hms-daring-em-portsmouth-foto-royal-navy

Novidade na Marinha Real: o sistema de mísseis de defesa de área dos Type 45 agora atende pelo nome de Sea Viper

Nos discursos da cerimônia realizada nesta quarta-feira, 28 de janeiro, e que marcaram a chegada do primeiro destróier Type 45 à sua base definitiva da Marinha Real Britânica – Royal Navy, o almirantado anunciou uma novidade:  o novo nome do PAAMS (Principal Anti Air Missile System), o sistema que opera os mísseis Aster de defesa de área que equipam a classe.

O sistema recebeu a denominação  “Sea Viper”, mantendo uma tradição que vinha de sistemas anteriores como o “Sea Slug” (dos destróieres classe County, que também chegaram a operar o “Sea Cat“) e o “Sea Dart” (dos Type 42 que serão substituídos). A cerimônia marcou a primeira vez, em mais de 30 anos, que uma nova classe de destróieres da Marinha Real é recebida em Portsmouth. O navio, que já passou por uma série de testes a partir da base de Clyde, de onde saiu,  passará o resto do ano realizando novas provas, com previsão de ser aceito formalmente para o serviço somente no final de 2010.

hms-daring-em-portsmouth-operations-room-foto-royal-navy hms-daring-em-portsmouth-2-foto-royal-navy

Fonte e fotos: Royal Navy

About Fernando "Nunão" De Martini

View all posts by Fernando "Nunão" De Martini

27 Responses to “HMS Daring e “Sea Viper” chegam a Portsmouth” Subscribe

  1. MarceloRJ 30 de janeiro de 2009 at 12:10 #

    Se inveja matasse, hehehehe!!!

  2. Edilson 30 de janeiro de 2009 at 13:02 #

    Sinceramente caro Marcelo RJ.
    eu hoje tenho mesmo é inveja dos Koreanos, o SEYONG o grande é monstro, eu já nutria uma admiração pelo ATAGO, mas os Koreanos para mim já o superaram.
    não sou especialista, mas dizem por aqui na Europa que a melhor escolta Anti-aérea é classe F-100 espanhola, seguida das Dezeven provincien(meu sonho), e só dai viriam as Daring, entretanto creio que sua majestade não é tão tola assim para lançar ao mar um navio 10 anos mais novo que a F-100 e ainda sim ela ser inferior…
    com a palavra os especialistas do Blog…

  3. Luis Augusto 30 de janeiro de 2009 at 13:03 #

    O Brasil com 08 dessas, já era um bom começo!!!

  4. Alfredo_Araujo 30 de janeiro de 2009 at 14:35 #

    Luis Augusto em 30 Jan, 2009 às 13:03
    O Brasil com 08 dessas, já era um bom começo!!!

    Nem a Inglaterra terá 8 dessas… Nós entao….

    Ficariamos felizes com as T-22 b-3

  5. Paulo 30 de janeiro de 2009 at 15:15 #

    Boa tarde à todos!!

    Realmente seria um sonho ter algumas delas!! Só me falta agora a MB está de olho nas type 42 que seram substituídas, que já faz parte de nossa marinha, ter navios de 2º mão.

    Abraços

    Paulo

  6. Excel 30 de janeiro de 2009 at 15:51 #

    Não entendo o desinteresse da Grã Bretanha por sua frota naval. Já foi um dos mais poderosos do mundo, mas hoje está muito aquém do que já foi. Será falta de dinheiro? Alguém aí sabe o motivo?

  7. Radical_Nato 30 de janeiro de 2009 at 16:43 #

    Eles tem submarinos nucleares…

    SDS.

  8. Raphael 30 de janeiro de 2009 at 16:58 #

    Excel, falta de dinheiro e falta de um adversario.

    Os type 45 sabem ser feios, e pela tonagem sao bem mal armados.

  9. Jacubão 30 de janeiro de 2009 at 17:30 #

    Êita navio feio que só a p…

  10. Nimitz 30 de janeiro de 2009 at 17:39 #

    É feio, mas pode derrubar tudo que voa.

  11. Ulisses 30 de janeiro de 2009 at 18:43 #

    Excel e amigos.

    Os Ingleses há muito tempo já não são os grandes gênios navais,bons tempos para eles eram os dos Dreadnoughts,que foi um dos maiores sucessos navais da história.Mas hoje eles fazem esforço para construir 6 Type 45 e ainda com alcance limitado e sem armas ASW.

  12. Luis Augusto 30 de janeiro de 2009 at 20:46 #

    Alfredo_Araujo em 30 Jan, 2009 às 14:35
    Luis Augusto em 30 Jan, 2009 às 13:03
    O Brasil com 08 dessas, já era um bom começo!!!

    Nem a Inglaterra terá 8 dessas… Nós entao….

    Ficariamos felizes com as T-22 b-3

    Alfredo_Araujo eu realmente tenho noção disto, mais não custa sonhar né!!

  13. Vassili Zaitsev 30 de janeiro de 2009 at 21:37 #

    Resistance!

  14. Excel 30 de janeiro de 2009 at 22:21 #

    Caros Raphael e Ulisses,
    Obrigado por seus comentários.
    Acredito que a Grã Bretanha está dependendo demasiadamente dos EUA para os seus assuntos militares. Me lembro que a indústria de aviação militar da Grã Bretanha foi simplesmente sacrificado por pressão dos EUA que os obrigou a adotar os seus aviões em vez dos produzidos localmente. Será que a indústria militar naval deles vai pro mesmo brejo??
    Abraços !!!

  15. Dalton 30 de janeiro de 2009 at 22:30 #

    Excel !

    Uma mente inquiridora quer saber: o que vc quer dizer com pressao para adotar avioes?????

    A RAF está adotando o Typhoon…e antes teve tornados, harriers, etc…

    Que els dependem dos EUA,,,sim, por falta de dinheiro, até os misseis balisticos tridents eles emprestam dos americanos para equipar seus submarinos…

    Mas…os avioes;…repito…uma mente inquiridora quer saber…

    abraços

  16. Excel 2 de fevereiro de 2009 at 14:50 #

    Caro Dalton,

    Sua mente inquiridora terá a curiosidade saciada: Estou basicamente falando que atualmente a Grã Bretanha não desenvolve mais os seus próprios aviões dependendo de outros para criá-los. Bom exemplo disso é a lista de aviões que você citou, dos quais apenas o Harrier é genuinamente britânico, os outros são desenvolvimentos em parceira com outros.

    Fazendo uma retrospectiva dos aviões britânicos vê-se que eles fabricava ótimos aviões, mas os seus aviões mais recentes são norte-americanos ou parcerias com outros países.

    O TSR-2 é um bom exemplo da grande capacidade dos britânicos, mas que infelizmente foi abandonada por pressão norte-americana. Eles tem capacidade tecnológica de sobra para construir os seus próprios aviões mas não os fazem, por que será?

    Um abraço !!!

  17. Dalton 2 de fevereiro de 2009 at 15:29 #

    Excel !

    Em minha modesta opiniao, uma marinha que planejava obter 12 destroyers T-45 , teve que contentar-se com 6.

    Queria 12 submarinos Astute, para substituir na razao 1/1 seus Trafalgars e Swiftsure, contentou-se com 6, talvez 7, sem falar no atraso da produçao de varios anos. O primeiro ainda nao está em serviço !!

    Aposentou o porta-=avioes Invincible antes do prazo e aposentou todos os sea harriers ficando sem aeronaves de asa fixa.

    Mal está conseguindo manter suas forças no Iraque e Afeganistao.

    nao sei se concorda comigo, mas acredito que a falta de verbas e nao necessariamente pressao dos EUA é responsavel por procurar parcerias. Ter conhecimento tecnologico apenas nao basta, devido aos preços absurdos dos armamentos.

    abraços

  18. Excel 2 de fevereiro de 2009 at 18:02 #

    Dalton,
    É pode ser que seja isso mesmo, mas é que não consigo entender como um país rico como eles podem estar assim tão mal financeiramente para reequipar as suas forças armadas.
    Talvez eu tenha esperado demais deles. Sei lá.
    Um abraço para você também !!!

  19. muscimol 7 de maio de 2009 at 1:52 #

    Os estaleiros Britanicos antigamente construiam navios para serem os melhores do mundo, hoje os mesmos estaleiros constroem navios para encher os bolsos dos gestores dessas empresas….problema de capitalizacao bolsista …a Margaret Thatcher destruiu a industria Inglesa …quer de construcao naval quer de transportes, etc etc.
    Tudo o que se constroi hoje em dia no UK e mais caro e nao de melhor qualidade!!

  20. Cleiton 18 de fevereiro de 2010 at 15:59 #

    Em tempo de paz as coisas correm desse jeito mesmo o investimento na marinha britanica é médio , agora é só Londres ser atacada por algum estado beligerente q ais coisas mudarão totalmente de figura e outro detalhe muito importante a qualidade dos equipamentos militares é muito importante mais pra q possam ser usados com toda sua eficiencia tem q ter 1 tripulacão muito bem treinada coisa q na royal navy há em abundançia!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  21. bob 19 de agosto de 2010 at 21:05 #

    alguns criticam a royal navy por isso e aquilo só q os tempos mudaram xará,é só algum engraçadinho tentar tomar as malvinas pra ver o q acontece!!!!!!!!

Trackbacks/Pingbacks

  1. Após 28 anos, HMS Sothampton deu baixa - 13 de fevereiro de 2009

    […] 42 estão dando baixa e sendo substituídos pelos contratorpedeiros da classe Tipo 45. O HMS Daring chegou a Portsmouth no último […]

  2. Notícias da Royal Navy: assinado contrato dos radares de longo alcance dos novos porta-aviões… - 15 de fevereiro de 2009

    […] Marinha Real noticiou que um segundo teste do sistema Sea Viper, que até recentemente era denomidado na grã-bretanha como PAAMS – Principal Anti-Air Missile […]

  3. Classe Andrea Doria, a ‘Horizon’ italiana - 27 de março de 2009

    […] saindo do programa em abril de 1999 para continuar desenvolvendo seu próprio projeto, o destróier Type 45, que tem muitos pontos em comum com a fragata “Horizon”. A França e a Itália continuaram […]

  4. Poder Naval Online visita a Forbin - 29 de março de 2009

    […] do Centro de Operações de Combate é realmente impressionante, muito parecida com o do Type 45 da Royal Navy, inclusive o formato dos consoles e disposição dos displays. O COC é muito […]

  5. HMS Daring é comissionado na Royal Navy - 24 de julho de 2009

    […] HMS Daring e “Sea Viper” chegam a Portsmouth […]

  6. DCNS completa 100º módulo lançador Sylver - 14 de setembro de 2009

    […] HMS Daring e “Sea Viper” chegam a Portsmouth […]

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Fornecedores nacionais do Prosub

Scorpène - Tunku Abdul Rahman

Respondendo à questão do leitor Oganza, segue anexa a lista de itens que a Marinha do Brasil pretende nacionalizar no […]

Mensagem do Comandante da Marinha insiste no Prosuper mas é discreta sobre meios navais

Esquadra A12

Roberto Lopes Autor do livro “As Garras do Cisne” Exclusivo para o Poder Naval Os 38 minutos da Mensagem de […]

Lançamento do livro ‘Monitor Parnaíba – 75 anos’, no dia 19 de dezembro, em São Paulo

Livro Monitor Parnaíba - 75 anos -  Capas - WEB

A editora Aeronaval Comunicação, que produz a revista Forças de Defesa, está lançando a primeira edição do livro “Monitor Parnaíba […]

Amazul assina contrato com a Mectron para projeto do IPMS do submarino de propulsão nuclear

Submarino com propulsão nuclear Álvaro Alberto

No mês de dezembro, a Amazônia Azul Tecnologias de Defesa S.A. (Amazul) assinou um contrato com a Mectron para o […]

Compre sua revista Forças de Defesa 12ª edição

Forças de Defesa 12 - capa e miolo 2 - destaque

Saiu a Revista Forças de Defesa 12ª edição, com 120 páginas! a versão impressa está disponível para compra pela Internet e […]