Home Estratégia China planeja construir 18 bases navais no exterior, inclusive na Namíbia

China planeja construir 18 bases navais no exterior, inclusive na Namíbia

1537
18

PLA Navy

Segundo o jornal The Namibian, estão em curso discussões nos “mais altos níveis” os planos da Marinha do Exército de Libertação Popular da China para construir uma base naval em Walvis Bay (Namíbia), nos próximos 10 anos.

De acordo com relatos da mídia chinesa, Walvis Bay será uma das 18 bases navais que serão instaladas em diferentes regiões: Paquistão, Sri Lanka e Mynanmar no Oceano Índico norte; Djibouti, Iêmen, Omã, Quênia, Tanzânia e Moçambique, no oeste do Oceano Índico; e Seychelles e Madagascar no centro do Oceano Índico Sul.

“Essas três linhas estratégicas irão aumentar ainda mais a eficácia da China a assumir a responsabilidade por manter a segurança das rotas marítimas internacionais, mantendo assim a estabilidade regional e mundial”, disseram os relatos da mídia.

Outras bases navais são: Porto Chongjin (Coréia do Norte), Porto Moresby (Papua Nova Guiné), Porto Sihanoukville (Camboja), Porto Koh Lanta (Tailândia) Porto Sittwe (Myanmar), Porto Dhaka (Bangladesh), Porto Gwadar (Paquistão), Porto Hambantota (Sri Lanka), Maldivas, Seychelles, Porto Djibouti (Djibouti), Porto Lagos (Nigéria), Porto Mombasa (Quénia), Porto Dar es Salaam (Tanzânia) e Porto de Luanda (Angola).

10441016_1567593196810320_281417417827328489_n

A porta-voz do Ministério da Defesa da Namíbia tenente-coronel Monica Sheya confirmou estes relatórios à Namíbia ontem, dizendo que uma vez que a decisão seja tomada, o ministério informará a nação.
“Nós lemos sobre isso. Eu acredito que está sendo discutido nos níveis mais altos, mas isso é tudo que posso dizer agora. Uma vez tomada uma decisão, teremos a certeza de informar o país sobre o assunto, mas não podemos dizer nada agora”, disse Sheya.

A China planeja construir bases de reabastecimento, de atracação e de manutenção em países estrangeiros através de consultas amigáveis e mutuamente benéficas. Além disso, os relatórios afirmam que a marinha chinesa não vai estabelecer o “estilo americano” de bases militares, ainda que não irá excluir a criação de um número de chamadas “Bases de Apoio Estratégico Além Mar”, em conformidade com as regras internacionais prevalecentes.

A China tem vários grandes interesses de desenvolvimento de infra-estrutura e de extração de recursos na Namíbia. Ela também tem uma estação de rastreamento por satélite perto de Swakopmund.

A decisão para o fortalecimento das forças armadas nacionais da China, de acordo com a posição internacional do país para atender às necessidades dos seus interesses de segurança e desenvolvimento, foi tomada no congresso do Partido Comunista Chinês.

A Marinha da China se orgulha de ser uma força de 255.000 homens e mulheres, incluindo 10.000 fuzileiros navais e 26.000 militares da aviação naval. É a segunda maior marinha do mundo em termos de tonelagem, atrás apenas da Marinha dos Estados Unidos, e tem o maior número de grandes combatentes de qualquer marinha.

FONTE: www.lankaherald.com

NOTA DO PODER NAVAL: o Brasil ajudou na criação e formação da Marinha da Namíbia, mas a China provavelmente tomará nosso lugar naquele país africano. A China é muito mais rápida e assertiva no preenchimento dos espaços estratégicos e tem muito mais a oferecer em termos de infraestrutura e armamentos.

18 COMMENTS

  1. Vendo a tomada de posições da China no hemisfério: me vem em mente aquela canção gaúcha que diz: _ o Sul é o meu País …

    Obedecendo as leis da física os chineses vão ocupando os vazios deixados pelas potências ocidentais em declínio.

    E o nosso espaço?

    Acho que o Brasil arrisca de perder o Bonde da História.

    De novo!

  2. Acho que tá rolando uma viajada aí nessa reportagem.
    Primeiro que já existem bases americanas em alguns dos lugares citados, outra que tem uns países sem pé nem cabeça nessa lista, a começar por Angola. Um país dominado pelas indústrias ocidentais de petróleo, principalmente as americanas. Sabe quando vai ter uma base chinesa lá? Nunca. A Namíbia é outra que me admira muito, são muito próximos dos EUA e da UE.

    Tem troll ai nessa reportagem.

  3. 18 bases… 10 a 15 anos para construir… pode ser trolagem ou a velha manobra diversionista para ver ver como o Ocidente reage… jornal é jornal no mundo inteiro e eles adoram uma matéria paga.

    Mas vamos lá.

    O interessante é a localização de algumas bases bem no “quintal” do ocidente ou simplesmente dividindo cerca…

    … temos ali uma base em Maldivas a umas 500 mN de Diego Garcia (atol britânico arrendado para o Pentágono) que é o principal ponto de apoio da USN e RN no Índico e lar da principal Base Área para bombardeiros e KCs americanos de apoio para o Oriente Médio e Sul da Ásia. Sem falar em outra Sino-base no Arquipélago de Seychelles para completar a vizinhança.

    Ps: Ambos os Governos, Seychelles e Maldivas, reivindicam Diego Garcia.

    “Fechando” as rotas de navegação, temos Moçambique, sul, e Mombaça mais ao norte “controlando” as rotas para o Cabo.

    E o que falar de de uma Base no Djibuti? Os franceses irão falar o que sobre essa instalação que poderá “controlar” esse Portal no Golfo de Aden?

    A Índia estaria “cercada”, com as Bases do Sri lanka (sul), Bangladesh e Mianmar (nordeste) e Irã e Paquistão (oeste).

    As Bases do Camboja e Tailândia visariam as rotas do estreito de Malaca.

    Mas o que dizer dessa base em Papua-Nova Guiné na região de Deception Bay a 1.500 km da RAAF Tindal?

    Quanto as bases na África Ocidental, isso será papel para a 4ª Frota pq o Brasil é incompetente demais para cuidar do “seu” quintal e vai abrir as pernas para o chineses… são amigos, aliados dos BRICS…

    Como um colega aki da trilogia certa vez elucubrou brilhantemente:
    ”Se vocês reclamam das garras da Águia, é porque nunca provaram as mandíbulas do Dragão.”

    Grande Abraço.

  4. Prezados,

    Posso estar enganado, mas acho que existe um equívoco na matéria.

    Normalmente, as marinhas de guerra de possuem acordos internacionais para usarem bases de outros países para reabastecimento, reparos nas embarcações, descanso das tripulações, entre outros.

    A MB, por exemplo, possui acordo para utilizar bases navais dos EUA, RU, França, Espanha, Portugal, Itália, Argentina, Uruguai, Chile, México, Venezuela, Angola, África do Sul, Índia, etc. Assim como estes países podem utilizar tanto o AMRJ quanto a BNRJ.

    Pode ser que a China esteja ampliando o número de países com os quais possui esse tipo de acordo.

    Abraços

  5. Prezado Monteiro,
    Não acho que seja esse o caso. Creio que serão construções de novas instalações, portanto com apelo estratégico completamente diferente.

    Claro que, historicamente, nada disso é novo. A China já usa portos africanos (notadamente Tanzânia e Mozambique) há séculos, desde antes dos Portugueses e Espanhóis contornarem o Cabo.

    O perigo para nós aí eu vejo em portos ocidentais, como Angola, por exemplo. Na hora que o Brasil começa a puxar óleo do Pré-Sal, a China anuncia bases na Namíbia e em Angola? Sinistro….

  6. “o Brasil ajudou na criação e formação da Marinha da Namíbia, mas a China provavelmente tomará nosso lugar naquele país africano. A China é muito mais rápida e assertiva no preenchimento dos espaços estratégicos e tem muito mais a oferecer em termos de infraestrutura e armamentos.”

    Muito triste isso acima.

    Realmente no Brasil tem que aparecer um Putin.

    Com essa noticia infelizmente teremos no nosso quintal a 4 frota Americana meu deus…..

    E ficaremos quietinho lambendo as botas dos marinheiros Americanos nos nossos porto se eles não arrendarem 1 na marra.

    Pobre Brasil.

  7. Luiz Monteiro,
    24 de novembro de 2014 at 13:06

    não concordo, dado a proximidade de algumas bases e a posição chave nas principais rotas de navegação, serão bases mesmo em ao menos 50% dos spots listados.

    Seria uma “cobertura”/monitoramento para o flanco sudoeste chinês, que do ponto vista geográfico está em uma posição de pivô com as marinhas ocidentais operando no limite de suas periferias e aumentando a pressão para a “futura” Rota Polar.

    Hipoteticamente, repito, hipoteticamente, o Índico seria um Lago Chinês e assegurando as rotas do Cabo e Golfo de Aden para aliviar uma possível dependência futura da Rota Polar que fatalmente pende mais para a Rússia.

    Grande Abraço.

  8. Oganza, concordo. A geopolítica chinesa está desguarnecida no seu flanco sudoeste (vazio ocidental) e precisa abiri uma rede própria quando as rotas polares ficarem nas mãos do Urso e da Águia, coisa que não vai demorar muito. Abrindo o sul/sudoeste, evita o eventual conflito antecipadamente perdido do norte.

    Pré-Sal? com a China em cima dele? Precisando de óleo e grãos?

    Quantos subs (nukes e convencionais) a China possui?

    A frota de superfície aumenta cada vez mais.

    Seus mísseis aumentam quantitativamente enquanto implementam qualidade.

    A aviação, digam o que quiserem é invejável.

  9. Aldo,

    o mais interessante é vermos como vai ser a repercussão dessa notícia ou de sua veracidade ai no ocidente.

    Grande Abraço.

  10. É isso aí ….

    O olhinho puxado chegando no Atlantico Sul ….

    Tem bastante lógica até porque eles arremataram quase 40% do Pré Sal !!!, ou seja vão colocar a bandeirinha aqui para tomar conta da cisterna particular de oleo no nosso pré sal ….

    Conhecendo este governo eu não duvido que em breve veremos navios chineses atracados em Mocanguê ….

    É o que eu sempre falo, a culpa foi dos Japoneses que não fizeram o dever de casa direito na 2ª GM e não riparam a China por completo …

    Boa noite

  11. JPJ,

    “É o que eu sempre falo, a culpa foi dos Japoneses que não fizeram o dever de casa direito na 2ª GM e não riparam a China por completo …” – Acho que eles não podiam fazer muita coisa não… 🙂

    “Aconteça o que acontecer, sempre haverão chineses.” – Winston Churchill

    Grande Abraço.

  12. Daltoooooooooonnnnnnn

    Será que para a Rússia seria vantajoso comprar uns seis desses destroieres chineses ??

    Daí eles compram o casco e a propulsao, mas as armas e sensores eles mesmos instalam os seus.

    Não seria uma boa ?? Ja que a Rússia está com os estaleiros lotados e nao vai conseguir fazer os Leader antes de 2020, não seria um bom paliativo ???

    Eu tava pensando nisso esses dias, poderia ser uma boa. Não ???

    😉

  13. Wagner…

    orçamentos não podem simplesmente ser mudados de uma hora para outra, nem na Rússia e o que já foi estipulado para os próximos anos corre o risco de não
    ser completado a tempo.

    Pode não ser a única razão para não adotar-se um projeto chinês, mas, deve ser levado em conta.

    abs

  14. Srs

    A China está buscando, apenas o acesso e controle sobre suas fontes de matérias primas e alimentos.
    Observem o mapa, como diz o jovem Ivan.
    No andar da carruagem, não demora muito é a Africa se torna, em sua maior parte, colonia chinesa, podendo sobrar até para a América do Sul.
    A encrenca é a India no meio do caminho, porém, como os chineses são pragmáticos, é provável que eles estabeleçam um acordo com a India cedendo a ela alguma de suas área de influência e fontes de recursos na Afria e talvez na América do Sul.

    Sds

  15. Como já disse diversas vezes: A próxima guerra será a do Eixo do Dragão. Desde quando há compaixão no mundo do poder? É óbvio que nesse angu tem caroço, cozido a fogo de dragão. Perdeu Brasil, perdeu….Moçambique, Namíbia e Angola. Poderíamos estar muito mais próximos dessas nações. Limpamos o chão para os chineses passarem e ficarem. Quem viver, verá! Aliás gostei do dito “Se vocês reclamam das garras da Águia, é porque nunca provaram as mandíbulas do Dragão.” Graannnndeee verdadeeee! E olha lá se não vierem para o Uruguai e Venezuela? Daí será quase um cheque mate, na anta sulamericana. Só falta,para embaralhar mais a geopolítica ocidental, o Donald Trump vencer as eleições americanas. Porque no nosso país, se quer temos opção/nome para um novo chefe de estado. Tamus no sal”. Apenas lembrando que a África é um continente precisando de muito investimento e com mais de 1 bilhão de consumidores. Depois o ocidente não vem dizer que não tem oportunidades de crescimento. Tem não? Enquanto promovem a paz social e conforto além do necessário às custas do endividamento público, vulgo cheque especial, sem lastro do PIB, já estourado! Os chinas vem crescendo e tomando conta do quintal.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here