Home Indústria de Defesa Naval Group finaliza a construção da Normandie, sexta fragata FREMM francesa

Naval Group finaliza a construção da Normandie, sexta fragata FREMM francesa

2672
29

O Naval Group está extremamente honrado de receber a ministra francesa das Forças Armadas, Florence Parly, no dia 25 de junho. Esta celebração marca não apenas o fim do trabalho nas fragatas multi-missão, mas também o início da fabricação das fragatas FREMM com capacidades reforçadas de defesa aérea e da Fragata de Defesa e Intervenção (FDI), os primeiros navios de guerra totalmente digitais.

Hervé Guillou, CEO do Naval Group, e o Almirante Christophe Prazuck, Chefe de Gabinete da Marinha Francesa, receberam a Ministra das Forças Armadas a bordo da fragata Normandie para uma visita. Este navio de guerra foi entregue em um tempo recorde de 40 meses, o menor tempo de conclusão de todo o programa de fragatas multi-missão.

Florence Parly e Hervé Guillou tiveram a oportunidade de discutir os programas atuais e futuros de navios de superfície construídos em Lorient: FREMM, FDI e porta-aviões.

Hervé Guillou afirmou: “Estamos orgulhosos de atender às expectativas estabelecidas pela Lei de Programação Militar. Hoje, com a conclusão do FREMM Normandie, o Naval Group cumpriu seu compromisso. Este sucesso técnico e industrial, que representa mais de 2,5 milhões de horas de trabalho, encoraja-nos a continuar a cumprir a nossa missão a serviço dos nossos clientes nacionais e internacionais. Este projeto mostra mais uma vez a capacidade da empresa de respeitar seus compromissos em termos de custos, prazos e desempenho”.

Excelência industrial

A Normandie é a sexta fragata francesa FREMM. Ela será entregue em breve em Brest. Este programa é gerido pela OCCAR (Organização para a Cooperação Conjunta de Armamento) em nome da França – a Marinha Francesa e da Agência Francesa de Compras de Defesa (DGA).

Ao mesmo tempo, a construção de duas fragatas multi-missão com capacidades de defesa antiaérea melhoradas – a Alsace e a Lorraine – começará em Lorient. Eles serão entregues respectivamente em 2021 e 2022.

Além disso, as equipes do Naval Group já estão lançando o programa de Fragatas de Defesa e Intervenção (FDI) que será entregue a partir de 2023. Este primeiro navio de guerra “totalmente digital” irá se beneficiar das mais recentes tecnologias digitais. O primeiro corte de chapas de aço está previsto para outubro de 2019.

Características técnicas das fragatas FREMM

Fortemente armada, a FREMM Normandie utiliza os mais eficazes equipamentos e sistemas de armas, integrando o software SETIS, bem como o radar multifunções Herakles, o míssil de cruzeiro naval (NCM), os mísseis Aster e Exocet MM40 e torpedos MU90 torpedos.

  • Comprimento total: 142 metros
  • Boca: 20 metros
  • Deslocamento: 6.000 toneladas
  • Velocidade máxima: 27 nós
  • Tripulação: 123 pessoas (das quais 14 para o destacamento de helicópteros)

FONTE: Naval Group

29
Deixe um comentário

avatar
10 Comment threads
19 Thread replies
2 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
23 Comment authors
Dr. MundicoJean JardinoJosé Soares de Oliveira NetomarcusLuís Henrique Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
ALEXANDRE
Visitante

Bem que poderiam fazer 5 de graça pra nos kkkk

Vovozao
Visitante
Vovozao

01/07/19 – segunda-feira, bdia, com a chegada da 6 FREEM, + 2 que virão entre 20/21 + as fragatas digitais ( fragatas leves) que não foi definida a quantidade Marinha da França poderia disponibilizar para o Brasil as 5 Lá Fayette’s, mesmo sendo fragatas pouco armadas, seriam importantes para o Brasil neste momento, tirariamos alguns sistemas e armas da FCG/FCN, que seriam descomissionados, teríamos uma força de escoltas que nos ajudaria a passar estes tempos difíceis, além de podermos opera-las por mais uns 15/20 anos, temos que aproveitar pois além da perda das Adelaide sim também acabamos de perder a… Read more »

Dalton
Visitante
Dalton

Os novos navios mal irão substituir os que deram e darão baixa nos próximos anos, na verdade a marinha francesa reduziu para 15 o número de principais combatentes de superfície e para manter esse número 3 La Fayette serão revitalizadas para durar um pouco mais.
.
O requerimento para a marinha francesa quanto a principais combatentes de superfície para 2023 é o seguinte:
– 2 classe “Horizon”;
– 8 FREMM incluindo duas otimizadas para A/A;
– 3 La Fayette revitalizadas;
– 2 FTI, inicialmente e mais 3 que eventualmente substituirão as LF restantes.

marcus
Visitante
marcus

Vai uma pergunta complicada. É difícil construir navios de combate no Brasil? Seria difícil fazer engenharia reversa das Niterói, essa que foi descomissionada? Seria possível partindo dessa engenharia reversa aprimorar o projeto, construindo uma fragata mais pesada? Temos engenheiros navais de qualidade na Marinha ou no Brasil?
O Arsenal da Marinha está apto a construir navios desse porte?
Se acreditarmos nas informações da Wikipédia o Arsenal da Marinha construiu navios, só não sei quando.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Arsenal_de_Marinha_do_Rio_de_Janeiro

Dr. Mundico
Visitante
Dr. Mundico

Resposta mais complicada ainda: é possível sim, fazer engenharia reversa, copiar e aprimorar.Mas teremos pele menos três problemas a frente: quase toda essa tecnologia tem dono mediante patentes, registros e certificados de propriedade industrial, tudo isso pactuado em acordos internacionais de propriedade intelectual e responsabilidade de uso. Não sei até que ponto é prudente copiar tecnologia de países amigos que podem simplesmente meter um processo nas costas do Brasil e denunciá-lo nos fóruns internacionais. O país pode ser punido com sanções econômicas em diversas áreas comerciais. Outro problema é que até para copiar você tem que ter dinheiro, e muito… Read more »

Carlos Gallani
Visitante
Carlos Gallani

“Que delicia cara!”
(Entendedores entenderão)

Fábio CDC
Visitante
Fábio CDC

O Senhor aprecia filmes da natureza desta, digamos, “fala” do personagem?
.
Nada contra, somente curiosidade.

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Acho as FREMM italianas mais bonitas.
Enquanto isso, abaixo da Linha do Equador…

Bardini
Visitante
Bardini

40 meses do começo até a entrega… É uma baita marca.

Mercenário
Visitante
Mercenário

A Normandie, salvo engano, teve a construção iniciada em 2014. Acredito que são mais de 40 meses.

Essa conta fecha se estiver falando das fragatas finais, programadas para 2021 e 2022.

Bardini
Visitante
Bardini

“Hervé Guillou, CEO do Naval Group, e o Almirante Christophe Prazuck, Chefe de Gabinete da Marinha Francesa, receberam a Ministra das Forças Armadas a bordo da fragata Normandie para uma visita. Este navio de guerra foi entregue em um tempo recorde de 40 meses, o menor tempo de conclusão de todo o programa de fragatas multi-missão.”
.
Essa Normandie que tu tais falando é a que foi vendida para o Egito. Essa aí da matéria é outra, que recebeu o nome Normandie.

Luiz Floriano Alves
Visitante

Eta barco de respeito. Cinco destes e a MB volta a ser o mínimo do necessário. Velocidade,alcance e poder de fogo, eletrônica embarcada, tudo que se torna necessário para um navio ser “De Guerra”.

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

O problema é que, pra ter 5 desses, precisaría-mos de:
Grana pra comprá-lo ( ou mais grana ainda pra fazê-lo aqui )
E grana pra realmente operá-lo, e não deixá-lo encostado no cais por falta de verba

Delfim
Visitante
Delfim

Pois é, tudo que é feancês, do Peugeot 206 ao Rafale, é osso de manter.

Delfim
Visitante
Delfim

*francês. Desliguei o corretor.
Esqueci do A-12 como exemplo do custo francês.

Bardini
Visitante
Bardini

Não vale… É muita grana pra pouco número de navio.
.
O que deveríamos tentar é algo mais na linha de 09 Tamandaré e 03 FREDA, para gerar 12 Escoltas.
.
Poderíamos dessa forma, “sempre” contar com um Grupo de Escolta ativo, contendo:
01 Fragata de Defesa de Aérea
03 Fragata de Emprego Geral

Juarez
Visitante
Juarez

Jesus, as trombetas soarão,as muralhas cairão, pela primeira vez tu falou exatamente o que eu penso e a em consonância com a realidade operacional.
O único adendo seriam que pelo menos quatro Tamandares seria ASW.
Este seria o núcleo de esquadra dentro da nossa realidade.
Vou até te dar um “positivo”.

Roberto Bozzo
Visitante
Roberto Bozzo

Acharia mais interessante as F-124 Sachsen para defesa aérea…..já que fechamos as FCT com os alemães, manteria os mesmos fornecedores nas fragatas maiores…

Bardini
Visitante
Bardini

Muito difícil a MB conseguir bancar o conjunto de radares da Sachsen… . E pra mim, não precisamos desse poderoso radar em nossos navios de Defesa Aérea. Deveríamos seguir o caminho dos italianos, e montar esse radar de mais longo alcance no LHD e operar em rede. Os mísseis é que ficam nos escoltas. Nada vai bater esse custo. . Pra mim, essa Fragata de Defesa Aérea deveria ter foco em ataques de saturação e ser equipada prioritariamente com coisa como: 1x Canhão 127mm para NGS, pois não teremos grandes coisas com os 76mm. . (no mínimo) 16x Aster 30… Read more »

Luís Henrique
Visitante
Luís Henrique

Do jeito que a Ângela Merkel e o Macron trataram o nosso presidente com arrogância, acho muito difícil as Meko A400 e as FREMM francesas. Caso a reforma da previdência seja aprovada e a economia do Brasil volte a crescer é provável que o PROSUPER seja discutido novamente. E aí a FREMM italiana fica muito bem cotada. Mas a intenção da MB são para 5 navios e não 3. Existe a chance de aumentar o número de Tamandaré de 4 para 5. 5 FREM italianas + 5 Tamandaré + 1 Barroso Modernizada. Depois dependendo de como estiver a economia nos… Read more »

Mercenário
Visitante
Mercenário

A Normandie vendida ao Egito teve sua construção iniciada em 2009. A “nova” Normandie é de 2014.

Por isso estranhei essa informação que consta na matéria.

Marcelo R
Visitante
Marcelo R

Países com dificuldades econômicas, a França esta entregando a 6 FREMM; Italia está na 10 FREMM e o Brasil está dando baixa na Niteroi…….Sem previsão de construir nada….

GFC_RJ
Visitante
GFC_RJ

Nossa… Gostaria muito do nível das dificuldades econômicas da França no Brasil. Mas isso é outro assunto…

Heverton ribeiro
Visitante
Heverton ribeiro

4 submarinos

Caique Lua
Visitante
Caique Lua

Eu só queira umas 8 dessas, todas multifuncionais, com entrega de 2 por ano, sem transferência de tecnologia, pois para que pagar mais caro se a gente não vai construir mais nada depois? Eu acho as FREMM francesas muito mais bonitas que as italianas, a forma que o radar se encaixa com a proposta do navio é perfeita… Sonho de consumo 8 FREMM e 12 Meko. Dava para fazer três esquadras, 2 Fremm e 3 Meko em cada uma, ainda sobraria navios para fazer rodízio em missão de paz ou substituir navios em manutenção.

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

A italiana é mais bonita

Jean Jardino
Visitante

Navio nao precisa ser bonito, precisa ser eficaz, enquanto as FREMM italianas sao mais bonitas, as francesas sao mais armadas. Prefiro as francesas neste caso.

Kemen
Visitante
Kemen

São essas ou similares que a MB precisa com urgência.

José Soares de Oliveira Neto
Visitante
José Soares de Oliveira Neto

Boa noite. Se a reforma da previdência sair com as privatizações prometidas , todas essas nações baterão em nossas portas. Mas pelo nosso presidente o material será americano ou Inglês. As coisas estão acontecendo muito rápido e as pessoas não estão percebendo que o Brasil mudou de patamares. O Brasil perdeu muito tempo nos governos de esquerda quando o país nadava nas ondas das comodites e perdeu tempo e ótimas oportunidades, isso não acontecerá de novo. Esses são excelentes navios e estão dentro das realidades desse novo governo. Vejam os submarinos depois de atrasos o programa está a pleno vapor… Read more »