Home Indústria de Defesa IACIT lança radar OTH na FIDAE 2018

IACIT lança radar OTH na FIDAE 2018

2911
26

Empresa desenvolveu projeto em parceria com IAI e apoio da Marinha do Brasil

Instalado no sul do Brasil, no Farol de Albardão (RS), o primeiro Radar OTH (Over The Horizon – Além do Horizonte), da América do Sul será lançado durante a FIDAE 2018. A IACIT, empresa brasileira com atuação consolidada no desenvolvimento de produtos e serviços de alta tecnologia, é a responsável pelo desenvolvimento do sistema, que contou com a parceria da ELTA Systems, empresa do grupo IAI (Israel Aerospace Industries) e apoio da Marinha do Brasil. A FIDAE 2018 acontece de 3 a 8 de abril, em Santiago (Chile).

A IACIT estará no Pavilhão Brasil, coordenado pela ABIMDE (Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança) e Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos).

Foram cerca de cinco anos desde o início dos estudos até o momento. Durante o ano de 2017, as equipes envolvidas realizaram os testes de calibração e de validação de dados do sistema. Hoje, o Radar OTH já está totalmente pronto e operacional para iniciar o monitoramento e vigilância das fronteiras marítimas do Brasil.

Estrategicamente instalado na costa sul do Brasil, o Radar OTH é capaz de monitorar embarcações localizadas em até 200 milhas náuticas da costa, enxergando as riquezas dos mares brasileiros dentro do limite de jurisdição nacional. O Radar OTH é essencial para detectar as embarcações que não transmitem sinal de AIS, conhecidas como embarcações “não cooperativas”.

Defesa e Segurança
Atuando também nos setores de Defesa e Segurança, a IACIT irá levar para a FIDAE a solução de proteção contra ameaças de drones, o DRONEBlocker. A solução DRONEBlocker é ideal para ser implantada em complexos industriais e locais estratégicos para segurança, evitando que informações sigilosas e rotinas empresariais sejam usadas por criminosos.

Navegação Aérea

A IACIT também apresentará o DME 0200 (Distance Measuring Equipment), um sistema de auxílio à radionavegação, que já está em operação em 3 aeroportos e irá fornecer mais 33 sistemas para a FAB (Força Aérea Brasileira), que serão instalados na faixa leste do país, garantindo uma cobertura de parte do território nacional.

O DME 0200 se utiliza do princípio da triangulação para determinar a posição de uma aeronave, com um nível de acuracidade aceitável para que se ofereça PBN numa área terminal (TMA).

Meteorologia

O NeuralCAST e o RouteCAST representam a vanguarda de tecnologia para apoio à navegação e controle de tráfego aéreo e estão alinhados com o conceito de Navegação Baseada em Performance (PBN). As duas soluçõesoperam junto à Rede de Meteorologia do Comando da Aeronáutica para apoiar os operadores de tráfego aéreo com previsões meteorológicas.

O NeuralCAST é um sistema que utiliza redes neurais artificiais treinadas para gerar informações de tendências meteorológicas de teto, visibilidade, ocorrência de rajadas, velocidade e direção do vento, para um horizonte de até 3 horas, utilizando as informações das estações do próprio aeródromo.

Já o RouteCAST identifica o volume ou área do espaço aéreo sob efeito de formações meteorológicas que possam apresentar risco às aeronaves em rota, como por exemplo nuvens Cumulonimbus (CB), permitindo monitorar eventos severos e prever o seu deslocamento para uma projeção de até 30 minutos. O sistema utiliza como fonte de dados radares meteorológicos e sensores de descargas elétricas atmosféricas.

FONTE: IACIT

Subscribe
Notify of
guest
26 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Wellington Góes
Wellington Góes
2 anos atrás

Esse sistema é parte integrante do projeto SisGAAz?! Se sim, bom saber que este projeto encontra-se em fazer final de desenvolvimento. Se não, é bom colocarem dentro do projeto. Minha opinião.

XO
XO
Reply to  Wellington Góes
2 anos atrás

Sim, essa é a idéia…

Carlos Crispim
Carlos Crispim
2 anos atrás

Fotos???????????????????????

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Carlos Crispim
2 anos atrás

Carlos Crispim,
O vídeo ao final da matéria já traz um monte de imagens da construção do sítio do radar.

Bardini
Bardini
2 anos atrás

Esse é um excelente investimento…
.
Estou torcendo muito para que este equipamento seja muito bem avaliado e, que venha a ser empregado em mais regiões.
http://www.iacit.com.br/sites/default/files/Radar%20OTH.pdf

Nonato
Nonato
2 anos atrás

Sempre digo que tecnologia não é algo difícil. O radar foi inventado há uns 80 anos. Nesse período a tecnologia passou por diversos desenvolvimentos. Assim não é possível que o Brasil não consiga projetar, desenvolver e fabricar radares. Tudo bem, podem não ser o estado da arte, de repente não conseguimos ter radar aesa para aviões. Mas pelo menos o básico devemos ter. O mesmo se aplica a aviões, tanques, navios, artilharia em geral. E até mísseis e foguetes, que até já temos tipo astros e o A darter. Deter tecnologia nem é tão difícil nem é nada do outro… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Nonato
2 anos atrás

“Assim não é possível que o Brasil não consiga projetar, desenvolver e fabricar radares” De fato, mas tanto é possível que no Brasil há empresas e instituições que projetam, desenvolvem e fabricam radares há algum tempo, seja a partir de conhecimentos absorvidos em radares estrangeiros, seja por desenvolvimentos locais. Não são muitos modelos, mas eles existem e há casos bem sucedidos e, inclusive, exportados. Sugiro que vá (outros interessados no assunto podem ir também) ao Poder Aéreo e digite “Omnisys” no campo busca e faça o mesmo com a palavra “Saber” no Forte. Várias matérias para ler. E aqui mesmo… Read more »

Nonato
Nonato
2 anos atrás

Com esse radar espalhado por toda a costa, já teríamos vigilância 24h do nosso mar.
Tudo bem, talvez esse radar não seja tão confiável, já que depende dessas zonas de propagação na ionosfera, tipo rádio amador.
Mas reduz um pouco a necessidade de p3 para o patrulhamento primário.
Poderíamos ter também radares instalados em balões no mar.
Daria uma cobertura razoável.
Poderíamos construir algumas ilhas artificiais também igual à China..

Luciano
Luciano
2 anos atrás

Esse tipo de tecnologia pode ser instalada nos navios de guerra? Bosco….?

Bosco
Bosco
Reply to  Luciano
2 anos atrás

Luciano,
Não pode não! Radares OTH só podem ser instalados em terra.

Bosco
Bosco
Reply to  Luciano
2 anos atrás

Luciano,
Já houve tentativa de colocar esse tipo de radar em navios mas até hoje não lograram êxito e não há nenhum em operação e nem em projeto. Só se tiver algum chinês que eu desconheço. rsrssss

Luciano
Luciano
Reply to  Bosco
2 anos atrás

AH, valeu, Bosco! Mas ao menos, em terra, isso garante a ampliação da área de defesa costeira.

Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano
Reply to  Bosco
2 anos atrás

Parece que a Ucrânia tem um projeto de um OTH-WS em navio (transmissor no mastro e antenas de captação, com varias dezenas de metros de altura, no costado).

Bosco
Bosco
Reply to  Alex Barreto Cypriano
2 anos atrás

Alex,
Já houve outros projetos de radares OTH montados em navios mas não vingam. É um troço muito “malenjambrado ” rsrsss

LucianoSR71
LucianoSR71
2 anos atrás

Para quem quiser tem o vídeo em português:
https://www.youtube.com/watch?v=gI7vG0hN2O4
Taí nossa Muralha do Atlântico versão século 21…

Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano
2 anos atrás

Bom, é apenas indicador de presença mas não serve pra solução de tiro, né? Infelizmente de curto alcance – OTHs das China alcançam milhares de quilômetros, e o Krug dos soviéticos também…

Bosco
Bosco
Reply to  Alex Barreto Cypriano
2 anos atrás

Alex, Há dois tipos de radares OTH. Esse do Brasil é do tipo “onda de superfície”, que tem menor alcance (vai até uns 400 km) mas tem boa resolução, serve para controle de tráfego, e não tem o problema de alcance mínimo. O radar OTH tipo “onda celeste” (skywave ou backscatter) que a China e outros países operam tem grande alcance (até uns 3000 km) mas tem resolução pior e têm um alcance mínimo muito alto. As ondas refletem na ionosfera e voltam à superfície e nisso formam uma zona não coberta de centenas de quilômetros. Para o Brasil esse… Read more »

Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano
Reply to  Bosco
2 anos atrás

Obrigado pelo esclarecimento, Bosco. Justamente pela faixa cega proximal do OTH backscatter que os chineses os colocaram bem recuados do litoral…

Bosco
Bosco
Reply to  Alex Barreto Cypriano
2 anos atrás

Alex,
Parece que na região tropical esse tipo de radar backscatter não é confiável.

Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano
Reply to  Bosco
2 anos atrás

Por quê mestre Bosco?
Com atraso, corrigindo meu comentário: não é o KRUG soviético (um sistema de captação e triangulação de transmissões em RF) mas Woodpecker russo (duas instalações no leste e duas no oeste da Rússia).

Lucas Senna
Lucas Senna
Reply to  Bosco
2 anos atrás

Temos que lembrar também que sobre Brasil se localiza uma anomalia gigantesca no campo magnético e na ionosfera. Talvez a utilização desse tipo de OTH sequer seja possível por aqui, ao menos não de forma confiável.

Bosco
Bosco
Reply to  Bosco
2 anos atrás

Alex,
Tem a ver com as características do ionosfera nos trópicos. Vou dar uma pesquisada pra ver se acho.

Angelo Chaves
Angelo Chaves
2 anos atrás

Importante tarefa está sendo cumprida por este meio de comunicação ao divulgar nossa indústria de ponta. E importante notar que o equipamento cumpre sua missão que é monitorar nossas aguas jurisdicionais, com intuito de conter ilícitos e resguardar a soberania nacional, espero que toda a amazônia azul esteja em pouco tempo sob os olhos desse guardião.

OSEIAS
OSEIAS
2 anos atrás

Pessoal, você fazem ideia de como isso é complexo? estou estudando agora emissões por radio propagação, e comentei isso com meus professores que são doutores na área. Todos ficaram impressionados pois o feitos é muito difícil principalmente por acompanhar a curvatura da terra.
parabéns aos envolvidos.

Willhorv
Willhorv
2 anos atrás

Existe um programa de implantação destes sistemas no litoral brasileiro? Em quantidade suficiente?
Tenho visto matérias sobre a pesca predatória, inclusive com a suspeita de navios estrangeiros fazendo a festa em nosso litoral, o que não deve ser de hoje.
Isto poderia identificar os meios e os locais destas práticas, auxiliando a coibir e diminuir estas atividades.

Alex Nogueira
Alex Nogueira
2 anos atrás

Muito legal esse radar e mais legal ainda que cobre exatamente a faixa que compreende a Zona Econômica Exclusiva. Parabéns aos envolvidos no projeto.