Home Noticiário Internacional Com redução de encomenda de FREMM, França pensa em novo navio menos...

Com redução de encomenda de FREMM, França pensa em novo navio menos capaz

353
32

FREMM Aquitaine - foto A Galante - Forças de Defesa

Segundo reportagem do site Defense News, devido ao corte nas encomendas de fragatas FREMM, em redução que foi revelada pela última edição do Livro Branco de Defesa da França, poderá haver o desenvolvimento de um novo navio de combate, de menor capacidade.

O Governo Francês, ao invés de comprar onze fragatas multimissão FREMM da DCNS, vai adquirir oito (ou mais) unidades. Seis deverão ser da versão antissubmarino e duas da versão antiaérea, sendo que estas últimas ficarão para o final da encomenda.

Para manter trabalhando o escritório de projetos da DCNS localizado em Lorient, no Oeste da França, há conversações programadas para 2015 ou 2016, referentes a contratos de desenvolvimento de um futuro navio de combate. Este será um navio de menor capacidade do que a FREMM, planejado para depois de 2020, segundo a reportagem.

Quanto a submarinos, os seis modelos nucleares de ataque da classe “Barracuda” receberam o sinal verde. Porém, a entrega do primeiro deles deverá ser atrasada.

FREMM no Rio 043a

FONTE: Defense News (tradução do Poder Naval a partir de original em francês)

NOTA DO EDITOR: este é apenas um dos assuntos tratados por extensa reportagem do Defense News (clique no link para ler o original em inglês), que destacava a encomenda de drones Reaper pelos franceses e a questão do caça Rafale ser prioridade frente à modernização dos jatos Mirage 2000D. Esses outros assuntos são temas de matérias no Poder Aéreo.

VEJA TAMBÉM:

32
Deixe um comentário

avatar
28 Comment threads
4 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
16 Comment authors
DaltonstadeuIvanJuarezMO Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Almeida
Visitante
Member
Almeida

Alguém pode me explicar porque estes navios, e outros ingleses, possuem os painéis todos enrugados, parecendo que são feitos de papel e não de aço? O aspecto é horrível, de produto mal acabado, e deve ser ruim para o RCS, não?

daltonl
Membro
Member
daltonl

Almeida…

todo navio é feito de chapas, nesse caso, de aço que são soldadas e dependendo da iluminação aumentam esse aspecto “de papel”, que vc
mencionou, mas é normal para navios de todas as nações.

abs

Corsario137
Visitante
Corsario137

E afinal, a MB vai comprar essas FREMM?
A quantas anda o programa de aquisições da MB? Ta igual ao FX2?
Alguma previsão? To por fora.

Colombelli
Visitante
Member
Colombelli

Pois é, esta completamente parado, não falaram mais nada. Tem propostas inglesa, alemã, italiana, francesa, coreana e espanhola. Nada de cronograma de escolha. A princípio ainda continuam sendo 05 escoltas na faixa de 6000 toneladas, 05 navios de patrula oceânica, na faixa de 1800 ton, e um navio de apoio logistico, sem que as aquisições dos navios de patrulha oceânica tenham interferido na compra de mais 05. Outra coisa que não se falou mais foi do escândalo envolvendo altos funcionários do governo italiano e o ex ministro Jobim, em uma pretensa propina caso ocorresse a aquisição das FREMM italianas (que… Read more »

Corsario137
Visitante
Corsario137

Colombelli,

Obrigado pela explanação. Quanto as NaPaOc compradas de Trinidad, compramos somente os navios ou o projeto também? Ou seja, temos licença para produzir localmente outros modelos?

Corsario137
Visitante
Corsario137

Digo, outras unidades?

Corsario137
Visitante
Corsario137

Quanto ao Prosuper, algum candidato dito favorito?
A MB tem tradição de comprar navios ingleses mas o lobby da DCNS hoje é o mais forte.

Soyuz
Visitante
Soyuz

Eu acho que este tipo de noticia pode trazer reflexões para a MB. O que esta sendo dito ai em resumo é que em função dos custos elevadíssimos de um navio de guerra moderno, mesmo uma fragata, somado a isto o atual momento militar da primeira metade do século, de conflitos irregulares e /ou de baixa intensidade, que a Marinha da França precisa de um navio mais simples se não quiser ficar reduzida a menos de uma dúzia de escoltas. Isto acontece também no poder aéreo seja hoje ou no passado. Quando se descobre que um caça ficou caro demais… Read more »

Lyw
Visitante
Lyw

A marinha francesa já tem o seu navio de menor capacidade (para usar a nomenclatura da matéria) e é a La Fayette.

Agora se a DCNS pretende projetar um navio de menor capacidade, podemos supor que é algo entre uma La Fayette e uma Freem.

A La Fayette tem deslocamento de 3,5t, contra 5,8t da Freem. Se pensam em algo aí por volta das 4,5t posso chutar que simplesmente a França não vai comprar! Pra quê ter um navio deste tipo se você já tem os dois citados na matéria?

Lyw
Visitante
Lyw

Correção: onde escrevi “os dois citados na matéria”, leia-se: “os dois que citei”.

ernaniborges
Visitante
Member
ernaniborges

Sempre pensei que as FREMM fossem Fragatas multimissão. Agora estou lendo: Fragatas FREMM antiaéreas e Fragatas FREMM antissubmarinos.
Afinal elas são multimissão ou especializadas ?

daltonl
Membro
Member
daltonl

Bom…se for considerado que a La Fayette foi comissionada em março de
1996, ela estará chegando ao fim de sua vida em 2026, depois de 30 anos
de serviço, então os requisitos e o orçamento para uma classe substituta deverão estar nos planos muitos anos antes.

joseboscojr
Membro
Member
joseboscojr

Ernani,
Se ela operar o ASTER 30 eles chamam de multimissão antiaérea, se ela operar o ASTER 15 é só multimissão mesmo.
rsrsrssss

ernani
Visitante
ernani

Obrigado a todos pelos esclarecimentos.

Eder Albino
Visitante

Uma dúvida. Caso o Brasil escolha adquirir uma “FREMM”, qual seria a melhor proposta? a francesa ou a italiana? E a diferença de custo de aquisição e manutenção são grandes?
Alguém poderia me esclarecer. obrigado.

colombelli
Visitante
colombelli

A propósito das duas FREMM, o comentário há época que surgiu o programa de superfície era que a proposta italiana era a favorita em vista de todas, mas ai os senhores Tarso Genro e lula, contrariando uma decisão do STF, e querendo salvar um “amigo e companheiro”, o terrorista Batisti, negaram a sua extradição, e os atritos com a Itália puseram tudo a perder. Hoje o Batisti está ocupando um cargo comissionado não recordo onde.

Andre RC
Visitante

Caro amigo Colombelli, em resposta a sua pergunta eu li no Estadão que o Battisti mora aqui em São Paulo em um apartamento cujo fiador é o Suplicy.

Ps: Eu gosto desse blog porque os leitores aqui muitas vezes esclarecem até mais que os artigos, fico até com vergonha de comentar alguma coisa kkk

Eder Albino
Visitante

Obrigado Nunão…

Felipe
Visitante
Felipe

A modernização da Barroso parece que vai sair mesmo do papel, porém as Inhaúma’s estão em processo de modernização com casco “velho” e equipamentos novos, não sei quanto aos sistemas de armas/radares.

Quanto ao PROSUPER, acho que a marinha só escolherá um projeto com a transferência de tecnologia e a idéia inicial eram das escoltas serem produzidas aqui no Brasil com perceria de alguém lá de fora.

Por um lado, aos poucos a MB está criando uma doutrina de construção militar naval, com a produção dos Npa’s 500 e NHoFlu em estaleiros privados.

MO
Membro

nain, nao tem enhauma em processo de modernizassaum naum …

Juarez
Visitante
Juarez

As Inhaúma parece que estão em processo de “enferrujação” sem perpectiva de volta, pelo menos por enquanto….

Grande abraço

Ivan
Visitante
Ivan

“…os franceses argumentam que a propulsão das suas é menos complexa que a das italianas…” Porém mais lentas. As duas combinam 1 (uma) turbina GE/Avio LM 2.500 (sim, aquela americana da General Eletric) com 2 (dois) EPM (Eletrical Propulsion Motors) Jeumont e quatro geradores diesel, MAN na francesa e Isotta Fraschini (mais potentes) na italiana. Mas a diferença principal está no arranjo da propulsão: – A versão francesa é CODLOG – COmbined Diesel eLectric Or Gas, com velocidade final de 27 nós; – A versão italiana é CODLAG – COmbined Diesel-eLectric And Gas, com velocidade final de 30 nós. Para… Read more »

Ivan
Visitante
Ivan

Outro PDF interessante, este específico das versões francesas e italianas da fragata FREMM:
http://www.acabiz.com/library/pdf/The-FREMM-Architecture-a-first-Step-towards-Innovation-261.pdf

Ivan
Visitante
Ivan

Outro detalhe interessante para pesquisar.

As novas turbinas navais da General Eletric LM 2500+G4, a mais recente versão, estão entregando até 47,370 shp (ou 35,320 kW).Bem mais que as mais antigas usadas nas Inhaúma (23,000 shp) e na Barroso (27,490 shp).

As LM 2500 utilizadas pelas FREMM são da nova versão G4, entregando algo em torno de 42,900 shp (ou 32.000 kW)

stadeu
Visitante
stadeu

Off topic,
de vez em quando também , quando oportuno, abrir o Forças Terrestres, tem uma turma que fala e não tem oposição, tá fácil pra eles.

Almeida
Visitante
Member
Almeida

Sei não daltonl, os navios norte americanos me parecem bem mais lisos. Será que as chapas de aço norte americanas são mais grossas ou de melhor qualidade que as européias?

Almeida
Visitante
Member
Almeida

E sim, que venham 5 fragatas de 6000t no PROSUPER e que sejam acompanhadas por pelo menos mais 5 corvetas “improved” Barroso tirando aquele pesado canhão de 114mm na proa por um Super Rapid de 76mm, mísseis AA VLS de defesa de ponto como Barak, Umkhonto ou similares, uns 8 mísseis sup-sup modernos como o RBS-15, NSM, Exocet block 3 ou similares e sensores mais modernos.

Uma MB enxuta porém muito capaz.

Dalton
Visitante
Dalton

Almeida…

tive a oportunidade ver alguns AB de perto e os cascos não são assim tão lisos como vc pensa. Inclusive em alguns locais algumas chapas foram retiradas e outras um pouco mais grossas colocadas devido a problemas de empenamento sem falar que existem algumas barras verticais ao longo do casco para fortalecimento e são visiveis em fotos também.

MO
Membro

exemplo , ver o post do ZP da transpetro, observar a ré da superestrutura, como por exemplo