23 de dezembro de 2017 at 12:56
Aposto que as corvetas serão pernambucanas.”
GUPPY, isto já é quase certez!!!

Ádson
Ádson
2 anos atrás

*certeza

Mário Alves
Mário Alves
2 anos atrás

Eu prefiro que essa licitação siga os mesmos caminhos que o FX2, ok total transferência de tecnologia e modernização do Estaleiro do Arsenal do Rio de Janeiro dando condições de fabricar essas corvetas e futuramente fragatas e outras belonaves.

Mário Alves
Mário Alves
2 anos atrás

Com total transferência.

ROBINSON CASAL
2 anos atrás

Saiba TUDO sobre os armamentos, sistemas e potencialidades da futura Corveta Tamandaré !

Bardini
Bardini
2 anos atrás
Bardini
Bardini
2 anos atrás

Navio é feio que dói, mas é muito interessante: http://www.bmtdsl.co.uk/media/6098065/VENATOR-110%20Technical%20Brief.pdf

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Bardini
2 anos atrás

Bardini, é tão feinho que chega a ser bonito. Só não entendo a lógica à la T-23 de concentrar a maior parte do armamento (canhão principal, mísseis ASuW e AAW) em mais ou menos 20 metros do comprimento do navio… Mas o maior problema que eu vejo nesse design é o “paredão reto” do início da superestrutura, com o canhão tão próximo que diminui por demais os ângulos de tiro. Muita gente acha que estruturas facetadas em navios servem só para aumentar a furtividade, mas naquela posição geralmente servem para melhorar os ângulos de tiro do canhão para além de… Read more »