Home Guarda Costeira Marinha Portuguesa mantém treinamento da Guarda Costeira São-Tomense, mas com navios bem...

Marinha Portuguesa mantém treinamento da Guarda Costeira São-Tomense, mas com navios bem antigos

3337
14
NRP Zaire

Por Roberto Lopes
Especial para o Poder Naval

Com pouco mais de 40 navios e atravessando um momento de renovação dos seus meios de patrulha, a Marinha Portuguesa conseguiu designar apenas uma força-tarefa de embarcações bem antigas, para contribuir, este ano, com a “capacitação marítima” da Guarda Costeira de São Tomé e Príncipe.

O patrulheiro NRP Zaire, de 292 toneladas – incorporado em 1970 –, e o navio reabastecedor NRP Bérrio, de 11.522 – construído para a Marinha Real no final da década de 1960 –, chegarão na próxima terça-feira à capital São Tomé, para diferentes temporadas na costa ocidental africana: enquanto o Bérrio tem seu regresso a Lisboa marcado para meados de abril, o Zaire continuará no país africano por mais nove meses – período que deverá ser concluído com sua transferência à flotilha da Guarda Costeira São-Tomense.

Os navios partiram da Base Naval de Lisboa, no Alfeite (quartel-general da Marinha Portuguesa), na primeira quarta-feira deste mês (03.01), despedidos pelo próprio ministro da Defesa português, Azeredo Lopes – que aproveitou a oportunidade para ressaltar o projeto do seu governo: “desenvolvimento de capacidades de defesa e segurança marítima no Golfo da Guiné”.

O adestramento dos são-tomenses irá se concentrar nos procedimentos de vigilância do tráfego marítimo e nas táticas anti-pirataria: métodos de identificação de embarcações que apresentem comportamento suspeito e ações de abordagem em alto mar – além, claro, das técnicas de prevenção a ataques terroristas (a barcos fundeados, atracados ou em deslocamento).

O navio-patrulha Zaire, de 44 m de comprimento, 33 tripulantes e velocidade nominal de 20 nós, pertence à classe Cacine, que será toda desprogramada pela Armada portuguesa ainda este ano, para ser substituída, em junho e em novembro, por navios-patrulha oceânicos de 1.750 toneladas.

NRP Bérrio

Cooperação – França, Espanha e Brasil também devem mandar navios para um estágio de cooperação com as marinhas que intervém no Golfo da Guiné.

A Marinha do Brasil (MB) vem ajudando os são-tomenses a criar uma companhia de fuzileiros navais (montada a três pelotões).

A 1º de dezembro de 2017 teve lugar, no Campo do Quartel General das Forças Armadas, em São Tomé, a cerimônia de Formatura do Curso de Formação de Soldados Fuzileiros Navais de São Tomé e Príncipe.

Trinta e um novos fuzileiros receberam das respectivas madrinhas o certificado de conclusão do curso. No mesmo ato, os instrutores do Grupo de Assessoramento Técnico de Fuzileiros Navais (GAT-FN) da MB e os monitores da Unidade de Fuzileiros Navais (UFN) de São Tomé e Príncipe efetuaram a entrega da insígnia de Fuzileiro Naval, afixando-a no ombro esquerdo de cada combatente anfíbio.

O evento, presidido pelo ministro da Defesa e Administração Interna de São Tomé e Príncipe, Arlindo Ramos, contou com a presença do Comandante do Pessoal de Fuzileiros Navais da Marinha do Brasil, vice-almirante fuzileiro naval Jorge Armando Nery Soares.

Para encerrar o evento, foi realizada uma demonstração operativa, ilustrando uma Incursão Anfíbia, com o propósito de destruir uma instalação de interesse, capturar inimigos e de resgatar pessoal amigo aprisionado.

Foi a primeira vez que os recém-formados Soldados Fuzileiros Navais atuaram em conjunto com os demais elementos da Unidade de Fuzileiros Navais de São Tomé e Príncipe – os quais foram formados nos três cursos realizados anteriormente.

Com a turma de 2017, a Unidade de Fuzileiros Navais alcança o efetivo de 124 militares, atingindo o efetivo planejado quando a cooperação foi iniciada, em 2014, e projetando para os próximos anos a sua consolidação como tropa de elite da Guarda Costeira africana.

14
Deixe um comentário

avatar
13 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
12 Comment authors
Vitor SilvaAntonio Joao Bettencourt HenriquesLarachoAngelo ChavesFlavio Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Joao Moita Jr
Visitante
Joao Moita Jr

A Imperial Marinheiro estaria de bom porte para integrar esse grupo…

Tallguiese
Visitante
Tallguiese

Talvez, digo talvez o Brasil possa fazer até mais, tipo fornecer meios combatentes a eles vindo de meios já desativados ouvem vias de desativação. Assim teríamos aliados é um porto segura para operações na África. Poderíamos doar velhos tucanos, T-25 para treinamento, a ideia da Imperial marinheiro é uma boa também é quem sabe alguns Sapão e uns urutus no pacote. Hoje não me xinguem é só uma ideia de leigo para promover nosso país. Será que rola?

Tallguiese
Visitante
Tallguiese

Digitar de celular e ainda na esteira é dose, mas participar do blog não tem preço!

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

Vocês estão falando da corveta Imperial Marinheiro especificamente ou do último navio em operação da classe, a Caboclo, que ainda opera em boas condições no 2º Distrito Naval, em Atatu?

Porque desde 2016 a Imperial Marinheiro (desativada em 2015) é um navio-museu atracado em Rio Grande, no museu náutico próximo ao 5º DN:

http://www.naval.com.br/blog/2016/01/26/marinha-inaugura-corveta-museu-imperial-marinheiro/

Tallguiese
Visitante
Tallguiese

Uai poder algum havia de patrulha costeira então. Fui na onda do colega acima. Mas é a ideia rola?

FCM
Visitante
FCM

Um país pequeno, porém da CPLP e em uma posição estratégica valiosa para o Brasil; concordo que deveríamos ampliar (muito) a assistência de defesa a S. Tomé e Príncipe.

Kornet
Visitante
Kornet

Ai os chineses oferecem alguns barcos novos a precinho camarada e toda a doação é esquecida.

João Adaime
Visitante
João Adaime

Prezado Kornet É isso mesmo. Nosso País precisa definir o que quer do Oceano Atlântico e da África e entrar de cabeça. Contra o dinheiro chinês temos a língua e a proximidade. Sem falar que, conforme a notícia, a MB está ajudando a formar os fuzileiros navais daquele país. Assim como fazemos na Namíbia. E isto conta muito. O espírito de confiança e camaradagem se torna indissolúvel e é um ponto a nosso favor. Além disso, o Brasil poderia pedir um apoio financeiro ou de meios junto aos EUA e à Otan para enfrentar o avanço do dragão. Não para… Read more »

Petardo
Visitante
Petardo

São Tomé e príncipe não tem dinheiro pra comprar navio novinho nem com desconto camarada.

Flavio
Visitante
Flavio

A situação esta apertada para todo mundo.

Alguem teve noticias sobre o submarino portugues que explodiu no primeiro vôo?

Angelo Chaves
Visitante
Angelo Chaves

Submarino que explodiu no vôo? Cumã?

Laracho
Visitante
Laracho

O submarino voador é o Álvaro Alberto! 🙂
Vai ser lançado em 2029? 2129? ou 2229?!

Antonio Joao Bettencourt Henriques
Visitante
Antonio Joao Bettencourt Henriques

Os Patrulhas da Classe Cacine serviram o Continente e as Regioes Autonomas durante decadas. os standards de treinamento e de manutencao da Marinha Portuguesa sao de bom nivel. Esta doacao e especialmente o treino serao muito uteis a todos. O titulo da noticia esta infeliz.
Pesquizem o que aconteceu a uma lancha chinesa que S Tome e Principe comprou por 2 milhoes de USD… 4 vezes o orcamento anual da defesa.
Um bem haja a todas as nacoes irmas, e que se apoiem mutuamente sempre.

Vitor Silva
Visitante
Vitor Silva

Queria só retificar : a classe Cacine está a ser substituída pela classe Tejo e não pela Classe Viana do Castelo, esta substitui as corvetas Portugueses ainda existentes. Ajudar São Tomé a capacitar a sua Guarda Costeira é sempre uma mais valia para todos, que se preocupam com a segurança no golfe da Guiné , local por onde passa grande parte do petróleo da costa Ocidental Africana. O facto do navio ser antigo não deve ser problema, porque este foi alvo de uma grande reparação á uns anos e também pode ser que seja um feito histórico e um final… Read more »