Home Aviação Naval EXCLUSIVO: PHM Atlântico inaugura novo conceito operacional na MB

EXCLUSIVO: PHM Atlântico inaugura novo conceito operacional na MB

14680
70
HMS Ocean operando no Brasil, em 2010
HMS Ocean operando no Brasil, em 2010

Por Roberto Lopes
Especial para o Poder Naval

O colaborador do Poder Naval Luiz Monteiro está na Inglaterra. Nós o procuramos para que, dentro do possível, ele nos ajudasse a decifrar os critérios que irão reger a formação do Destacamento Aéreo a ser embarcado, futuramente, no porta-helicópteros multipropósito Atlântico (ex-HMS Ocean).

O navio chega ao Rio de Janeiro no mês de agosto, e receberá uma verdadeira romaria de oficiais que subirão a bordo não apenas para conhecê-lo; também para estudá-lo: gente da Diretoria de Abastecimento da Marinha, da Diretoria de Aeronáutica da Força, do Corpo de Fuzileiros Navais, da Aviação do Exército e da própria Força Aérea Brasileira.

Depois virão meses e meses de testes, com o navio atracado e operando ao largo da costa brasileira. As certificações necessárias ao aprontamento da embarcação, para que ela seja considerada plenamente operacional, devem entrar pelo ano de 2020.

Monteiro, entretanto, nos adverte para o fato de que o tal “Destacamento Aéreo” de que falamos tornou-se, com o advento desse porta-helicópteros, uma figura quase anacrônica.

Vamos entender o que ele quis dizer com isso.

Desde já, em nome dos milhares de leitores do PN, agradeço a disposição do nosso amigo em, mais uma vez, nos ajudar a conhecer a Modernidade dentro da Marinha do Brasil.

Gráfico do convés de voo do HMS Ocean
Gráfico do convés de voo do HMS Ocean

Eis os principais esclarecimentos de Luiz Monteiro:

Poder Naval – Por que falar em “Destacamento Aéreo” é algo anacrônico?

Luiz Monteiro – O conceito de Destacamento aéreo fixo para o Atlântico está equivocado. Com a incorporação desse navio, a MB inaugura um novo conceito, trazido da Royal Navy, denominado “Bolsa de Golfe”.

PN – Como assim?

LM – No golfe, o jogador carrega sua sacola com tacos específicos para cada jogada ou estratégia traçada. Dependendo da situação do jogo, e das circunstâncias em cada momento da partida, ele saca o taco adequado.

O PHM Atlântico será a nossa “bolsa de golfe” e carregará os meios aeronavais (tacos) de acordo com sua missão. Lembrando sempre que o barco poderá levar até 18 helicópteros.

SH-16 Seahawk da MB, lançando míssil Penguin
SH-16 Seahawk da MB, lançando míssil Penguin

PN – E em uma comissão onde haja mais de uma ameaça a enfrentar? Por exemplo: guerra antissubmarino e antinavio?

LM – Caso a missão seja ASW/ASuW, o porta helicópteros embarcará o maior número possível de aeronaves MH-16 e UH-15A, sendo o conjunto complementado por um ou dois helicópteros de transporte médios, tipo UH-15, e um ou dois aparelhos leves, de ligação.

PN – Na hipótese de a missão exigir a transferência de uma tropa de fuzileiros para a terra…

LM – Aí a coisa se inverte. Na hipótese de o objetivo ser a transferência de tropas, e mesmo no caso de ajuda humanitária, se embarcará o maior número possível de helicópteros médios de transporte, e leves de ligação. Podendo, ou não, receber um ou dois MH-16 e/ou UH-15A.

Como você pode ver, o Destacamento Aéreo vai depender da missão que se pretende naquele instante. Existem diversas variações, ou composições, de possíveis destacamentos. Não vou detalhar todos. Só queria que você e os leitores do PN entendessem o conceito.

UH-15A armado com míssil antinavio AM-39 Exocet
UH-15A armado com míssil antinavio AM-39 Exocet – Foto: Fernando “Nunão” De Martini
UH-15 desembarcando fuzileiros navais
UH-15 desembarcando fuzileiros navais

PN – A Força Aeronaval tem aeronaves para todas essas hipóteses de missão?

LM – Essa é a pergunta natural que devemos nos fazer. Na minha opinião, o conceito “Bolsa de Golfe” obrigará a MB a, no futuro, adquirir novas unidades do MH-16 e do UH-15A…

PN – Para sanar que tipo de eventual carência?…

LM – Para aproveitar de forma completa o potencial de operações do Atlântico, ou, em outras palavras, a total capacidade das aeronaves embarcadas em missão ASW/ASuW, que seria um grupamento máximo de 8 MH-16 e 8 UH-15A.

PN – A possibilidade de o navio operar aeronaves de outras Forças está confirmada?

LM – Sim, certamente! O Atlântico poderá embarcar helicópteros da FAB e do EB, aumentando a quantidade de missões que essa plataforma poderá desempenhar, tais como apoio de fogo a tropas em terra, o emprego dos helicópteros de ataque da FAB, ou aqueles que o EB está tencionando comprar, os Super Cobra.

PN – Na sua opinião, tudo isso, então, justifica plenamente a compra do Atlântico pela MB…

LM – Plenamente. Fiquei triste, ano passado, quando vi gente torcendo contra a aquisição do navio. Eram poucos, felizmente, mas não há dúvidas de que faltou visão a essas pessoas.

HMS Ocean fundeado na Marambaia, em 2010
HMS Ocean fundeado na Marambaia, em 2010

70
Deixe um comentário

avatar
33 Comment threads
37 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
39 Comment authors
AnderPaulo CostaWagnerRafael OliveiraDaniel Ricardo Alves Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Marcos R.
Visitante
Marcos R.

Mas seria interessante a MB dotar os fuzileiros de alguns helicópteros de ataque próprios, não ficando dependente de outra força sempre que precisar deles.

Flávio Henrique
Visitante
Flávio Henrique

Perceba que os helicópteros do BAF era quem dava apoio aos RM e não dá RN, talvez seja por isso o EB mirou em um lote maior de AH-1W.

Pedro Marçal
Visitante
Pedro Marçal

Caro Flávio, já falam em 13 “cobras” para o EB é mais 13 para a MB. Tem vídeos no YouTube, canal “hoje no mundo militar”. Vamos torcer que de certo essa quantia ou mais ou menos isso! Seria um upgrade fantastico para ambas as forças…

Roger
Visitante
Roger

Acabei postando o texto abaixo no artigo anterior (mas creio ser mais adequado que esteja nesta reportagem a informação abaixo) colhida do Diário Oficial da União do Comando da Marinha que segue abaixo: COMANDO DA MARINHA GABINETE DO COMANDANTE PORTARIA Nº 190/MB, DE 27 DE JUNHO DE 2018 O COMANDANTE DA MARINHA, no uso das atribuições que lhe conferem os art. 4º e 19 da Lei Complementar nº 97, de 9 de junho de 1999, alterada pela Lei Complementar nº 136, de 25 de agosto de 2010, e o art. 26, inciso V, do Anexo I do Decreto nº 5.417,… Read more »

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Bacana demais hein. Agora, vindo a MB a comprar alguns Cobras pro CFN vai ficar ainda mais bombadão o Atlântico, fora que o Lynx tbm pode fazer apoio de fogo ao CFN,claro que não como um heli de ataque puro sangue como o Cobra, mas como mencionado no texto, são várias as possibilidades de missões que podem ser encabeçadas pelo Atlântico. Parabéns à MB pela excelente aquisição e obrigado ,LM, por mais uma vez compartilhar conosco,dentro do possível, informações que enriquecem os debates entre nós, foristas.

Bosco
Visitante
Bosco

A questão não é torcer contra. A questão é que uma hora a MB dá a impressão que tá quebrada e que não tem verba pra nada, que tá no osso e que sequer está conseguindo manter as unidades que dispõe e de uma hora pra outra compra um navio que nem sequer era cogitado e que foi disponibilizado de repente e que não se sabia sequer quantos anos ainda tem pela frente e logo depois de adquirir um navio anfíbio em boas condições. Agora, fico feliz que haja verba sobrando, que o navio vai nos servir por uns 20… Read more »

Rogério rufini
Visitante
Rogério rufini

Acho que mais de 20 anos

Marcos10
Visitante
Marcos10

Acho que o Bosco foi irônico.

Augusto
Visitante
Augusto

Bosco, é exatamente o que sempre considerei e deixei claro aqui no blog.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Noble Member

“de uma hora pra outra compra um navio que nem sequer era cogitado”

Bosco, navio de propósitos múltiplos estava detalhado nos planos da MB há uns 10 anos.

Bosco
Visitante
Bosco

Nunão,
Tava! Mas dentro de um contexto em que imperava o oba-oba do Brasil “Putênfia” com cadeira cativa no CS. De lá pra cá muita água passou por debaixo da ponte (e aliás levaram a ponte junto ).

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Noble Member

Bosco, Minha observação foi sobre você escrever que a compra surgiu de uma hora pra outra e desse tipo de navio não ser sequer cogitado. Isso é muito distante da realidade dos fatos, ditada pela idade e necessidade de substituição dos meios anfíbios em serviço no passado, independentemente dos planos terem coincidido em parte com a época do “Brasil Potência” – a qual também não pode ser vista como um bloco de pensamento único. Na própria versão inicial da END, por exemplo, previa-se Navios de Propósitos Múltiplos – NPM (do tipo LHD, ou seja, de convoo corrido e doca, preferencialmente)… Read more »

Alex Barreto Cypriano
Visitante
Alex Barreto Cypriano

Bem lembrado, Bosco.

LucianoSR71
Visitante
LucianoSR71

Sendo bem direto: temos uma base de helicópteros marítima capaz de operar c/ qualquer modelo operado pelas 3 Forças no Brasil, agora é conversarem e tirarem o máximo dessa plataforma.

Bosco
Visitante
Bosco

O UH-15 e o MH-16 embarcados no PHM Atlântico reduzem nossa deficiência em ataque antinavio OTH.
*Mas urge o navio receber defesa de ponto apropriada.

Vovozao
Visitante
Vovozao

Estou sempre ouvindo falar MB, EB, FAB, considero acima de tudo que todos são Brasileiros, então quando a nação está acima, ou seja o trabalho é prioritário, não temos forças e sim o Brasil. Vamos para com isso é aprender a compartilhar

Bosco
Visitante
Bosco

“ataque antinavio OTH” lê-se ” operação ASuW OTH.

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Na minha modesta opinião a MB deveria já estudar a aquisição de todas as células de Super Cobra sendo oferecidas, somado a mais algum outro modelo de heli.. pesado. Também acho que o T.O de operação do Atlântico, assim como o Bahia deveria ser da costa nacional até a costa da Africa, oferecendo assim dentre outras funções proteção ao trafego marítimo, socorre e resgate a nacionais em zonas conflituosas, “mostrar bandeira nacional” em portos estrangeiros etc.. Assim com as 26 células de Super Cobras (10 para uso no Atlântico e 10 para uso no Bahia com o restante servindo de… Read more »

Roberto Bozzo
Visitante
Roberto Bozzo

Não seria interessante ter alguns Chinook para transporte ? Eles ficariam com o EB e seriam utilizados em conjunto. Talvez uns 18, 20 unidades, tendo sempre uma disponibilidade de 50%, ficariam uns 10 sempre prontos pra uso, assim uns 5 ficariam pro EB e mais 5 em uso com a MB.

Mk48
Visitante
Mk48

Bozzo,

Se não me engano há uns anos atrás o EB quis comprar uns Chinooks, mas aparentemente os EUA não liberaram.

Flávio Henrique
Visitante
Flávio Henrique

O EB quer a versão E o EUA liberou a versão D (a produção encerrou e os EUA dificilmente venderão os E).

Mk48
Visitante
Mk48

Obrigado Flavio.

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Já que a produção encerrou melhor irmos de Mi-26 então uai.rs

Flávio Henrique
Visitante
Flávio Henrique

A Columbia Helicopters comprou o direito de produzir e comercializar e as licenças de operação (eles operam comercialmente os helicopteros) os Chinook (CH-47) e Sea Kinght (CH-46). Eles não produziram ainda os mesmo pois precisa de permissão do FAA (tanto para peças como para as aeronaves, e são eles que atualmente cuida de manutenção das aeronaves, tanto para governos e empresas.

A Kawasaki produz/produziu o Sea Kinght (KV-107II)

Bardini
Visitante
Bardini

O que se falou é que o EB queria Chinook Fox…
.
Com o custo de um H225M, poderíamos estar voando fácil Chinook no EB…

Renato
Visitante
Renato

Existem versões de Chinook “maritimizadas”?

Camargoer
Visitante
Camargoer

Caro Bardini. Se você um pouco equivocado comparar o custo de um EC725 novo com um Chinook do exército dos EUA usado. Também acho difícil comparar o custo de um equipamento destes fabricado localmente com aquele que seria pago importando um novo (por exemplo, os equipamentos das forças japonesas são todos fabricados localmente e são mais caros, mas estão no contexto da politica industrial/tecnológica/militar deles). A única comparação correta seria se alguma empresas brasileira tivesse obtido a licença para fabricar 50 Chinooks no Brasil.

Marcos Cooper
Visitante
Marcos Cooper

tem que parar com essa idéia de “os EUA vetaram tal coisa”. Pra quem já ofereceu participação no JSF,F-16C/D Block 52 no FX e Super Hornet no F/X-2,esse pensamento já não vale mais hoje em dia.

Mk48
Visitante
Mk48

Sério ?

Você acha que é só ter dinheiro ?

Então manda comprar, por exemplo, uns Tomahawks e veja quanto tempo sua afirmação ficaria em pé. Aposto em menos de 1 minuto.

Bosco
Visitante
Bosco

Mk-48, Mas o Tomahawk esbarra no tratado MTCR que tanto o Brasil quanto os States são signatários. E há produtos sensíveis que realmente não estão disponíveis, como por exemplo: o F-22, armas nucleares de qualquer espécie, porta-aviões e submarinos nucleares, bombardeiros B-2 e B-1, etc. E toda venda de arma passa pela apreciação de um comitê do legislativo de lá que dá a última palavra levando em consideração uma série de fatores, como por exemplo, como tal arma pode desequilibrar as forças militares de uma tal região tendo em vista a possível ambição do interessado. Quanto aos Chinooks, sinceramente não… Read more »

marcos Cooper
Visitante
marcos Cooper

boa Bosco! Estamos falando de armas,digamos,normais! Caças em fim de linha e helicópteros.

Daniel Ricardo Alves
Visitante
Daniel Ricardo Alves

O governo americano tem uma rígida política de exportação de armamentos. Os “top de linha” são disponibilizados somente para Inglaterra, OTAN (na visão americana, o RU é o principal aliado) e Israel. Para a América Latina, sempre houve uma série de restrições que nos impedem de adquirir (mesmo que tivéssemos dinheiro . . . ) alguns deles.

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Bosco o MTCR não impede a venda de mísseis entre seus signatários.

Bosco
Visitante
Bosco

Rafa,
Claro que “impede”. Os mísseis e equivalentes com alcance além de 300 km e ogivas acima de 500 kg são de veda proibida entre os signatários, além de ser coibida a transferência de tecnologia a respeito.
Há como burlar esse tratado, como por exemplo os EUA ceder Tridents e Tomahawk aos britânicos, mas são casos à parte tendo em vista que os britânicos são parceiros de longa data e inclusive com potencial de desenvolvimento autônomo.
Mas tirando alguns casos isolados e compreensíveis, o tratado é respeitado.

Daniel,
Concordo! Mas essa “rígida” política de exportação não inclui helicópteros Chinooks.

Marcos Cooper
Visitante
Marcos Cooper

Parabéns MB! Bem-vindo Atlântico.

Anderson Graca
Visitante
Anderson Graca

Certamente o PHM-Atlântico, trará as nossa forças armas em especial a Marinha do Brasil uma grande capacidade operacional nunca vista no espectro das operações em conjunto quanto ao destacamento aéreo. Infelizmente o Atlântico não estará equipado com um moderno e eficiente sistema de defesa de ponto tipo (CIWS), mas que espero que ao longo desses primeiros anos a Marinha venha adicionar esse tipo de armamento no navio. Uma grande compra de oportunidade, agora resta esperar e saber quanto a possível compra de helicópteros de ataques excedentes dos Norte-Americanos ira se concretizar, mas o que mês trás preocupação é quanto ao… Read more »

RAFAEL DAMASCENO
Visitante
RAFAEL DAMASCENO

Sempre tive vontade que as forças armadas tivessem o Chinook no seu inventário umas 25 unidades , 12 pro EB, 08 pra FAB, 05 MB.

Flávio Henrique
Visitante
Flávio Henrique

A produção foi encerrada (aguarda a aprovação da FAA pra volta a ser produzida).

Bille
Visitante
Bille

Na conjuntura atual, as FFAA talvez precisam de chinnoks na Amazônia (transporte de carga externa pra pontos distantes, onde as pistas são curtas e não permite levar equipamentos pesados). 4 a 6 na selva seriam de bom tamanho. Fora isso, pensando em custo e logística, BlackHawks (não fariam a mesma função, mas teriam uma disponibilidade muito mais alta e podem certamente levar muita gente). Um conflito muda o cenário, mas se tivesse que investir, H60 com certeza são as aeronaves que são as que tem melhor custo-beneficio na paz e na guerra. Off topic: pra visita do Mike Pence, os… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

A largura do PHM Atlântico é de 35 metros. Os spots estão centralizados a uns 6 metros do costado de bombordo.
O diâmetro do rotor do Mi-26 é de 32 metros e do Chinook é de 18 metros.
Acho que o Mi-26 operando no “Atlântico” não dá não. As pontas das pás do rotor passariam a uns 4 ou 5 metros da “ilha”.
Acho uma margem de segurança um pouco reduzida.

Dalton
Visitante
Dalton

Boscão…veja por exemplo os grandes CH-53E e em breve os CH-53K…eles
decolam e pousam utilizando áreas à vante e a ré da superestrutura dos
LHDs e LHAs e não no centro do convés…aliás, mesmo F-35Bs e AV8Bs
só pousam em uma área “preparada” também a ré do convés de voo.
.

Alex Barreto Cypriano
Visitante
Alex Barreto Cypriano

A margem das órbitas dos hélices de 4 a 5 metros de qualquer coisa é boa e suficiente, apenas necessitando esquecer a área de transito seguro demarcada no convôo entre a ilha e a área das aeronaves. Me parece que os H-53 podem pousar em qualquer dos spots num LHA ou LHD, e seus rotores têm orbita de 25 metros (4,5 metros da borda do convôo ao spot mais doze e meio, ou algo mais, até o limite seguro de trânsito, este com uns 5 metros e mais a largura da ilha, uns nove metros, dão os trinta e dois… Read more »

Dalton
Visitante
Dalton

Segundo um livro que tenho Alex…até 9 CH-53E podem ser posicionados no convés para decolagem…ou seja utilizando todos os 9 “spots”…mas…apenas para decolagem, porém não pousam nos 2 “spots” entre a “ilha” e a borda do convés de voo, 5 e 6 e sim normalmente nos “spots” 7 e 9, já que normalmente há aeronaves estacionadas nos outros “spots” possíveis.
.
De qualquer maneira apenas 4CH-53E são embarcados.
.
abs

Bardini
Visitante
Bardini

Chinook, com produção encerrada????

Augusto
Visitante
Augusto

Agora, quem diria que no fim das contas os EC-725 acabariam servindo como uma luva…

Art
Visitante
Art

O conceito é de Força Tarefa, ou conceito modular de forças, pacote que já é comum no EB e na FAB. De acordo com as necessidades da missão forma-se a tropa para o combate. Os própio CFN já tem esse conceito.

Luis nelson
Visitante
Luis nelson

__________
__________

COMENTÁRIO APAGADO. NÃO ESCREVA EM MAIÚSCULAS. LEIA AS REGRAS DO BLOG.

https://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Aerokicker
Visitante
Aerokicker

Esse “conceito bolsa de golfe” deveria existir desde o A-11 por essas bandas. Durante toda a Guerra Fria vimos a especialização devetores ocorrendo, o que já tornava evidente que para cada missão seria necessária uma arma específica. Trazer esse conceito para as aeronaves de asa rotativa é bom para enfim dar racionalidade ao uso dos meios, mas o conceito em si não tem absolutamente nada de novo e sensacionalizar isso me soa como dourar a pílula que permite ver a incompetência na MB de forma escancarada. Sinceramente espero estar errado, mas depois do A-12 é sempre bom ter um pé… Read more »

Alex Barreto Cypriano
Visitante
Alex Barreto Cypriano

Bom, não é porta aviões, mas seria bom algum asa rotativa de aviso antecipado? Já dá pra transportar bastante coisa, entre fuzileiros e viaturas leves, com MH-16 e UH-15, fora os lanchões… Mas sempre fica o problema, decisivo na minha opinião, da falta de superioridade aérea local como envelope de proteção de um desembarque anfíbio old fashion. Se for pra operações aerotransportadas até que dá pro gasto, com a perna dos helis (um seahawk faz 400 nm, certo?)…
Sonho com uns firescouts pra operar junto…

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Alex, é um receio meu também, mas prevejo que caso ocorra a necessidade de utilização do Atlântico ou do Bahia em ambientes de grande intensidade na qual exista uma ameaça aérea, iremos operar em conjunto com algum aliado que tenha meios aeronavais ou aéreos locais que possam providenciar essa cobertura (leia-se: USN, futura RN, membro da OTAN, etc.). Caso contrário o jeito é fazer a coisa the old fashioned way, espalhando navios escoltas à uma distância grande do GT principal, nas rotas esperadas da atividade aérea hostil para servirem de piquetes-radar, como a própria RN fez durante as Falklands e… Read more »

Alex Barreto Cypriano
Visitante
Alex Barreto Cypriano

Sim, Leandro, e de qualquer forma um tipo de AEW por helicóptero (ou, ao menos, capacidade IRS de horizonte ampliado, daí os firescouts, talvez operando em conjunto com seahawks) se faz necessário pra evitar surpresas. Curioso é que ninguém mais pede NGFS pra desembarque anfíbio… Hehehe. As coisas mudaram….

Delfim
Visitante
Delfim

Este conceito de “bolsa de golfe” é novidade ?
Os ingleses usaram Harriers e um Chinook da RAF nos porta-aviões durante o conflito de 1982.
36 anos que o couro comeu no Atlântico Sul e ainda não aprendemos.

Dalton
Visitante
Dalton

O “Minas Gerais” operou com aeronaves P-16 da FAB…verdade que na época era proibido
à marinha operar com aeronaves de asa fixa, mas, havia uma grande integração entre
as forças nesse sentido.
.
Ainda nos anos 1970, os EUA testaram o conceito de controle marítimo embarcando
AV-8 (Harriers) dos fuzileiros navais e helicópteros Sea King da US Navy para ASW nos
LPHs da classe Iwo Jima.
.
Então não é que seja novidade, mas, depende também da necessidade de se fazer isso ou aquilo…os britânicos em 1982 estavam no “desespero” e trouxeram praticamente tudo o que eles tinham.

USS Montana
Visitante
USS Montana

Alguém sabe que dia o Atlântico sairá de Plymouth em direção ao Brasil? Em agosto vou estar no RJ e aproveitarei pra tirar fotos dele, aí acompanharei pelo MarineTraffic.

willhorv
Visitante
willhorv

Vamos com calma…este conceito é de longe o melhor e mais prático entre as forças…favorecendo o intercâmbio entre as mesmas e as operações.
Mas adquirir mais recursos deve ser bem estudado a fim de compatibilizar os meios, e não trazer um inférno logístico.

Nilson
Visitante
Nilson

“Aerokicker 29 de junho de 2018 at 0:05 Esse “conceito bolsa de golfe” deveria existir desde o A-11 por essas bandas. … o conceito em si não tem absolutamente nada de novo e sensacionalizar isso me soa como dourar a pílula que permite ver a incompetência na MB de forma escancarada.” . Permita-me discordar, Aero. O conceito certamente não é novo, mas a MB nunca teve simultaneamente um navio tão flexível quanto o Atlântico e uma diversidade de meios de asas rotativas como os que têm hoje. Ou seja, nunca antes houve por aqui a “bolsa” nem uma boa variedade… Read more »

Nilson
Visitante
Nilson

“Bosco 28 de junho de 2018 at 20:54
Agora, fico feliz que haja verba sobrando”
Creio que não há verba sobrando. Para comprar o Bahia e o Atlântico, a MB certamente teve que, dentro de sua disponibilidade, remanejar recursos de outras áreas, atrasar projetos em andamento, etc. É aquele ditado, “vemos as pingas que bebe, mas não vemos os tombos que leva”. Mas, com certeza, foi uma ótima priorização, melhor ter comprado os dois navios (oportunidade única) do que qualquer outro projeto que tenha sido prejudicado.

Nilson
Visitante
Nilson

“Delfim 29 de junho de 2018 at 1:39
Este conceito de “bolsa de golfe” é novidade ?”
Será novidade sua implantação na MB, que nunca antes teve um navio tão flexível quanto o Atlântico e um pacote de asas rotativas tão abrangente quanto o atual.
A ideia pode ser antiga, mas a possibilidade de efetiva implantação somente surgiu agora.

Ney Jorge Hitos Ferreira
Visitante
Ney Jorge Hitos Ferreira

É hoje que zarpa?

Nilson
Visitante
Nilson

Não, para hoje está marcada a cerimônia de incorporação. Ainda via ficar uns dois meses na Inglaterra, fazendo o treinamento.

Ney Jorge Hitos Ferreira
Visitante
Ney Jorge Hitos Ferreira

Respeito todos os comentários, mas na minha opinião a reforma do Nae São Paulo, apesar do custo elevado daria a indústria naval brasileira a espertize necessária a poder construir um Nae novo brasileiro. Veja os exemplo da China e Índia com Nae da antiga URSS.

Dalton
Visitante
Dalton

Ney… . não se tratou apenas de “custo elevado” e sim que também não se teria garantias de que a “reforma” seria um sucesso…da forma como seria feita, seria única na história algo que ninguém ainda havia tentado e embora o casco estivesse em boas condições, mesmo assim tratava-se de um navio comissionado na marinha francesa em 1963. . Não dá para comparar com o NAe hoje operado pela Índia porque ele foi modernizado pelos próprios construtores…os russos e o NAe chinês não foi iniciado do zero, já existia um casco e um NAe semelhante em serviço, o russo “Kuznetsov”… Read more »

Ney Jorge Hitos Ferreira
Visitante
Ney Jorge Hitos Ferreira

Como disse, creio que valeria, pois iríamos adquiri a expertise, o fato de não ter sido feito por outros não significa que não pode ser feito. Caso conseguíssemos seria um feito e tanto. A indústria militar se desenvolveu em erro e acerto. Temos uma filosofia de não arriscar. A tecnologia atual é infinitamente melhor doque em 1963. Os grandes bombardeiros americanos e russos são da década de 50 e continuar, com as atualizações funcionais.
Como disse respeito opiniões contrárias, mas não concordo.

Bardini
Visitante
Bardini

“Essa é a pergunta natural que devemos nos fazer. Na minha opinião, o conceito “Bolsa de Golfe” obrigará a MB a, no futuro, adquirir novas unidades do MH-16 e do UH-15A…”
.
Eu não concordo.
As prioridades da asa rotativa deveriam ser o programa UHP e programa IHP. Depois disso, adquirir mais Seahawk faria total sentido… Só que visando equipar os novos Escoltas, ampliando sua capacidade de combate ASW/ASuW.
Colocar mais dinheiro em UH-15A na situação atual de deterioração dos meios de pequeno porte, é um total desperdício de recurso.

Bardini
Visitante
Bardini

“Como você pode ver, o Destacamento Aéreo vai depender da missão que se pretende naquele instante. Existem diversas variações, ou composições, de possíveis destacamentos. Não vou detalhar todos. Só queria que você e os leitores do PN entendessem o conceito.”
.
Por isso deveríamos parar de flertar com o NAe que nunca poderemos comprar, manter e operar. Um par de NPM possibilitaria ampliar e muito esse conceito, que será introduzido e desenvolvido com a dupla Bahia e Atlântico.

Bueno
Visitante
Bueno

Maravilha… Grato pela entrevista..
A MB terá de comprar mais MH-16 e UH-15A, para sair na configuração informada, não vão colocar todos ovos na mesma cesta.
A questão é de onde sairá a grana para comprar, manter e operar o dobro de aeronaves…
Quanto custará a aquisição destas aeronaves adicionais para o A140?
Tendo esta condição, ótimo … ai vão conseguir cumprir as missões com configuração diversa , uma flexibilidade enorme…

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Bem, se alguns criticavam dizendo que não havia justificativa para a compra de mais aeronaves por não se ter de onde operá-las, esse argumento já não existe mais. Porém, o problema de verbas continua…

Wagner
Visitante
Wagner

Parabéns para a MB!!!

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

Com esta quantidade de meios embarcados e opções de desembarque anfíbio,e o que mais será
desenvolvido, o Atlantico na MB será mais uma caixa de ferramentas naval para nós.

Ander
Visitante
Ander

Boa tarde, já foi divulgado pela MB quais aeronaves serão operados do PHM Atlântico? Que tipo de Helicóptero ou possível avião? Obrigado.