A Bertin Environics assinou um notável contrato com a Águas Azuis para o fornecimento da nova Solução X-System — para quatro fragatas da Classe Tamandaré da Marinha do Brasil. Este acordo fortalece a posição da Bertin Environics como líder global em proteção Naval e Marítima CBRN (defesa química, biológica, radiológica e nuclear).

A Águas Azuis é uma pessoa jurídica de propósito específico constituída entre a thyssenkrupp Marine Systems, a Embraer Defesa & Segurança e a Atech para entregar os navios da Classe Tamandaré com o objetivo de ampliar e modernizar a frota da Marinha do Brasil.

O Programa Fragatas Classe Tamandaré é o projeto naval mais inovador já construído em território nacional. O Programa está sendo realizado integralmente no Brasil, na thyssenkrupp Estaleiro Brasil Sul, localizada em Itajaí (SC).

O X-System traz soluções de sistemas Environics para a nova geração, introduzindo dois detectores totalmente novos no mercado de detecção de ameaças CBRN: o ChemProX-DS e o RanidX.

O ChemProX-DS é um detector químico que combina desempenho de detector químico e recursos de monitoramento de sistema CBRN, o que permite uma arquitetura de sistema mais flexível e simples. As informações de status do dispositivo de todos os sensores e detectores conectados são visíveis na interface do usuário do ChemProX-DS.

O RanidX complementa a oferta de sistemas da Environics, fornecendo uma solução compacta para monitoramento de radiação gama e raios X em tempo real, até níveis baixos (L.L.R). O X-System é complementado com o detector de bioaerossol da Environics com capacidade 3 em 1 para detecção multifuncional de ameaças biológicas e o software de sistema dedicado Enviscreen CBRN, fornecendo solução completa de sistema CBRN de um único fornecedor.

Sobre Fragatas Classe Tamandaré

As fragatas da Classe Tamandaré foram projetadas com o que há de mais moderno em tecnologia disponível na construção naval mundial e serão operadas pela Marinha do Brasil para garantir a soberania do território nacional. Trata-se de uma classe de futuras fragatas de mísseis guiados furtivos, e sua construção começou em 2022 com entrega programada entre 2025 e 2029.

FONTE: Bertin Environics

Subscribe
Notify of
guest

51 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Burgos

Deveras também se não tiver um sistema NBQ nas FCT !!!👀🤔
Na atual conjuntura e subida da escalada dos Conflitos no hemisfério Norte, já já essa encrenca vai estar por aqui (América do Sul).
Vão pegando a visão que a tendência é só piorar 🤷‍♂️

soutoF

Burgos voce sabe se a MB vai
comprar navios caça minas?

Burgos

Boa tarde Souto;
Houve um “flerte” a muitos anos atrás com a Saab e a Marinha Sueca (navios de 2ª mão ) e ficou só nisso Até então não estou sabendo de nada.
O mais indicado pra responder sua pergunta é o Nunão/Galante que tão ON, plugado na internet em relação a essas informações 👍
Abs e saudações Navalescas 💪⚓️

Fernando "Nunão" De Martini

Burgos,
Já respondi ao Souto em outra oportunidade.
A MB, segundo o vice-almirante Koga, está estudando uma versão de contramedidas de minagem do NPa500.

Marcelo

Acreditar na marinha é o mesmo que acreditar em papai noel .kkk

Fernando "Nunão" De Martini

Uau!
Esse comentário mudou a minha vida e de todos aqui no blog.

Bosco

Hoje esbarrei com um informe da Marinha do Brasil de 2014 onde ela previa que em 2023 o submarino nuclear estaria na água.
Ela tem 50 dias para fazer o serviço. rsss

Marcelo

A marinha na época tinha 200 milhões de dólares para gastar e tinha que escolher entre os aviões turbo trace ou 2 navios varredores suecos,a marinha escolheu pela compra dos aviões e sua modernização e todos ja sabe a merda que deu,perdeu o dinheiro e o projeto foi cancelado.

Augusto José de Souza

Ouvi dizer que os novos navios patrulha de 500 toneladas terão capacidade anti minas,se for verdade vai ser excelente.

Samuel Asafe

Agora só falta uma defesa de ponto com alta cadência. 20 drones turcos simultaneamente colocam uma fragata inteira inoperante, com qualquer exército de esquina podendo utiliza-los, isso é mais que urgente pra MB.

Willber Rodrigues

Desculpe a ignorancia da pergunta, mas…

Digamos que esse sistema detecte uma nuvem com níveis de radiação alta ao redor do navio. O que o navio irá fazer? Ele tem filtros pra isso? O interior dele é hermético? Há roupas anti-radiação pra todos os tripulantes?

Camargoer.

Olá Wilber. Não existem roupas anti-radiação. O que dá para fazer é usar uma roupa de proteção química inclusive com máscaras, que evita o contato da pessoa com substâncias radioativas. Então, em caso de acidente, a pessoa estará protegido. O que se faz é dar um banho com água e detergente sobre a roupa, com jatos de pressão. Dai a pessoa tira a roupa. Contra a radiação não tem proteção. E a carga é acumulativa. Se a pessoa é exposta uma quantidade de radiação hoje, isso fica registrado no corpo. Se receber outra amanhã, as duas se somam… isso para… Read more »

Willber Rodrigues

Mas o que eu queria saber é se as FCT’s tem sistemas fechados pra ar, se seu caso é hermético, se rodas as entradas de ar para interior do navio tem filtros, etc. Principalmente pra agentes patógenos

Last edited 7 meses atrás by Willber Rodrigues
Camargoer.

Boa pergunta. Eu acredito que sim o ambiente interno do navio seja hermético e que o ar passar por filtros. Talvez existam compartimentos com maior segurança. Lembro de um laboratório que trabalhei que tinha uma ante sala, onde tinha aqueles macacões descartáveis para vestir. A porta do laboratório só abria quando a porta da antesala estava fechada. Toda a circulação de ar passava por filros e a pressão interna da sala era um pouco maior que a externa. Então o ar sempre saia de dentro para fora, garantindo a limpeza do ambiente.

Souto

Boa noite Nunao sera que os navios varredores classe aratu vão durar ate que a MB construa os caça minas? Serão 4 navios adaptados para guere de minas?

Augusto José de Souza

Acredito que poderiam virar patrulhas para o grupamento do leste que possuem apenas dois Grajaú é uma corveta imperial marinheiro remanescente.

Fernando "Nunão" De Martini

Wilber,

Isso existe na MB desde as fragatas classe Niterói.

Os navios fecham todas as suas portas e escotilhas, a ventilação passa a fazer mais pressão de dentro para fora, impedindo a entrada de ar externo, e a renovação de ar passa por filtros.

Fagundes

Na minha opinião a questão de não existir roupa anti-radiação é preguiça regulatória .Tanto o chumbo é ductil, mas é pesado, então usa o estanho oras, como roupa é bem melhor que nada, e é mais leve.

IvanF

Olha as ideias… uma roupa de estranho! (mas pq estanho?) Penso que uma roupa para materiais perigosos “normal” já prejudica bastante a mobilidade, imagine uma com “placas” metálicas? E em casos específicos, existem sim proteções contra radiação. Por exemplo, se você já fez algum exame com raio X ou tomográfico, deve ter colocado elas. São até um pouco maleáveis! Agora imagina você ir pra guerra com uma roupa toda feita daquilo? Num dá, né? E só por curiosidade, nem só de chumbo se protege de radiação, só depende da espessura. Para uso industrial, por exemplo, podem ser utilizadas blindagens em… Read more »

Camargoer.

A radiação emitida por equipamento de raios X é baixa. Por isso, dá para usar aqueles coletes de chumbo. Um onda de radiação emitida por uma bomba atômica é milhares ou milhões de vezes mais intensa que uma fonte de raios X.

IvanF

Com certeza.
Inclusive descobri agora que fontes de césio 137 (como a que causou aquela acidente em Goiânia) não são mais usadas em tomógrafos, e sim fontes de raios X.

De qualquer forma, foi só um exemplo para mostrar como a proteção radiológica é complicada e muitas vezes inviável.

Camargoer.

Oi Ivan. Os feixes de raios X dos equipamentos de laboratório são produzidos a parir de filamentos de tungstênio, que emitem uma enorme quantidade de elétrons com alta energia. Estes elétrons são acelerados contra um alvo metálico (pode ser Cu ou outro metal como Mo). Quando estes elétrons acertam o alvo, geram muito raios X. Os alvos precisam ser resfriados com circulação de água fria. Para os laboratórios, o feixe de raios X passa por um monocromador para selecionar o comprimento de onda adequado. Para imagens de raios X, pode usar o feixe policromático mesmo. Eu não tinha me dado… Read more »

Last edited 7 meses atrás by Camargoer.
Camargoer.

Fagundes. O que bloqueia a radiação é a densidade do material. Quanto mais denso, mais efetiva é a barreira. Então, materiais densos podem ser mais finos. Materiais menos densos precisam ser mais espessos. O chumbo é um bom escudo contra radiação porque é denso. Como é denso, uma placa de chumbo também é pesada. O zinho, estanho, alumino são menos densos, então precisam de placas mais espessas. Dai ficam pesados. Dá para usar fibras de PET, fibras de algodão ou qualquer outro material. Como são pouco densos, precisam de espessuras muito grandes. Dai fica tudo pesado e enorme Materiais radioativos… Read more »

Fagundes

Obrigado pela informação tem coisa aí que não sabia, vou meditar sobre isso.

IvanF

Só uma observação, prezado Camargoer.
O tempo influi sim na contagem da dose de radiação recebida. De maneira simplificada, você pode ficar exposto por mais tempo a uma fonte de radiação de menor intensidade que de maior. Outros fatores também influem na contagem de radiação recebida, como tipo da radiação/fonte radioativa.

Existem limites máximos recomendados de dosagem (diários, mensais, anuais, etc.) que uma pessoa pode receber, versus a probabilidade de ter algum efeito induzido por ela.

Camargoer.

Olá Ivan. Acho que me expressei mal. O problema é a quantidade de radiação acumulada. Uma pessoa pode ficar exposta por muito tempo a uma fonte de radiação de baixa intensidade ou apenas alguns minutos a uma fonte de radiação de alta intensidade. A contagem é feita pela quantidade de radiação recebida. Outro problema é se uma pessoa recebeu uma elevada dose de radiação hoje, não adianta esperar um dia, ou uma semana para voltar a se expor com mais segurança. Por isso a exposição á radiação é contabilizadas pela quantidade recebida acumuladamente. Não se usa horas de exposição. Usa-se… Read more »

Antonio Cançado

Essas pobres fragatas já nascem mortas, coitadas, já que não dispõe de um sistema de autodefesa decente…
As novas Sa’ar, 6, da marinha israelense, deslocam metade da capacidade e são mil vezes melhor equipadas e armadas que essas porcarias dessas Tamandaré…

sergio 02

Sem contar que nem navios de guerra essas tamandaré parecem, são feias,quem ve pensa que e um rebocador, parecem gordas, sei la horríveis.

Snake

Ninguém se importa com o que vc disse🤣🤣🤣🤣

sergio 02

Se importa tanto que vc se deu o trabalho de responder kkkkkkkkkkkk

Augusto José de Souza

Tomara que venham mais lotes dessas fragatas Tamandaré e outros navios MEKO como o A-200 como fragatas pesadas e o A-300 também.

Antonio Cançado

Pra quê, exatamente?

Souto

Amigos existe possibilidade da MB encomendar mais duas fragatas Tamandaré?

Camargoer.

Sim. A previsão é que sejam contratadas as FCT F204 e F205 para serem construídas na sequência.

Isso é o planejado. Pode mudar.

Carlos

Prezados, fragatas Tamandaré sem defesa de ponto seria como os Gripen sem flare.

Uma ameaça de ataque aéreo é tão improvável assim aos meios navais em cenários de conflitos simulados?

Peço por favor orientação do Nunão, Vovozão e outros seniors iluminados deste nobre fórum naval.

Fernando "Nunão" De Martini

Carlos, não entendi sua questão. As especificações da classe Tamandaré incluem defesa de ponto.

Bosco

Carlos,
A defesa de ponto “hard kill” contra mísseis pode ser feita pelos mísseis CAMM (Sea Ceptor) e pelo canhão de 76 mm SR.
O canhão de 30 mm Sea Snake infelizmente não apresenta capacidade antimíssil mas é efetivo contra diversas ameaças (drones, embarcações, aeronaves lentas, etc.)
Infelizmente preteriram o canhão de 40 mm que tinha uma consistente capacidade antimíssil .
A defesa de ponto “soft kill” será baseada no C-Guard, de 130 mm.

Fernando "Nunão" De Martini

“O canhão de 30 mm Sea Snake infelizmente não apresenta capacidade antimíssil”

Bosco,

Acho que se a arma vier completa como descrito nesta apresentação do fabricante, terá boa capacidade antimíssil.

https://www.rheinmetall.com/Rheinmetall%20Group/Systeme%20und%20Produkte/Systeme%20fuer%20die%20Marine/Waffensysteme%20und%20Munition/RWM_Sea_Snake_30_LREdition2_en.pdf

Bosco

Nunão,

A cadência (1100 t/min) é baixa para uma arma de impacto direto contra mísseis , que são muito rápidos e pequenos.
O projétil de explosão programada (air burst) não funciona contra mísseis .
Seria melhor um de espoleta de proximidade ou AHEAD, mas ainda que houvesse o projétil é anêmico para a função antimíssil.
E não há integração do canhão com o radar de direção de tiro, que é mais apto a enfrentar mísseis.
Mas pode ser. Do jeito que as coisas estão evoluindo… como último recurso antes do salva- vidas. Rrsss

Fernando "Nunão" De Martini

“O projétil de explosão programada (air burst) não funciona contra mísseis .”

Por que?

Bosco

Nunão, Diferente do projétil com espoleta de proximidade o de explosão programada é programado para explodir numa dada distância da boca do canhão . O AHEAD ( do Millenium de 35 mm) é de “abertura ” programada, lançando vários projéteis que abrem e liberam as “submunições” num padrão cônico à frente do míssil criando um obstáculo físico à progressão dele. Já a munição de explosão programada de 30 mm espalha seus fragmentos num padrão esférico e tem que fazê-lo ao lado do alvo ou pouco à frente e contra um míssil rápido teria que ser atualizado a cada tiro pelo… Read more »

Last edited 7 meses atrás by joseboscojr
Fernando "Nunão" De Martini

Ok, obrigado pela explanação.

Alex Barreto Cypriano

O chato nessa quinquilharia é que ninguém explica direito os componentes e capacidades do sistema e nem mesmo faz comparações ponderadas. Todo combatente tem um monte de sistemas mas nunca sabemos bem se se trata de sistema estado-da-arte ou genérico ou semi-obsoleto. Segue o enterro.

Alex Barreto Cypriano

Outro off-topic: já viram como ficou o DDG-91 USS Pinckney com a instalação do SEWIP bloco III? Aqui:
https://www.thedrive.com/the-war-zone/destroyer-looks-radically-different-after-electronic-warfare-upgrade
Estraaanho, como diria minha sobrinha.

Burgos

Ficou “Bombada” essa Arleigh Burke aí heim ?!🤔💪

Dalton

Teve quem apelidou o USS Pinckney (DDG 91) como líder da classe “Dumbo” por causa do simpático elefantinho e suas enormes orelhas 🙂

Alex Barreto Cypriano

Simpático apelido. Pensei o mesmo quando vi.

Alex Barreto Cypriano

Muffin top apelidaram, caro Burgos.
comment image

Alex Barreto Cypriano

Off-topic:
‘look, mom, no gun!’ a proposta da Gibbs&Cox pra AusLF (Australian Light Frigate, com semelhanças aa Constellation Classe da USN) cujo deslocamento é igual ao da classe Tamandaré, só que com 16+16 vls cells (tactical and strike lenghts) e mais 24(!) NSMs a meia nau. Que legau, picapal!
https://www.navalnews.com/event-news/indo-pacific-2023/2023/11/gibbs-and-cox-unveil-australian-light-frigate/

Alex Barreto Cypriano

*lengths.

Burgos

Estranho 🤔
Sem o canhão da Proa, parece “pelada”, só que não.