A China exibiu sua capacidade de segundo ataque nuclear – a habilidade de revidar após um ataque nuclear inicial do inimigo – apenas dois dias antes da visita do Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, a Pequim e Xangai.

Na segunda-feira (22), a Marinha Chinesa (PLA Navy) divulgou imagens raras do lançamento de um míssil balístico JL-2 a partir de um submarino nuclear. O vídeo mostra a frota de porta-aviões de Shandong da China, incluindo quatro submarinos, durante um exercício simulado.

Perto do final do vídeo, um míssil balístico é mostrado sendo lançado depois que um narrador afirma que “o submarino chegou ao local de lançamento programado… e recebeu ordens para realizar um ataque fatal”.

Embora o vídeo não identifique o tipo de míssil ou submarino, o tabloide nacionalista Global Times disse na segunda-feira que o míssil no vídeo é o míssil balístico lançado por submarino (SLBM) JL-2, que foi exibido pela primeira vez durante um desfile militar chinês em 2019.

Com um alcance de 7.400 km (4.600 milhas), o JL-2 se tornou o primeiro dissuasor nuclear marítimo crível da China quando foi desdobrado em submarinos nucleares Type 094A em 2015.

SSBN Type 094A e SSN Type 093 da PLA Navy
SSBNs Type 094 assinalados na imagem

Comparado aos mísseis baseados em terra, os SLBMs geralmente permitem uma maior chance de sobreviver a um ataque inicial do inimigo e realizar um segundo ataque.

O JL-2, se operado no meio do Oceano Pacífico, é capaz de ameaçar alvos na metade ocidental dos Estados Unidos continentais, bem como no Havaí e no Alasca, e pode ameaçar alvos na costa leste dos EUA se desdobrado a leste do Havaí, segundo um relatório anual do Pentágono sobre o poder militar da China publicado no ano passado.

O vídeo foi lançado para celebrar o 75º aniversário da Marinha Chinesa e foi divulgado pouco antes da visita de Blinken à China, que começou na quarta-feira. Durante sua estadia no país, ele se encontrará com altos funcionários chineses em Xangai e Pequim e discutirá questões que vão desde a guerra na Ucrânia até o Mar do Sul da China.

 

O vídeo mostra um exercício simulado entre dois grupos de porta-aviões, incluindo um liderado pelo Shandong, o segundo porta-aviões da China, que foi lançado em 2017.

As imagens são a primeira confirmação de que o grupo de ataque do porta-aviões Shandong inclui pelo menos quatro submarinos, incluindo um nuclear.

O vídeo mostra os três submarinos realizando missões de “cobertura”, com um deles lançando um veículo subaquático não tripulado antes que um quarto submarino nuclear lance o míssil com sucesso.

De acordo com o relatório do Pentágono, a Marinha Chinesa opera agora seis submarinos movidos a energia nuclear com mísseis balísticos (SSBN), seis submarinos de ataque movidos a energia nuclear e 48 submarinos de ataque movidos a diesel ou com propulsão independente da atmosfera.

Os SSBNs da classe Jin Type 094 da China também podem desdobrar o SLBM JL-3, o que permitiria que um dos submarinos armados com este míssil mirasse partes dos EUA continentais a partir das águas chinesas, disse o relatório.

VÍDEO: Lançamento do SLBM JL-2

FONTE: South China Morning Post

VEJA TAMBÉM:

Blinken discute com a China sobre apoio à Rússia e excesso de capacidade industrial

Relações China-EUA: Xi Jinping se encontra com Blinken e pede aos EUA que sejam parceiros e não rivais para o ‘sucesso mútuo’

 

Subscribe
Notify of
guest

9 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
André Sávio Craveiro Bueno

Homo sapiens ou homem sábio. A questão é saber usar a sapiência para o bem coletivo. Se isso é difícil para o homem, então ele não é sábio.

Alex Barreto Cypriano

O que, portanto, justifica a estupidez de acumular poder destrutivo além do razoável e de usa-lo sem escrúpulos. Lamentações morais têm o triste defeito de levarem a conclusões e consequências antitéticas justamente pela neutralização prévia da moral.

André Sávio Craveiro Bueno

Nada justifica, a não ser a estupidez. E essa, por si só, é uma das maiores “virtudes” humanas.

André Macedo

Muitas invenções militares foram e são usadas para uso civil, como a própria internet, mas fico imaginando o quão longe estaríamos social e cientificamente se não houvesse a necessidade de gastar ou investir em armas.

Last edited 1 mês atrás by André Macedo
André Sávio Craveiro Bueno

Exato. A humanidade fracassou.

Talisson

A primeira imagem: “missil tem que ser pontudo, pra botar medo”, Sasha Baron Cowen.

ChinEs

Até 2035 ou antes disso a China terá no seu estoque 1500 ogivas nucleares, sendo o terceiro maior arsenal nuclear apenas abaixo da Rússia com 7700 ogivas e dos EUA com 7400, mas com a vantagem de serem ogivas mais novas e com as mais recentes tecnologias, a China vai contar com uma frota de 14 SSBN , sendo 6 Type 096 de 15750 toneladas e 8 Type 094 de 12000 toneladas, totalizando um estoque de 192 SLBM JL-2 ou JL-3 com capacidade de transportas 3 MIRVs por cada Míssil. O Arsenal Chinês vai desiquilibrar completamente as forças dos EUA… Read more »

Felipe

Em relação aos EUA pode somar o arsenal do Reino Unido , da França, até de Israel, países que numa guerra total estariam do lado deles e possuem armas nucleares.

André Bueno

De uma forma ou de outra, inclua Índia e Paquistão.