segunda-feira, abril 12, 2021

Saab Naval

Especialistas da RAND dizem que forças dos EUA costumam perder ao defender Taiwan durante jogos de guerra de mesa

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Nos jogos de guerra, a China geralmente vence e os navios de guerra e aeronaves dos EUA são mantidos à distância

WASHINGTON – O enorme acúmulo de armas na China levantou dúvidas sobre a capacidade dos Estados Unidos de defender Taiwan se uma guerra estourasse, refletindo uma mudança no equilíbrio de poder no Pacífico, onde as forças americanas outrora dominavam, dizem autoridades americanas e especialistas.

No combate simulado em que a China tenta invadir Taiwan, os resultados são preocupantes e os Estados Unidos costumam perder, disse David Ochmanek, um ex-oficial do Departamento de Defesa que ajuda a organizar jogos de guerra para o Pentágono no think tank RAND Corp.

Em exercícios de mesa com a América como a “equipe azul” enfrentando uma “equipe vermelha” semelhante à China, a força aérea de Taiwan é exterminada em minutos, as bases aéreas dos EUA no Pacífico são atacadas e navios de guerra e aeronaves americanos são mantidos à distância pelo longo alcance do vasto arsenal de mísseis da China, disse ele.

“Mesmo quando os times azuis em nossas simulações e jogos de guerra intervieram de maneira determinada, eles nem sempre conseguem derrotar a invasão”, disse Ochmanek.

Uma guerra por Taiwan continua sendo o pior cenário que as autoridades dizem não ser iminente. Mas a crescente proeza militar da China, juntamente com sua retórica agressiva, está transformando Taiwan em um potencial ponto de conflito entre Pequim e Washington – e um caso de teste de como os EUA enfrentarão as ambições de superpotência da China.

O chefe cessante do Comando Indo-Pacífico das Forças Armadas dos EUA, almirante Philip Davidson, alertou os senadores neste mês que os EUA estão perdendo sua vantagem militar sobre a China e que Pequim poderia decidir tentar tomar o controle de Taiwan pela força até 2027.

“Estamos acumulando riscos que podem encorajar a China a mudar unilateralmente o status quo antes que nossas forças possam dar uma resposta efetiva”, disse o almirante ao Comitê de Serviços Armados do Senado.

“Taiwan é claramente uma de suas ambições. … E acho que a ameaça se manifesta durante esta década, de fato, nos próximos seis anos.”

Analistas de inteligência dos EUA alertaram por mais de uma década que o poderio militar da China estava progredindo em um ritmo dramático e que a superioridade dos Estados Unidos estava evaporando no Pacífico, disseram autoridades de defesa ao NBC News. Só agora a mensagem finalmente atingiu o alvo, com as batalhas simuladas levando ao ponto principal.

“Você traz tenentes-coronéis e comandantes e os sujeita por três ou quatro dias a esse jogo de guerra. Eles levam uma surra e têm uma reação visceral a isso”, disse Ochmanek. “Você pode ver o aprendizado acontecer.”

Vinte anos atrás, a China não tinha chance de desafiar com sucesso os militares dos EUA no Estreito de Taiwan, e os planejadores do Pentágono podiam contar com superioridade aérea quase total e a capacidade de mover porta-aviões perto da costa leste de Taiwan.

Mas uma China mais próspera investiu em novos navios de guerra, aviões de guerra, armas cibernéticas e espaciais e um enorme arsenal de mísseis balísticos e de cruzeiro projetados para minar o poder marítimo e aéreo das forças armadas dos EUA.

“Quando você olha para os números e alcance de sistemas que a China implanta, é muito fácil deduzir qual é o seu principal alvo, porque praticamente tudo o que eles constroem pode atingir Taiwan. E muitas coisas que eles constroem realmente só podem atingir Taiwan”, disse David Shlapak, pesquisador sênior de defesa do think tank RAND Corp., que também trabalhou em modelos de jogos de guerra envolvendo a China.

Cada geração de mísseis chineses tem “alcance cada vez mais longo”, disse um oficial sênior da Defesa, e os mísseis representam um dilema crescente para os EUA em como penetrar na área ao redor de Taiwan, disse o oficial.

DF-21B, míssil balístico chinês “matador de porta-aviões”

Semeando dúvidas

Mesmo que a China se abstenha de ação militar direta contra Taiwan, as autoridades e analistas dos EUA temem que Pequim possa eventualmente forçar Taipei a ceder à pressão militar e econômica constante que cria uma percepção de que os EUA não podem garantir a defesa da ilha.

“Em algum momento a China tem capacidade militar suficiente para empurrar os taiwaneses a algum tipo de acordo, onde você nunca entra em uma luta, mas é apenas aquela ameaça pairando sobre a cabeça de Taiwan?” disse o oficial de defesa.

Se a China tiver sucesso em subjugar o governo democrático de Taiwan, isso enviará ondas de choque através da rede de alianças dos Estados Unidos e fará com que outros governos democráticos na Ásia duvidem da confiabilidade e força de Washington, disseram autoridades e especialistas.

FONTE: NBC News

- Advertisement -

45 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
45 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
sub urbano

Tomar Taiwan com oq a China tem hj é uma uva.

Washington Menezes

Sabe o que é mais engraçado, que muitos acreditavam que os portas aviões poderiam evitar uma possível tomada de Taiwan, pois é ….vai servir pra abrir umas cadeiras de praias e ver de camarote a invasão chinesa.

Carlos Campos

uva podre

francisco

As potencias imperialistas europeias, tirando a Rússia, apoiam totalmente os USA por questões ideológicas. As américas do Norte e Sul permanecem unidas em caso de guerra mundial. Portanto, pela força das armas será muito difícil a China vencer essa questão. Vejam o caso do Brasil: a esquerda brasileira apostou tudo na eleição do Bidem pensando que ele, ao assumir, iria atacar diretamente o governo Bolsonaro. Enganaram-se o Bidem refreou a retórica anti-Bolsonarista porque ele sabe que precisa do Brasil caso resolva enfrentar a China. Bidem não está preocupado com as questões locais ou do meio-ambiente. Ele está focado no bem-estar… Read more »

rui mendes

Nunca que os países Europeus, através da NATO, vão apoiar os USA na defesa de Taiwan, pois só apoiariam em caso de um ataque Chinês, a território Norte Americano, contra Taiwan vão apoiar, mas sempre através da ONU, com embargos económicos.

Defensor da liberdade

Esse prognóstico eu dou sem precisar de jogo, simulação, etc.

3 saraivadas de mísseis chineses nas bases e estruturas militares e civis de valor estratégico, e restará à Taiwan apenas buracos para enfrentarem os chineses nas praias.

Adriano Madureira

É, as vezes nem sempre o “mocinho” tem forças suficientes para defender a donzela indefesa, apesar de alguns acharem que ele seja onipotente onisciente e onipresente...

comment image

Agressor's

“O Jovem E O Sábio Certa vez um jovem foi a um homem sábio, pedir conselhos. O homem sábio disse que só queria saber uma coisa. Ele propôs uma situação imaginária. Ele disse – “Imagine que você nunca seria pego e ninguém seria machucado. Ninguém perderia nada. Se estas circunstâncias fossem garantidas, você mentiria por $10,000 dólares?” O jovem pensou um pouco e respondeu. “Sim, por $10,000, se ninguém saberia e ninguém seria machucado! Eu mentiria!” O sábio balançou a cabeça e disse. “Tenho outra pergunta. Você mentiria por dez centavos?” Furioso, o jovem indagou “Que tipo de pessoa você… Read more »

Fernando C. Vidoto

Já houve conflitos entre Taiwan e China:

https://en.m.wikipedia.org/wiki/Second_Taiwan_Strait_Crisis

E caso a China tente novamente, haverá novos conflitos novamente.

Hoje o gap entre a força aérea americana contra a chinesa é maior que em 1958.

Antoniokings

Mode ironic on?

Mensageiro

Pode ser que os EUA segurem Taiwan até onde conseguirem mas depois entreguem, sem guerra, e tenham outro pra jogar, e o da China esteja ultrapassado.

Mensageiro

Afinal nesse jogo do establishment, status quo, capital, os EUA já vem hegemônico há décadas, aprenderam muito no joguinho que inventaram, e se alguém ganhar eles podem não ser aquela criança dona da bola que pega a bola e acaba com o jogo, mas devem ter um mecanismo de reset, ou versão 2, ou ainda new game.

Rodrigo

Eu estava falando com um veterano americano, e ele me disse que muitos combatentes americanos( reservistas também) na ativa que ele conhece estão desmotivados e desmoralizados com o Pais deles, alguns até pensariam em desertar se houvesse uma guerra contra a China, muita divisão(racial, ideologica etc) e pouca perspectivade melhora, principalmente em relação a corrupção do establishment, por isso acho muito pouco provavel que os EUA iria viajar todo o pacifico para defender uma ilha no quintal da China. A elite americana deu um tiro no próprio pé.

Exemplo: Seal que matou o bin laden

https://pbs.twimg.com/media/ExoFVa8WgAAuK1p?format=jpg&name=medium

Blind Mans Bluff
Marcelo

bacana, aparentemente tem versoes de mesa e para computador

Blind Mans Bluff

A versao para computador é em Vassal.

Alex Barreto Cypriano

Já era. Se a China quiser invadir militarmente Taiwan o fará até com autorização da ONU ou durante a guerra civil americana próxima (com um sinal de OK durante o ajuste da lapela democrata). Os militares americanos got woke. E, como aconteceu com o cinema, go broke. O problema não é mais militar…

Ted

A invasão não é difícil ! O problema vai ser econômico. Tudo que a China não quer. Pois está em Franca e galopante expansão. Vai atrapalhar o objetivo. Mas quando chegar no apogeu. Vai ficar difícil negociar com a China.

Matheus S

Eu não falo nada.

Paulo

Taiwan é da China. Artificialmente foi criado um país autônomo. Eu, se fosse o governo chinês, trocaria a unificação da Coréia do Norte e do Sul por Taiwan, com os EUA. Menos envolvimento militar e despesas para os americanos. Tem que ter um acordo pra essas divisões políticas absurdas

Carlos Campos

não existe nada de artificialmente criado em Taiwan, é o mesmo povo que comandava a maior parte do continente e depois perdeu a guerra civil. os Taiwaneses consideram o continente um grupo rebelde.

MFB

Taiwan não é da China. Taiwan é a China. A parte continental está sob controle dos golpistas comunistas.

Rui

dessa forma o Brasil é de Portugal

Mattos

Qual a marca e qual é esse board game

Alexandre Galante
Marcelo

que link bacana Galante! Fiquei com vontade de jogar Next War Polonia vs Russia

Last edited 14 dias atrás by Marcelo
paulo araujo

Tem um site chamado SOMNIUM que tem uma coleção de wargames para baixar de graça.

Alison

Rapaz… Não entendo (fora a parte histórica e orgulho) o sentido da China atacar e anexar um povo que não quer pertencer ao mesmo país… Muito mais lucrativo seria reconhecer sua independência e comercializar forte com eles, sendo o maior parceiro comercial como já faz com dezenas de países do mundo…

Carlos Campos

também acho que isso seria o melhor, pq Taiwan é pequena mas em questão de horas poderiam fazer estragos gigantes a marinha do PCC e infra estrutura no sul.

Marcelo Baptista

Alison o problema é que Taiwan era uma ilha que fazia parte do território Chinês, até que o governo chinês da época perder o controle do pais na revolução maoísta. Os “dissidentes” fugiram para esta ilha como ultimo recurso, e cederam bases ao EUA para parar os “revolucionários” e depois pediram status de pais independente.
Exagerando, é como a URSS colocar misseis em Cuba.

Marcelo Baptista

Ou Tomahawks na Polônia.

Marcelo Baptista

Uma percepção da segurança de Fronteiras.

Ted

A ilha de Cuba também não quer quantanamo e os americanos por lá. Mas fazer o que?

Mgtow

Não mesmo.
O territorio é chinês. Caso algum taiwanês anexado se recuse a aceitar a situação ele terá a opção de ir embora para onde se sinta bem. EUA deveria acolhe-los

Carlos Campos

Não acho que os EUA vão interferir, mas vão ajudar de alguma forma, tipo ajudando a coordenar ataques usando satélites, NSA e CIA… no final Taiwan vai perder, mas os custos para China podem ser altos.

Mgtow

Não haverá tempo para isso.

Rogério Loureiro Dhierio

Uma coisa é certa.

Os EUA terão um custo altíssimo a pagar com uma agressiva China e seus interesses.

O dilema é: Qual custo devemos abraçar?

O custo de perder zonas de influência e consequentemente econômicos na Ásia, o que pode debilitar o PIB interno ou;

O custo de milhares de vidas americanas para manter essa capacidade hegemonica na região?

Douglas Falcão

cade a simulação de s300 x gripen? nao vi.

francisco

Estão focando só nas armas. Foi assim que o Japão atacou os USA e a longo prazo se deram muito mal. Tem que ver a questão da energia para movimentar a máquina de guerra e da comida para manter o exército alimentado. A China não tem comida para manter uma guerra prolongada e nem petróleo. Um boicote da América do sul patrocinada pelos USA e os chineses desistem em no máximo dois meses. É por isso que os chineses estão desesperadamente atacando o Brasil, tentando colocar um governo que seja amplamente a seu favor. O petróleo ao que tudo indica… Read more »

sj1

Começou com uma excelente leitura da situação de uma possível guerra, o final concordo parcialmente.

Pablo Maroka

Nem sempre o bem vence

Igor Tavares

Tem uma coisa que eu não entendo venho notando que tem muita gente neste Blog que defende com unhas e dente a China…. Será que estas pessoas iriam gostar de morar na China e viver em um regime autoritário controlador como e o de lá ? Esta e a pergunta que me faço as vezes…

César Antônio Ferreira

É bem conhecido que os “planos de guerra chineses” prevêem a obliteração das defesas da ilha nas primeiras seis horas e a ocupação da mesma em menos de sete dias…
Taiwan dista apenas 250km da costa chinesa.

Uma derrota dos EUA é esperada.

Todavia a China não invadirá a ilha, não precisa. Acreditam os chineses que no máximo em 100 anos Taiwan será reincorporada…
O que são 100 anos?
Para os Chineses, nada.

Last edited 11 dias atrás by César Antônio Ferreira
Helio Eduardo

É uma questão intrigante. Para a China, Taiwan é um território rebelde. Para Taiwan, a China é um território ocupado…. Taiwan está condenada. Ou será “absorvida” pela China continental ou cairá, em poucas horas, diante da esmagadora superioridade militar do Dragão. A geografia já deu seu veredicto: 250 km não são nada. Ainda assim, ao contrário de muitos dos que aqui postam, não vejo um cenário tão difícil para os EUA. Lógico que a US Navy não vai chegar perto de Taiwan, pois a China fortificou o Mar do Sul da China pensando em detê-la, o que fez com muita… Read more »

Rui

Tirando Africa que fica do lado da China, parte da Europa (sim isso mesmo), Rússia e grande parte da Azia, e já agora Argentina, Bolívia, Peru, Cuba e Venezuela , ou seja meio mundo.

- Publicidade -

Guerra Antissubmarino

Almirante russo explica por que a OTAN não consegue detectar submarino russo no Mediterrâneo

O submarino russo Rostov-na-Donu do projeto 636.6, da Frota do Mar Negro, que desapareceu dos radares dos navios da...
- Publicidade -
- Advertisement -