O Naval Group, Chantiers de l’Atlantique e Technicatome foram notificados para serviços de longo prazo, nomeadamente propulsão nuclear, para o porta-aviões de nova geração da França (PANG).

Desta forma o grande parque industrial francês começa a ser mobilizado. A entrada no serviço ativo do novo porta-aviões está planejada para 2038.

O Programa de Porta-Aviões de Nova Geração (PANG) é um projeto ambicioso da França, que visa modernizar sua capacidade naval e assegurar sua presença como uma potência marítima no século XXI. Este novo porta-aviões vem para substituir o Charles de Gaulle, único porta-aviões da Marinha Francesa e o único de propulsão nuclear fora da frota dos Estados Unidos.

O PANG está sendo desenvolvido para ser maior e mais capaz do que seu antecessor. Enquanto o Charles de Gaulle desloca cerca de 42.000 toneladas, o novo porta-aviões terá um deslocamento estimado de cerca de 75.000 toneladas, proporcionando uma plataforma substancialmente mais robusta e versátil para projeção de força. O projeto é uma resposta às crescentes necessidades de uma marinha que opera globalmente, com capacidades que permitirão à França manter e projetar seu poder naval em qualquer região do mundo.

O porta-aviões de nova geração será equipado com uma variedade de aeronaves, incluindo a próxima geração de caças, provavelmente uma versão navalizada do futuro caça FCAS (Future Combat Air System), que está sendo co-desenvolvido com a Alemanha e a Espanha. Além disso, espera-se que o PANG possa operar drones e outras aeronaves de vigilância, ampliando suas capacidades de comando e controle, vigilância e reconhecimento.

O design do PANG será marcado por tecnologias de ponta, incluindo sistemas de defesa aprimorados, automação extensiva e talvez até mesmo elementos de inteligência artificial para auxiliar em operações de combate e análise de dados. O foco estará em maximizar a eficiência operacional e a eficácia em combate, garantindo que o porta-aviões possa enfrentar as ameaças modernas em ambientes marítimos desafiadores.

Subscribe
Notify of
guest

39 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Franz A. Neeracher

Curioso para saber qual será o nome…..arrisco em “Richelieu”.

Luterano

eu arriscaria: Napoleão, o derrotado!

Underground

“Napoleão” foi o primeiro navio a vapor.

Allan Lemos

Foram precisas 7 coalizões de potências para derrotar Napoleão e ele limpou o chão com 5 delas.

Tutor

É para França pós 2038?! Então pode apostar, o nome desse porta-aviões será Mohamed.

Last edited 2 meses atrás by Tutor
Wesley Oliveira

Resposta precisa, pena que alguns não estão prontos para essa discussão.

Fábio CDC

Uma triste verdade. Quem planta colhe.

Comenteiro

Mohamed Ali? Muito boa escolha.

Burgos

Vou abrir e devo ser negativado, mas não tou nem aí !!!
Bem que o Charles de Gaulle podia ser arrendado pela MB, claro, após ser revitalizado e recarregado o reator pela França, navegaria por mais 15/20 anos por aqui após sua baixa por lá.
Calma aí !!!
É só uma ideia !!!
O único problema só vai ser pra achar um nome ou sobrenome de alguma autoridade Francesa ou descendente de grande vulto que teve passagem pelo Brasil ou pela MB ou Governo Brasileiro.😏

Last edited 2 meses atrás by Burgos
Dalton

Burgos o “CDG” precisa ser “reabastecido ” a cada 8 anos, quando também se aproveita para fazer uma manutenção mais complexa, a previsão é que isso será feito uma última vez por volta de 2027/2028 com duração prevista de quase 2 anos retornando em 2029 2030, para cumprir seus últimos 8 anos e ser substituído. . Teoricamente um novo “reabastecimento” e manutenção complexa poderia ser feito mas isso não asseguraria outros 15/20 anos e seria caro demais e não acho que haverá condições dentro de apenas 15 anos para se pensar em um NAe ainda mais “nuclear” e uma Ala… Read more »

Burgos

Então !!!
No caso reabastecimento se ele fosse nosso voltaria a França e faria outro reabastecimento ou os engenheiros técnicos franceses acompanharia no Brasil essa faina e ensinaria os nossos aqui a dominar essa tecnologia que acharia pouco provável eu apostaria na 1ª opção 👍

Dalton

Aposte pouco meu amigo porque irá perder. A França assim como os EUA com o “Enterprise” terá uma boa dor de cabeça para se desfazer do “CdG” e não será barato também.

Paulo

O dinheiro está sobrando…

Henrique

Não tem dinheiro pra patrulha imagine pra manter o aluguel de um PA nuclear

Augusto José de Souza

Só pelo fato de ser movido a energia nuclear impede qualquer exportação para outro país a não ser que seja possível substituir o reator nuclear por algum motor convencional diesel elétrico e se a MB tiver uma escolta descente com bastante fragatas,corvetas e submarinos,pode ser cogitado como compra de oportunidade junto ao Rafale M para a aviação naval,mas isso só lá para frente.

Dalton

O “CdG” será estripado para a retirada dos reatores, nem em sonho compensaria
reconstrui-lo com nova propulsão e o Rafale M diferente dos A-4s adquiridos do
Kuwait estarão bem usados após serem retirados de serviço na década de 2040
e apenas a Índia encomendou novos dessa versão naval.

Rodolfo

Nao existe a menor condição. O reator já vai estar no fim da vida, dura ao redor de 50 anos entao ao redor de 2045 o barco vai estar “morto”.
A MB já teve que afundar na costa uma embarcação cheia de amianto. Imagina entao lidar com um reator nuclear em fim de vida.

Underground

Diferenca entre países: enquanto alguns têm projeto de longo prazo, outros não conseguem se programar para o ano seguinte e quando o fazem, tem alguma coisa errada.

PACRF

Será um belíssimo porta-aviões, além do poder de ataque/defesa e da capacidade de vigilância, tem um design impecável, padrão francês. Primeira vez que leio sobre a concepção de plataforma específica para operação de drones em um porta-aviões.

Iran

Os turcos planejam produzir um pequeno porta-aviões para operar caças leves e drones tbm.

Sergio

2038, projeção de poder na América do Sul

Horacio

África

Iran

Não entendi o porque o seu comentário foi tão negativado, projeção de poder francesa serve essencialmente para manter a França dentro da África, que é da onde ela tira as matérias primas baratas, em segundo lugar América do Sul.

Rodolfo

A França ainda tem um imperio maritimo global com territorios nas Americas, Caribe, Índico e Pacifico. Ter apenas um porta aviões nuclear parece ser insuficiente pra segunda maior ZEE do mundo depois da americana.

Dalton

Assim como no “CdG” o novo NAe terá catapultas, maquinário e cabos de retenção de aviões de modelo americano já que não valeria a pena investir em projetos nativos para apenas 1 NAe e os 3 E-2C adquiridos dos EUA e também modernizados lá, serão substituídos por 3 E-2D que servirão inicialmente no “CdG”.
.
O novo caça em desenvolvimento irá operar inicialmente com o Rafale M provavelmente um esquadrão de cada como aconteceu na década passada quando se tinha um esquadrão de Super Etendard e um de Rafale M.

Leandro Costa

Acho que o importante agora é a MB não entrar junto nessa.

Rodolfo

Pode ficar sussa que nao tem dinheiro pra isso. Um PA nuclear vai custar varias vezes mais que o Sub Nuc que a MB nao consegue completar.

MAICON

Olha não duvido nada que o brasil esteja esperando esse porta aviões Charles de gaulle ser descomissionado para comprar e se incomodar igual foi com o são Paulo

Rodolfo

O reator vai ta no fim da vida quando for de comissionado pela Marine Nationale.

Dudu

Não entendo a Franca: Ela investe bilhões de euros em projetos militares que em matéria de sofisticação e destrutividade que são líderes, mas não investe em quantidade. Tomemos como exemplo o atual porta avioes, Charles De Guaele, o único nuclear fora da marinha do EUA. É uma arma formidável que transporta o melhor caça embarcado de todos, o Rafale Marine. Mas só fez 1. Quando no mínimo deveriam ter feito uns 3 ou 4.

Franz A. Neeracher

Não é assim tão simples…..dinheiro x necessidade!!

Dalton

Melhor caça embarcado é opinião pessoal, o novo F-35C e o Super Hornet Block III ambos sendo agora gradativamente introduzidos não deixam nada a desejar, de qualquer forma se tem apenas 44 Rafale M dos quais normalmente 20 embarcam no “CdG”.
.
O orçamento militar francês – a realidade – permite apenas adquirir e manter 1 NAe de propulsão nuclear.

Machado

03 ou 04 acho exagerado. Um número condizente seria 02. Assim sempre teria um em operação enquanto o outro para pra fazer manutenção.

Iran

Operar 3-4 porta aviões nucleares com cada um operando cerca de 40-50 aeronaves é completamente fora da realidade, só existem dois países no mundo que conseguem operar mais de 2 porta-aviões, EUA e China, e só eles tem necessidade pra isso tbm. Vale ressaltar que a França está em recessão econômica, o que torna ainda mais inviável algo do tipo.

Turatteu

É interessante pensar na diferença de abordagem entre os franceses e os britânicos. Um porta aviões só melhor ou dois menos sofisticados para garantir sempre a presença de um nos mares?
No fim, talvez a vantagem para o britânico se dê na sua ala aérea.

Rodolfo

A Royal Navy provavelmente nao vai operar o segundo que vai acabar na mao de algum outro interessado e que possa operar F35C. Nao duvido que acabe na Marinha Japonesa ou Australiana.
A França tem a segunda maior
ZEE maritima depois dos EUA pois tem territorios espalhados em todos oceanos. Ter um PA nuclear apenas parece ser insuficiente.

Turatteu

Duvido fortemente, ainda mais após 2022, que o segundo QE sairá da Royal Navy. O Japão pura e simplesmente não poderia adquirir devido, principalmente, ao nome do brinquedo. A Austrália não tem cacife pra essa brincadeira. Aliás, nenhum dos dois citados precisam de um PA de segunda mão. O Japão com a classe Izumo e os F-35B já pode se virar muito bem, por exemplo. Um PA nuclear só tem o problema da disponibilidade para a França, mas tem a vantagem de poder percorrer longas distâncias sem se preocupar com combustível, o que tem lá sua lógica para um país… Read more »

Alex Barreto Cypriano

Acredito que dois K-22 no PANG só entreguem 27 nós, como também os dois K-15 no CDG… Algo nas especificações não bate, mas enfim…

GuiBeck

Caros, só eu que acho ridículo aquele chapeuzinho dos sensores ??? Putz, aquilo estraga todo o design do bicho. Claro que é irrelevante, mas….. hehehehe só zoando