Home Estratégia Iniciados os testes do motor nacional do Exocet MM40

Iniciados os testes do motor nacional do Exocet MM40

369
13

Realizada em 20.09.2011, com sucesso, a queima completa em bancada do motor nacional para a recertificação dos Mísseis Exocet MM40.

A queima controlada ocorreu na empresa Avibras com presença de representantes da MB e do fabricante original do motor, a empresa francesa MDBA.

Este marco representa a independência do país na recertificação de motores de mísseis antinavio de médio alcance.

Subscribe
Notify of
guest
13 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mauricio R.
Mauricio R.
8 anos atrás

É algo um tanto vago:

“…a independência do país na recertificação de motores de mísseis antinavio de médio alcance.”

E creio eu, limitado ao Exocet.

Em que este feito, nos livra (torna realmente independentes), dos franceses???

FCGV
FCGV
8 anos atrás

É uma das principais manutençoes que se faz num ASCM.

A partir daí ja daria pra fazer uma engenharia reversa e projetar o primeiro ASCM totalmente brasileiro nao? Inclusive o mesmo vale com os novos ADCAPs!

Mauricio R.
Mauricio R.
8 anos atrás

Será que como “plano B”, afinal depender dos franceses é no mínimo arriscado, a tecnologia do antigo míssil inglês “Sea Eagle”, não poderia nos fornecer algum know how/know why???

Gueorgui Jukov
Gueorgui Jukov
8 anos atrás

Isso representa um grande salto em termos no desenvolvimento de um míssil anti-navio, já pelo fato de possuirmos o motor, a carga explosiva e facíl, só falta um sistema de guiagem IR ou sistema de localização por radar ativo ou semi-ativo.

edcreek
edcreek
8 anos atrás

Olá,

Não eram os Franceses que não se permitia isso?

Ai está o planejamento conjunto entre MDBA e Avisbras, mas um “tapa na cara” dos ceticos.

A cada dia alguns estigmas vem sendo derrubados e os argumentos dos anti-frança vão diminuindo.

Abraços,

Ivan
Ivan
8 anos atrás

Mossieur Edcreek,

Procure se informar melhor ou informar melhor.

Os franceses colocaram inúmeras dificuldades, pois a intenção era sempre vender algo fabricado por seus trabalhadores. A Marinha do Brasil é que soube negociar, forçando soluções mais interessantes.

Não são “parceiros”, muito pelo contrário, são apenas fornecedores e as forças armadas brasileiras sabem disso.

Sds,
Ivan.

Joker
8 anos atrás

As dores de cabeça foram tantas que o caminho encontrado pela Marinha para resolver a solução fez os gauleses tremerem nas bases, afinal o que seria a grana da revitalização de motores-foguetes de misseis anti-navio ante o financiamento da nova classe de subs nucleares?

FCGV
FCGV
8 anos atrás

Eu aposto todas as minhas fichas que se o Brasil nao tivesse sido desclassificado 2x pela França em Copa do Mundo, e Maradona nao fosse jogador de futebol, tanto franceses como argentinos nao seriam tao odiados pelo brasileiro comum. É muito preconceito. Fui jogador de rugby e morei durante anos na Argentina e França. Nos dois paises fui tratado como rei. Uma vez voltava da argentina e pousei no Rio de Janeiro onde faria escala para Sao Paulo. Quando caminhava no saguao do aeroporto, levando a camisa da seleção de rugby argentina, grandes idolos, “Los Pumas”, um cara sem a… Read more »

Observador
Observador
8 anos atrás

Caro FCGV: Eu acompanho este Blog (e os demais da Trilogia) há bastante tempo, muito antes de começar a postar nele. Por isto o nome que adoto: “Observador”, porque antes de me manifestar, olhei muitas e muitas discussões. Nelas, até houve comentários preconceituosos contra argentinos, mas não contra franceses. O que se fala contra os franceses vem de episódios passados deles com o Brasil e outros países: Guerra da Lagosta, mísseis exocet na Guerra das Malvinas e embargo francês contra Israel pouco antes da Guerra dos Seis Dias, dentre outros episódios. Já outros comentários envolvem nomes ligados à indústria francesa,… Read more »

Gueorgui Jukov
Gueorgui Jukov
8 anos atrás

Eu não vejo isso quando se abre um post sobre algum assunto militar francês, as vezes nem tem relação com o Brasil, aparecem leitores fazendo chacota arrumando mil argumentos contrários, fazendo contas cabulosas e quando algum leitor se opõe vem mais uma enxurrada de argumentos capciosos. Os franceses estão certos quem produz são eles quem projetou foi eles, o que eles estão fazendo que outros fazem ou fizeram esse pensamento brasil, que tudo tem que cair de mão beijada e a custo de banana, parem com isso quem faz produz tem todo direito sobre o produto e decisão unica deles… Read more »

Mauricio R.
Mauricio R.
8 anos atrás

FCGV, A Russia vetou a exportação do S-300 p/ o Irã, pois há uma resolução aprovada pelo CS da ONU, nesse sentido. O que se pode criticar, é a maneira um tanto atrapalhada, como isso foi feito. Gueorgui Jukov, Ninguém aqui está querendo nada de mão beijada, ou a preço de banana, mas gostaríamos que eles os franceses, cumprissem o acordado, ao invés de ficarem criando empecilhos, ou melhor, que deixassem de criar dificuldades; p/ nos vender facilidades. Qnto a : “…quem faz produz tem todo direito sobre o produto e decisão unica deles se vão liberar tecnologia se vão… Read more »

FCGV
FCGV
8 anos atrás

Eu concordo com vcs. Eu diria que sao momentos politicos, cenarios historicos. O que estamos vivendo hoje, de relativa prosperidade, nao deveria ser desperdiçado por rancorou ou preconceito. A historia esta sempre se escrevendo. Os EUA por exemplo nunca nos ajudariam a construir um submarino nuclear, ao contrario, fazem o possivel para sabotar nossos projetos mais audaciosos. Ao mesmo tempo, quem nao adoraria que o Brasil construisse um hull baseado nos FREMM, nos estaleiros do estado do RJ, mas com uma parceria da Lockheed Martin para projetar em cooperaçao nossos AN/SPY-1D(V)BR(i), “i” de improved! Proponham para a vaca da Ms.… Read more »

Mauricio R.
Mauricio R.
8 anos atrás

“Os EUA por exemplo nunca nos ajudariam a construir um submarino nuclear, ao…”

Não somente o Brasil, mas o Canadá tb.