terça-feira, agosto 9, 2022

Saab Naval

Marinha do Brasil realiza a Operação Aspirantex-2018

Destaques

Alexandre Galante
Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br
Navios da Esquadra na Operação Aspirantex-2018

Na manhã do dia 12 de janeiro, o Navio de Desembarque de Carros de Combate (NDCC) “Almirante Saboia” e o Navio Doca Multipropósito “Bahia” suspenderam da Ilha de Mocanguê, no Rio de Janeiro, integrando um Grupo Tarefa (GT) da Esquadra, dando início à Operação Aspirantex 2018, que ocorreu até o dia 1º de fevereiro e envolveu diversos meios navais e aeronavais.

A Aspirantex, que este ano contou com 207 Aspirantes, sendo seis Aspirantes femininas, envolveu 1336 militares e executou exercícios, de caráter militar, ligados às tarefas básicas do Poder Naval, para familiarizá-los com a vida no mar e contribuir para a orientação dos 168 Aspirantes do 2º ano sobre a opção do Corpo e a escolha da Habilitação Militar.

O Grupo-Tarefa contou com a presença do Comandante em Chefe da Esquadra (ComemCh), o Vice-Almirante Alipio Jorge e foi comandado pelo Contra-Almirante Fernando Ranauro Cozzolino, Comandante da 2ª Divisão da Esquadra (ComDiv-2). Os exercícios que foram executados durante a operação contaram com os seguintes meios: o Navio de Desembarque de Carros de Combate “Almirante Saboia” (G25), o Navio Doca Multipropósito “Bahia” (G40), as Fragatas “União” (F45) e “Liberal” (F43), o Navio-Tanque “Almirante Gastão Motta” (G23), os Navios-Patrulha “Guaporé” (P45) e “Benevente” (P61), o Submarino “Tupi”, quatro helicópteros de emprego geral, sendo dois (UH-12/13) e dois (UH-15), um helicóptero anti-submarino (SH-16) e uma aeronave de interceptação e ataque (AF-1), além das seguintes aeronaves da Força Aérea Brasileira: uma aeronave de patrulha (P-95), uma aeronave anti-submarino (P-3AM) e duas aeronaves de ataque (A-1).

Durante os três primeiros dias de operação, os Aspirantes participaram de atividades como: Desatracação sob ameaça assimétrica, Navegação em Canal Varrido, Postos de Combate, Recebimento de Aeronaves, Qualificação e Requalificação para Pouso a Bordo (QRPB) e exercícios de CRASH no convoo evoluindo para postos de abandono, para verificação das balsas salva-vidas. Esta primeira fase de mar encerrou-se com a atracação do Navio de Desembarque de Carros de Combate (NDCC) Almirante Saboia e do Navio Multipropósito Bahia nos portos de Montevideo, no Uruguai, e Mar Del Plata, na Argentina, respectivamente. Na sequência, os navios retornaram para o Brasil, atracando no porto de Itajaí (SC) e encerraram a operação com a atracação na Base Naval do Rio de Janeiro, em Niterói (RJ).

FONTE: Marinha do Brasil

- Advertisement -

25 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
25 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
diego farias

Belíssimas imagens.

Giovane

Qual o paradeiro da f42 e f40 classe Niterói, tem muito tempo que não vejo noticias delas participando em algum exercício

Silvio RC

O Bahia G40 esta em todas. Nessa operação ele atingiu a marca de 1000 pousos. Pra quem esta operativo na MB desde 2016, é um marco significativo.

Ádson

Sou implicado com a permanência do BOROC.

Tomcat3.7

BOROC parece um binóculo gigante, troço feio. G40 ativo e a pleno vapor. H225M fazendo sua função e calando boquitas.kkk

Bardini

Belíssimas imagens…
.
Mas precisamos de um NApLog 🙁

Nilson

Não basta ter, tem que operar. Essa operação demonstra a capacidade de colocar navios e aeronaves em ação, agora é esperar mais uma Missilex, cujos vídeos também tem uma força persuasiva muito grande.

fabio Souto.

Amigos a MB vai revitalizar 3 fragatas classe Niteroi,pergunto: as que não
vão ser modernizadas darão baixa?

Nilson

Fábio, em outro post foi informado que duas delas virarão NaPaOc. Quanto à sexta não ficou claro o seu destino.

DOUGLAS TARGINO

O que é NaPaOc?

Zampol

Douglas: para dúvidas assim singelas, escreva na barra do Google “napaoc” tecle ENTER e a magia se fará.

Fernando "Nunão" De Martini

Nilson, Douglas, Zampol e Alberto, Sem querer ser chato, ou melhor, querendo ser chato, não existe a sigla “NaPaOc”, escrita dessa forma, e se fizer busca por ela no google ou no campo busca do blog pode dar resultado diferente do esperado. Existem duas siglas parecidas nesse caso, mas designam navios totalmente diferentes: NPaOc: Navio-Patrulha Oceânico Exemplo: NPaOc Amazonas (P120) NApOc: Navio de Apoio Oceanográfico Exemplo: NApOc Ary Rongel (H44) Dá pra conhecer todas as siglas e os nomes dos navios nos organogramas da parte inicial da matéria abaixo, que na sua sequência lista todos os navios com fotos e… Read more »

Alberto

NaPaOc = “Navio Patrulha Oceãnico”. Não precisa procurar no google. Para responder, gastei menos palavras que o post do comentarista Zampol sugerindo que o colega Douglas procurasse na internet. Urbanidade, senhores!!!!

Chico Novato

O G25 opera plenamente o Super Puma ou apenas para pouso e decolagem?

Nilson

“Fernando “Nunão” De Martini 11 de Fevereiro de 2018 at 9:17
… não existe a sigla “NaPaOc””
.
É, realmente saiu um a a mais. Isso que dá querer comentar à 1:30 da manhã, após algumas…
Mas de qualquer forma continua a dúvida do Fábio Souto: 3 serão modernizadas, 2 NPaOc, e a outra?? Será a Defensora, que já se considera revitalizada? Ou será a Niterói, que poderá ser baixada??

Fernando "Nunão" De Martini

Nilson, são coisas em andamento, depende do custo-benefício de cada uma, de cada casco, sistemas etc. Depende também do que é eventualmente retirado de um navio em manutenção e cedido a outro em operação que tem algum equipamento com problema (o qual pode seguir para ser reparado e depois instalado no navio em manutenção – aconteceu no caso da Defensora, que ficou bastante tempo num extenso PMG e cedeu equipamentos a outros navios da classe enquanto isso. Apatentemente o mesmo acontece com a Niterói). Há perguntas sem resposta ou cuja resposta depende de outras variáveis. Não adianta entrar na pilha… Read more »

Nilson

Tranquilo, o que será será, e quando houver decisão certamente saberemos aqui no Poder Naval.

Beserra (FN)

Saudades da minha Escola querida. Lá em 2004 eram alguns Campanhas e eu nesta duvida que perneia a maioria dos Aspirantes do 2°ano. Qual Corpo seguir, qual habilitação escolher… Um bom ano aos Aspirantes, para aqueles que desejarem a Intendência ou o CFN, papirem bastante, pois o conceito do mais moderno é sempre alto.

Agnelo

Camaradas
Qual Corpo, eu entendo.
Como é a Habilitação?
Desde já obrigado
Sds

Mahan

Porque a todo momento tem navio da MB lá pelas bandas da Argentina? Porque em treinamento nunca vão até Salvador, Recife ou mais ao norte?

Mahan

Obrigado. Nessa FT não faltou uma Type 22 ? Porque navios Patrulhas partiram? Fazem papel de oponentes? Os Sea Wolf ainda estão operacionais? Existem diferenças de emprego tatico entre os sonares das Mk 10 Mod e as Type 22?

XO

Agnelo, dentro das opções de Corpo, os Asp podem optar pelas Habilitações de Máquinas, Eletrônica e a melhor, Sistema de Armas (esse é o exemplo da Armada)… abraço…

Beserra (FN)

Agnelo, como já disse o Campanha XO, os Aspirantes devem escolher além do Corpo, uma Habilitação que irão direcionar a Graduação do mesmo na Escola Naval. O CFN oferece as seguintes: Eletrônica, Mecânica, Sistemas de Armas e Administração.

Rodrigo Tavares

Sobrevoando o Bahia são AF-1 Skyhawk?

Publicidade
Parceiro

Últimas Notícias

USS Vella Gulf se torna o primeiro de cinco cruzadores da classe Ticonderoga a serem desativados este ano

Quase 29 anos atrás, o USS Vella Gulf (CG-72) estava nas águas ao redor de Norfolk, Virgínia, esperando para...
Parceiro

- Advertisement -