Home Sistemas de Armas Submarino ‘Tapajó’ realiza lançamento real de torpedo MK 48 MOD 6AT

Submarino ‘Tapajó’ realiza lançamento real de torpedo MK 48 MOD 6AT

1031
27

No dia 11 de outubro, o Submarino Tapajó (S 33) realizou, com pleno êxito, dois lançamentos reais do torpedo MK 48 MOD 6AT contra alvo de superfície, em área marítima próxima ao Rio de Janeiro, empregando o sistema de combate integrado AN/BYG 501 MOD 1D.

Assim, o S Tapajó tornou-se o primeiro submarino da MB totalmente modernizado, dispondo de um sistema de armas plenamente integrado, desde os sensores até o armamento.

Esse evento, que teve por objeto a validação do sistema de combate e da sua integração com o torpedo MK 48, culmina um processo iniciado em 13 de abril de 2007, quando a Marinha decidiu-se pela aquisição do torpedo MK 48 MOD 6AT ADCAP e do sistema de combate AN/BYG 501 MOD 1D, que, a partir de agora, constituem o sistema de armas padrão dos nossos submarinos.

27
Deixe um comentário

avatar
23 Comment threads
4 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
10 Comment authors
GUPPYIvanJokerjoseboscojrjuarezmartinez Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

“…que, a partir de agora, constituem o sistema de armas padrão dos nossos submarinos.”

Por “nossos submarinos” entende-se os Type 209/1400 e derivado ou as tralhas francesas, ora em construção, tb estão incluídas aí???

FCGV
Visitante
FCGV

Parabens para a MB!
Será que o Wiltgen nao consegue os videos desse exercicio como o que foi publicado pelos Australianos?

Guilherme Poggio
Editor
Noble Member

Simplesmente temos o melhor torpedo pesado do mundo em funcionamento!

Guilherme Poggio
Editor
Noble Member

Faltou dizer que o Tapajó saiu muito bem nessa foto do Padilha.

Alfredo Araujo
Visitante
Alfredo Araujo

“Guilherme Poggio disse:
17 de outubro de 2011 às 12:50”

Só não adianta ter apenas meia duzia do melhor…
Será que foi adquirido em quantidade ? Pela tradição podemos ser pessimistas né…

juarezmartinez
Visitante
juarezmartinez

Parabéns a MB, é assim que se faz, e pelo que ouve pelos corrdores, os testes ficaram acima das expectativas e ainda acima das especificações mínimas do fabricante, ou seja, equipamento de combate de “patronagem”…

Grande abraço

joseboscojr
Membro
Member
joseboscojr

Uma pergunta aos “navegantes”: O Mk-48 (só pra citar um exemplo) tem velocidade máxima de 60 nós (provavelmente até mais). A minha dúvida é se um torpedo tem limitações em relação à sua capacidade de busca (sonar ativo e passivo) de acordo com a velocidade.
Ou seja, ele tem que reduzir sua velocidade para usar os sensores, como faz um submarino?
Quando em alta velocidade fica por conta apenas da orientação inercial + correção via fio do sub?
Se em alta velocidade ele fica “cego” ele tem que reduzir para atacar?
Antecipadamente agradeço.

FCGV
Visitante
FCGV

O que o Galante falou está correto, porém a Raytheon atravéz de seus estudos hidrodinâmicos, projetou o torpedo ADCAP com a cabeça um pouco “quadrada” e isso aparentemente permite atenuar um pouco do ruido. Recentemente a sua propulsao recebeu também uma melhor isolação acustica. Ainda que isso não seja o suficiente para a performance 100% do seu sonar, que embora “escute” quando programado em modo passivo, também e principalmente é usado em modo de sonar ativo, que somando à curta distancia de ativaçao, normalmente menos de 3nm e a alta intesidade dos pulsos, permitem o seu emprego a altas velocidades.… Read more »

joseboscojr
Membro
Member
joseboscojr

Galante e FCGV,
Juntando o que vocês falaram da pra entender o seguinte:
Enquanto ligado ao sub pelo cabo (ou fibra ótica) o torpedo trabalha em menor velocidade usando seu sonar no modo passivo e funcionando como um “UUV” furtivo (modo passivo + baixa velocidade), sendo “teleguiado” até um ponto em que pode liberar o cabo, passar para o modo autônomo usando sonar ativo e acelerar na fase de ataque, onde a discrição não é mais fundamental.
Estou correto?
Um abraço aos dois.

FCGV
Visitante
FCGV

Na verdade é ao contrario, quando o torpedo esta sendo guiado pelo cabo, sua velocidade faz pouca diferença pois seus sensores estao inativos, sendo responsabilidade total do submarino mae em primeiro, haver fornecido uma boa soluçao de tiro e segundo, guia-lo corrigindo eventuais manobras evasivas do alvo. Normalmente é mais interessante que neste periodo aproveitar a velocidade maxima, dando assim menos chance do alvo fugir. Quando o torpedo chega a menos de 3nm do alvo, o seu sonar é ativado, seja ele ativo ou passivo e assim que o torpedo encontre por seus proprios sensores o alvo, o cabo e… Read more »

joseboscojr
Membro
Member
joseboscojr

Interessante!
Valeu meu caro.
Um grande abraço.

joseboscojr
Membro
Member
joseboscojr

FCGV,
Aproveitando a oportunidade, rrsr, torpedos elétricos lançados de forma autônoma, sem o ruído da ejeção, podem operar de forma mais furtiva que torpedos com propulsão térmica e “ejetados” dos TTs.
Também gostaria de saber como se procede o modo “perseguição de esteira”, usada por alguns torpedos contra alvos de superfície.

Joker
Membro

Aula que Guerra Submarina, hehehehe

FCGV
Visitante
FCGV

Bosco, vc se refere a wake homing torpedoes? Se for isso, pelo que eu saiba foi desenvolvido pelos nazis no final da 2a guerra e uma vez lançados, um sensor detectava a turbulencia causada pelo rastro do navio, e zig-zagueiava esse “cone” até chegar no alvo. Que eu saiba o principal usuario sao os Russos/Sovieticos e hoje China, Coreia do Norte e Iran. Os russos desenvolveram o Type 65-76, que por sua particular doutrina, visava atacar navios grandes como porta-avioes americanos. Foi também o causador do naufragio do Kursk. A vantagem desse tipo de torpedo é possuir também sensores acusticos… Read more »

FCGV
Visitante
FCGV

Pra quem se interessa por submarinos, eu recomendo um texto que é facilmente encontrado pelo Google:
The Third Battle: Innovation in the U.S. Navy’s Silent Cold War Struggle with Soviet Submarines

Ivan
Membro
Member
Ivan

FCGV,

Obrigado pela recomendação.

Encontrei um pdf em:
http://www.usnwc.edu/Publications/Naval-War-College-Press/Newport-Papers/Documents/16-pdf.aspx

Vou desenferrujar meu inglês e tirar as cracas do vocabulário… he he he.

Grato,
Ivan, do Recife.

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

E as bolhas de ar???
Navios americanos tinham/tem(?) uma funcionalidade nos hélices, que consistia em ejetar bolhas de ar, como forma de descaracterizar sua cavitação; de modo a negar o “wake homing”.

FCGV
Visitante
FCGV

Caro Mauricio, eu na verdade não sei nada a respeito, mas nao acredito muito que seja muito eficiente. http://www.flickr.com/photos/suefrause/2930878129/ Se vc der uma olhada nessa foto vai ver que apesar do wake do Arleigh Burke nao ser tao espesso quanto o do Abraham Lincoln, é tão comprido quanto. Acho muito dificil descaracterizar um wake quando se desplaça 10.000t a 25knots. Outro ponto contra tal sistema é que se pensarmos na logica da doutrina: Toda açao tem sua reaçao, onde a defesa americana visava um ataque sovietico e vice-versa, e é sabido que o torpedo 76-65 também é guiado por sonar… Read more »

FCGV
Visitante
FCGV

Humm, entendi, o que ele faz na verdade nao é diminuir o ruido, mas mascara-lo, de forma a dificultar a identificaçao. Para identificaçao atraves de sonar o que se faz é: com ajuda de softwares e hardwares, se realiza uma filtragem do som em frequencias e ai compara-se com um banco de dados pre-gravado. Por exemplo, um submarino nuclear possui certos sons em uma certa frequencia que sao gerados pelas turbinas e outros sons em outras frequencias que sao gerados pelas bombas de agua do sistema de refrigeraçao. Imagine que cada classe de submarino nuclear possui a mesma configuraçao basica,… Read more »

GUPPY
Membro
GUPPY

Eu não me canço de reler todos os comentários deste post. Como o Joker registrou acima, aula de guerra submarina.

Abraços

GUPPY
Membro
GUPPY