Home História Guerra das Malvinas: o confronto aeronaval em gráficos

Guerra das Malvinas: o confronto aeronaval em gráficos

3869
96

malvinas1

faa-versus-rnrafA Guerra das Malvinas (ou Falklands), ocorrida em 1982 entre a Argentina e a Inglaterra, colocou em evidência a importância e a interdependência do Poder Naval e do Poder Aéreo.

Ficou demonstrado que navios de guerra e aviões de ataque têm vantagens e desvantagens no cumprimento de suas missões: navios se deslocam a 500 milhas por dia e aeronaves de ataque a jato a 500 milhas por hora, mas enquanto as aeronaves só podiam cumprir suas missões num período de horas, navios e submarinos permaneceram na área de conflito durante semanas.

A superioridade naval da Inglaterra quase foi colocada em xeque pelo poder aéreo argentino, mas a aviação embarcada britânica garantiu a superioridade aérea, mesmo com aeronaves de combate subsônicas (Sea Harrier) enfrentando jatos supersônicos (Mirage, Dagger). Mais uma vez o navio-aeródromo teve papel decisivo na história e por pouco, o NAe argentino 25 de Mayo, não conseguiu atacar o corpo principal da Força-Tarefa britânica.

O melhor treinamento dos pilotos ingleses e seu armamento (míssil ar-ar AIM-9L Sidewinder) possibilitaram 21 kills em combate aéreo.
ara-versus-royal-navy-subsOs submarinos nucleares da Royal Navy, por sua vez, garantiram a zona de exclusão em torno das Ilhas Malvinas e obrigaram a Armada Argentina a se refugiar nos portos, depois do afundamento do cruzador General Belgrano.

O único navio argentino a operar até o final do conflito foi o submarino IKL-209 San Luis, que foi caçado sistematicamente pelos navios e aeronaves de patrulha britânicos, mas sem sucesso.

O míssil antinavio AM39 Exocet foi uma das armas de destaque do conflito e se os argentinos tivessem mais mísseis disponíveis, o conflito poderia ter tomado um rumo diferente.

ara-versus-royal-navy

ara-versus-royal-navy-losses

ARTE: Planeman

Subscribe
Notify of
guest
96 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Gustavo
Gustavo
11 anos atrás

e se no lugar da Argentina fosse o Brasil? quem ganharia???

Dalton
Dalton
11 anos atrás

Complicado…vc sugere entao que as Falklands estariam mais ao norte, ao nivel do Rio Grande do Sul para termos pretensões sobre elas, é isso?

abraços

AMX
AMX
11 anos atrás

Não é por nada.
Mas, só acho que poderiam melhorar as asas dos A-4.
Parecem até Mirage.
De resto, o trabalho é ótimo!
Abraços.

Alfredo_Araujo
Alfredo_Araujo
11 anos atrás

Imagino como seria o continuar dessa guerra se a Argentina conseguisse destruir ou “afugentar” essa força tarefa britanica…

Será q a Inglaterra apelaria para ataques a infra-estrutura argentina… ou até quem sabe após uma vitória dessas, os soviéticos ofereceriam apoio a Buenos Aires…

Seria interessante se a Argentina vencesse essa guerra…

Nimitz
Nimitz
11 anos atrás

Impressiona a quantidade navios britânicos perdidos e avariados. Se a ARA tivesse partido para um confronto clássico em águas azuis, poderia causar ainda mais perdas à RN, pois quase todos os seus navios tinham Exocet MM38.

Jacubão
11 anos atrás

A Argentina não lançou sua esquadra na guerra porque sabia que o risco de perder um grande número de navios era imenso, pois existia vários submarinos nucleares na área, mas apesar disso, os Argentinos não souberam ganhar a guerra, como relataram os própios inglêses.
Galante, enviei novamente um email p/ vç, não sei se está havendo algum problema no envio ou o problema está sendo eu mesmo, rsrsrsr, pois sou meio burrinho em informática.
Um abraço a todos

dumont
dumont
11 anos atrás

Nimitz, seria realmente interessante, acho que a ARA teria perdas maiores mas o esforço inglês não seria capaz de dar conta da continuidade dos combates. Por outro lado as perdas argentinas seriam choradas por longo tempo. Acho que a guerra das Malvinas (ou Falklands para os vitotiosos) uma das guerras mais interessantes que já aconteceram. Isso porque ficou claro que boa doutrina, bom treinamento podem (poderiam) fazer frente ao gap tecnológico. Na linha do Nimitz, o que teria acontecido se 90% das bombas lançadas pelos A4 tivessem explodido (e não ~50%)? Qual seria o desfecho se o San Luis tivesse… Read more »

RL
RL
11 anos atrás

Poxa, chega a ser grotesca a diferença dos navios britanicos afundados ou seriamente danificados e no entanto a Inglaterra ganhou o conflito pela supremacia aérea.

Vai entender.

Lecen
Lecen
11 anos atrás

Fico muito feliz pela Grã-Bretanha ter vencido a guerra.

Uma ditadura latino-americana atacou e conquistou território britânico. Muito justo e correto foi a consequente retaliação por parte de uma monarquia parlamentarista democrática.

Acho graça isso, os argentinos ficam choramingando alegando que as Malvinas pertencem a eles, quando na realidade, o arquipélago nem chegou sequer a ser ocupado efetivamente pelos mesmos. Aliás, a Argentina conseguiu o território que hoje tem somente no final do século XIX, ao aniquilar os índios na “Conquista do Deserto”.

Choram por algo que nunca lhes pertenceu.

Vassili Zaitsev
Vassili Zaitsev
11 anos atrás

Dumont, Vc não explicou bem esse seu ponto de vista. Vento reinante existia. O que faltou foi o ARA 25 de Mayo alcançar velocidade suficiente para lançar os A-4. Os motores dele não permitiam que ele alcançasse a velocidade necessária. Estavam por demais de desgastados. Os pilotos do CANA eram os mais bem treinados em interdição marítima. Já os da FAA, tiveram que aprender na marra,e descobriram o quão difícil era conseguir atacar um navio em movimento, e mais, manobrando à toda velocidade. Isso sem falar das bombas, que eram bem velhas. Como consequencia, diversas falharam. Hoje, finalmente consegui pegar… Read more »

André C.
André C.
11 anos atrás

A Inglaterra ameaçou lançar um ataque nuclear contra Cordoba ,se os Franceses não entregasem os codigos do AM39 Exocet

Flávio
Flávio
11 anos atrás

Sempre me interessou muito os assuntos relacionados a guerra das Malvinas/Falklands , pela proximidade com o Brasil e por ter sido uma guerra naval pós II guerra mundial e no período da guerra fria.

O antigo livro “Aviões de guerra”, vendido em fascículos nas bancas, tinha artigos muito legais sobre essa guerra.
Parabéns ao blog pelo excelente trabalho.
sds.

Roberto
Roberto
11 anos atrás

Lembro-me da notícia do destróier Sheffield,navio de guerra britânico que ardia no estreito de San Carlos após um ataque aéreo de aeronaves argentinas.A participação do Embraer EMB-111 Bandeirulha foi fundamental para diversos destes ataques.

sds!

angelo
angelo
11 anos atrás

Não entrando na discussão sobre quem tinha razão no conflito, concluo que não adianta investimentos em “armas importadas”, pois na hora “H”, ficamos ao sabor da política. Uma nação só é respeitada e temida se possuir armamento nuclear. O resto é usado para desfiles e para dar assuntos a nós, apaixonados por assuntos militares. Por que acham que os EUA nunca atacaram a Coreia do Norte? Razões políticas, envolvimento em outras guerras, etc. Tudo bem. Mas aquela bombinha coreana, que a gente nem sabe a capacidade ou tecnologia, cumpriu seu papel de frear o ímpeto intervencionista americano.

Dalton
Dalton
11 anos atrás

Angelo!

A Venezuela nao possui bomba atomica e nem por isso foi invadida pelos EUA.

O medo que os EUA tem da tal bomba coreana, é que ela possa acabar em maos erradas, como terroristas por exemplo, e nao sao apenas os EUA preocupados com isso nao, a Europa também está.

Henrique
Henrique
11 anos atrás

Olhando os gráficos vejo que os Argentinos se superaram ao causar o número de baixas e avarias na esquadra britânica. Pelo que me lembro estes não tinham sequer dez Exocets e fizeram o que fizeram, o resto foi com bombas burras lançadas na cara e na coragem pelos seus pilotos. Imaginem se os Argentinos tivessem em sua força aérea os recursos que os Iraquianos tinham na primeira guerra do Golfo…. teriam aniquilado a esquadra inglesa e os EUA seriam forçados a entrar no conflito… Uma pena que tantos jovens morreram por puro desespero de um ditador querendo prolongar o regime… Read more »

Dalton
Dalton
11 anos atrás

André …

Os franceses pelo visto nao entregaram os tais codigos, mesmo com esta ameaça de bombardear Cordoba, pois o HMS Sheffield foi atingido pelo missil, alem do mais os argentinos tinham apenas uma meia duzia só.

sds

Túlio Fernandes
Túlio Fernandes
11 anos atrás

Lecen, temos que ver o nosso interesse nesse conflito. O que seria melhor, a vitória da Inglaterra ou da Argentina? Eu digo que seria melhor a Argentina ter ganho, pois teríamos um vizinho que passaria a ser respeitado e reconhecido internacionalmente, e isso só nos fortalece porque eu qualquer outra crise, sempre lembrariam da surra que los hermanos deram nos ingleses. Da mesma maneira com o Chavez, odeio o cara, mas se ele se arma bom para nós. Ele não quer conflito com o Brasil, pelo contrário, quer mais é ser amigo e ter uma realçao forte. E pode ter… Read more »

Flamenguista
Flamenguista
11 anos atrás

Aos que defendem a idéia de uma vitória argentina, devo lembrar que, diversos estudos de historiadores comprovam que, caso nossos hermanos saíssem vitoriosos desse conflito, nós seríamos o próximo alvo.

Abraços.

Túlio Fernandes
Túlio Fernandes
11 anos atrás

Ah e acabei esquecendo de parabenizar o blog pelo post.

AMX
AMX
11 anos atrás

Lecen, Mesmo sendo um bom brasileiro, ou seja, rival dos argentinos (hehehe); sou obrigado a descordar de vc. A Argentina reivindica as Malvinas desde a sua independência. No século XIX, chegaram a estabelecer uma pequena colônia/guarnição, que pouco depois foi invadida pelos ingleses e os expulsaram. Não é conhecido, porém também não é nada absolutamente “secreto”, que reiteradas vêzes a Argentina reclamou junto à ONU a posse das ilhas e fez várias tratativas junto à Grã-Bretanha. Tudo que estou falando já faz parte da história. Particularmente também até “gosto” que eles tenham perdido. Afinal, ninguém iria suportar eles se achando… Read more »

Luis Andrea
Luis Andrea
11 anos atrás

Acho qe deveriam ter contabilizado a perda do MV Atlantic Conveyor do lado Inglês, foi uma perda muito significativa

Coralsea
Coralsea
11 anos atrás

Eu pessoalmente torcí pela Inglaterra….por que? Não que eu gosto dos ingleses; mas o pessoal se esquece que as relações Brasil – Argentina nos anos 70/80 eram bem diferentes das boas relações que temos hoje…. A Argentina procurou problemas com o Chile por causa do Canal de Beagle e o Brasil temia que seria o próximo por causa de Itaipú…. Por isso o governo brasileiro, por baixo dos panos, ficou contente quando os argentinos levaram a paulada na cabeça que tomaram…… Existem males que vêm para bem….ajudou até a terminar a ditadura militar por lá mais cedo…. Militarmente falando, a… Read more »

RLobo
RLobo
11 anos atrás

Será que o Brasil teria o mesmo desempenho da Argentina?
Na verdade, apesar do TIAR, os Argentinos foram abandonados pelos paises latino.
A ajuda que receberam foi pifia, sem contar que o Chile apoiou desbragadamente a Argentina.
A FAA quase ganha a guerra sozinha. Os A-4 argentinos foram fantásticos. Ainda hoje, são oponentes de respeito para qualquer vetor latino.

Dalton
Dalton
11 anos atrás

RLobo…

Acho que vc quis escrever que o Chile apoiou a Inglaterra…

abraços

angelo
angelo
11 anos atrás

Dalton Bem lembrada a questão venezuelana. Só que a Venezuela, talvez seja uma ameaça somente a Colômbia, tradicional aliada americana. Mas as forças armadas venezuelanas não metem medo em ninguém, até pelo motivo de não possuirem um parque industrial que sustente um conflito. Já a Colômbia teria a disposição, em um hipotético conflito, todo o apoio da máquina americaca, da mesma forma que Israel já possui. Já a Coréia do Norte, ameaça diariamente a Coréia do Sul, ponta de lança dos EUA na Ásia. Claro, você poderia lembrar do apoio chinês a Coréia, o que não deve ser desconsiderado. Mas… Read more »

angelo
angelo
11 anos atrás

…”apoio da máquina americana”… pequena correção hehehe

Dalton
Dalton
11 anos atrás

Angelo,

no fundo tudo nao passa de um imenso jogo de xadrez. De um lado Bobby Fischer, do outro Gasparov.

Obrigado pelas palavras gentis. Faço minhas, suas palavras.

abraços

Mauricio R.
Mauricio R.
11 anos atrás

Esses papos ao estilo “what if”, não levam a nada, mas estupendo trabalho este aqui!!!
Adorei, gostei, gamei, demais!!!

dumont
dumont
11 anos atrás

Vassili, estamos concordando, nas condições que estava o ARA 25 a decolagem só era possivel com “muito” vento… Realmente os ataques mais bem sucedidos foram feitos pelos A4 da marinha, alem disso segundo fontes abertas, nenhum torperdo do São Luis acertou… Acho q os argentinos tinham deficiências (como todos têm) mas o que se espera é que as bombas explodam, os aviões decolem, os torpedos acertem (mesmo com um taxa de kill “moderada”), isso eu acho grave, principalmente as bombas e a atuação do São Luis. Não acho razoavel mandar um piloto atacar uma fragata moderna, bem armada, atirando com… Read more »

Lecen
Lecen
11 anos atrás

Que absurdo considerarem que a Argentina vencendo isso de alguma forma seria bom para o brasil pois nos traria “moral”!!! Absurdo!!! Como se a França estivesse muito feliz em 1914 ao ver o Império Alemão armado até os dentes, ou mesmo em 1939. Isso não existe. Um outro país no nosso quintal com projeção política, econômica e militar maior que o nosso é uma ameaça. Essa lenda urbana de solidariedade latino-americana não existe, nunca existiu e nem existirá jamais. Vide a reforma no Conselho de Segurança! Quem na América do Sul se opõe ao Brasil? Argentina! Mesmo estando hoje, em… Read more »

storm
storm
11 anos atrás

Era muito dificil a Argentina ganhar, porque a invasão foi uma manobra desesperada dos ditadores p/ se manter no poder, mas erros e falta de experiência contribuirma para a derrota. Os pilotos de A-4 eram muitos corajosos voavam sobre o Atlântico gelado com combustível contado p/ apenas poucos minutos de combate e na volta ainda tinham que escapar das patrulhas feitas pelos SEA HARRIER. e a maioria das suas bombas não explodiam pois o pessoal de terra não sabia armar a espoleta das bombas de forma correta muitas acertaram os alvos mais não esplodiram. se não fosse isso muitos mais… Read more »

João Curitiba
João Curitiba
11 anos atrás

Caro AMX

Acredito que ninguém levou o TIAR a sério porque a Argentina era a agressora e não estava sendo invadida. Mesmo assim acho que este Tratado já acabou, vide a iniciativa de se criar uma aliança de defesa sul-americana.

Abraços

henrique
henrique
11 anos atrás

Sem duvida, os pilotos argentinos lutaram bravamente. Mas imagino a grande frustração deles quando, após se arriscarem tanto, vencendo as defesas iglesas para laçar suas bombas, saber depois que elas nao explodiram…..

AMX
AMX
11 anos atrás

João, Dizer que a Argentina foi invasora, é um ponto de vista. E por mais que seja compartilhado por muitos, não é necessariamente aceito no âmbito jurídico internacional, dado que as ilhas eram um território reivindicado por eles. Ou seja, não era necessariamente um território inquestionavelmente britânico. Por isso há o precedente de que a Argentina não é, propriamente, invasora; por mais que tenha sido a agressora incial. O que os países americanos alegaram para não acionar o TIAR foi que o território continental americano não estava sendo ameaçado. Se vc. bem notou meu comentário, eu “descreditei” o TIAR. Ou… Read more »

Mahan
Mahan
11 anos atrás

A vitória Britânica não pode ser creditada apenas à superioridade tecnológica do armamento mas à superioridade moral, já que uma ditadura , sim invasora, porque as Falklands nunca foram dos argies, agrediu os residentes e todos os súditos da rainha. Ainda e principalmente, a vitória deve-se à liderança de uma verdadeira Estadista, a Sra MARGARETH TATCHER!! Para atingir com eficiência a RN os caças não poderiam atacar de tão baixo, mas aí, os mísseis AA dos navios teriam abatidos um número ainda maior de aviões.Falta o gráfico que compara as perdas de meios aéreos para verificarmos o quão longe os… Read more »

Fábio Max
11 anos atrás

Repito o que sempre digo aqui, sobre esta guerra. A Argentina não tem direito às Falklands e nós, brasileiros, não podemos defendê-la em hipótese alguma, porque estas ilhas são possessão inglesa por decorrência da aplicação do princípio de direito internacional do “uti possidetis”, direito pelo uso, a grosso modo. Os ingleses colonizaram o local antes da Argentina declarar a extensão de seus mares territoriais. E por outro lado, um brasileiro que defenda a devolução das Falklands, estará ao mesmo tempo abrindo precedente para que espanhois, argentinos, paraguaios, bolivianos e afins, discutam todo o nosso território à oeste da linha de… Read more »

Roberto CR
Roberto CR
11 anos atrás

Ao AMX em 03 Mar, 2009 às 13:26 Com relação aos Bandeirulha, servi em 1986 no 2º/7º em Florianópolis, poucos anos após o conflito e, na época, quando se perguntava sobre isso a quem estava lá em 1982 ninguém confirmava, mas também nunca negaram. Pelo menos a mim. Mas era conhecido o envio de aviões para a Argentina. O que não se sabe é o que fizeram lá realmente. Tenho uma publicação britânica sobre conflitos do século XX editada nessa época, onde o termo usado é “empréstimo”, assim mesmo entre aspas, onde sugere no texto o seguinte: não dá para… Read more »

Roberto CR
Roberto CR
11 anos atrás

E rapidamente pra fechar e provocar. Aos que afirmam que o arquipélago não é posse Argentina: este país reinvindica a posse como a herdeira das terras espanholas na Bacia do Prata e Terra do fogo. Aí se incluem as Malvinas. Pode-se discorar ou não da Argentina sobre o conflito, mas o motivo começa por estes motivos. A Inglaterra tomou posse do Arquipélago para controlar o tráfego marítimo na passagem entre Pacífico e Atlântico, e só conseguiu isso com o enfraquecimento total do império espanhol. Considerou que era uma terra sem donos. Margareth Tatcher teve a sorte política de Busch com… Read more »

König
König
11 anos atrás

Na verdade a Argetina tinha 3 escolhas, Brasil,Chile,Inglaterra existia um plano para tomar o sul do Brasil chamado “Operação Rosario” em minha opinião foi nossa sorte ja que nosso exercito não tinha veiculos capazes de competir com os Argentinos.
NOssa marinha era moderna para a época com as novissimas Niterois, A força aérea de ambos os paises acho que em numeros seriam semelhantes mas a capacidade de lançar Excote de alguns aviões argentinos lhes darian alguma vantagen.
Creio que tanto o Brasil como Chile “devem” uma a inglaterra que nos poupou de uma guerra atoa.
Abraço

Henrique
Henrique
11 anos atrás

Caro König, vc tem razão em relação ao plano dos Argentinos sobre o Brasi. Quem é do Sul sabe das provocações dos mesmos naquela época…. de “retomar” as Missões e outras coisas mais. Foi quando em pleno conflito das Malvinas o Brasil fez uma grande Operação com o EB e FAB em Uruguaiana, Itaqui e São Borja fazendo com que aquela turma ficasse quietinha. Estes foram alguns dos motivos que levaram o Brasil à neutralidade no conflito, mesmo com os apelos desesperados dos “hermanos” para lhes vendermos Exocets, munição e outras peças de artilharia. Fico com pena dos pobres recrutas… Read more »

Wolfpack
Wolfpack
11 anos atrás

Acredito que o conflito foi mal planejado e executado pelos Argentinos desde de seu início. A Inglaterra também deu muita sorte e poderia ter perdido toda sua frota ainda no caminha para o Atlântico Sul. Os Estados Unidos (Ilha de Ascenção) e o Chile fizeram a diferença para o lado Britânico, além da pouca doutrina Argentina. Não existe dúvida que as Malvinas pertence de direito aos Argentinos, assim como Guantanamo deveria voltar aos Cubanos, mas agora com esta onde de pré-sal, a coisa se complicou e os Ingleses não abrirão mão de sua ilha de gelo no Atltântico sul. Acreditem,… Read more »

Baschera
Baschera
11 anos atrás

Senhores,
A Argentina não tinha o direito de acionar o TIAR, mecanismo de defesa recíproca da OEA, por ser a agressora e não a agredida. Simples assim.
Sds.

Vassili Zaitsev
Vassili Zaitsev
11 anos atrás

Para ver o tamanho do sacrifício que caiu sobre os ombros dos pilotos argentinos, pergunto: Lembram o que aconteceu a Esquadrilha TORO?????????Não tiveram a mínima chance, morreram sem nem saber o que os atingiu.

Sou brasileiro fanático, daqui não arredo o pé, mas tiro meu chapéu para os pilotos de A-4 e DAGGER argentinos.

STORM,

Estou com o filme nas mãos, neste momento. Vou assisti-lo daqui à pouco. Juntamente com Falcão Negro em Perigo e Menphis Belle.

Hoje, a tv vai levar chumbo até de madrugada.

abraços.

Baschera
Baschera
11 anos atrás

Esqueci,
Não esqueçam a ajuda “secreta” prestada aos ingleses pelo Chile, cuja conta está sendo paga até hoje, sendo os chilenos sempre beneficiados quando os Ingleses dão baixa em seus navios de guerra.
O SAS britânico operou de lá livremente e com toda a ajuda possível do Chile.
Sds.

Marine
Marine
11 anos atrás

Baschera,

A SAS apenas foi bem recebida pelo Chile na ocasiao em que um helicoptero seu caiu apos terem uma missao de sabotagem abortada devido ao mal tempo.

Concordo com o que voce disse sobre o TIAR mas dizer que a SAS operava livremente como se cruzassem a fronteira a hora que quizessem fara efetuar reconhecimento e sabotagem e informacao equivocada. O Chile, permitiu a entrada deles apos o acidente, lhes tratou bem e permitiu que voltassem a Inglaterra sem problemas. Obviamente por razoes de interesse comum!

Sds!

Baschera
Baschera
11 anos atrás

Caro marine,
O assunto é controverso. Me lembrei disto porque foi assunto em fórum argentino ano passado. Existe até um livro sobre o assunto no Chile. Mas lembrar onde estão os links lá no fórum é coisa de dias de pesquisa. O assunto do acidente foi o mais conhecido. Mas as FFAAs do Chile não escondiam para quem torciam neste conflito.

Sds.

AMX
AMX
11 anos atrás

Roberto, Obrigado pelo esclarecimento. O número de 2 bandeirulha eu vi numa das revistas “Força Aérea”, de 2007 acho. Obrigado também pela citação do meu comentário. Penso assim, pois, com todo o respeito a quem aqui escreve; esse é o motivo de vermos algumas pérolas aqui nos blogs, que vez por outra aparecem (essa de atribuir a guerra UNICAMENTE à ditadura argentina; ou então, dizer que os EUA perderam no Vietnão porque ‘não sabiam lutar no mato’; ou dizer que os terroristas no Brasil são ‘heróis de guerra’, etc.) Fábio, sei que vc. não citou meu nome, mas, mesmo assim,… Read more »

Baschera
Baschera
11 anos atrás

Marine,
Em meus favoritos, só achei algo a respeito no link abaixo (postei sem o www para não aguardar a liberação…) de uma olhadinha….
Começe por http://www. e acrescente o resto.

eliteukforces.info/articles/sas-versus-exocets.php

Sds.

Marine
Marine
11 anos atrás

Baschera,

E isso mesmo que falei, esse helicoptero seria a insercao da equipe de reconhecimento para a operacao que atacaria bases aereas em solo argentino. A operacao foi considerada suicidio pela SAS e nunca aconteceu, ja a equipe de reconhecimento evadiu para o Chile e foram repatriados ao Reino Unido.

Com certeza o Chile torcia para a Inglaterra e deve ter ajudado com inteligencia e segurando muitas tropas argentinas no continente, inclusive suas tropas de montanha e clima frio que poderiam ter sido usadas nas ilhas Malvinas.

Abracos!