Home Asas Rotativas Marinha do Brasil recebe terceiro helicóptero H225M C-SAR

Marinha do Brasil recebe terceiro helicóptero H225M C-SAR

16494
41

A subsidiária brasileira da Airbus Helicopters, Helibras, entregou o último dos três helicópteros H225M configurados para busca e salvamento de combate (C-SAR) à Marinha do Brasil em 27 de dezembro.

Os dois primeiros helicópteros, designados UH-15A Super Cougar, foram entregues ao Esquadrão HU-2 da base aérea naval de São Pedro da Aldeia em junho e julho de 2017, respectivamente.

Além do papel C-SAR, eles podem ser usados ​​para busca e salvamento (SAR) e podem operar a partir dos navios NDM Bahia (G40) e PHM Atlântico (A140).

Os helicópteros são equipados com o receptor de alerta radar RWS-300 da Saab, o receptor de alerta de laser LWS-310, o receptor de alerta de mísseis MAW-300 e os dispensadores de chaff e flare BOP-L, refletor Spectrolab SX-16 Nightsun, torreta eletro-ótica/infravermelha (EO/IR) Star SAFIRE III da FLIR Systems, sistema de localização de pessoal Cubic AN/ARS-6 (V12); sistema de guincho de resgate da Goodrich Rescue Systems, comunicações da Rockwell Collins e Rohde & Schwarz e o radar meteorológico RDR-1600 da Telephonics.

Existem provisões para a instalação de dois suportes de arma leve FN Herstal montados na lateral, para metralhadora MAG58M 7.62 × 51 mm da empresa.

FONTE: Jane’s

VEJA TAMBÉM:

Subscribe
Notify of
guest
41 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Señor batata
Señor batata
1 ano atrás

Dúvida que eu gostaria de levantar: já foram resolvidos os problemas vom h225 ou ainda precisa de revisão a cada x número de horas de voo?
Caso já tenha sido resolvido podem deixar link da matéria.
Saudações a todos.

Alex Nogueira
Alex Nogueira
1 ano atrás

Estando 100% resolvido o problema da caixa do rotor, esse helicóptero será magnífico para o que se propõem.

Mauricio R.
Reply to  Alex Nogueira
1 ano atrás

A MGB da “komboza” continua no mesmo ponto de antes: Revisão para a presença de metal no óleo lubrificante a cada 10 horas de voo.
Este helicóptero NUNCA será magnífico para o que se propõem.
Me desculpe o plágio.

Souto.
Souto.
1 ano atrás

Amigos alguem sabe quando a MB vai receber o helicoptero UH 15B capaz de lançar o am-39 exocet?

O incauto
O incauto
Reply to  Souto.
1 ano atrás

Já recebeu uma unidade de 8, (eu acho).

Felipe S
Felipe S
Reply to  O incauto
1 ano atrás

A MB receberá 5 unidades com capacidade antinavio, não 8. Os 3 C-SAR, e os demais 8 na versão básica de transporte de tropas.

Tomcat4.0
Tomcat4.0
1 ano atrás

Alguém sabe informar sobre a questão de se diminuir de 16 para 14 H-225 M pra s forças e se não me engano pegar outro modelo ????

Obs. uma bela máquina, tomara já tenham resolvido o tilt da MGB.

Ramos.
Ramos.
1 ano atrás

Amigo Tomcat ate´agora nada oficial sobre a reduçao de helicopteros h-225m de 50 para 44 aparelhos, tb gostaria de saber se isso é verdade ou não?

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Ramos.
1 ano atrás

A curiosidade está me consumindo.rs

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
1 ano atrás

Belíssimo helicóptero. Nessa configuração de CSAR, seria possível instalar uma sonda de REVO?

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
1 ano atrás

Muito bom!

Obs.: Nada como a sobriedade do Jane´s. Simplesmente para informar, sem politica.

Fábio Figueiredo
Fábio Figueiredo
1 ano atrás

kkkkkkkkk … mais uma Kombi Naval pra voar no continente. E ainda querem uma sonda pra REVO … não precisa reabastecer, precisa pousar assim que acende a luz vermelha no painel e checar tudo, tipo um PMG … Se abastecer em pleno vôo cai … imagina no meio do mar … Seria muito bom que esse governo devolvesse essa “kombomba ambulante” e trocasse tudo por Black Hawk S-60 inclusive os 2 que servem (de enfeites) a presidência da república! O PHM Atlântico veio a Santos e não tiveram a coragem de enviar a Kombi, mandaram uma Rural embarcada (UH-15 Super… Read more »

Airacobra
Airacobra
Reply to  Fábio Figueiredo
1 ano atrás

Fabio, o UH-15 super cougar que embarcou no Atlântico é um H225 do mesmo jeito que esse da materia, só que configurado para emprego geral, no caso a MB vai empregar 3 versões da mesma aeronave, o UH-15 emprego geral, UH-15A C-SAR e UH-15B ASuW, a MB não os chama de caracal como o fabricante e alguns usuários, mas sim de super cougar, pois já tinhaem seu inventário super puma e cougar.

Mauricio Pacheco
Mauricio Pacheco
1 ano atrás

Esse povo que não perde a oportunidade de criticar! São novos caramba!

Fábio Figueiredo
Fábio Figueiredo
Reply to  Mauricio Pacheco
1 ano atrás

A Marinha não escolheu a Kombi … A Aeronáutica não escolheu a Kombi … O Exército não escolheu a Kombi … Traduzindo: nenhuma força licitou, pediu, escolheu ou quiz a Kombi … cada Força tem seus requisitos e necessidades que não são exatamente a personificação da Kombi … e NUNCA SERÃO! E a Kombi tem e continua tendo vários defeitos … precisando de PMG constante. NENHUMA operadora que presta serviços a Petrobras ou qualquer outra petroleira ou faz a ligação entre o continente e plataformas de petróleo ou qualquer navio ou meio de extração na costa brasileira opera ou comprou… Read more »

Vicente Júnior
Vicente Júnior
Reply to  Fábio Figueiredo
1 ano atrás

Rapaz não é assim. Pelo que lemos na mídia, a nacionalização de peças é crescente, a medida em que os helicópteros são produzidos.
Li uma reportagem que estávamos até produzindo peças do rotor principal!

Não acho que seja uma kombi. É um bom heli, trouxe varias capacidades para nossas forças amadas.

Outra coisa, as compras de material militar devem ser feitas assim para as três forças, não tem mais essa de comprar um modelo pra MB, outro pra EB e outro pra FAB…

Mauricio Pacheco
Mauricio Pacheco
Reply to  Fábio Figueiredo
1 ano atrás

Eu parto do princípio, É O QUE TEMOS, e se é nosso não tem defeito, se não é nosso e não tem defeito eu invento!

Fábio Figueiredo
Fábio Figueiredo
Reply to  Mauricio Pacheco
1 ano atrás

É só fazer uma enquete se seria melhor 50 Hawks ou 50 kombis? Façam 2: uma aqui no site e outra nas 3 forças. Se material militar fosse genérico não teríamos distinção de 3 forças armadas. A logística seria muito mais barata, teríamos menos bases e quarteis … quanta ideia torta que aparece aqui …. só rindo mesmo … kkkk. Sobre nacionalização, se você contar que parafuso, porca, arruela, rebite … e uns eixos usinados conta e da-se no total 2% e fica feliz como essa de MADE IN BRAZIL … De novo, vou perguntar: além dos 50 empurrados guela… Read more »

Felipe S
Felipe S
Reply to  Fábio Figueiredo
1 ano atrás

Um Caracal leva o dobro de homens que um Black Hawk, e tem mais capacidade de carga. São helicópteros de categorias distintas e que se complementam. Esta comparação é ridícula. O Caracal tem a suíte aviônica mais moderna da frota, produzido no país , já atingindo 50% de nacionalização , já estamos produzindo coisas aqui que não produzimos antes. O contrato abrange um substituto para o esquilo com 100% de desenvolvimento nacional. Para comprarmos a versão equivalente do Black Hawk , ou seja, a mais atual, sairia mais caro ainda e seria de prateleira. Sou a favor de mais Black… Read more »

Elton
Elton
1 ano atrás

Bem que a versão que lança o AM39 poderia ser equipada com sonda revo e avionicos da versão c-SAR

EduardoSP
EduardoSP
1 ano atrás

Existem muitas aeronaves na marinha que devem operar atrás das linhas inimigas que justifiquem investir em capacidade C-SAR?
A FAB não poderia prover esse “serviço” para a MB, considerando a baixíssima probabilidade de haver múltiplos cenários simultâneos em que essa capacidade seja requerida?

Mauro
Mauro
Reply to  EduardoSP
1 ano atrás

Atrás das linhas inimigas só sei do filme estrelado pelo famoso Gene Hackman. Ninguém quer que seja usada em uma operação real, pois isso significa desastre e risco de vida para alguns, mas tem que existir, salva pessoas. Uma equipe da Marinha recebeu um prêmio internacional de reconhecimento mundial pelo emprego de UH-60 Black Hawk em configuração SAR, salvando vidas em alto mar, a noite e longe da costa, essa aeronave me parece bem superior ao UH-60 empregado naquela missão. Essa aeronave é altamente capaz e versátil, particularmente gosto desse aparelho. Aos mais entendidos e principalmente comentaristas sérios: Alguma possibilidade… Read more »

JPC3
JPC3
Reply to  Mauro
1 ano atrás

Não sou entendido.

Acho que tem chance de vir equipamentos made in USA sim, mas não Super Hornet. Seria algo muito fora do que já foi planejado. E de onde viria o dinheiro, por exemplo?

Se você diz Super hornet para marinha também não, tem outros programas com maior prioridade.

_RR_
_RR_
Reply to  Mauro
1 ano atrás

Mauro,

Se vier alguma coisa americana, muito provavelmente será mais um punhado de S-70 ou mais CLAnf…

Talvez, se se considerar a necessidade de dotar os fuzileiros com mais poder de choque, apareça um lote de carros de combate M1A1, mas nada além disso…

Camargoer
Camargoer
Reply to  Mauro
1 ano atrás

Intel Inside (brincadeira…) mas pode ser…

Marcos Cooper
Marcos Cooper
Reply to  Mauro
1 ano atrás

Não.

_RR_
_RR_
Reply to  EduardoSP
1 ano atrás

EduardoSP,

A Marinha incorpora consigo os fuzileiros, tornando-se assim força expedicionária por definição. Irá operar longe de casa, e não será sempre que poderá contar com a Força Aérea. Nada mais natural, portanto, que tenha uma capacidade SAR orgânica.

_RR_
_RR_
Reply to  _RR_
1 ano atrás

Soma-se aí também a capacidade de operar aeronaves embarcadas, que também irão operar longe de casa e não poderão contar sempre com a FAB para dar-lhes suporte. Na verdade, considero isso até mais importante, justificando de toda a forma o SAR na MB.

Renato
Renato
1 ano atrás

Não é impressionante como a Jane’s tem informações antes das nossas mídias especializadas?

Luiz Floriano Alves
1 ano atrás

Se este heli ainda apresenta problemas na mecânica, porque são aceitos como completos? Não passam por inspeção e testes de aceitação? Problemas mecânicos se revelam no perfil do analisador de vibrações dos mecanismos. Ou será que acreditamos na garantia de fornecedor, mesmo com este péssimo histórico?

Flanker
Flanker
1 ano atrás

Essa aeronave teve várias células entregues com a MGB original, que apresentou muitos problemas, inclusive com a produção de limalha de metal pelo desgaste exagerado e prematuro das partes dessas MGB. Detectado o problema, a Airbus desenvolveu modificações provisórias e as implementou nas aeronaves produzidas a partir dali e naquelas que já haviam sido entregues. Entre outras, a modificação incluiu a instalação de um filtro extra para o lubrificante e procedimentos padronizados que envolvem, entre outros passos, a inspeção desse filtro a cada determinado número de horas de voo (segundo informado, é realizada essa inspeção a cada 10 horas de… Read more »

Fábio Figueiredo
Fábio Figueiredo
Reply to  Flanker
1 ano atrás

Parabéns pela explicação. Vamos ver se precisa desenhar para algumas pessoas entenderem os recall das Kombis. Por isso defendo os 50 Hawks … nasceu militar, para ser operado por militares, para cumprir a missão e não fazer lobby mimimi. A cada 10 horas precisa de um mini PMG. Não é que a usinagem em vôo das peças acabaram, mas sim que colocaram um filtro extra pra não agravar mais o problema … e ainda querem colocar uma sonda de reabastecimento REVO … Pra mim devolvia tudo e pedia uma indenização por não cumprir o que deveria. Imagine: ATENÇÃO! Vamos parar… Read more »

Airacobra
Airacobra
1 ano atrás

Cuma?

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
1 ano atrás

Gostaria de entender alguns aqui que criticam a Helibrás e este helicóptero. Será que tantos países são assim tão burros pois o H225 está sendo vendido, com MGB problemática ou não! A Hungria foi o último “doido” a encomendá-lo.

Pode não ser o melhor, mas eu sou fã da Família Super Puma, desde que voei em um do 3/8 Gav, quando servia na FAB, em 1987!!

Fábio Figueiredo
Fábio Figueiredo
Reply to  Marcelo Andrade
1 ano atrás

Pensa que vc tem uma Saveiro e quer transformar a estrutura (carroceria) numa Amarok … Pois é … tinham um bom produto – Super Puma … quiseram fazer um upgrade e não recalcularam tudo para virar um Caracal … imagina para a cada 10 horas pra fazer um check geral … E uma Saveiro V6 que a caixa de transmissão não aguenta o tranco, não freia e a suspensão não faz curva … no Caracal o rotor não aguenta a potência e torque de um cabeçote com 5 pás no rotor principal … e onde pousa um heli naval qdo… Read more »

Flanker
Flanker
Reply to  Marcelo Andrade
1 ano atrás

Super Puma e Cougar são outras aeronaves! Operaram nas 3 Forças (ainda operam na MB e EB). Nunca tiveram os problemas que o H225M apresenta.

Dodo
Dodo
1 ano atrás

Esperando ansiosamente a aspirantex 2019….. vamos mostrar aos nossos Hermanos o Atlântico pela primeira vez

Rommelqe
Rommelqe
1 ano atrás

Alguem aqui imagina que tanto o Atlantico quanto o Bahia possuam instalaçoes e tripulantes aptos para fazer uma inspeçao completa e os reparos eventualmente necessarios nas MGBs?
Só tem uma possivel soluçao adequada/ satisfatoria para a MB: troca integral das MGBs e ressarcimento indenizatorio. Isto ja foi feito?

Juarez
Juarez
Reply to  Rommelqe
1 ano atrás

Não e nem será.Foi feito um contrato de CLS aondetodos os custos extras dos intervalos de manutencao menores foram incorporados e serão pagos por você, que deve ser contribuinte do erário.
Nap esqueça,e Brasil ……

Rommelqe
Rommelqe
Reply to  Juarez
1 ano atrás

Exatamente, caro Juarez! E o que considero ainda mais grave do que o lado financeiro, logicamente, é o aspecto segurança das tripulaçoes.
Militarmente falando, com apenas dez horas medias de voo efetivo entre duas inspeções/ manutençoes, a eficiencia operacional de aeronaves com objetivo C-SAr me parece nula.

Luiz Floriano Alves
Reply to  Rommelqe
1 ano atrás

Um caso assim, de falha sistemática de uma caixa de redução é péssimo tanto para o moral das tripulações quanto da disponibilidade do equipamento. É inadmissível. Só temos uma solução: troca da caixa, por outra de projeto adequado às condições de trabalho. Não posemos ficar com remendos em helicópteros caros e comprados novos de fábrica. Isso só desmerece um fornecedor.