Home História Naval Battleship Bismarck: fotos inéditas mostram marinheiros alemães nadando para serem salvos, mas...

Battleship Bismarck: fotos inéditas mostram marinheiros alemães nadando para serem salvos, mas maioria morreu afogada

8378
47
Homens se debatendo no mar momentos após o notório navio de guerra Bismarck ter sido destruído pela Marinha Real em 1941. Fotografias chocantes que mostram centenas de marinheiros alemães afogando-se no afundamento do temível couraçado Bismarck vieram à tona depois de 77 anos

Por Sara Malm para Mailonline

  • Quatro fotos tiradas pela Marinha Real após o naufrágio do navio de guerra nazista alemão Bismarck, em maio de 1941
  • Uma mostra centenas de marinheiros alemães tentando desesperadamente nadar para a segurança dos navios britânicos
  • Quando os submarinos alemães se aproximaram, a Marinha Real recuou e apenas 114 dos 2.200 marinheiros foram resgatados
  • As fotografias estão sendo leiloadas em Deizes, Wiltshire, a um valor estimado “de 1.000 a 1.500 libras”

Imagens mostrando o momento em que centenas de marinheiros alemães tentam desesperadamente nadar em busca de segurança após o naufrágio do navio de guerra nazista Bismarck durante a Segunda Guerra Mundial, vieram à luz após 77 anos.

As imagens granuladas em preto e branco mostram os pequenos pontos negros de homens se debatendo no mar momentos após o notório navio ter sido destruído pela Marinha Real, em 27 de maio de 1941.

Apesar dos esforços da Marinha Real, mais de 2.000 marinheiros se afogaram depois que os submarinos alemães se aproximaram, forçando as forças britânicas a abandonar os homens na água.

Outra imagem mostra alguns sobreviventes remando tentando se agarrar ao casco do HMS Dorsetshire, que participou do ataque.

Na imagem, um marinheiro alemão pode ser visto subindo em uma corda que a tripulação britânica havia baixado para eles enquanto outros homens se apegavam aos destroços.

A Marinha Real Britânica começou a recolher sobreviventes após o naufrágio, mas logo abandonou a missão de resgate depois que os submarinos alemães foram vistos.

Como resultado, apenas 114 homens de uma tripulação de 2.200 sobreviveram ao naufrágio, a maioria deles resgatada pelo Dorsetshire.

Os pequenos pontos negros são homens se debatendo no mar momentos após o Bismarck ter sido destruído pela Marinha Real, em 27 de maio de 1941
Sobreviventes do Bismarck são resgatados pelos HMS Dorsetshire

As fotos foram tiradas pela Marinha Real Britânica que havia perseguido o orgulho da frota de Hitler depois dele ter afundado o HMS Hood com a perda de 1.418 homens dias antes.

Tendo sido gravemente atingido na Batalha do Estreito da Dinamarca em 24 de maio de 1941, o Bismarck tentou escapar em direção ao porto francês de Saint Nazaire.

Mas depois que o primeiro-ministro Winston Churchill deu a famosa ordem de ‘Sink the Bismarck’, uma armada de navios e numerosos aviões foram enviados para encontrá-lo e destruí-lo.

Na noite de 26 de maio, o Bismarck foi atacado por 15 biplanos Swordfish do porta-aviões HMS Ark Royal, um ataque que atingiu seus dois lemes e o paralisou.

HMS Ark Royal e biplanos Swordfish

Durante toda a noite e nas primeiras horas da manhã seguinte, o navio foi atingido por quase 3.000 projéteis disparados pelo HMS Rodney, pelo HMS King George V, pelo HMS Norfolk e pelo HMS Dorsetshire.

Houve uma sugestão de que a tripulação tentou se render antes que o navio fosse afundado.

Se o Bismarck tivesse sido capturado, as vidas de centenas de alemães poderiam ter sido salvas.

O battleship “Bismarck” fotografado após a Batalha do Estreito da Dinamarca, em 24 de maio de 1941

Também teria sido um atrativo para os britânicos, permitindo que os engenheiros navais encontrassem pontos fracos na frota alemã – incluindo o navio irmão do Bismarck, o Tirpitz, que causou estragos nos comboios do Ártico.

Mas teria sido uma operação altamente perigosa devido ao número de U-boats e aeronaves da Luftwaffe na área.

Agora quatro fotografias relacionadas ao naufrágio do mais famoso navio de guerra da Segunda Guerra Mundial foram colocadas à venda em leilão.

O verso das fotos traz carimbos datados de 30 de maio de 1941, incluindo o Ministério da Informação e que foram passados ​​pelos censores.

Andrew Aldridge, dos leiloeiros Henry Aldridge and Son, em Devizes, Wiltshire, disse: “Estas são fotos muito raras que não foram vistas por mais de 70 anos.

Elas mostram o Bismarck antes de ele afundar e o mar cheio de sobreviventes nadando por suas vidas.

Essa fotografia em particular traz para casa os horrores da guerra. Os navios da Marinha Real não ficaram por muito tempo depois, por causa dos submarinos alemães na área.

Como resultado, a maioria dos homens daquela fotografia teria morrido no mar.

“Colocamos uma estimativa entre 1.000 e 1.500 libras por essas quatro fotografias.”

As impressões, que medem 10 por 7 polegadas, estão sendo vendidas em Deizes no sábado.

Battleship Bismarck em 1940

FONTEwww.dailymail.co.uk

47
Deixe um comentário

avatar
23 Comment threads
24 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
27 Comment authors
Rudi PY3TORenan Lima RodriguesSoldatTadeu 54Renan Lima Rodrigues Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
tomcat3.7
Visitante
tomcat3.7

A lenda !!! Fez história e foi o terror dos mares na época. Imagino o que teria acontecido se o Yamato tivesse navegado junto a este e escoltados por subs. Seria uma dor de cabeça ainda maior.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

O Bismarck não foi o terror dos mares na época. A possibilidade de o Bismarck e seu grupo conseguirem alcançar o Altântico impunes poderia sim ter sido ruim para os navios mercantes, mas de fato foi contido ainda em sua primeira missão e afundado. Também seria impossível tanto Bismarck quanto Yamato serem escoltados por submarinos, dadas as limitações de velocidade dos submarinos da época. Até porque não vejo como faria muito sentido isso.

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Acho que nem era assim tão poderoso, em relação à RN. Tanto que acabou no primeiro cruzeiro. O fato do Hood ter sido afundado foi mais por uma questão de sorte pois a segunda salva do Bismarck, vindo de quase 22 km, adentrou o convés e foi parar no paiol. A explosão foi impressionante. Só 3 tripulantes se salvaram. O choque psicológico nos ingleses, talvez tenha , guardadas as devidas dimensões, sido parecido com o ataque à Pearl Harbor! A Marinha alemã , apesar de ótimos vasos, estava sendo preparada para a guerra de corso contra navios mercantes, mas, não… Read more »

Mercenário
Visitante
Mercenário

Graf Spee foi abandonado pelos alemães, que fugiram da luta.

Segundo consta na postagem, os alemães do Bismarck tambêm teriam tentado se render antes do afundamento.

Na superfície eles sabiam que não davam conta.

Alfredo Araujo
Visitante
Alfredo Araujo

Q comentário infeliz ! Leia um pouco antes de escrever toda essa bobagem ai… Vc ignora toda a importância q teve o blefe dos britânicos, que mentiam quanto as belonaves que se dirigiam para a área da batalha em socorro ao cansado esquadrão de cruzadores, que dava batalha ao vazo alemão. E também tira toda a grandeza do ato do comandante Langsdorff … que decidiu se retirar da batalha, por achar que a morte de seus homens seria em vão, já que o Graff Spee, além de danificado e de ter perdido em combate o seu avião de reconhecimento, já… Read more »

Antonio Palhares
Visitante
Antonio Palhares

Marcelo.
Não teria sido igualmente uma questão de sorte aquele torpedo lançado do avião ter travado no leme do encouraçado e tê-lo feito navegar em círculos possibilitando o ataque da força britânica e o impedindo de prosseguir até o alcance da proteção da força aérea alemã ?

Lemes
Visitante
Lemes

Submarinos escoltando couraçados? Acho que você viajou um “pouco” nessa. E o pior inimigo dos couraçados não eram outros navios ou mesmo submarinos, eram os aviões.

tomcat3.7
Visitante
tomcat3.7

Não manjo muito das questões navais, foi só exercício especulativamente imaginário!!!rs

Joao Moita Jr
Visitante
Joao Moita Jr

Para os interessados na Kriegsmarine, aqui esta um site incrível.

http://sharkhunters.com

Mk48
Visitante
Mk48

Boa dica João.

Abs.

Ivanmc
Visitante
Ivanmc

Bela matéria. A maioria das guerras são: Políticos e líderes bebendo e o povo morrendo.

Dalton
Visitante
Dalton

O texto menciona o seguinte: “incluindo o navio irmão do Bismarck, o Tirpitz, que causou estragos nos comboios do Ártico.”
.
Só que a única vez que o “Tirpitz” utilizou seus canhões para valer em sua curta existência foi durante um bombardeio a ilha de Spitzbergen que abrigava uma estação meteorológica britânica.
.
O “Tirpitz” é verdade obrigou os aliados a manter navios e aeronaves que poderiam ser utilizadas em outros lugares e a presença dele causou pânico no comboio PQ 17 que recebeu
ordens de dispersar-se facilitando o trabalho de aeronaves e submarinos alemães, mas,
nenhum foi afundado diretamente pelos canhões do “Tirpitz”.

Dr. Mundico
Visitante
Dr. Mundico

O Bismarck nada tinha de inovador ou mesmo revolucionário. Era uma nave considerada “light” para os padrões da época e foi construída a revelia do tratado de Versalhes, que limitava a tonelagem de barcos de guerra alemães. Em certos aspectos, certos itens de fixação e soldagem não eram suficientemente seguros ou confiáveis, bem como ligas utilizadas na blindagem, tudo com o intuito de contornar problemas com velocidade e deslocamento. O Bismarck foi construído para servir como bateria naval com o objetivo de afundar navios mercantes e não especificamente para combate naval, dado sua estrutura relativamente frágil e pouco confiável. O… Read more »

Nunão
Visitante
Nunão

Convés de madeira?
Talvez você esteja se confundindo com a cobertura / piso de madeira. O convés dos encouraçados e cruzadores de batalha britânicos eram blindados, a questão era a pouca espessura da blimdagem no caso destes últimos, mesmo após terem recebido proteção adicional no período entre-guerras.

Dr. Mundico
Visitante
Dr. Mundico

Isso mesmo, convés de madeira revestindo uma blindagem fraca e facilmente “perfurável” por fogo aéreo.

Nunão
Visitante
Nunão

Blindagem fraca, expressão que vc usou agora, tudo bem, mas o que encasquetei foi com o seu “convés de madeira”. Isso não existia. Não havia “convés de madeira”. A cobertura de madeira sobre o convés blindado não tinha nada a ver com a vulnerabilidade. Outros navios da época com proteção horizontal muito mais espessa também tinham piso de madeira sobre o convés. A madeira não tinha nada a ver com vulnerabilidade.

Outro comentarista, mais abaixo, deu mais detalhes.

Antonio Palhares
Visitante
Antonio Palhares

Era um navio que honrava a tradição alemã de fazer boas máquinas. Muito bem construido e realmente poderoso. Foi perdido graças a incompetência da ralé nazista em fazer coisas sem planejamento adequado.

Mk48
Visitante
Mk48

Mundico, Se não conhece o assunto melhor não comentar.

Dalton
Visitante
Dalton

O “Bismarck” nada tinha de “light” Dr. Mundico era o maior encouraçado do mundo em 1941 e ao contrário da doutrina americana de limitar a boca dos navios em 33 metros para passagem pelo Canal do Panamá, o “Bismarck” tinha uma boca de 36 metros e só foi superado em tamanho em dezembro com o comissionamento do “Yamato” da marinha imperial japonesa. . Mas, de fato não havia nada de revolucionário nele…ser maior no caso dele significou ter uma bateria secundária poderosa, capacidade de transportar 4 hidroaviões e uma velocidade maior que a maioria dos encouraçados e nesse caso isso… Read more »

Guizmo
Visitante
Guizmo

A verdade é que, na 2GM, esse tipo de navio se tornou obsoleto, verdadeiro alvo. Bismarck, Yamato e outros de seu tipo não eram adaptados ao tipo de combate que foi praticado na 2GM. O uso massivo de submarinos e aeronaves, especialmente as embarcadas, mudou o perfil do conflito. Em Midway, o papel dos cruzadores/encouraçados japoneses foi completamente coadjuvante, a função de canhonear a costa inimiga no TO europeu também foi mais eficientemente executada por foguetes não dirigidos e air bombing.

Andrey Pinheiro Lisboa
Visitante

Prezados, boa tarde. Creio que cumpre esclarecer alguns itens de certo. 1) O encouraçado Bismarck (e seu irmão Tirpitz), eram bons projetos, mas derivavam diretamente dos conceitos na I GM (Von der Tann, Seydlitz e etc da antiga Kriegsmarine), comparem ele com o mesmo HMS Hood que foi afundado na saga do Bismarck que vocês verão do que eu estou falando. 2) Conforme já colocado por alguns colegas, já existiam projetos muito mais poderosos que o Bismarck, fossem contemporâneos como os Littorio italianos, os americanos North Carolina e South Dakota, os franceses Richelieu e mesmo os King George V. 3)… Read more »

JagderBand44
Visitante
JagderBand44

Onde assino?

Rudi PY3TO
Visitante
Rudi PY3TO

Não querendo polemizar…
Tem um caso de um submarino alemão que rebocou dois barcos salva vidas de um navio que o mesmo acabara de torpedear chamando de incidente RMS Laconia…mas isso é outra historia!

Delfim
Visitante
Delfim

O que se especulou era que o Bismarck tinha explosivos para autoafundamento, para evitar seu apresamento. O Graf von Spee e o Schanhorst também usaram tais explosivos. O documentário de James Cameron aventa tal hipótese. . O Bismarck usou excelente aço alemão, como mostrado no documentário de Cameron. Os telêmetros de tiro alemães eram considerados os melhores. Sua tripulação era jovem mas bem adestrada. Mas era deficiente em artilharia antiaérea, não derrubou um Swordfish sequer. Estes torpedeiros não chegariam perto de um cruzador americano. . O Bismark foi declarado como deslocando 35.000 tons mas pelo tamanho e castigo que suportou,… Read more »

Renê Reis
Visitante
Renê Reis

Durante toda a noite e nas primeiras horas da manhã seguinte, o navio foi atingido por quase 3.000 projéteis , fora o tal torpedo e nego ainda fala que a estrutura era relativamente frágil , então não sei oque seria uma estrutura confiavel.

Dr. Mundico
Visitante
Dr. Mundico

Evidente quer diante de tamanho volume de projéteis, não existe estrutura física capaz de suportar tal impacto intermitente. Afinal, não existem milagres na Física.
Apesar de sua blindagem fabricada pela Krupp utilizando liga de níquel/crômio/molibdênio ter resultado num pêso bruto superior, surgiram problemas com a fixação das placas, já que demandavam outro tipo de solda compatível com o material empregado.
Enfim, o navio era maior e mais pesado…mas, tinha problemas de montagem e fixação.

LucianoSR71
Visitante
LucianoSR71

Eu digo sempre que se quisermos fazer uma análise correta sofre um fato histórico, devemos primeiramente nos despir de nossas ideias contaminadas por nosso modo de ver as coisas que foi moldado pelo mundo atual em que vivemos, nossas convicções pessoais, etc. e mergulharmos no universo em que viviam aqueles que vivenciaram tal fato, olhar c/ os seus olhos interpretar, os fatos como eles fariam. Vamos aos fatos, já estavam a quase 2 anos em guerra, a Inglaterra lutava sozinha, os comboios navais eram a única forma de se manterem, não só lutando como, em última análise, vivos já que… Read more »

José Carlos David
Visitante
José Carlos David

A Segunda Guerra Mundial foi o divisor de águas entre a era dos encouraçados e os porta-aviões.
O ataque aeronaval japonês demonstrou isso de forma cabal e, dali em diante, os encouraçados passaram a ter um papel secundário nas batalhas navais, passando os porta-aviões e a aviação naval a serem os protagonistas.

José Carlos David
Visitante
José Carlos David

O ataque aeronaval japonês a Pearl Harbor…

Rafael M. F.
Visitante
Rafael M. F.

Que se referenciou no ataque inglês ao porto de Taranto em 1940.

Aliás, Encouraçados já eram vulneráveis a ataques em velocidade desde 1893, quando a torpedeira Gustavo Sampaio torpedeou o Aquidaban.

Em 1904, os japoneses fizeram um ataque precursor ao de Pearl Harbour em Port Arthur, mas com Contratorpedeiros. Danificaram severamente dois dos principais encouraçados russos do esquadrão do Extremo Oriente.

Heli Queiroz
Visitante
Heli Queiroz

O que diferenciava o Bismark de qualquer navio da RN (e ate mesmo da US Navy; que ainda nao estava em guerra, fato que so aconteceu em dezembro, o Bismark foi afundado em maio) era seu sistema de mira e controle de tiro (da Telefunken), muito superior aos navios da RN, principalmente os Classe Nelson, e o Hood. Seus canhos principais podiam ter menos calibre, 15 polegadas contra 16 e outros navios, porem eram mais precisos e com maior cadencia de tiro. So o altos oficiais da RN, e Deus, sabem se essa historia dos submarinos da kriegsmarine é verdadeira.… Read more »

Renan Lima Rodrigues
Visitante
Renan Lima Rodrigues

Nelson era um navio problemático, sua velocidade de saída do armamento principal junto com a munição leve demais para uma boca de 406mm/45, deixou o navio com um precisão ridiculamente péssima, e a penetração toda zoada. King George V mesmo com canhões semelhante aos da classe Fuso, com 356mm/45, engajou muito melhor. A Inglaterra só teve azar com canhões de 305mm/50 e 406mm/45, até por causa disso não fizeram o HMS Lion, pois o problema do Nelson permaneceu até no modelo BL Mark 2. Tanto a IJN quanto RN, os melhores armamentos foram os canhões 356mm/45 3rd de 35km de… Read more »

Dr. Mundico
Visitante
Dr. Mundico

Já em relação a classe americana Iowa, o Bismarck era atrasado tecnológicamente, apesar de maior tonelagem e poder de tiro.
Motivo: a classe Iowa tinha um sistema de tiro direcionado por radar, o que aumentava extraordinariamente sua precisão e poder destrutivo, inclusive em combate noturno!
Temos então que, nun eventual combate noturno, uma nave de classe IOWA poderia simplesmente afundar o Bismarck a quase 35 km de distância mesmo sem ser visto!!

Renan Lima Rodrigues
Visitante
Renan Lima Rodrigues

Tenso é que no meio de uma guerra, as vezes você tem que matar um combatente inimigo, talvez fora do campo o cara é bom ou teve que passar por uma história cagada de tristeza (perder família,pobreza ou sei lá) kkkk. Eu gosto muito mais de BB e CA’s, mas os porta aviões e submarinos rugiram mais alto no fim da guerra, o cruzador Choukai engajou muito bem na batalha de Savo, Maya,Nachi, Salto Lake City CA, na batalha de Komandorski, a última batalha naval pura em 1943, os japoneses estavam em pé da vitória, deram danos muito pesado mas… Read more »

Dalton
Visitante
Dalton

Renan… . ambos Nagato e Mutsu foram reconstruídos na década de 1930 da mesma forma então é possível que você tenha pego alguns dados de antes da reconstrução com dados depois de reconstruídos pois ambos possuíam as mesmas capacidades…e os tubos de torpedos foram removidos durante a reconstrução de ambos. . Depois de reconstruídos tornaram-se navios muito elegantes e bem maiores que os três equivalentes americanos da classe “Colorado” já que foram “encompridados” o que fica bem evidente quando comparo com os modelos que tenho na escala 1:1250. . No geral o “Colorado” ainda era mais bem protegido que o… Read more »

Renan Lima Rodrigues
Visitante
Renan Lima Rodrigues

Exatamente, a classe Colorado o cinturão beirava os 410mm em zonas vitais, enquanto Nagato tinha excelentes armas anti-navio,mas com menos blindagem lateral “belt armor”. Na verdade o Japão sempre foi bom de anti-navio, a taxa de disparo era boa, os canhões da classe Kongou,Ise e Fuso atiravam num intervalo de 22 segundos (2.0 rodadas por minutos) com 14″, enquanto os canhões americanos embora tendo uma balística extremamente boa, o moderno Iowa e até os Colorado,sofriam da taxa de disparo convencional, de 1.75 rodadas por minutos, (32 a 40s). Dos Big Seven o Nagato e Queen Elizabeth, são os mais ágeis,… Read more »

Tadeu 54
Visitante
Tadeu 54

O plano alemão era bom e sofisticado, um movimento de pinças: Bismarck e Prinz Eugen sairiam da Noruega, cruzariam o Estreito da Dinamarca e atacariam qualquer coisa que aparecesse pela frente, simultaneamente o Gneisenau e o Scharnhorst sairiam de Brest rumo ao norte, envolvendo a frota britânica superior, mas mais lenta. Mas surgiram problemas imediatamente: O Gneisenau em 1941 estava com seu maquinário em péssimo estado depois do uso intensivo em 1939-1940, precisava de revisão completa. Já o Scharnhorst estava em melhor situação e foi preparado para atacar sozinho, os ingleses desconfiaram disso e fizeram uma missão de ataque praticamente… Read more »

Dalton
Visitante
Dalton

Tadeu… . não são muitos os que já ouviram falar do “Graf Zeppelin” então aproveito a oportunidade para comentar: conforme um livro que tenho sobre o dito cujo, mesmo que ele tivesse sido colocado em serviço conforme o cronograma, fim de 1940, praticamente toda a artilharia, canhões anti superfície e anti aéreos havia sido removida e levada para a Noruega e para outros lugares depois da invasão e os sistemas de direção de tiro também haviam sido atrasados, além de outros detalhes, então, não se tratou apenas do Goering e sim que não haveria como apronta-lo para combate em maio… Read more »

LucianoSR71
Visitante
LucianoSR71

Caro Dalton, se me permite um pequeno acréscimo, é bom destacar que seria a primeira vez na história que os alemães operariam uma força aeronaval embarcada, não dá p/ imaginar que de uma hora p/ outra, no meio de uma guerra total, fossem conseguir ter treinamento adequado ( não só pousos e decolagens, mas também combate a incêndios – gasolina de aviação é altamente volátil, armamentos explosivos manipulados internamente e na coberta são de alto risco de explosão e propagação do fogo, etc. ) e rapidamente criar uma doutrina de emprego eficiente. Além disso era só um – só poderiam… Read more »

Dalton
Visitante
Dalton

Na verdade Luciano um segundo encontrava-se em construção desde 1938, contrato assinado muito antes e especula-se que teria sido chamado “Peter Strasser”, mas, o progresso foi propositalmente lento para se tentar usufruir da experiência a ser ganha do “Graf Zeppelin”, mas, sua construção foi interrompida em setembro de 1939, mesmo mês que iniciou-se a guerra na Europa. . E de fato, o “Graf Zeppelin” além de incompleto em 1940 e faltando uma ala aérea faltava também experiência e apesar de muito poder ser abreviado em tempo de guerra, mesmo limitando o emprego de navios novos, como ocorreu com os 2… Read more »

LucianoSR71
Visitante
LucianoSR71

Só que diferentemente dos japoneses os alemães não tinham nenhuma experiência em porta-aviões, como eu disse teriam que partir do zero, criar doutrina, algo muito mais demorado. Quanto a um 2º vaso, desconhecia. Abs.

Dalton
Visitante
Dalton

Luciano talvez você goste de saber também que uma comissão alemã visitou o
NAe Akagi da marinha imperial japonesa em meados da década de 1930, pouco antes do mesmo ter iniciada sua grande e dispendiosa reconstrução que o tornou mais que um páreo para seu equivalente na US Navy o “Lexington”.
.
Planos do “Akagi” foram cedidos aos alemães e embora não tenham sido tão produtivos como se esperava que pudessem ser, os alemães estavam no caminho certo, mas, NAes não eram e corretamente nem deviam ser prioridade ainda mais
na década de 1930.
.
abs

LucianoSR71
Visitante
LucianoSR71

Quanto ao Akagi, também não sabia, valeu. Em sentido contrário, me lembrei de uma história.
A Junkers tinha projetado uma transformação do gigantesco, p/ a época, avião de passageiros Junkers G.38 em bombardeiro ( o K.51 ), mas não foi aceito. O Japão se interessou e comprou os direitos de fabricação criando o Mitsubishi Ki-20 que voou em 1932. Sua capacidade de transportar 5t de bombas era impressionante p/ a época, apesar de sua velocidade ser de apenas 200km/h.

Soldat
Visitante
Soldat

Descansem em paz bravos guerreiros Germânicos…….
——————————————————————-
A verdade que foi demostrado que os porta aviões e os aviões foram os maiores vencedores….
______________________________________________________________
A Alemanha nunca teve uma marinha para fazer frente a Inglaterra.
———————————————————————————–
Os Almirantes Alemães eram contra a guerra começar antes de 1942 a oficios que comprovam quem quiser que procurem!.
————————————————————————–

E por ai vai historia de vencedores é o que conta…..

Atenção administradores….
É somente minha opinião não estou atacando ninguém espero o mesmo?!?!?!?!?!?

Dalton
Visitante
Dalton

“Descansem em paz bravos guerreiros Germânicos…….” Com certeza merecem todo o respeito. . “A verdade que foi demonstrado que os porta aviões e os aviões foram os maiores vencedores….” Ainda não em maio de 1941…o ataque a Taranto funcionou em grande parte devido à incompetência dos italianos…o “Bismarck” foi primeiro atacado pelo “Victorious” sem sucesso e o ataque do “Ark Royal” contou com muita sorte do torpedo ter danificado o leme. . ” A Alemanha nunca teve uma marinha para fazer frente a Inglaterra.” Os britânicos sacrificaram o exército e a Força Aérea para manter os níveis da Royal Navy…à… Read more »

LucianoSR71
Visitante
LucianoSR71

“A marinha de guerra “Kriegsmarine” era a menos nazificada das forças armadas”
Aproveitando o gancho, vale lembrar de uma figura que mesmo não pertencendo mais a Marinha teve destaque nesse período: o Almirante Canaris. Antes da ascensão do nazismo trabalhou secretamente pelo rearmamento indo contra as proibições do Tratado de Versailles, buscando por exemplo, construir submarinos na Espanha, assumiu a Abwehr, lá ajudou judeus ( entre outros ) a escapar do nazismo. Foi acusado de alta traição e executado pouco antes do fim da guerra.

Tadeu 54
Visitante
Tadeu 54

Pessoal, insisto que a maior dificuldade para a Alemanha Nazista ter uma força aeronaval efetiva e operacional se chamava……. Hermann Goering ! Vejam porque: Em 1933 a Alemanha não tinha Força Aérea nenhuma ( era proibida pelo Tratado de Versalhes ) quando houve vontade política ( e os nazistas tinham muita ) fizeram todo o necessário, em apenas 5 anos a Luftwaffe pode atacar e vencer em vários teatros europeus ( Polônia, Benelux, França, Noruega, Grécia e Ioguslávia ), quase levando a Grã Bretanha de embrulho. Se o Almirante Raeder tivesse reais condições de montar uma força aeronaval já a… Read more »