Home Indústria de Defesa Naval Group finaliza a construção da Normandie, sexta fragata FREMM francesa

Naval Group finaliza a construção da Normandie, sexta fragata FREMM francesa

2759
29

O Naval Group está extremamente honrado de receber a ministra francesa das Forças Armadas, Florence Parly, no dia 25 de junho. Esta celebração marca não apenas o fim do trabalho nas fragatas multi-missão, mas também o início da fabricação das fragatas FREMM com capacidades reforçadas de defesa aérea e da Fragata de Defesa e Intervenção (FDI), os primeiros navios de guerra totalmente digitais.

Hervé Guillou, CEO do Naval Group, e o Almirante Christophe Prazuck, Chefe de Gabinete da Marinha Francesa, receberam a Ministra das Forças Armadas a bordo da fragata Normandie para uma visita. Este navio de guerra foi entregue em um tempo recorde de 40 meses, o menor tempo de conclusão de todo o programa de fragatas multi-missão.

Florence Parly e Hervé Guillou tiveram a oportunidade de discutir os programas atuais e futuros de navios de superfície construídos em Lorient: FREMM, FDI e porta-aviões.

Hervé Guillou afirmou: “Estamos orgulhosos de atender às expectativas estabelecidas pela Lei de Programação Militar. Hoje, com a conclusão do FREMM Normandie, o Naval Group cumpriu seu compromisso. Este sucesso técnico e industrial, que representa mais de 2,5 milhões de horas de trabalho, encoraja-nos a continuar a cumprir a nossa missão a serviço dos nossos clientes nacionais e internacionais. Este projeto mostra mais uma vez a capacidade da empresa de respeitar seus compromissos em termos de custos, prazos e desempenho”.

Excelência industrial

A Normandie é a sexta fragata francesa FREMM. Ela será entregue em breve em Brest. Este programa é gerido pela OCCAR (Organização para a Cooperação Conjunta de Armamento) em nome da França – a Marinha Francesa e da Agência Francesa de Compras de Defesa (DGA).

Ao mesmo tempo, a construção de duas fragatas multi-missão com capacidades de defesa antiaérea melhoradas – a Alsace e a Lorraine – começará em Lorient. Eles serão entregues respectivamente em 2021 e 2022.

Além disso, as equipes do Naval Group já estão lançando o programa de Fragatas de Defesa e Intervenção (FDI) que será entregue a partir de 2023. Este primeiro navio de guerra “totalmente digital” irá se beneficiar das mais recentes tecnologias digitais. O primeiro corte de chapas de aço está previsto para outubro de 2019.

Características técnicas das fragatas FREMM

Fortemente armada, a FREMM Normandie utiliza os mais eficazes equipamentos e sistemas de armas, integrando o software SETIS, bem como o radar multifunções Herakles, o míssil de cruzeiro naval (NCM), os mísseis Aster e Exocet MM40 e torpedos MU90 torpedos.

  • Comprimento total: 142 metros
  • Boca: 20 metros
  • Deslocamento: 6.000 toneladas
  • Velocidade máxima: 27 nós
  • Tripulação: 123 pessoas (das quais 14 para o destacamento de helicópteros)

FONTE: Naval Group

Subscribe
Notify of
guest
29 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
ALEXANDRE
1 ano atrás

Bem que poderiam fazer 5 de graça pra nos kkkk

Vovozao
Vovozao
1 ano atrás

01/07/19 – segunda-feira, bdia, com a chegada da 6 FREEM, + 2 que virão entre 20/21 + as fragatas digitais ( fragatas leves) que não foi definida a quantidade Marinha da França poderia disponibilizar para o Brasil as 5 Lá Fayette’s, mesmo sendo fragatas pouco armadas, seriam importantes para o Brasil neste momento, tirariamos alguns sistemas e armas da FCG/FCN, que seriam descomissionados, teríamos uma força de escoltas que nos ajudaria a passar estes tempos difíceis, além de podermos opera-las por mais uns 15/20 anos, temos que aproveitar pois além da perda das Adelaide sim também acabamos de perder a… Read more »

Dalton
Dalton
Reply to  Vovozao
1 ano atrás

Os novos navios mal irão substituir os que deram e darão baixa nos próximos anos, na verdade a marinha francesa reduziu para 15 o número de principais combatentes de superfície e para manter esse número 3 La Fayette serão revitalizadas para durar um pouco mais.
.
O requerimento para a marinha francesa quanto a principais combatentes de superfície para 2023 é o seguinte:
– 2 classe “Horizon”;
– 8 FREMM incluindo duas otimizadas para A/A;
– 3 La Fayette revitalizadas;
– 2 FTI, inicialmente e mais 3 que eventualmente substituirão as LF restantes.

marcus
marcus
Reply to  Dalton
1 ano atrás

Vai uma pergunta complicada. É difícil construir navios de combate no Brasil? Seria difícil fazer engenharia reversa das Niterói, essa que foi descomissionada? Seria possível partindo dessa engenharia reversa aprimorar o projeto, construindo uma fragata mais pesada? Temos engenheiros navais de qualidade na Marinha ou no Brasil?
O Arsenal da Marinha está apto a construir navios desse porte?
Se acreditarmos nas informações da Wikipédia o Arsenal da Marinha construiu navios, só não sei quando.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Arsenal_de_Marinha_do_Rio_de_Janeiro

Dr. Mundico
Dr. Mundico
Reply to  marcus
1 ano atrás

Resposta mais complicada ainda: é possível sim, fazer engenharia reversa, copiar e aprimorar.Mas teremos pele menos três problemas a frente: quase toda essa tecnologia tem dono mediante patentes, registros e certificados de propriedade industrial, tudo isso pactuado em acordos internacionais de propriedade intelectual e responsabilidade de uso. Não sei até que ponto é prudente copiar tecnologia de países amigos que podem simplesmente meter um processo nas costas do Brasil e denunciá-lo nos fóruns internacionais. O país pode ser punido com sanções econômicas em diversas áreas comerciais. Outro problema é que até para copiar você tem que ter dinheiro, e muito… Read more »

Carlos Gallani
Carlos Gallani
1 ano atrás

“Que delicia cara!”
(Entendedores entenderão)

Fábio CDC
Fábio CDC
Reply to  Carlos Gallani
1 ano atrás

O Senhor aprecia filmes da natureza desta, digamos, “fala” do personagem?
.
Nada contra, somente curiosidade.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
1 ano atrás

Acho as FREMM italianas mais bonitas.
Enquanto isso, abaixo da Linha do Equador…

Bardini
Bardini
1 ano atrás

40 meses do começo até a entrega… É uma baita marca.

Mercenário
Mercenário
Reply to  Bardini
1 ano atrás

A Normandie, salvo engano, teve a construção iniciada em 2014. Acredito que são mais de 40 meses.

Essa conta fecha se estiver falando das fragatas finais, programadas para 2021 e 2022.

Bardini
Bardini
Reply to  Mercenário
1 ano atrás

“Hervé Guillou, CEO do Naval Group, e o Almirante Christophe Prazuck, Chefe de Gabinete da Marinha Francesa, receberam a Ministra das Forças Armadas a bordo da fragata Normandie para uma visita. Este navio de guerra foi entregue em um tempo recorde de 40 meses, o menor tempo de conclusão de todo o programa de fragatas multi-missão.”
.
Essa Normandie que tu tais falando é a que foi vendida para o Egito. Essa aí da matéria é outra, que recebeu o nome Normandie.

Luiz Floriano Alves
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Eta barco de respeito. Cinco destes e a MB volta a ser o mínimo do necessário. Velocidade,alcance e poder de fogo, eletrônica embarcada, tudo que se torna necessário para um navio ser “De Guerra”.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Luiz Floriano Alves
1 ano atrás

O problema é que, pra ter 5 desses, precisaría-mos de:
Grana pra comprá-lo ( ou mais grana ainda pra fazê-lo aqui )
E grana pra realmente operá-lo, e não deixá-lo encostado no cais por falta de verba

Delfim
Delfim
Reply to  Willber Rodrigues
1 ano atrás

Pois é, tudo que é feancês, do Peugeot 206 ao Rafale, é osso de manter.

Delfim
Delfim
Reply to  Delfim
1 ano atrás

*francês. Desliguei o corretor.
Esqueci do A-12 como exemplo do custo francês.

Bardini
Bardini
Reply to  Luiz Floriano Alves
1 ano atrás

Não vale… É muita grana pra pouco número de navio.
.
O que deveríamos tentar é algo mais na linha de 09 Tamandaré e 03 FREDA, para gerar 12 Escoltas.
.
Poderíamos dessa forma, “sempre” contar com um Grupo de Escolta ativo, contendo:
01 Fragata de Defesa de Aérea
03 Fragata de Emprego Geral

Juarez
Juarez
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Jesus, as trombetas soarão,as muralhas cairão, pela primeira vez tu falou exatamente o que eu penso e a em consonância com a realidade operacional.
O único adendo seriam que pelo menos quatro Tamandares seria ASW.
Este seria o núcleo de esquadra dentro da nossa realidade.
Vou até te dar um “positivo”.

Roberto Bozzo
Roberto Bozzo
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Acharia mais interessante as F-124 Sachsen para defesa aérea…..já que fechamos as FCT com os alemães, manteria os mesmos fornecedores nas fragatas maiores…

Bardini
Bardini
Reply to  Roberto Bozzo
1 ano atrás

Muito difícil a MB conseguir bancar o conjunto de radares da Sachsen… . E pra mim, não precisamos desse poderoso radar em nossos navios de Defesa Aérea. Deveríamos seguir o caminho dos italianos, e montar esse radar de mais longo alcance no LHD e operar em rede. Os mísseis é que ficam nos escoltas. Nada vai bater esse custo. . Pra mim, essa Fragata de Defesa Aérea deveria ter foco em ataques de saturação e ser equipada prioritariamente com coisa como: 1x Canhão 127mm para NGS, pois não teremos grandes coisas com os 76mm. . (no mínimo) 16x Aster 30… Read more »

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Roberto Bozzo
1 ano atrás

Do jeito que a Ângela Merkel e o Macron trataram o nosso presidente com arrogância, acho muito difícil as Meko A400 e as FREMM francesas. Caso a reforma da previdência seja aprovada e a economia do Brasil volte a crescer é provável que o PROSUPER seja discutido novamente. E aí a FREMM italiana fica muito bem cotada. Mas a intenção da MB são para 5 navios e não 3. Existe a chance de aumentar o número de Tamandaré de 4 para 5. 5 FREM italianas + 5 Tamandaré + 1 Barroso Modernizada. Depois dependendo de como estiver a economia nos… Read more »

Mercenário
Mercenário
Reply to  Bardini
1 ano atrás

A Normandie vendida ao Egito teve sua construção iniciada em 2009. A “nova” Normandie é de 2014.

Por isso estranhei essa informação que consta na matéria.

Marcelo R
Marcelo R
1 ano atrás

Países com dificuldades econômicas, a França esta entregando a 6 FREMM; Italia está na 10 FREMM e o Brasil está dando baixa na Niteroi…….Sem previsão de construir nada….

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  Marcelo R
1 ano atrás

Nossa… Gostaria muito do nível das dificuldades econômicas da França no Brasil. Mas isso é outro assunto…

Heverton ribeiro
Heverton ribeiro
Reply to  Marcelo R
1 ano atrás

4 submarinos

Caique Lua
Caique Lua
1 ano atrás

Eu só queira umas 8 dessas, todas multifuncionais, com entrega de 2 por ano, sem transferência de tecnologia, pois para que pagar mais caro se a gente não vai construir mais nada depois? Eu acho as FREMM francesas muito mais bonitas que as italianas, a forma que o radar se encaixa com a proposta do navio é perfeita… Sonho de consumo 8 FREMM e 12 Meko. Dava para fazer três esquadras, 2 Fremm e 3 Meko em cada uma, ainda sobraria navios para fazer rodízio em missão de paz ou substituir navios em manutenção.

Carlos Campos
Carlos Campos
1 ano atrás

A italiana é mais bonita

Jean Jardino
Reply to  Carlos Campos
1 ano atrás

Navio nao precisa ser bonito, precisa ser eficaz, enquanto as FREMM italianas sao mais bonitas, as francesas sao mais armadas. Prefiro as francesas neste caso.

Kemen
Kemen
1 ano atrás

São essas ou similares que a MB precisa com urgência.

José Soares de Oliveira Neto
José Soares de Oliveira Neto
1 ano atrás

Boa noite. Se a reforma da previdência sair com as privatizações prometidas , todas essas nações baterão em nossas portas. Mas pelo nosso presidente o material será americano ou Inglês. As coisas estão acontecendo muito rápido e as pessoas não estão percebendo que o Brasil mudou de patamares. O Brasil perdeu muito tempo nos governos de esquerda quando o país nadava nas ondas das comodites e perdeu tempo e ótimas oportunidades, isso não acontecerá de novo. Esses são excelentes navios e estão dentro das realidades desse novo governo. Vejam os submarinos depois de atrasos o programa está a pleno vapor… Read more »