quarta-feira, julho 28, 2021

Saab Naval

Por que os Estados Unidos não podem tocar nos navios de guerra iranianos com destino ao Atlântico

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

A lei internacional bloqueia a ação direta em navios soberanos, mesmo se eles estiverem violando sanções dos EUA

Por Cornell Overfield – Center for Naval Analyses

No início de junho, o site Politico noticiou o movimento de dois navios de guerra iranianos aparentemente a caminho do Oceano Atlântico. Autoridades de segurança nacional dos EUA expressaram preocupação com o fato de esses navios estarem com destino à Venezuela com cargas que violam as sanções dos EUA contra Caracas.

O senador Marco Rubio já pediu aos Estados Unidos que impeçam a chegada dos navios. No entanto, qualquer ação dos EUA contra essas embarcações seria ilegal e prejudicaria um princípio fundamental da ordem internacional: imunidade soberana. Os custos da ação direta seriam severos, expondo os Estados Unidos a acusações de hipocrisia em relação à ordem baseada em regras e potencialmente abrindo os navios da Marinha dos EUA para tratamento semelhante por parte dos adversários.

Caracas e Teerã se aproximaram na última década, uma vez que cada uma encontrou alívio na outra como uma válvula de escape contra as sanções dos EUA. O comércio de petróleo tem sido particularmente importante para a dupla, e os Estados Unidos e seus aliados, nos últimos anos, interditaram vários navios cargueiros sob pavilhões de conveniência suspeitos de transportar petróleo iraniano, em violação das sanções dos EUA e da União Europeia. Desta vez é diferente. Essas embarcações fazem parte da Marinha Iraniana. De acordo com a lei internacional, Teerã pode imitar o rapper MC Hammer e dizer aos Estados Unidos: “you can’t touch this”.

A lei do mar, consuetudinária ou convencional, concede imunidade soberana a navios de guerra e outros navios do governo. Em tempos de paz, a imunidade soberana é uma proteção praticamente todo-poderosa contra a jurisdição de um estado estrangeiro. Exceções podem ser aplicadas em circunstâncias extremas envolvendo estados falidos, navios de guerra falsos ou armas de destruição em massa. Este caso, entretanto, é didático.

A Convenção da ONU sobre o Direito do Mar (UNCLOS) define navios de guerra como navios “pertencentes às forças armadas” sob o comando de um oficial da lista de serviço e tripulados por uma tripulação em boas condições. Ambas as embarcações iranianas, uma fragata sem nome e o IRINS Makran, atendem claramente à definição de navio de guerra segundo a convenção da ONU.

A Convenção das Nações Unidas, que os Estados Unidos acreditam refletir o direito consuetudinário internacional, explicita parte do poder da imunidade soberana. E em alto mar, a imunidade soberana é absoluta. O artigo 95 diz simplesmente: “Os navios de guerra em alto mar têm imunidade completa da jurisdição de qualquer Estado que não seja o Estado de bandeira.” O Artigo 96 concede a mesma imunidade absoluta a embarcações de propriedade ou operadas pelo governo em alto mar. Este direito também se aplica às zonas econômicas exclusivas (ZEE), uma vez que nada nessa seção prevalece sobre as disposições.

Mesmo no mar territorial, a imunidade soberana continua sendo uma proteção poderosa. Os navios de guerra desfrutam do direito de passagem inocente em mares territoriais estrangeiros. O estado costeiro pode estabelecer regras para a segurança da navegação, mas essencialmente não tem poder para fazer cumprir esses regulamentos em navios de guerra estrangeiros que desprezam esquemas de separação de tráfego ou semelhantes. Enquanto o navio de guerra estiver em uma passagem inocente, não ameaçando o estado costeiro, o estado costeiro pode, no máximo, ordenar que o navio de guerra deixe o mar territorial. A interdição ou prisão estão fora de questão, a menos que o navio de guerra ameace o estado costeiro, momento em que a autodefesa seria permitida.

Águas internas, como portos, não são substancialmente diferentes. Um navio de guerra, é claro, precisaria da permissão do estado costeiro para entrar em águas internas. No entanto, mesmo aqui, onde o estado costeiro tem sua maior autoridade, a imunidade soberana mantém seu poder sob o direito internacional consuetudinário e bem aceito. O Tribunal Internacional para o Direito do Mar (ITLOS) afirmou isso no caso “ARA Libertad” de 2012. O Libertad é um navio da Marinha Argentina que fez escala em Tema, um porto de Gana, no final de 2012.

Como parte da execução de uma ordem judicial dos EUA sobre dívidas soberanas argentinas não pagas, os tribunais ganenses ordenaram que o navio permanecesse no porto, e as autoridades ganenses tentaram embarcar no navio. Em dezembro de 2012, os juízes do ITLOS ordenaram unanimemente que Gana liberasse o navio imediatamente. O raciocínio da maioria observou que “um navio de guerra é uma expressão da soberania” de seu estado de bandeira e “de acordo com o direito internacional geral, um navio de guerra goza de imunidade, inclusive em águas internas”.

ARA Libertad em Gana

Os juízes Rüdiger Wolfrum e Jean-Pierre Cot do ITLOS construíram um argumento ainda mais robusto em sua opinião concordante. Lá, eles discordaram do raciocínio resumido da maioria e, em vez disso, examinaram de perto ambas as propostas relativas a águas internas e navios de guerra anteriores à UNCLOS e a linguagem dessa convenção em si. Eles finalmente concluíram “que os navios de guerra em águas internas gozam de imunidade do exercício da jurisdição do estado costeiro, que inclui imunidade de procedimentos judiciais ou qualquer medida de execução, [e] está bem estabelecido no direito internacional consuetudinário.”

Este princípio, observaram os juízes, foi reconhecido não apenas pelo Institut de Droit International já em 1898 e novamente em 1928, mas também por vários processos judiciais nacionais, incluindo o Schooner Exchange da Suprema Corte dos EUA v. McFaddon e outros.

Nada muda, mesmo se as autoridades dos EUA verificarem que os navios estão carregando armas convencionais que violam as sanções dos EUA contra Caracas. Considere as sanções endossadas pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas contra a Coreia do Norte. Esse sistema inclui talvez o mais robusto sistema de sanções sobre materiais embarcados e vem com o apoio dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança (mesmo que a fiscalização da China tenha sido morna).

Embora omisso sobre embarcações imunes soberanas, a resolução mais recente em 2017 permitiu que os estados membros “apreendessem, inspecionassem e parassem qualquer embarcação sujeita à sua jurisdição em suas águas territoriais”. Uma vez que o direito internacional consuetudinário afirma que os navios de guerra em tempos de paz nunca estão sob a jurisdição de um estado estrangeiro, os navios de guerra estrangeiros não estão, sem dúvida, sujeitos a ações de imposição estrangeira sob estas sanções da ONU.

Nesse caso, enquanto os navios de guerra iranianos não ameaçarem o uso da força, a imunidade soberana os protege onde quer que estejam – seja em alto mar, em uma ZEE, em um mar territorial ou em águas internas. Se armas convencionais estiverem a bordo, a ação de imposição dos EUA seria apenas baseada em sanções nacionais, enquanto mesmo as sanções mais robustas dos EUA podem não cobrir os navios com imunidade soberana.

Da mesma forma, o precedente “ARA Libertad” demonstra claramente que mesmo que essas embarcações sejam forçadas a solicitar e receber permissão para fazer escala em um porto para reabastecer seus suprimentos, os Estados Unidos não ganham opções legais. O estado do porto continua sujeito ao direito internacional consuetudinário.

Os Estados Unidos podem ignorar a lei, como o Irã faz no Golfo Pérsico, mas isso acarreta custos significativos. Se uma tentativa de ação coercitiva levar a uma derrota nos EUA perante um tribunal internacional, os Estados Unidos sofrerão uma derrota humilhante que pode encorajar o Irã. Se a ação de aplicação for bem-sucedida operacional e legalmente, os Estados Unidos podem colocar os navios da Marinha dos EUA em risco, se, digamos, a China decidir que os navios da Marinha dos EUA que fornecem armas para Taiwan violam as futuras sanções chinesas.

Um sucesso ou fracasso, a ação dos EUA diretamente contra os navios iranianos que navegam pelo Oceano Atlântico complicará os esforços para proteger os interesses dos EUA e posicionar os Estados Unidos como um campeão da ordem baseada em regras internacionais.

Para evitar que os navios iranianos cheguem à Venezuela e para promover os interesses dos EUA, os Estados Unidos devem empregar a diplomacia em vez de forçar e encorajar os estados ao longo da rota a negar aos navios iranianos o acesso ao porto, se solicitado. Mas os legisladores e funcionários eleitos ansiosos para enviar a Marinha ou a Guarda Costeira dos EUA fariam bem em lembrar a regra básica de imunidade soberana de MC Hammer: “you can’t touch this”.

FONTE: Foreign Policy

- Advertisement -

80 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
80 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
ADAIR HAMES

PERFEITO COMENTÁRIO!!

Agressor's

Os persas lutam para desenvolverem os seus próprios meios e agora até já exportam o que produzem, enquanto os saudis apenas torram suas riquezas com porcaria ocidental de prateleira. A parte mais importante do progresso é atingir o conhecimento. É o conhecimento adquirido que abre novos caminhos. Foi assim como a China começou, e ela hoje é uma grande força. As sanções e embargos oferecem oportunidades em muitos campos para o Irã. A experiência que o Irã ganhará não terá preço. O autor da sanção perde negócios em potencial em um mercado enorme, ou seja, os eua e seus aliados… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Agressor's
Luciano do Prado

Não sei porque você foi tão negativado. Seu comentário faz sentido, na maior parte.

Marcelo Andrade

Pois é, a ideologia falou mais alto do que a sensatez. Perfeito. Vide Coréia do Norte. Isso não quer dizer que somos a favor de suas ditaduras ou governos mas, é fato, sancões nunca resolveram os problemas, pelo contrário, o tiro sempre sai pela cultra!

Agressor's

Eu já estou acostumado….

Last edited 1 mês atrás by Agressor's
C M

Foi negativado pelo proselitismo maluco no final do texto.

Eu hein…

Rinaldo Nery

Concordo. Só faltou exaltar o DAESH.

Fabiano I.

Então você também defende que o Brasil seja soberano na questão nuclear, e as sanções que viriam de quase todas as nações no mundo e viriam seria uma oportunidade de desenvolver a indústria nacional assim como a china fez.
Vale lembrar que o mundo precisa dos commodities produzidos no Brasil, e substituir os nossos produtos seria penoso para todos.

José Carlos de Oliveira

O Irã nãoparou devido aos Embarcos, procurou apoio de outras nacões e procura desemvolver seu parque tecnologico, e com o recente acordo com a China acredito que os Embarcos Americano não vao fazer tanta diferença.

Rinaldo Nery

Você é muçulmano? Quem defende a Coréia do Norte chama-se China. Desde sempre. Quando ela for abandonada pela ¨mãe¨, será dizimada. Simples assim.

Camargoer

Ola Colegas. Talvez este artigo seja útil para aqueles que defendem o rompimento unilateral das leis internacionais, que acreditam que apenas os tolos obedecem tratados.

Agressor's

Camargoer

Visitante

17 minutos atrás

Ola Colegas. Talvez este artigo seja útil para aqueles que defendem o rompimento unilateral das leis internacionais, que acreditam que apenas os tolos obedecem tratados.”

Venezuela: Um Oceano de Mentiras – Fev2019 – LEG

Last edited 1 mês atrás by Agressor's
Agressor's

Para a esquerda os programas assistencialistas do chavismo são a solução para os problemas da Venezuela, o que na realidade se mostra apenas como um paliativo para os problemas desse país…é como os ansiolíticos e antidepressivos, eles tratam um sintoma, mas não a causa dele… Se tivessem dado importância para coisas como segurança alimentar e investido no desenvolvimento do setor produtivo não estariam passando pelo o que passam hoje, pois praticamente toda a economia do país depende só da exploração de petróleo e mineração, recursos não renováveis e finitos…a esquerda não gosta dos pobres, ela gosta da pobreza…e a Venezuela… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Agressor's
Slow

Cara tem certeza que é a esquerda que não gosta de pobres ? .. vc acha que a Venezuela ta assim porquê quer ?

silvom

Trump já era, ações militares de Guaidó fracassaram além da perda de parte de deu apoio internacional, Maduro continua e ninguém mais fala sobre isso

Agressor's

Quando falam que se implantarem o comunismo no deserto iria faltar areia depois de um tempo, pensei que era só uma metáfora…

Slow

Venezuela é comunista? 😂😂😂😂

Radagast, o Castanho

Essa conversa fiada de que o comunismo nunca foi aplicado em lugar nenhum é mais velha que a mais antiga das profissões…

Pelo menos elas não mentem quanto ao que são.

Last edited 1 mês atrás by Radagast, o Castanho
Allan Lemos

Pois é, o mais engraçado é escutar eles dizendo “Ah, mas Cuba não tinha o comunismo verdadeiro”, “Ah, mas a Coreia do Norte não conta porque o comunismo foi deturpado lá”, “Mao tinha uma ideia errada do comunismo”.

Rsrs, francamente é patético. Não importa onde seja aplicado, o comunismo nunca trará nada além de pobreza e desgraça.

carcara_br

Demagogia deles e sua também, simplifica tudo pra bater o martelo.

Last edited 1 mês atrás by carcara_br
Allan Lemos

Não simplifico nada, apenas mostro a realidade àqueles que teimam em insistir no erro. É como dizem, a definição de insanidade é fazer as mesmas coisas e esperar resultados diferentes.

Agressor's

Ai eu sou obrigado a concordar plenamente com vc e a dar o braço a torcer..

Renato de Mello Machado

Antes fosse lá é uma bagunça

Junior Duraes

Não é só um ditadura socialista mesmo.

Willber Rodrigues

Exato.
Nego acha que o mundo é a festa da uva, e que qualquer país pode passar por cima de leis internacionais e fazer o que quiser.
Quer rasgar as leis internacionais? Ok, vá em frente.
Mas as consequências vem junto.

Renan

Impressionante como é possível fazer algo quando se conhece as leis
Conhecimento é a arma da possibilidade
Obrigado pela matéria

737-800RJ

Li por esses dias que a tal fragata seria a Iris Sahand, que desloca cerca de 2.000 toneladas e que teria tido alguma dificuldade quando entrou no Atlântico por conta do mar grosso. Será verdade? Não sei. Fato é que o Irã está se aventurando longe de casa e parece estar obtendo sucesso. Será que o cargueiro realmente está levando o que dizem que está levando, lanchas de ataque rápido pra Venezuela e outras coisas mais?

images - 2021-06-16T192742.318.jpeg
Wellington R. Soares

Na verdade o Irã classificar esse navio como Destroyer, mas na verdade desloca um pouco menos que nossa Corveta Barroso rsrr…
Sobre ele estar transportando armas ou não, eu acredito que sim, mas nada que venha a desestabilizar a região.

Agressor's

Exatamente, eles não trazem nada que venha a desestabilizar a região, mesmo que sejam misseis de cruzeiro de longo alcance. A nossa republiqueta tem os meios para responder a isso através dos nossos misseis de cruzeiro AV-TM 300 matadores, já operativos e disponíveis em larga escala, de prontidão.

Willber Rodrigues

“nossos misseis de cruzeiro AV-TM 300 matadores, já operativos e disponíveis em larga escala, de prontidão.”

Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Matheus

Voce não tem mais que 18 anos né filho?

Leo Rezende

Muitos tem dificuldade de reconhecer e entender ironias.

pedraoctba

Balela! Por diversas vezes os EUA ja deram uma banana para esses tratados e leis, basta lembrar o embargo a Cuba em 62, ou a apreensao e pouso de um voo comercial sobre o Mediterraneo para a captura de um acusado de terrorismo (igualzinho a BieloRussia fez) nos anos 80. Na realidade os EUA nao fizeram nada pois estao com um banana a frente, a qual o Ira sabe que nao fará nada que poderia lhe representar um perigo. Pq nao fizeram isso ate ano passado? Pq sabiam que se fosse feito esse transporte certamente os EUA iriam fazer algo.… Read more »

Agressor's

Rússia, Irã e China unidos para financiar a Venezuela…Vamos ver se Washington vai fazer alguma coisa como falaram…

Tá difícil de escolher hoje quem mais luta pela paz e pela liberdade no mundo, hein? Cada canditato que se apresenta é mais engajado que o outro…kkkkk… 😀

Last edited 1 mês atrás by Agressor's
Antonio Palhares

Lutar pela paz e liberdade no mundo.
Muito bonito. Um conceito maravilhoso.
Quando estudante, cantava . “Deus salve América…”. Depois percebemos que Deus salva a América branca e bonita do norte. E que somos os cucarachas.

Allan Lemos

E quando foi que alguém lutou pela paz e liberdade no mundo?

100nick-Elã

Os EUA não respeitam nada, só a força. Por isso que falam pianinho com a Rússia. Viu como o Biden falou fino no encontro? Claro que a Rússia continua a não confiar neles, mas….arregaram.

Antoniokings

Pois é!
Putin nem ligou para o que Biden tinha a falar.
Novos tempos!

Flanker

Sério? Conta mais!! E o que ele disse? Ele tava com a cara muito brabinha?? Ora, tome vergonha na cara! Parece aquelas tias velhas que ficam no telefone fofocando sobre a vida alheia!

Antoniokings

Biden, os americanos e vc devem colocar nas suas cabeças que o Mundo não está mais interessado em saber o que os americanos querem ou deixam de querer.
Acabou esse tempo, tovarisch.
Atualize-se.

Flanker

Então tá…….quebra os EUA…..Aí tu vai ver onde o mundo, principalmente a china, vai parar……mas, não dá pra te contrariar…..o teu psiquiatra pediu isso……heheheheh

Paulo Drusnam

estas a dizer asneiras, meu caro Watson.

Inimigo do Estado

Concordo com você Kings, a dependência do mundo dos EUA pós segunda guerra acabou, comércio com eles sim, se sujeitar às exigências nefastas deles, jamais!

Paulo Drusnam

Parece aquelas frutiqueiras que ficam a policiar a vida alheia

Flanker

Arregaram? Era uma briga? Uma disputa de cuspe em distância? Ora, vovó….tome seus remédios e se agasalhe….o frio está tá afetando mais ainda seu raciocínio. ….

Agressor's

O que a mídia ocidental não mostra é que a maior parte da população do Irã e da Síria apoia o governo, e que os eua e união europeia como estão indo a falência só querem invadir esses países para derrubar os governos contrarios ao “roubos” imperialistas e tomar todo o petróleo desses lugares.

Rodrigo Martins Ferreira

Que mìdia ? Tem mídia hoje no mundo para todos os gostos..

Paulo Drusnam

Estas a ler muito os contos da carochinha.

Nilo

É uma excelente justificativa, a quem já invadiu o Iraque com justificativa de armas químicas e não respondeu a nenhum tribunal internacional por milhares de mortes. O fracasso de controle um pais como o Iraque menor em termos populacionais e territoriais do que o Irã e que tem uma força militar irrisória ainda incomoda. A janela para uma invasão passou, ainda mais com a mudança de governo de Israel. A Europa, Rússsia e China estão ganhando dinheiro com o Irã, este é o caminho dos EUA, aos poucos irá abrir caminho para empresas americanas atuarem no comércio com os Persas,… Read more »

Ted

É aqueles 2 pilotos norte americanos que desligarao o transponder sobre a Serra do cachimbo, causando a morte de 150 brasileiros com a queda do avião comercial. Nem fininho falarão, reclamação zero.

Flanker

Desligaram* Falaram*

Agressor's

O Irão nunca fez mal ao braziu pelo contrario, compra 30% do milho brasileiro, além de soja, carne de frango, suína, bovina etc. Já os eua sempre ganharam muito dinheiro com as guerras no mundo, vendendo armas e derrubando governos, o Irã, a Rússia e a China já foram aliados dos eua na segunda guerra mundial. Os eua só pensam em seus próprios interesses. O braziu precisa ser neutro e independente, além de aprender a ter vergonha na cara….

Last edited 1 mês atrás by Agressor's
carcara_br

A Venezuela está gastando o que não tem com armas, literalmente pagando com ouro e petróleo, olha, não sei o que se passa na cabeça de um cara como o Maduro.
É preciso oferecer uma alternativa não belicosa e/ou penalizada aos caras, enquanto isso vamos acumulando potenciais problemas na fronteira.

Paulo Araujo

O que se passa é sobreviver. Só.

Antoniokings

Americanos podem ser bobos, mas não são burros.

Flanker

Não sei por que esse falatório! É óbvio que os EUA, ou qualquer outro país, não podem interpelar, abordar, etc, navios que não estejam lhe ameaçando diretamente, ou pondo em risco o seu território ou invadindo suas águas jurisdicionais. Enquanto esriver em águas internacionais, o navio é soberano.

Helio M

Engraçado como o bloqueio americano impede a Venezuela de comprar comida e remédios, segundo o discurso oficial, mas consegue comprar armamento de vários países sem a menor dificuldade.

Agressor's

É por isso que o multilateralismo é necessário para vincular os excessos de poder, inibir o unilateralismo e permitir aos poderes menores o espaço de fala e oportunidades de voto os quais não seriam possíveis de outra forma. Se uma potência maior busca o controle de maneira que vá de encontro com os interesses de uma outra grande potência, nesses casos abordagens multilaterais são as mais indicadas…

Slow

Varios ou China , Russia e Irã ?

Flanker

Rússia, china e Irã não produzem medicamentos, alimentos e outros produtos essenciais?? Então, para aqueles que dizem que os EUA prejudicam a Venezuela com os embargos, eles que comprem desses 3 países, junto com as armas, tudo o mais que precisarem e parem de fazer política, usando a condição de vida da população.

Last edited 1 mês atrás by Flanker
Esteves

Bem… Os socialistas encontraram um ponto de apoio na AS. O perigo é virar uma futura Coréia do Norte. Enquanto a Venezuela permanecer isolada no continente veremos essa disputa como sanções e embargos. Havendo fracasso nos negócios no Pacífico com a China se transformando em um adversário militarmente imbatível pode haver uma compensação tanto pelo sucesso quanto pelo fracasso. Chineses e iranianos decidirão investir na Venezuela para desafiar acordos de tarifas em seus mares. Enquanto não se chega a um termo aqui vamos dar algo para pensarem do outro lado. Abrindo mais frentes geopolíticas haverá também maiores chances de sucesso.… Read more »

Agressor's

Se não houver igualdade de direitos e comportamentos entre os países e um der mais e o outro menos em coisas como tecnologia, capital, apoio mútuo, terrenos e etc…um lado prevalecerá por causa do outro que menos está ganhando com essa aliança…na questão militar foi isso que aconteceu na segunda guerra entre nós e os eua…ganhamos rações militares piores, dezenas de relatos de armas dadas por estadunidenses travando ou falhando, e no final não sentamos na mesa dos vitoriosos mesmo sendo o Brasil implacável nesta guerra e não somos no exterior em livros de história vistos por isso, nem aqui… Read more »

guilardo

Caro Agressor’s. A memória do brasileiro só vai até 15 minutos atrás. Observe o caso emblemático de Montese, onde o nosso Exército combateu casa a casa e conseguiu tomá-la dos alemães depois de inúmeras baixas dos dois lados. A população daquela cidade que considera os brasileiros os seus “libertadores”, comemora anualmente com uma grande festa nas ruas, cujas crianças italianas cantam os hinos do expedicionário e nacional brasileiro. Aqui no Brasil ninguém se lembra disso, e pasmem, as nossas escolas sequer ensinam aquele evento. Somos um país que caminha na contra-mão da história em todo o sentido. Se ficarmos a… Read more »

Esteves

Nunca houve. Não haverá. É justo? O mundo não é justo. Quando um vulcão de gelo entra em erupção em uma lua de Saturno alimentando o formato dos anéis do planeta? Quando uma tempestade da a volta em Júpiter com ventos de 1.500 km por hora? Ora bolas. 2 mil anos antes ou 4 mil anos lá os egípcios fizeram guerra contra a aliança Líbia+tribos de Israel. Para ter certeza da vitória e para agradar ao faraó mandaram trazer todos os penis dos inimigos. Sem os inimigos. Afinal, Estavam mortos. Chegaram 2 mil de cada. Metade circuncidados. Existe o poder… Read more »

Leandro Costa

Suas fontes são péssimas. Nós tínhamos as mesmas rações (com suplementos do Brasil, como feijão, por exemplo), tínhamos basicamente as mesmas armas, exceto pelo fuzil, já que estávamos usando os Springfield 1903 que era muito similar ao Mauser alemão (fabricado pela IMBEL) que era a arma padrão por aqui na época, e em nada devia ao Lee Enfield padrão dos ingleses. Usávamos os mesmos veículos que qualquer divisão de infantaria usava, e adotávamos as mesmas táticas. A única grande diferença era no fardamento, que o Ministério da Guerra Brasileiro fez questão de providenciar e que foi uma droga. O fardamento… Read more »

Rinaldo Nery

Pois é, Leandro… Quando li ¨dezenas de relatos de armas travando¨ fiquei curioso. Onde estão esses relatos? Nunca ouvi falar. Quem sabe ele tem alguma bibliografia. Seria interessante conhecê-la para aumentar nossos conhecimentos.

Allan Lemos

As relações internacionais são assim desde que o mundo é mundo. Há países fortes e há países fracos. Se alguém não aceita a sua posição no mundo, que faça como o Japão e Alemanha fizeram na WWII ou como a China faz agora e aceite as consequências em caso de derrota. É utópico achar que uma nação como os EUA têm de estar em pé de igualdade com o turcomenistão, ou o Brasil com a Bolívia.

Alison

Nunca que os EUA terão peito de atacar navios da Marinha Iraniana… Não pelo poder delas óbvio, mas pelas consequências militares que isso traria para sua frota no Oriente Médio e Bases na mesma região.

Mais fácil que isso é o Brasil acabar com a corrupção. kkkkkkkkkkkkkk

Leandro Costa

“Praying Mantis” 🙂

Tomcat4,2

Navio sozinho no meio do mar tem a soberania de uma mosca na teia da aranha a noite, a hora que ela quiser vai lá e come o bichinho e ninguém nem vê. S der vontade em uma força naval com poder para tal(seja o país q for0 vai lá e faz a m@rd@ q quiser sem deixar vestígio, planta provas e o escambal.

DOUGLAS TARGINO

Simples, esses atiram… kkkkkk

MestreD'Avis

Engraçado que muitos dos que apoiam esse artigo e realçam que os EUA não podem fazer nada contra um navio em águas internacionais, são os mesmos que perguntam o que andam a fazer navios americanos no Golfo Pérsico ou Mar do Sul da China e sugerem que deveriam ser afundados

Roberto Eduardo Henrique Pesserl

Desde que a China copiadora de tecnologias de outros, começou a roubar patentes internamente, o PCC incentivou e transferiu a outros Países belicistas, inclusive a Rússia, essas informações e conhecimentos. Com isso criou um bando de malucos com poderes que não deveriam ter, e com esse problema de dogmas religiosos e políticos, chegaremos rapidamente a 3.a Guerra Mundial. Pela imposição da força, e medo de sofrerem em seus estados esse perigo, o mundo está se armando fortemente, portanto o caminho a seguir será inevitavelmente o da guerra, infelizmente. E como disse nosso ilustre Einstein, voltaremos à época dos paus e… Read more »

Maurício.

Roberto, EUA, Rússia e China só chutam cachorro morto, nunca vão se enfrentar diretamente, anos de guerra fria e só latiam, como latem agora, esses países não tem coragem de se enfrentarem diretamente, pode ficar tranquilo.

João da Lua

Porque as plutocracias colonialistas do ocidente são um poço de bondade e altruísmo…

Flanker

Não são, concordo contigo. Mas, Isso não inocenta o modus operandi de russos e chineses. Se um está errado, não necessariamente o outro está certo…

Alex Barreto Cypriano

O Irã e a Venezuela são igualmente estados pária. Que um faça trocas com o outro é natural. Os EUA só tocariam nessa escória se estivessem distraídos. Existem muitos meios de se atingir um objetivo político sem percutir porrete ou repercutir frases de MC Hammer.

Marcelo Andrade

Muito bom, o mesmo aplica-se ao aviões de governos.

Salomon

Que grande oportunidade para o Brasil!

carvalho2008

Hoje em dia, são tantas torcidas, tantas mentiras de tantos lados, que acabe apenas ao homem que não queira errar se abraçar as leis nacionais e internacionais implementadas , antes das conveniências instauradas que desvirtuem a natureza para a qual foram criadas… O cumprimento a Lei sempre… Sobre especificamente o caso, é certo que fosse apenas o Irã, provavelmente os EUA realizariam a abordagem. No entanto, a mesmo não seria feito com Navios Chineses e Russos que lá mantem apoio. Ou seja, mesmo que abordassem navios iranianos, estes por sua vez passariam a fretar ou mandar o material por navios… Read more »

- Publicidade -

Últimas Notícias

Forças Armadas dos EUA ‘falham miseravelmente’ em jogo de guerra para proteger Taiwan

Em uma batalha simulada por Taiwan, as forças dos EUA perderam o acesso à rede quase imediatamente. General Hyten...
- Advertisement -