Home Noticiário Internacional INS Vikramaditya e a comparação com a aviação embarcada de outras marinhas

INS Vikramaditya e a comparação com a aviação embarcada de outras marinhas

558
31

ins-vikramaditya-na-agua-1a

Prosseguem na Rússia os trabalhos no navio-aeródromo indiano INS Vikramaditya (foto acima). A questão sobre o custo final da reforma já foi acertada entre russos e indianos e o objetivo agora é correr contra o tempo, para terminar o navio em 2009, iniciando as provas de mar em 2010.

O desenho abaixo (clicar sobre as imagens para ampliar) mostra como deverá ficar o navio quando pronto. Nos demais desenhos, a comparação do tamanho e do poder de fogo do NAe indiano e seus congêneres.

ins-vikramaditya-desenho-final

ins-vikramaditya-comparado-1 ins-vikramaditya-comparado-2

ins-vikramaditya-comparado-3

Subscribe
Notify of
guest
31 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
trackback
11 anos atrás

[…] é bom enfatizar que o avião em produção para a Marinha da Índia, para operar a bordo do NAe Vikramaditya, possui uma arquitetura de aviônica aberta, podendo utilizar equipamentos russos ou ocidentais, de […]

Callia
Callia
11 anos atrás

Daqui à postos no Nash Oswaldo Cruz dedico à vocÊs ,com quem tanto aprendi, um feliz ano novo!

KURITA
KURITA
11 anos atrás

Pensei que esse navio estivesse sendo reconstruído na India mesmo

Bosco
Bosco
11 anos atrás

Pedro, os AV-8B decolam com carga total da sky jump, mas não aviões “convencionais”. Provavelmente o F-35B também o fará. Vale salientar que o Su-33 faz apenas a defesa aérea da frota, não sendo usados para ataque (salvo engano). Configurado para isso ela é completa mesmo, já que não exige todo o potencial do avião em relação à sua carga útil. Com o advento das armas de precisão, mesmo para ataque, um caça embarcado consegue transportar uma carga considerável de armas guiadas, mesmo não sendo lançada por catapultas, daí muitos optarem pelas rampas. Mas com certeza a predileção americana e… Read more »

Pedro Rocha
Pedro Rocha
11 anos atrás

Olá senhores! Inicialmente felicitações pelo novo ano a todos os senhores e familiares! Espero sinceramente como entusiasta que nesse ano que inicia que a segurança e defesa alcance um novo patamar em nosso país e na sociedade como um todo, pois infelizmente o único bom moço do planeta é o Brasil. Devemos nos preparar para quando a retórica e diplomacia não resolverem ou se exaurirem! No meu ponto de vista o porta-aviões que mais se aproxima do nosso conceito de navio de projeção de poder, definido no nosso PND é o conceito inglês (coincidência histórica) do mix das três forças.… Read more »

Paulo Taubaté
Paulo Taubaté
11 anos atrás

obrigado, mais uma vez coralsea.

Que todos tenham um próspero ano novo.

Se Deus permitir, nos encontramos aqui ano que vem.

Que eu possa aprender mais um pouco com vocês ano que vem.

Abs e Boas Festas.

Bosco
Bosco
11 anos atrás

Interessante a composição da RN contando com Chinooks e Apaches. Os EUA não precisam já que possuem um número adequado de navios de assalto dotados de CH53, V-22 e AH1, além dos AV-8B. Mudando de assunto, uma versão AEW do V-22 seria apropriada para uso nos LHDs Wasp já que o mesmo é facilmente adaptável para a função de “navio de controle marítimo”, podendo operar os SH-60 para ASW. Os WASP operando na função SCS (sea control ship) dotados de AV-8B armados com AMRAAM (no futuro com o F-35), os SH-60 (no futuro os MH-60R) e uma versão AEW do… Read more »

Coralsea
Coralsea
11 anos atrás

Paulo Taubaté

Foram construídos 4 “Kirov”
– “Kirov”, que mudou para “Admiral Ushakov”; retirado de serviço.
– “Frunze”, que mudou para “Admiral Lazarev”, retirado de serviço.
– “Kalinin”, que mudou para “Admiral Nakhimov”, ativo
– “Yuri Andropov”, que mudou para “Pyotr Velikyi”, ativo

Teve um quinto; o “Dzerzhinsky” que mudou para “Kuznetzov”, mas teve a construção interrompida e virou sucata.

Paulo Taubaté
Paulo Taubaté
11 anos atrás

Coralsea, triste fim para um belo navio. Achei que poderia estar em reforma, para servir ao lado do(s) seu(s) irmão(s), mas… lá, como cá. Os parênteses, pq além do Pedro, não sei se tem outro em operação. Até onde eu saiba, foram construídos três. Voltando ao tópico, estava vendo a composição do grupo aéreo do QE, e para AWACS, os súditos da Rainha utilizarão um Heli, talvez o EH 101. Como eles tbm embarcarão o Chinook, não seria este uma melhor plataforma, adaptando um Erieye, talvez entre os rotores ou nas laterais, com algum trabalho de engenharia, um mecanismo de… Read more »

pedro
pedro
11 anos atrás

Essas são as caracteristicas do “De Gaulle” segundo a wikipedia: Class and type: Unique aircraft carrier Displacement: 38,000 tons empty 42,000 tons full load Length: 261.5 metres (858 ft) overall Beam: 64.36 metres (211.2 ft) overall Draught: 9.43 metres (30.9 ft) Propulsion: 2 × K15 pressurised water reactors (PWR), 150 MW each 4 × diesel-electric 2 × shafts Speed: 27 knots (50 km/h) Range: Essentially unlimited Endurance: 45 days of food Capacity: 800 commandos, 500 tonnes of ammunitions Complement: Ship’s company: 1,350 Air wing: 600 Sensors and processing systems: DRBJ 11 B tridimensional air search radar DRBV 26D air search… Read more »

LeoPaiva
LeoPaiva
11 anos atrás

É verdade sobre o V22, inclusive já vi projeções por computador de um V22 AEW. Seria a soulução definitiva para a questão, uniria o que tem de melhor os helis e os de asa fixa.

Freitas
Freitas
11 anos atrás

Prezados responsáveis pelo blog,
como essa imagem (a que ilustra o tópico) não foi produzida pelos criadores do blog, creio que os créditos da mesma deveriam ter sido colocados, não?

Abraços.

Bosco
Bosco
11 anos atrás

Leo,
a catapulta permite o lançamento de um caça no máximo de sua capacidade de carga útil, já a rampa limita esta carga a 50%.
Um V-22 na versão AEW seria bem interessante para a RN.

Bosco
Bosco
11 anos atrás

Com certeza no futuro os UCAV deverão fazer parte do grupamento aéreo junto com os F-18 e F-35.

LeoPaiva
LeoPaiva
11 anos atrás

Interessante notar também que todos os países da gravura optaram por operar com Sky jump em vez de catapultas, exceto os americanos, que com isso ganham a possibilidade de terem aviões de alerta antecipado a bordo.( helis AEW não vale). É verdade que os custos operacionais do navio e dos aviões aumentam bastante com as catapultas, mas penso que um alerta antecipado pode fazer toda a diferença, não só para a ala aérea, mas para toda a frota. Principalmente no nosso caso que teremos meios aéreos que não tem espaço para instalação de um radar potente, e mesmo melhorados, ainda… Read more »

JACUBÃO
11 anos atrás

É como a nossa falecida dodsworth.

Coralsea
Coralsea
11 anos atrás

Paulo Taubaté.

Realmente no fundo da foto é o “Kirov”; navio líder da classe.
Ele já foi retirado de serviço e serve como doador de peças para os dois outros que estão na ativa.

Marine
Marine
11 anos atrás

Bosco,

Houve um corte de esqudroes na USN desde os anos Clinton mas pelo que sei o USMC agora repoe um esquadrao nos CVNs quando possivel. Mas nao sei, como ja disse antes nao sou especialista em aguas ou ares azuis…gosto mesmo e de cabeca de praia…rsrsrs

Acho que os especialistas aqui i.e Galante saberiam responder essa bem melhor do que eu.

Sds!

Marine
Marine
11 anos atrás

Pois e Leo parece que esta faltando um ou dois outros esquadroes de ataque nessa tabela…

Marine
Marine
11 anos atrás

LeoPaiva,

Nao se incomode, sempre fomos respeitaveis um com o outro e apesar de termos nossas diferencas de opiniao (mainly Iraq…Rsrsrs) penso eu por razao de nossa diferente experiencia de vida e para isso que existe o blog…Eu passo a minha experiencia real e ponto de vista aqui para o pessoal e em troca aprendo sobre temas que nao conhecia e vejo o ponto de vista de outros entusiastas militares no meu pais.

Semper Fidelis e feliz ano novo!

Bosco
Bosco
11 anos atrás

Na Guerra Fria o grupamento de um NAe classe Nimitz era de 24 F-14 (3 com capacidade de levar um casulo de reconhecimento), 24 F-18 (antes era o A-7), 10 A-6, 4 EA-6, 10 S-3B, 4 E-2C, 8 SH-3, 4 KS-3, 2 US-3. Eventualmente eles operavam 1 ou 2 ES-3 na função de Elint/Singit. Ou seja, eles podiam operar com até 90 aeronaves se não me falha a memória. Hoje o grupamento típico é de 48 F-18, 4 EA-6, 6 S-3B, 4 E-2C, 6 Sh-60 e 2 C-2 totalizando 70. Os F-18 assumiram o papel dos F-14, A-7 e dos… Read more »

LeoPaiva
LeoPaiva
11 anos atrás

Marine,

Queria aproveitar esse clima de festa de final de ano, e te pedir desculpas por qualquer excesso que por ventura eu tenha cometido em nossas intermináveis discussões. E ao mesmo tempo te desejar um ótimo ano de 2009.

Felicidades.

LeoPaiva
LeoPaiva
11 anos atrás

Marine,

Bem observado, acho que os EUA não abririam mão de tamanha diferença. Encontrei em um site que a capacidade permanece similar a do Nimitz :

“CVN 78 Gerald R Ford Class
The carrier will be capable of carrying up to about 90 aircraft including the F-35 joint strike fighter, F/A-18E/F Super Hornet, E-2D Advanced Hawkeye, EA-18G”

Sds.

Almeida
Almeida
11 anos atrás

Engraçado, pq nao colocaram o Charles de Gaule na comparaçao?

Marine
Marine
11 anos atrás

Galante,

Nessa tabela so se mostra o CVN com 66 aeronaves, sempre pensei que os Nimitz levassem cerca de 90. Isso foi mudado com essa nova classe?

Interessante o QE levar Apaches e Chinooks, mostra na minha opiniao uma enfase em futuras operacoes anfibias e de CAS, talvez pela licao aprendida durante as Malvinas.

Sds!

Paulo Taubaté
Paulo Taubaté
11 anos atrás

tbm tem um SSBN Typhoon, não?

Paulo Taubaté
Paulo Taubaté
11 anos atrás

e lá no fundo, seria um Kirov?

Estaria em reformas?

teles
teles
11 anos atrás

um belo alvo para os sub hibridos.

JACUBÃO
11 anos atrás

Sou mais o nosso moderníssimo Opalão.

rsrsrsrsrsrsrsrs

Vinicius Modolo
Vinicius Modolo
11 anos atrás

O queen Elizabeth vai ter a bordo apaches!!!!!!!!!
olho só!

Espero que eles enferrugem e caiam….srsrsrs

Tiago Jeronimo
Tiago Jeronimo
11 anos atrás

O que se pode ver é que falta muito pra alguém chegar perto dos EUA na questão de porta-aviões, e que a briga mesmo é pelo segundo lugar com a Índia vindo por último e o Brazil morrendo de inveja.