Home Marinha do Brasil Marinha vai perder mais um navio em 2019: NDCC Garcia D’Ávila –...

Marinha vai perder mais um navio em 2019: NDCC Garcia D’Ávila – G29

19137
186
NDCC Garcia D'Ávila - G29
NDCC Garcia D’Ávila – G29 (clique na imagem para ampliar)

A Marinha do Brasil vai desativar mais uma unidade este ano, o Navio de Desembarque de Carros de Combate (NDCC) Garcia D’Ávila – G29. Ele deve realizar a Mostra de Desarmamento em dezembro.

O navio foi incorporado originalmente à Royal Navy com o nome de RFA Sir Galahad (L3005) em 25 de novembro de 1987 e desincorporado em 31 de agosto de 2006.

Foi adquirido pela Marinha do Brasil e recebido em 4 de dezembro de 2007, em Portsmouth, Reino Unido.

A incorporação à Armada ocorreu no dia 29 de maio de 2008, em cerimônia realizada no Complexo Naval de Mocanguê, na cidade de Niterói, Rio de Janeiro.

O NDCC Garcia D’Ávila foi o terceiro navio da Marinha do Brasil a ostentar esse nome em homenagem ao Capitão-de-Fragata Garcia D’Avila Pires de Carvalho e Albuquerque, desaparecido no afundamento do Cruzador Bahia, que comandava em 1945.

Na Marinha do Brasil, o NDCC Garcia D’Ávila – G29 realizou diversas comissões e operações navais, inclusive dando apoio às Missões de Paz no Haiti.

Quando adquirido, o navio já tinha problemas no sistema de propulsão que foram piorando ao longo do tempo.

NDCC Garcia D’Ávila – G29 abicando em uma praia para desembarcar veículos

186
Deixe um comentário

avatar
61 Comment threads
125 Thread replies
3 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
102 Comment authors
JuarezMarco FigNilsonGerson de Sousa ReisLuiz Floriano Alves Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
guilherme
Visitante
guilherme

Já havia problemas na hora da compra? Como assim? Se era tão grave que condenaria o navio logo depois porque foi comprado?

Joao Moita Jr
Visitante
Joao Moita Jr

Vixi!!! Só em uma semana 4 submarinos, uma corveta, uma fragata e agora o Garcia D’Avila???
A MB será brevemente classificada como Super Stealth, pois já não aparecerá em radar nenhum…

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Ela já era assim antes, imagina agora .
Acho que a marinha americana gastou dinheiro atoa no projeto Philadelphia.
Deveria ter vindo conversar com os amirantes nacionais, esses sim conseguem fazer marinha inteira ficar inviável !
Kkkkkkkk

julio
Visitante
julio

ESTÁ BEM PRÓXIMO A SE TORNAR UMA ARMADA BRASILEIRA.

Joao Moita Jr
Visitante
Joao Moita Jr

Guarda Costeira

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

Desta vez a marinha brasileira ta correta nesses descomissionamentos …

E tomara que mais navios sejam descomissionados como as fragatas Constituição (F42) e Liberal (F43) e tomara que o Matosso Maia tambem tudo mesmo pacote em 2020 e por fim as 02 fragatas classe greenhalgh, a corveta inhauma e o talvez ate o NDCC “Almirante Sabóia” (G25) em 2021.

Então, teremos menos navios e menos gastos com a manutenção desses navios velhos e obsoletos e so assim sem navios, teremos argumentos para justificar para muitos a necessidade de renovar a frota.

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

a corveta ‘classe’ inhaúma …

Almeida
Visitante
Almeida

Paulo Costa, eu concordaria contigo se, junto com a baixa de todos esses navios, também cortássemos suas tripulações e mais uns 20 mil burocratas dos quadros da MB. Não adianta perder meios, e capacidade operacional, em prol de economia se o maior gasto, pessoal, continua altíssimo.

Wellington
Visitante
Wellington

Em breve a Fragata liberal e a Constituição também devem sair.

Alguém pode me responder se a classe Makassar poderia substituir esse navio?
Seria interessante a MB comprar ou construir um da classe makassar peruano.

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Classe Makassar é um LHD caro Wellington Góes.
Me referi a ela pois se já estivessem cooperando com o Peru (que possui direito de fabricação e venda desse navio) já poderíamos estar desenvolvendo nova classe baseado na Makassar e nos ensinamentos tirados da operação do Bahia e Atlântico.
A questão fragata a melhor opção a curtíssimo prazo será adquirir de segunda mão mesmo.
Até aquele “tiro no pé” denominado CCT,s entrar em operação.

Alexandre Fontoura
Visitante
Alexandre Fontoura

Que 4 submarinos?

Joao Moita Jr
Visitante
Joao Moita Jr

Os IKL que serão repassados a Argentina ainda esse ano.

mendonça
Visitante
mendonça

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
stealth…gostei kkkkkkkkkkkk

S.N
Visitante
S.N

Se tivesse ficado no RU o tempo necessário para ter sido reparado na marca, estaria operando até hj.

Fernando Vieira
Visitante

Acho que o novo comando da marinha deu ordem de dar sumiço nas velharias… Isso não é ruim, desde que haja com o que substituir.

Henrique de Freitas
Visitante
Henrique de Freitas

Ola Fernado, me parece que seja a velha estrategia do Bode na Sala. Acredito que a organização acordou para a vida utilizando o mesmo Bode da aeronautica que hoje vai de Gripen+Meteor zero bala.
Abrs

julio
Visitante
julio

O Problema é a adesão a navios “anciõãos” de países de primeiro mundo.
Concordo em dá baixa naquele que realmente está “velha guarda” mas adquirir navios semi novos também poderia ser revisto como estratégia.

Cristiano de Aquino Campos
Visitante
Cristiano de Aquino Campos

Um navio projetado para durar 30/40 anos, semi-novo ele seria se estivesse com 7 ou 10 anos. Mas estamos vendo só navios com 25/30 anos que vão navegar por no máximo 10 anos e gastando dinheiro como se gasta hoje.
Melhor partir para os 0km.

Jorge Knoll
Visitante

O que tem é o.Miniterio da Defesa fazer uma reengenharia na Marinha, cortando 60℅ dos cargos acima de capitão-de-esquadra, como também não prove-los, e aposentar compulsoriamente todos com mais idade, que só ficam mandando atrás de um Biro e ganhando fg.
Por favor façam uma limpa na Marinha que das três armas tem sido a mais improdutiva, e privativa a Engepron. Manda pra casa 20.000 marujos pois navios não há para eles navegar

Carlos Gallani
Visitante
Carlos Gallani

20mil? Se olharmos as Marinhas de referências orcamentaria a vontade é de mandar 40mil!

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

E dinheiro pra isso? Sabichões? Seriam mais 40 mil na reserva remunerada!! Tem que ser um processo gradual como a FAB quer fazer, trocando os oficiais e praças que não participam da atividade fim por pessoal temporário, coisa de 20 anos ou mais. O problema do Brasil agora é que todo mundo quer que este Governo resolva em 1 ano o que fizeram em 50. Não adianta acabar com metade do efetivo de uma hora pra outra e antes que alguém de a idéia, não existe PDV nas FFAA!!!

Elcimar
Visitante
Elcimar

PDV já existiu na Marinha sim..mas pouca gente aceitou, porque iria pra reserva ganhando o soldo atual da época sem mais nada…no caso não seria demissão e sim reserva antecipada..na época estáva feia a crise,nem rancho tinha nas bases,era meio expediente geral..outra questão levantada aqui sobre a FAB estar aderindo a pessoal temporário..a marinha também está nessa linha..tem oficial e praça temporário. Diminuir efetivo agora seria uma dor de cabeça pra MB , aínda mais nessa soma que vislumbram aqui 20..40.. mil..muita gente concursada..seria difícil colocar a maioria na reserva e pagar todo esse efetivo aposentado compulsoriamente. Não é tão… Read more »

Beto Santos
Visitante

Pois é Elcimar eu não sei como funciona as aposentadorias compulsórias mas sei que assim como esta não funciona e se não é tão fácil assim como a grande maioria aqui pensa isso só mostra outro erro que deve ser resolvido, poder diminuir o pessoal efetivo e ter uma regra bem clara que deve ser seguida também de não gastar mais do que 45% ou 50% do que recebe com pessoal, não sei como esta hoje mas digamos que esteja em 70% coloca como meta 1% ao ano de redução até chegar ao objetivo, não é fácil mas é viável… Read more »

Marcelo Monteiro
Visitante
Marcelo Monteiro

Na mosca!!! Parabéns pelo comentário!!! 👋👋👋

Marcos Charqueadas
Visitante
Marcos Charqueadas

Sr Jorge
Joga tudo fora mas tudo mesmo, faz um financiamento a perder de vista, por 20 anos, com tudo o que precisa nessa lista, de SUBs, corvetas, fragatas, navios de apoio, porta helecopteros e navios patrulhas. Quando terminar de pagar, faz outro financiamento e troca tudo de novo, e mais barato. Corta Almirante que só sai fotos, marujos sem navio melhor enxugar o que der, vai sobrar grana.

Roberto Medeiros
Visitante
Roberto Medeiros

Knoll
Que posto é esse de “Capitão de Esquadra”??????

Wagner
Visitante
Wagner

hãã talvez seja um capitão que comande uma Esquadra…

Cavalli
Visitante
Cavalli

kkkkkkk Não dê idéia, caso contrário será mais um posto no oficialato da Marinha. Quem sabe enter o Capitão de Mar e Guerra e o Contra Almirante?!…. Aí já vai treinando para ser Almirante de Esquadra… kkkkkkk

Cavalli
Visitante
Cavalli

“…Quem sabe entre o…” (errata)

Marcus Silva
Visitante
Marcus Silva

eu rí muito desse comentário, tamanho desconhecimento, rsrsrsrsrs

Maurízio Souza e Souza
Visitante

Concordo plenamente

mendonça
Visitante
mendonça

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk,muito marujo pra quase nenhum navio .
ai é foda kkkkkkkkkkkkkkkk.

J L
Visitante
J L

Mas estão pondo nessa lista, meios que não podem ainda ser considerados velharia, como os submarinos classe Tupi, com o mais antigo ainda tendo segundo publicações aqui no site, de 10 a 15 anos ainda de vida útil. A desculpa pode até ser que a MB não tem verba para sustentar 9 sub, mas com tantas baixas imediatas, são verbas e tripulações que poderiam ser “remanejadas” pelas desincorporações ocorridas até agora e as que ainda viram até o próximo ano.

marcus
Visitante
marcus

Excesso de pessoal. Esse é o problema das 3 forças. Se não resolverem isso, não vai ocorrer atualização tecnológica. Continuaremos comprando lixo.

DOUGLAS TARGINO
Visitante
DOUGLAS TARGINO

O bom mesmo é pegar todos esses navios antigos, dar baixa e quando tiver oportunidade de comprar um outro, compra. Chega da pessoa passar no Rio de Janeiro e em outros locais, ver um monte de navio encostado, o ferrugem comendo.

Burgos
Visitante
Burgos

Caraca !!!
Tão dando baixa em tudo ?!
Daqui a pouco vai ficar o que pro pessoal Navegar ?!😨

india-mike
Visitante
india-mike

Burgos, vc sabe bem o que Garcia D’Avila já não navegava há vários anos, apesar de ser um navio relativamente novo pros nossos padrões (31 aninhos)

Mas eu achei que o Mattosao (que é quase cinquentao e que tb está parado há anos) ia antes dele…

Wilson Junior
Visitante
Wilson Junior

Já não navegam hoje, não faz a mínima diferença dar baixa.

Eduardo
Visitante
Eduardo

Faz diferença sim pois dando baixa, por incrível que pareça, se gasta menos em manutenção.

J L
Visitante
J L

vai sobrar aquela galeota que tá lá no arsenal de marinha, só que acho que são uns 16 remadores, continua sobrando gente disponível.

Bardini
Visitante
Bardini

Taca pau… tem que dar baixa sem dó.

Burgos
Visitante
Burgos

De acordo
Mas não tem substituto ?!
Acho que pra fazer isso tinha que ter o substituto!!!👍

india-mike
Visitante
india-mike

As mais recentes aquisições da MB foram ligadas ao EsqdAp (Bahia e Atlântico, embora esse último tecnicamente não pertença ao esquadrão…) e ainda se cogita para o futuro próximo o Wave Ruler.

Eu ainda dava baixa no Mattosao já é acaba com aquela outra sangria mas deixava o Saboia e o Gastão Motta que estão operacionais enquanto eles aguentarem.

Henrique de Freitas
Visitante
Henrique de Freitas

Entao…esse o Bode na sala.

Victor F.
Visitante
Victor F.

Esse navio é apenas 9 dias mais novo que eu. Assim como eu, parece padecer com dificuldades no sistema de propulsão. A diferença é que, felizmente, no meu caso, o problema é de excesso de lastro.

Espero que possa ser substituído o quanto antes (o navio).

Carlos Gallani
Visitante
Carlos Gallani

É só não adernar para a esquerda que ta tudo bem!

marcus
Visitante
marcus

Adernaram para direita e já estão afundando.

Wagner
Visitante
Wagner

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk !!!!

FERNANDO
Visitante
FERNANDO

Contabilizei já 3 navios, e esperem por mais.
É o fim da MB.
Vai diminuir pela metade.

TeoB
Visitante
TeoB

Se o efetivo diminuir pela metade também tá de bom…

india-mike
Visitante
india-mike

Discordo que seja o fim da MB. Pelo contrário, é o recomeço.

Vai encolher sim, e ainda mais (Mas certamente não pela metade). Essa próxima década vai ter que ser de renovação na MB e o primeiro passo é justamente esse, se livrar de todo peso morto. Esses são navios que estão parados há anos só sugando recursos, e que mesmo que fossem recuperados teriam valor militar próximo a zero mesmo.

William Duarte
Visitante
William Duarte

Hoje marinheiro do Brasil somente navega se for em cruzeiro no Caribe. Que sequência de noticias ruins nestes dias. Todo dia mais entramos no buraco e o fundo do poço não chega.

Carlos Gallani
Visitante
Carlos Gallani

Pelo menos as mentiras estão aparecendo, esse monte de navio bichado no porto acaba mascarando a necessidade de novos meios!

Andrew Martins
Visitante

Já li em alguns comentários e portais que esses navios de desembarque que tem como característica a aproximação da praia para fazer o desembarque, já seriam ultrapassados. Entretanto de todos os que a MB tem com essa característica o G 29 é o que eu mais gosto. Pois o designer escolhido para ele fazer essa função é bem criativo. Como se fosse uma ‘boca levantando e uma língua saindo’. rs E eu acho mais seguro do que o escolhido para o G 25, por exemplo. E tem um detalhe, não é uma embarcação velha. É bem mais novo que o… Read more »

Rogério Loureiro
Visitante
Rogério Loureiro

Será que vai receber pintura de alvo TB?

Elton
Visitante
Elton

Tomara que sim para não ficar no cais usando energia para manter as bombas de água e ocupando espaço.

Paulo costa
Visitante
Paulo costa

Menos navios é igual menos gastos …

Mas Ta na hora de aposentadoria de muitos oficiais que devem estar sobrando coMo o miNistro da Defesa prometeu reduzir

Adriano Luchiari
Visitante

Tem mais é que “limpar” o AMRJ das velharias atracadas, principalmente o A12. Medida além de tudo profilática, diminui a poluição visual e ambiental da baía na Guanabara.

Elton
Visitante
Elton

E só levar ele para Alang e “acidentalmente” os cabos se romperem e a bombas de água deixarem de funcionar quando estiver no meio do Atlântico.

rdx
Visitante
rdx

o A12 é um bom alvo para o próximo missilex

LUIZ FERNANDO
Visitante

É lamentável mas, se for a melhor das opções, que seja feito. Como 1o Imediato após o Grupo de Recebimento acrescento que o Navio não ficou tanto tempo parado como se comenta. Fiz longas e excelentes viagens no Tubarão (apelido do navio). Inclusive a 1a comissão de abordagem, a da foto. As compras de oportunidade padecem desse problema, a manutenção é difícil. Ainda mais no caso do Garcia com motores da Man-Diesel já bastante antigos. Mas, espero que tenhamos logo substitutos para os diversos meios que estão dando baixa. Mantenho meus Aspirantes, alunos da EN, informados sobre as aquisições para… Read more »

LUIZ FERNANDO
Visitante

Digo, comissão de Abicagem

Victor Filipe
Visitante
Victor Filipe

Vamos virar uma marinha com 80 mil mergulhadores, porque não vai ter navios.

diego oliveira
Visitante
diego oliveira

e isso não é bom?

Chevalier
Visitante
Chevalier

Se tem um bicho protegido nesse país é o funcionário público. Pode vir a crise que for, não se demite UM. Os pobres mortais do setor privado que paguem a conta.

Elton
Visitante
Elton

No EB a coisa mas fácil do mundo e mandar para casa soldado EP basta o oficial comandante de Cia não ir com cara dele tá.

Wellington
Visitante
Wellington

Tubarões agradecem kkkkk

Rudi -* PY3TO
Visitante
Rudi -* PY3TO

Marinha de Infantes.

Roberto Bozzo
Visitante
Roberto Bozzo

Concordo com a maioria, devemos dar baixa em todos os navios que não tem condições de navegar com segurança. Deixa só o que, comprovadamente, pode passar por uma manutenção e/ou atualização que lhe coloque a navegar a contento.
Até porque com o Atlântico e o Bahia o Garcia D’Ávila perdeu sua função.

marcus
Visitante
marcus

Livrar-se do efetivo morto seria o gran finale da renovação, ou seja, entre 40% e 50% do efetivo.

RENAN
Visitante
RENAN

Boa noiticia
Espero que 7 mil militares de carreira de baixo junto com o mesmo
Vamos poupar dinheiro um dia teremos marinha

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Poupar onde se serão 7 mil na reserva remunerada?

RENAN
Visitante
RENAN

Baixa por falta de apetidão física, sabe realmente dispensa

Almeida
Visitante
Almeida

Melhor irem pra reserva agora, com o soldo atual, do que anos depois, com várias promoções e prêmios acumulados…

Antonio
Visitante
Antonio

Perguntar não ofende (espero que não) Por que é tão difícil resolver problemas de propulsão nos navios, tomando o caso específico daqueles da MB, que são os que acompanhamos mais de perto aqui no blog? Tudo bem que os navios não são novos. Ok que alguns ou vários dos sistemas utilizados podem ter sido descontinuados ou mesmo que sua manutenção apresente desafios crescentes. Essa parte acho que a maior parte dos leitores aqui já entendeu. Minha pergunta vai mais no sentido de…. se a embarcação como um todo ainda apresenta uma vida útil, se não há substituto já em vias… Read more »

Carlos Gallani
Visitante
Carlos Gallani

Normalmente o custo da operação, da reformulação e a nova máquina superam o valor do casco, não compensa, é como vc ter um carro velho pra colocar um motor novo sabendo que o período que a carroceria vai aguentar é limitado, sem contar que provavelmente baixo estar longe do desempenho de algo novo.
Vale a pena usar este montante para comprar um “novo” usado ou algo zero mesmo!

marcus
Visitante
marcus

Fiz a pesquisa, e o G29 está equipado com dois exemplares desse motor Mirrlees-Blackstone KMR9 Mk 3.
Essa fábrica non ecxiste mais. Tem que desativar mesmo.Dois motores novos ficam mais caros que esse navio.
https://en.wikipedia.org/wiki/Blackstone_%26_Co

Jadson Cabral
Visitante
Jadson Cabral

Só a titulo de comparação fala-se muito por aqui que a remotorização dos Tupi pela MB custaria 60 milhões por navio e os mesmos, no estado em que se encontram, não devem valer muito mais que isso.

Control
Visitante

Jovem Antonio A boa prática administrativa determina que o custo de manutenção seja considerado na compra para o tempo estimado de vida útil do equipamento, no caso navio. Se isto fosse praticado pela MB, os problemas por que ela passa não aconteceriam. A questão básica é que tal prática não é comum no Brasil, onde ao se comprar e pior, ao se estabelecer os orçamentos, não são feitas previsões sensatas para manutenção, e pior, tal item do orçamento é o primeiro a ser cortado, quando falta dinheiro. Quanto ao raciocínio de que, se a despesa com uma manutenção for similar… Read more »

Marcelo R
Visitante
Marcelo R

Semana negra na Marinha do Brasil… Nunca vi um pacote de noticias assim. Niterói, Inhaúma, Jaceguay, depois querem tirar da marinha os 4 submarinos e agora o Garcia Davilla….Vou rezar….

Juarez
Visitante
Juarez

Reze para continuarem limpando aquilo lá que só dá despesa. Observou a foto do Matoso Mais com as bombas funcionando???
Sabe como elas funcionam com ele atracado??

Com energia elétrica do AMRJ.
Energia está que você está pagando, então reze para acelerarem as baixas de velharias inúteis.

Grozelha Vitaminada Milani
Visitante
Grozelha Vitaminada Milani

Além da baixa do SP, Ceará já virou sucata ou alvo? Tem mais alguma embarcação no RJ que está atracada dando prejuízos? E os navios de varredura e rebocadores de alto mar que deram baixa? Fizeram o que com eles?

Roberto Medeiros
Visitante
Roberto Medeiros

Juarez, q tem mais de velharia para ir embora?
Pq acredito q para as próximas semanas vem mais coisa aí

Juarez
Visitante
Juarez

Deus te ou ouça

Wellington
Visitante
Wellington

Deveria pegar essas velharias e afundar em Pernambuco dizem que lá tem poucos arrecifes de corais. Iria ajudar e muito!

Fernando XO
Visitante
Fernando XO

Juarez, aquele jato de água no costado do Mattoso nada mais é do que o alívio da rede de incêndio… por vezes, a pressão que vem do cais é superior à capacidade da rede, então são instaladas mangueiras para deixar água correndo e, assim, equilibrar a pressão do sistema. Sobre a energia, toda e qualquer base no mundo provê energia, aguada etc para suporte aos navios atracados… os custos desse suporte já constam nas despesas de funcionamento do AMRJ, nesse caso… não custa lembrar que o AMRJ, especificamente, gera receita por meio dos reparos e docagens de navios e embarcações… Read more »

Juarez
Visitante
Juarez

Boa noite CMG Fernando. Aquela operação de bombeamento e feita com energia elétrica que e paga com dinheiro do contribuinte. Ahhhhh, mas e demanda contratada.ok comandante, mas poderia estar sendo usada para atender outras de mandas do arsenal e não segurando casco decerto velho flutuante.
Um abraco, comandante.

Fernando XO
Visitante
Fernando XO

Juarez, se não for suportado por energia de terra, vai ter de ser por gerador de bordo… mais horas de funcionamento… necessidade antecipada de revisão… custos muito superiores… essa é a lógica… abraço…

Andrigo
Visitante
Andrigo

Tirando os 4 subs, só notícias boas, pois o resto só servia pra ocupar espaço no cais.

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Marcelo, aparentemente parecem notícias ruins mas temos que desapegar meu! Estamos construíndo 4 submarinos ao mesmo tempo, nova base e Estaleiro, o Programa Nuclear está andando, vamos assinar o contrato para as primeiras 4 CCT, haverá compras de opornunidade, etc. O Juarez está certo, tem que “limpar o armário” parabéns pela coragem da atual Administração Naval!!!

Sargento Pincel
Visitante
Sargento Pincel

Liberar orçamento para novas compras de oportunidades, quando assim aparecer….
Vejo um aumento de scorpenes e compra das fragatas australianas de 2ºmão.

vender o velho para comprar um mais novo… até eu faço isso no OLX… rs…
SUPER CONCORDO!

Marcelo R
Visitante
Marcelo R

Juarez… voce ta certo!!!…Ta na hora de chamar o “velho do saco” pra levar todas as latas velhas inúteis que estão boiando la na Guanabara, depois desta limpeza vai sobrar dim… dim… pra comprar outras coisas…., espero que não sejam outras coisas inúteis também…

ALEXANDRE
Visitante

“Quando adquirido, o navio já tinha problemas no sistema de propulsão que foram piorando ao longo do tempo.”
E é por isso que sou contra compra de oportunidade

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Prós:
Só servia pra fazer número
Não navegava mais a anos
Já veio com problema
Vai ser um gasto a menos com coisa inútil

Contra:
Não há nada que o substitua a médio e longo prazo

Grozelha Vitaminada Milani
Visitante
Grozelha Vitaminada Milani

A MB deveria dar fim a todas as embarcações que já prestaram serviços e hoje geram custos de manutenção e segurança, pois se afundarem vão dar mais problemas, Ou fazem um leilão e vendem como sucata ou virem alvos.

Alvos vão revelar se a embarcação sobreviveria a que ponto a um eventual impacto e nessas lições aprendidas geraram embarcações melhores, mais seguras e mais preparadas.

Marcos Albert
Visitante
Marcos Albert

Era um bom navio. Empurrava água e era confortável. Amigos foram até a China com ele no ano de 2010.

Oséias
Visitante
Oséias

Acho que a recente ameaça de guerra com a Vanezuela fez esse pessoal acordar para a vida. O Brasil tem mais de 300 mil militares com um orçamento de 30 bilhoes de dolares, mas não conseguiria hoje nem enfrentar uma republiqueta caribenha falida. É muito equipamento velho, é muito pessoal, mas nenhuma operacionalidade.

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Discordo mas muito… !!!

Otto Lima
Visitante

US$ 30 bi de orçamento, mas 80% disso comprometido com folha de pagamento e 15% com outras despesas. Sobram apenas 5% para investir. A MB é a mais inchada das Forças Armadas e poderia funcionar muito bem com metade do efetivo atual. Os navios mais modernos têm alto grau de automação e, por causa disso, precisam de menos tripulantes para a sua operação.

Leopoldo
Visitante

O que as Forças Armadas devem fazer ao máximo é diminuir o quadro de pessoal.

Otto Lima
Visitante

O problema é que isso só será possível a longo prazo e, assim mesmo, se houver uma reforma da previdência militar. O paliativo que está sendo usado para não gerar passivo previdenciário é a contratação de militares temporários.

Binho
Visitante
Binho

Esse RFA Sir Galahad é um navio auxiliar não tão velho ( vide idade do Almirante Saboia), não tinha passado por uma PMG e atualização antes de vir pra MB?

Muitos confundem com RFA Sir Galahad que foi destruído nas Malvinas

André Luis Santos de Oliveira
Visitante

Boa noite amigos porque não desativar também as outras duas fragatas a f-42 constituição e f-43 liberal e garantir recursos para a modernização das outras três restantes pois e de conhecimento publico que a liberal e constituição estão sem condição de seu pleno uso e limitações como o garcia d’davila.

rdx
Visitante
rdx

A MB deveria ter comprado 08 Meko para substituir as atuais velharias. Sou radicalmente contra compras de oportunidade e revitalizações. Para quem no máximo tem 05 escoltas com real capacidade de combate, 08 fragatinhas Meko está ótimo.

Chevalier
Visitante
Chevalier

Porque a MB vai mantendo aquilo que consegue navegar para não perder o treinamento da tripulação.

Juarez
Visitante
Juarez

Porque aqueles podres daqueles PTs ordinários vão bater tambor na mídia e dizer que o GF e está acabando com a MB e que o culpado e o JB, e a midia vagabunda e ordinária vai dar microfone para eles.

Tiago da cruz pinto
Visitante

Espero que seja adquirido navio britânico classe wave para substituir ele , creio nessa estratégia da MB

Otto Lima
Visitante

O Wave é um NT, não um NDCC, embora tenha alguma capacidade para transportar e transferir aguada, cargas secas e refrigeradas.

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Aquisição urgente do Wave, fabricação conjunta como Perú da classe Makassar, modificação de 2 cascos de petroleiro civil da Transpetro em navio tanque militar, aquisição de 4 unidades de Destroyer,s e ou fragatas de segunda mão ocidentais ou orientais (inclusive da China, Índia, Turquia, Rússia etc).
E deixar de lado essa imbecilidade de transferir os 4 Tupi,s para a Argentina.
Já não temos meios e iremos vender o que não tem!
Seria a mesma coisa que um faminto vendendo seu almoço para comprar a janta.
As vezes me pergunto onde está a cabeça desses oficiais de alta patente de nossas FAA,s !

Vovozao
Visitante
Vovozao

10/06/19 – bnoite, amigo, estes grandes petroleiros da Petrobrás já são de casco duplo. Poderíamos utilizar como reabastecedor, abrindo mão de mais uma sucata.

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Boa noite senhor Vovozão.
Não é?
Vale ressaltar que a Inglaterra está caminhando nesses sentido.
Desenvolvendo novo navio reabastecedor tendo como base o projeto civil de um grande petroleiro,
Mas nossos almirantes vivem de ilusões megalomaníacos de grandeza e soberba sem igual .

Esteves
Visitante
Esteves

Petroleiros tem casco duplo por conta dos acidentes. E porque países proíbem a navegação de petroleiros de casco simples em suas águas.

Roosevelt
Visitante
Roosevelt

Mais navios com problemas de propulsão. Às vezes fico me perguntando porque todas as marinhas tem que usar CODOG, CODAG ou coisas do tipo. Os navios com caldeiras a óleo BPF eram confiáveis e sobreviveram por mais de cinquenta anos imprimindo mãos de 30 nós. Porque não repensam?

Almeida
Visitante
Almeida

O A12 possui caldeiras a óleo e já até matou tripulantes da MB. Essas caldeiras sempre deram MUITO mais problema do que motores diesel e turbinas, além do peso, tamanho e consumo maiores.

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

É isso aí!!! Igual nossos guarda-roupas, jogar fora ou doar roupa velha para abrir espaço para roupa nova, ou mais nova!! Estou gostando desse Comandante, Desapega !!! Quem venham novos meios e uma Marinha mais enxuta em pessoal!!!

Bardini
Visitante
Bardini

É por isso que eu batia e vou continuar sempre batendo na tecla de que a MB está errando muito ao não criar uma Joint-Venture com um grande estaleiro estrangeiro, para formar na base da força um monopólio capaz de absorver toda a demanda do reaparelhamento. . Poderíamos hoje estar bancando a modernização do AMRJ e os gringos entrando com capacidade técnica e portfólio. 51% nosso 49% dos gringos. Entregamos estrutura, CPN, EMGEPROM e etc… Eles entram com a capacidade e fazem a coisa rodar. É muito melhor que bancar nacionalização “enrolation” de 40% nas Classe Tamandaré e criar um… Read more »

Vovozao
Visitante
Vovozao

10/06/19 – bnoite, você falou tudo, entretanto, nos no Brasil, um problema que poucos países possuem, cada presidente, cada governador, cada MD, cada comandante militar; quando assumem descontinuar tudo da administração anterior, então tudo aqui tem que ser feito num período de 4 anos, senão esquecem e os projetos ficam adormecido. Como exemplo na administração do almte Leal, estávamos mantendo algum intercâmbio com a França/Inglaterra, hoje acredito que todo este esforço foi perdido, inclusive ”extra oficialmente” falavasse que poderíamos ter oportunidade de adquirir o wave, e, vejo hoje que não se toca mais no assunto, mesmo o RULER, esteja na… Read more »

Esteves
Visitante
Esteves

Penso que, Não é função da MB criar negócios. Ainda que durante a montagem dos Scorpenes no PROSUB, a MB tenha sido obrigada a atuar como metalúrgica cortando chapa, comprando prensa e vendendo sucata. Jointventure tem objetivo. Tem foco. A maioria criada teve data para nascer e morrer. Boeing + Embraer saiu do papel porque a Embraer fatura mais de 20 bilhões por ano. A Embraer tem caixa. Mas, ninguém duvida que a Boeing irá engolir a empresa brasileira. Jointventure precisa de capital. Nenhum estaleiro nacional tem capital para encarar fusões. O principal motivo é que eles não tem encomendas.… Read more »

india-mike
Visitante
india-mike

Bardini, acho a ideia excelente, mas não para agora. Acredito que algo semelhante pudesse ter sido feito no passado, se a MB tivesse priorizado o Prosuper ao invés do Prosub e ao invés de ter colocado bilhões em Itaguaí, tivesse investido numa parceria como essa que vc propõe. Se isso tivesse acontecido, hj poderíamos estar bem avançados na construção das benditas fragatas de 6000t, permitindo uma renovação adequada da força de superfície ao mesmo tempo mantendo toda a capacidade de manutenção aos IKL, garantindo uma sobrevida de mais uns 20 anos a esses submarinos, o que permitiria que o prosub… Read more »

india-mike
Visitante
india-mike

Ainda sobre essa ideia, não acho q a MB tenha fôlego para tocar Itaguaí e o AMRJ ao mesmo tempo. E para evitar que Itaguaí fique abandonado após o fim do prosub, acho que seria interessante ESTUDAR a transferência de toda a capacidade técnica, operacional e administrativa que ainda resta no Arsenal para Itaguaí (e certamente os desafios seriam muitos…), para depois no futuro poder pensar novamente numa parceria como essa que vc descreveu. E com o AMRJ, faz o que? Vai ter muita gente querendo me matar, mas eu arrendava a ilha das cobras por 50-100 anos pra iniciativa… Read more »

Esteves
Visitante
Esteves

É, mas… Agradeço a paciência de todos com o Esteves. Escrevi o que penso sobre esse assunto algumas vezes, mas não tem sido publicado. Sei que opinião de leigo é como jogo do Vasco. Vai do arrepio à indiferença. Não é missão da MB constituir negócios ou empresas. A jointventure da Boeing com a Embraer está feita com empresas que faturam bilhões de dólares ao ano. E tem caixa, encomendas e foco. Creio que não se duvida que no futuro a Embraer não resistirá ao tamanho da operação. Recentemente foi publicado aqui ou ali que a Boeing pode ajudar nos… Read more »

Juarez
Visitante
Juarez

Tudo que tu está certo, mas continua como mesmo vício de origem:
De onde vai sair o dinheiro para se imprimir um ritmo de construção que a atual situação da MB precisa?
Não existe máquina de dinheiro

Bardini
Visitante
Bardini

O que eu falei sobre o FMM? Se sair aquilo ali, são bons milhões que poderiam bancar a coisa todo rodando fazendo navio barato e simples, enquanto não entrar contrato de grande porte. Ocuparia pessoal mesmo que de forma bem subutilizada, o mesmo vale para estrutura e alguns fornecedores, mas isso somaria navio novo a MB de forma inteligente. Coisa que duraria… E não iriam ter como dispersar a grana do FMM aos amigos do rei, que acabam dando calote. . A MB vai enterrar mais de 2 bilhões na Classe Tamandaré e Barroso sem projeto nenhum de futuro para… Read more »

india-mike
Visitante
india-mike

Então vc sugeriria cancelar as Tamandarés e ao invés de abrir a concorrência dos NPaOc, fazer um mini-prosuper com 4 escoltas de 4000t, 5 NPaOc, 1 NPo e 1 NApLog, incluindo obrigatoriamente uma modernização do AMRJ, tudo num mesmo financiamento via banco do país do vencedor e pagamento das parcelas com recursos da capitalização da Emgepron e futuramente FMM? Acho lindo (embora duvide que aconteça) mas colocaria no pacote que o governo do país do estaleiro vencedor também entre como parceiro para fornecer 4 fragatas usadas em regime de leasing no momento da assinatura do contrato até os 4 escoltas… Read more »

Bardini
Visitante
Bardini

Agora é impossível a MB voltar atrás nessa burrada toda que fizeram. Mas é basicamente o que deveriam ter feito, vão ter que gastar de qualquer forma, pq não fazer a coisa bem feita desde o começo, concentrando os investimentos em algo que poderia ter multiplos propósitos como o AMRJ? . Não ficaria tudo na mão de um estrangeiro, sem qualquer previsibilidade no longo prazo, como está se encaminhando. . Eram pra ter feito um contrato escalonado, onde iniciariam pagando pelos NPaOc, que são mais baratos e bancariam a mais baixo custo o inicio das operações e capacitação em construção… Read more »

Juarez
Visitante
Juarez

Bardini vamo lá: Tu tem ideia do que e colocar dinheiro na estrutura do AMRJ para efetuar construções modernas??? Não, um bilhão de dólares não resolve, e ainda, o local e ruim, cercado de áreas residenciais e urbanas. Aqui lá esquece, no maximo fazer algumas manutenções em navios, usando os diques existentes. O FMM e troco, e pila perto da urgência da necessidade de construção que vem por aí. Se tu me disser para aproveitar aquela “ilha da fantasia” em Itaguaí, adotando a para construir navios, eu até acho mais viável.. Quanto as Tamandares, e o que dinheiro dei de… Read more »

Esteves
Visitante
Esteves

É isso. É conversa de bilhões de euros. Vai fazer lá na China ou trás um estaleiro europeu pra cá.
Continua sendo um problema de bilhões de euros.

Bardini
Visitante
Bardini

Que mané bilhão de dólares pra modernizar AMRJ… aquilo ali começa a se levantar com bem, bem menos. Pq tu acha que ofereciam como ToT. . O AMRJ não é pequeno e estamos em 2019… A tecnologia de construção em blocos não demanda mais que o AMRJ faça todos os processos básicos. Estes processos poderiam ser tercerizados no mercado interno ou até externo, pela JV que coordenaria tudo. . Sempre falei que o AMRJ deveria focar em integrar blocos, sistemas e bancar a manutenção da frota. Pra isso, tem espaço. . Localização é excelente. Melhor impossíveil. Bem dizer é sede… Read more »

Juarez
Visitante
Juarez

Opa, temos u vidente no grupo, sem ter a menor noção do que tem que ser feito, sem ter a menor no ao dia custo de botar abaixo tudo, reconstruir do zero. Construir módulos fora e montar aonde cara pálida naquela estrutura dos anos cuja as bases, fundações, estaqueamento a não prevêem o uso de guindastes que possam movimentar módulos com milhares de toneladas, as carreiras são do tempo da Ari Pistola, sem chance Que mão de obra cara pálida,? Não existe mais está mão de obra no Brasil nem de nivel superior e menos ainda de nível médio, que… Read more »

Bardini
Visitante
Bardini

Tu tais bem furado nesse teu chute aí ou tais querendo superfaturar pra lucrar, rsrsrs. . É o velho tambor que tu toca pra maluco dançar. E como é fácil falar mal e ganhar torcida, lá vou eu perder tempo rebatendo abobrinha e passar por ruim. . 1 bilhão de dólares é bem dizer 4 bilhões de reais hoje. Boa parte dos serviços que são necessários a modernização do AMRJ podem ser bancados em reais. Morre aí teus 1 bilhão de dólares de achismo. . Primeiro do tudo. O AMRJ é um mundo de coisas. Tem de laboratório até hospital… Read more »

Juarez
Visitante
Juarez

Se abrirem vagas, e o grosso vai ser gente do teu nível, abobados, arrogantes, preguiçosos e viajantes do mundo maionese, estamos fud…e mal pagos. blem bem blem, acorda Jose, tu não estas no Chile, as leis trabalhistas, o código tributário e a falta de segurança jurídica continua mesma. Um bilhão de dólares tu não é metade do investimento que tem que fazer lá e que só vai dar resultado daqui uns 15 ou vinte anos e o nosso problema é agora. Só para conseguir uma LI e depois uma LO para as novas instalações vai levar uns 5 anos, e… Read more »

Esteves
Visitante
Esteves

Aonde está a grana do FMM? Quanto é? Quando? Como?

Considerar um dinheiro que não se sabe se vêm nem quanto é para pagar parcelas de contratos internacionais de bilhões de euros? É sério pensar isso?

Contar com novas capitalizações na Emgepron para pagar aquisição de navios? Contar com recursos do Tesouro para pagar contratos com estaleiros? O mesmo Tesouro que não tem caixa para pagar a Previdência?

Boa sorte a quem pensa assim.

Esteves
Visitante
Esteves

Curso de soldador para estruturas navais no Instituto Mauá. Solda TIG, MIG e Arcos. Pré-requisitos: Ser Engenheiro formado ou tecnólogo de nível superior. No caso de tecnólogo é necessário 2 anos de experiência em soldagem. Ao concluir o programa, o profissional estará capacitado a assumir a responsabilidade pelas atividades de soldagem e técnicas afins, nas empresas onde a soldagem faz parte de seu processo produtivo; desenvolver soluções de soldagem adequadas que garantam eficácia e produtividade; resolver adequadamente os problemas de soldagem que possam ocorrer na produção ou manutenção de componentes e equipamentos soldados; dar assessoria e acompanhamento aos contratos de… Read more »

Esteves
Visitante
Esteves

Não são bilhões de euros para modernizar o AMRJ. São bilhões de euros para construir uma ou mais matrizes no Brasil com capacidade para montar navios de guerra considerando que não temos patentes nem instalações. Nem mão de obra. Não se faz navio de guerra à partir do oco. Navio de guerra corresponde a uma doutrina + estratégias definidas pelo Alto Comando. Pelos governos. Poderíamos ter seguido com os IKL? Os especialistas aqui dizem que não porque os franceses/Scorpene mesmo sem transferir propulsão nuclear não colocaram objeções à utilizarmos desde que pagando ToT do resto. E porque o Alto Comando… Read more »

Capt Jack Aubrey
Visitante
Capt Jack Aubrey

Fazer PMG ou manter navios com alto custo / benefício e com baixíssima operacionalidade não vale por n razoes que não vou aqui mencionar por julgar que todos sabem… Comandei o G31 pos PMG… consegui exercitar reparos para todos os tipos de avarias possíveis e imaginárias… vejam o caso do G30… ficou anos e anos em PMG e consumiu recursos de monta… voltou a operar… logo após foi enviado para apoiar a MINUSTAH no Haiti… não passou de Belém… voltou rebocado e deu baixa… julgo que a MB está aprendendo… parabéns a nova administração!

Vovozao
Visitante
Vovozao

10/06/19 – segunda feira, bnoite, a realidade chegou a MB, estão tirando tudo que somente contava no inventário da MB, e, nosso primo rico do norte, dará um jeito de fornecer novos navios (descomissionados), via FMS, a pagar no cartão de crédito em suaves prestações para poderem desocupar lugares para colocarem outros, CC, fragatas (OHP), caças F16, Obuseiros, etc, tudo que estiverem nos depósitos servirão para nós, não esqueçam que agora somos ” amigos ”.

Fernando Vieira
Visitante

Comprar coisa usada dos EUA não costuma ser um bom negócio. Eles usam tudo até o talo (e não estão errados), essas OHPs só pra colocar em condições de navegar vai uma grana, mais outra grana pra armar e vai durar quanto tempo? 10 anos no máximo? Os F-16 estocados da USAF são a mesma coisa. As células já estão muito desgastadas, se vier seria no mínimo igual aqueles Mirage 2000 que vieram daquela vez. Não vale a pena. Mas voltando a navios que é tema do Blog, não tem nada usado agora que compense. Aquela notícia dos AB, viriam… Read more »

FERNANDO
Visitante
FERNANDO

Pelo amor de Deus minha gente, como a MB não vai encolher.
Vejam os números!!
Meios navais não são como blindados que se vai no Tio Sam e comprasse 250 unidades.
1 unidade naval, não sai por menos de 250 milhões e depende do navio.
A coisa é séria!!
Não somos a China.

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

Posso estar enganado, espero que não, acho que em breve vamos ter novidades made-in USA para nossas FAs.

Oiseau de Proie
Visitante
Oiseau de Proie

Estão treinando e armando os militares daqui para servirem de carne de canhão na Venezuela…

Oiseau de Proie
Visitante
Oiseau de Proie

Ainda haverá uma reviravolta mundial…doloroso…mas haverá…daqui a pouco tempo….

Tinguah
Visitante
Tinguah

Só não vê quem não quer…

Gelson
Visitante
Gelson

Alex, também gostaria de ter esta convicção mas, se acontecer, vai ser apenas trocas de sucatas que daqui a poucos anos estarão nas mesmas condições das atuais porque não haverá verba para manter e operar adequadamente.
Este filme já rodou por aqui várias vezes.

Satyricon
Visitante
Satyricon

Taí… um vaso da MB que deveria realmente considerar repassar à Armada Argentina. Já não operam nenhum navio anfíbio à décadas, isso ai cairia como um presente dos céus para sua Infantería de Marina. Falta só acertar com os beques britânicos (que não devem se importar, visto o estado da “coisa”). Tio Mito faz sua boa ação, realizamos nossa “tão necessária” cooperação militar regional, todo mundo fica feliz, e o melhor de tudo:
Os tupis permanecem onde estão

Marcus Silva
Visitante
Marcus Silva

“vaso” para navio de guerra, é um termo em desuso………..

Diogo
Visitante

Tem que aumentar o efetivo… quando nos atacarem, vamos nadando até os inimigos e como seremos uma chusma, eles não terão chance. Vendam o riachuelo e contratem mais pessoas.

Andrigo
Visitante
Andrigo

Os que deram dislike não fizeram o bom uso de vossa ironia.

Marinhão
Visitante
Marinhão

O problema da Marinha é a falta de manutenção nos meios. Sempre postergando os PMGs (período de manutenção geral), o SMP (sistema de manutenção planejada) dos equipamentos nunca é cumprido corretamente, sempre tentando safar pra botar os navios pra navegar de qualquer forma. Aí acontece isso: um navio que deveria durar mais 30 anos dura apenas 10. Marinha custa caro, é necessário grandes investimentos, um país de litoral tão extenso e de imensa quantidade de rios precisa ter uma esquadra compatível.

Rafael de Quadros da Rocha
Visitante
Rafael de Quadros da Rocha

Sempre tive a curiosidade de saber como um navio deste porte pode “abicar” numa praia sem encalhar, qual seria o procedimento? Ademais, existe algum dispositivo ou/e manobra executáveis que impeçam um encalhe? E no caso de isso ocorrer, o que é feito para torná-lo ao mar?

Marcus Silva
Visitante
Marcus Silva

o navio tem fundo chato, a praia é escolhida com gradiente baixo onde o fundo do navio possa “encaixar” nesse gradiente, então logo se avalia que a abicagem não pode ser feita em qq praia, os navios tem ferros na popa que são usados para evitar que a popa gire, quando a parte do fundo da proa, em sua maioria, se prende ao fundo da praia na manobra. Os hélices e lemes tem proteção contra rocegar nos fundos. Para desabicar, é só dar máquinas atrás, os ferros de popa tbm auxiliam nessa manobra. A operação geral é assim.

Rafael de Quadros da Rocha
Visitante
Rafael de Quadros da Rocha

Muito obrigado pelos esclarecimentos

Dalton
Visitante
Dalton

Basicamente, baixo calado e um sistema de lastro que permite deixar a parte dianteira, por onde saem os veículos, mais leve e sempre se pode utilizar
também as marés baixas.
.
O “LST” não é mais utilizado pela US Navy que enfatiza o chamado “assalto anfíbio além do horizonte” com embarcações e aeronaves enquanto os grandes navios anfíbios permanecem distantes da costa , mas, para situações consideradas de baixa intensidade, são ainda muito úteis e continuam sendo
construídos e utilizados por outras marinhas.

Marco Fig
Visitante
Marco Fig

Então a perda não é tão grande assim

BILL27
Visitante
BILL27

Acho q ele só consegue abicar em praia de tombo

Dalton
Visitante
Dalton

Verdade, não é qualquer praia.

Raphael
Visitante
Raphael

Eu acho que vem uma grande renovação na Marinha assim como tá acontecendo na Força Aérea… Depois que saiu que nós somos aliados extra Otan, eles vão dar baixa em tudo que dá despesa pra abrir espaço no orçamento pra novas aquisições…

Oiseau de Proie
Visitante
Oiseau de Proie

Tem gente que está no paraíso, mas acaba trocando pelo inferno, por causa da propaganda enganosa que o demônio faz…

pgusmao
Visitante
pgusmao

Aonde que esses Almirantes tem colocado o dinheiro da Marinha, pois são tantas compras mal feitas, um navio relativamente novo para “nossos padrões” e já desativado, se tinha problemas não devia ter sido adquirido, já não basta a absurda compra do porta-aviões São Paulo e o desfecho de corvetas com erros de projeto.

Capt Jack Aubrey
Visitante
Capt Jack Aubrey

Qdo CT em 87 fui designado para compor a 1a tripulação da V30… fiquei orgulhoso mas triste pois desde aquela época sabia que estas CVs estavam fadadas ao fracasso… consegui manobrar e fui substituído por outro colega! Ademais eu adorava os CTs onde passei 10 anos de minha carreira! Ainda bem… o tempo mostrou que eu tinha razão… uma pena!

Ciro
Visitante
Ciro

A esquadra em breve vai desaparecer. Teremos apenas escoteiros do mar e vez de marinheiros

RRN
Visitante
RRN

Alguns de nossos navios ficam mais tempo parados e consumindo verbas com manutenções infinitas do que realmente prestando serviços a nação.

Carlos
Visitante
Carlos

Pelo titulo da materia parece até que é algo péssimo, e que se trata de um excelente navio e etc.
Vejo como algo muito bom. É melhor se desfazer e parar de gastar dinheiro com manutenção de Navio antigo e já com problemas.

Aldo Ghisolfi
Visitante

Será mais um alvo?

Gelson
Visitante
Gelson

Esqueci…e nós vamos pagar por isso, é claro!

Sandro
Visitante
Sandro

Pessoal, a nossa marinha como bem sabemos sempre fez um monte de M… Viajou na maionese muitas vezes em seus delírios de ser algo que não pode ser, baseado no pensamento de nossos governantes e grande parte de nosso povo cabeça de bagre. Pois bem. Não acredito que a MB vá desmobilizar esse monte de meios sem vir nada. Na verdade acho que pela primeira vez na história de nosso pais, nossos governantes e oficiais de alta patente estão tomando decisões sensatas. Um marco tem sido a MB antes e depois do Atlântico. Algo mudou sensivelmente na cabeça de nossos… Read more »

Luiz Floriano Alves
Visitante

Imaginem uma empresa com dezenas de tripulações por veículo ou equipamento. Nunca iria acontecer, a falência viria a toque de caixa. Teríamos que observar um padrão de pessoal. Não se compreende almirantes sem frota. Capitão de fragata comandando patrulheiro fluvial. É surreal. Assim toda a verba da marinha vai para a folha. Ou seja, os meios inviabilizam os fins.