Home História STJ nega indenização para descendentes de vítima do “Changri-lá”

STJ nega indenização para descendentes de vítima do “Changri-lá”

150
4

Fonte: O Globo Online

BRASÍLIA – Ação militar praticada em período de guerra constitui ato de império e não se submete, portanto, ao Poder Judiciário nacional. A conclusão é do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ao negar provimento ao recurso especial por meio do qual descendentes de vítima de barco afundado por alemães em Cabo Frio, no Rio de Janeiro, durante a Segunda Guerra Mundial pretendiam obter reparação pela agressão bélica sofrida por uma embarcação brasileira nas águas territoriais do Brasil.

Cinco netos e um genro de Apúlio Vieira de Aguiar entraram na Justiça com uma ação de indenização por danos morais e materiais contra a República Federal da Alemanha pela morte do avô e sogro, ocorrida em julho de 1943. Segundo consta do pedido, o barco de pesca em que estava a vítima, Changri-lá, teria sido afundado por um submarino de guerra alemão (U-199) que patrulhava a costa brasileira.

De acordo com o processo, mais de 20 navios teriam sido torpedeados pelos alemães, sendo certo que nunca foram encontrados corpos ou restos mortais da vítima ou das demais pessoas que estavam no barco, mas apenas destroços que chegaram à praia, com sinais de explosão, levando à conclusão de que ele teria sido mesmo abatido por nazistas. Posteriormente, o submarino foi abatido pela Marinha de Guerra brasileira e os sobreviventes resgatados e encaminhados aos Estados Unidos, onde teriam confessado o afundamento do barco em que se encontrava a vítima.

Em fevereiro de 1944, o Tribunal Marítimo arquivou o caso, concluindo pela ausência de provas de que o Changri-lá fora abatido por submarino de guerra alemão. Quase seis décadas depois, em 31 de julho de 2001, o Tribunal Marítimo, a pedido da Procuradoria da Marinha, reabriu o processo após tomar conhecimento de documentos que comprovariam o naufrágio do Changri-lá provocado pelo submarino de guerra alemão.

Em primeira instância, o processo foi extinto sem julgamento do mérito, pois, ao ser acionada, a embaixada alemã no Brasil afirmou que são inválidas e ineficazes as citações recebidas referentes às ações de ressarcimento de danos contra a República Federal da Alemanha.

“As presentes citações dizem respeito a uma ação de soberania do Estado alemão. O Brasil não possui jurisdição sobre os atos de império praticados por outros países. O encaminhamento de tais citações é, portanto, indevido”, afirmou o documento.

Em apelação, a defesa dos netos e do genro foi ao STJ. Após examinar o pedido, o ministro Fernando Gonçalves, relator do caso, votou, negando provimento.

Subscribe
Notify of
guest
4 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcelo Ostra
12 anos atrás

Afundado por ” UM SUBMARINO DE GUERRA” …

Viu Bozoh, vc saiu dela descambou as coisa …

The Captain
The Captain
12 anos atrás

Família bem espertinha e safada essa, não?

Nunão
Nunão
12 anos atrás

O Bozoh não é mais Bozoh?

thiago dos santos souza
11 anos atrás

sou sobrinho de otavio vincente martins um dos homens que estavam naquele barco changri-lá que foi bombardiado e com isso todos os tripulantes do barco morreram enganados.(pedimos a VS:Senhoria que pelo seginte presente que pudessem rever os fatos que estão sitado no processo para que revindique uma pensão para os familiares)por nessecidades economicas dos familiares dos tripulantes.