1

vinheta-clipping-navalA Fragata “Niterói” (F40) e o Navio-Tanque “Marajó” (G27), junto com a Fragata “Uruguay” (ROU1), da Armada da República Oriental do Uruguai (AROU), que participam da Operação “ATLANTIS-II”, realizam exercícios de enfrentamento de diversas ameaças, dentre elas as aéreas, na área marítima compreendida entre Montevidéu e Rio de Janeiro, onde acontece a Operação.

Em relação às ameaças aéreas, no Uruguai ela se consolidou com a aproximação de um T-34C da AROU, que investiu sobre o Grupo-Tarefa (GT) por duas ocasiões. No Brasil, o P-3AM, da Força Aérea Brasileira (FAB), apareceu quando os navios estavam em trânsito próximo a Santa Catarina, efetuando rasantes sobre a Força.

Toda a simulação é feita dentro do maior realismo possível, de forma que sejam testados todos os procedimentos internos (cada navio) e do GT (ações coordenadas entre os navios). Tudo começa com a disseminação do “Alarme Aéreo Amarelo” para que os navios iniciem, com maior dedicação, a busca aos “alvos hostis”. Radares buscam incessantemente as aeronaves, alças óticas/optrônicas vasculham os céus e vigias apontam seus binóculos para o horizonte. Assim que a ameaça é localizada, evolui-se rapidamente para o “Alarme Aéreo Vermelho” e os navios assumem sua condição máxima de prontidão, com o emprego de 100% da tripulação e todos os sistemas, mesmo os redundantes, guarnecidos: Postos de Combate.

Na continuidade das ações/reações, canhões e os sistemas de mísseis apontam para a direção de aproximação da ameaça e as “sequências para o engajamento” são realizadas, deixando o navio pronto para disparar contra o inimigo. As aeronaves “hostis” mantêm o seu rumo de interceptação e passam próximas dos navios, permitindo o teste de seus sistemas e ações. A tensão termina somente quando, após sumirem no horizonte, desvanecerem das telas dos radares. Ouve-se, enfim, “Alarme Aéreo Branco”.

FONTE: Nomar

Tags: , , , ,

Jornalista formada pela Universidade Federal do Paraná. Ganhou o Prêmio Sangue Novo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná com uma monografia sobre o PROSUB. Feliz proprietária de um SSN classe Virginia.

One Response to “Navios da Operação “ATLANTIS-II” enfrentam ameaças aéreas durante exercícios” Subscribe

  1. Marcelo Andrade 11 de setembro de 2013 at 17:24 #

    Caramba! Vem cá, se alguém apertar o botão sem querer…. já era!!!

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Suecos investigam presença de submarino estrangeiro perto de sua capital

Submarino estrangeiro estaria operando no Arquipélago de Estocolmo, do qual faz parte a capital da Suécia, o que levou ao […]

Mora em Brasília ou está na cidade? Então experimente um simulador da Marinha

Simulador de Aviso de Instrução, utilizado pelos aspirantes da Escola Naval no Rio de Janeiro (RJ), além de maquete da […]

Baixe 7 edições da revista Forças de Defesa e doe quanto quiser

Agora você poderá baixar para o seu computador, tablet ou smartphone as melhores reportagens da nossa revista impressa Forças de […]

Marinha de Guerra do Peru confirma a aquisição de cinco helicópteros SH-2G Super Seasprite

A Marinha do Peru materializou através do Canadian Commercial Corporation, a aquisição de cinco helicópteros Kaman SH-2G Super Seasprite. O […]

Obras do Núcleo do Comando do Grupamento de Patrulha Naval do Sul-Sudeste são iniciadas

Estrutura pertencente ao desativado Serviço de Sinalização Náutica em Santos-SP – Em nota divulgada em 5 de outubro, a Marinha […]

Do canhão à imagem

Acima, foto do navio hidrográfico Garnier Sampaio (H 37) levando a imagem peregrina de Nossa Senhora de Nazaré no tradicional Círio […]