quinta-feira, janeiro 27, 2022

Saab Naval

O LCAC Chinês

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

sino_lcac.jpg

A Marinha do Exército Popular da China está introduzindo em serviço uma classe de LCAC (Embarcação de Desembarque sobre Colchão de Ar), que é claramente destinada a equipar os novos LPD (Navios de Transporte Doca) da classe Type 071/Yuzhao.
O LCAC chinês é muito semelhante aos LCAC utilizados pela Marinha dos EUA, em termos de tamanho e emprego. É capaz de transportar, em alta velocidade diretamente do navio de assalto fundeado ao largo para terra de 60 a 75 toneladas de carga, incluindo armamento, pessoal, material logístico em geral e até os Carros de Combate Pesados Type 96 (ZTZ96) e Type 99 (ZTZ99).
O modelo chinês tem um arranjo semelhante ao americano, mas o módulo de comando fica a BB (Bombordo) ao contrario da classe LCAC-1. Possui rampas na proa e na popa para facilitar o rápido embarque e desembarque de viaturas e material. A propulsão parece ser fornecida por quatro turbinas a gás e aciona dois propulsores com hélices de passo controlável, localizados na popa. Dados mais apurados sobre esse projeto ainda são escassos, e especulasse se esse projeto é totalmente chinês ou se foi feito com tecnologia russa ou ucraniana.
Os LPD Type 071 provavelmente poderão transportar na doca de 2 a 3 unidades. Esse conjunto LPD/LCAC esta levando a China a um novo patamar em termos de projeção do poder naval sobre terra. No passado um dos pontos que punham em dúvida a capacidade da China invadir Taiwan, era a sua limitada capacidade de transporte anfíbio, limitada a embarcações antigas e de pequeno porte.
O uso de LCACs torna possível o lançamento de um assalto anfíbio além do horizonte e gera incertezas sobre o ponto exato do desembarque, já que não sofre restrições como o calado/profundidade na área de assalto, marés adversas, e obstáculos sob a água, podendo ainda progredir além da praia para fazer o desembarque em área mais abrigada.

chinese-lcac.jpg

Previous articleVox blog, vox Dei
Next articleTejas Naval
- Advertisement -

8 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
8 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mauricio R.

Ué quer exportar armamento e não sofrer veto, é simples desenvolva a sua própria tecnologia!!!

JSilva

Olá Mauro,

Olhe bem, opinião minha.

O fato de haver algo de original em projetos Defesa chineses é irrelevante. Agora quanto a pergunta, a minha resposta é, tem.

Tem a força de vontade deles, tem o objetivo de ser grande e respeitado. Eles estão certos, ficar querendo começar tudo do zero, só aqui mesmo.

Começa do zero e no zero termina.

Mauricio R.

Na Coréia do Sul tem um LCAC bem parecido ao americano, o Fulcrum é o Flaker escarrado, somente que menor.
Então há ocasiões em que as necessidades, os famosos requisitos de sistema, determinam que sistemas de armas de paises distintos politicamente e culturalmente possam ser semelhantes.

camberiu

Esse LCAC deve ser tao bom quanto o leite deles.

Tiago Jeronimo

Taiwan que se cuide…

Quanto a questão originalidade já disse alguém “Nada se cria, tudo se copia.”

McNamara

Do jeito que a coisa vai, vai chegar um dia que nós vamos dormir com Taiwan e vamos acordar com “a província rebelde retomada”. A pergunta que faço é a seguinte: Quem vai se contrapor à gigantesca China Continental? Os EUA? Que já tem infinitos compromissos no Iraque e Afeganistão? A OTAN? Que quer seus soldados longe de um inimigo tão grande e poderoso quanto à China? A Índia, para quem a existência de Taiwan tanto faz como tanto fez? O resto do mundo, que está totalmente amarrado em termos comerciais com a China, e não pode perder este elo… Read more »

Mauricio R.

Os EUA tem por lei aprovada pelo Congresso, defender Taiwan de qq agressão chinesa.

McNamara

Ah, entendi! Esta lei é do tempo da Guerra Fria, do tempo da teoria do Dominó, do General Le May e do Senador Robert McNamara. Se cai um país, caem todos…Você acredita que os norte-americanos cumprem sempre com a palavra e se arriscariam hoje a uma guerra convencional ou nuclear com a China, incorrendo na morte de milhares de soldados e civis norte-americanos para defender Taiwan??? Prezado Maurício, se a China quiser invadir, vai ter gente morrendo, vai haver crise, ameaça de boicote, tensão etc., vai ter gente fazendo cara feia, vai ter gritaria, mas Taiwan vai deixar de existir,… Read more »

Publicidade
- Publicidade -
Parceiro

Últimas Notícias

Construção da primeira fragata classe ‘Tamandaré’ deve começar em setembro

Em 20 de janeiro, na parte da manhã, como parte da Operação “ASPIRANTEX/2022”, o Comandante de Operações Navais, Almirante...
- Advertisement -