Home Marinha Mercante Há demanda reprimida para dois novos estaleiros, segundo estudo da USP

Há demanda reprimida para dois novos estaleiros, segundo estudo da USP

437
6

s-fragata-rc-021106-foto-construcao-rogerio-cordeiro-via-nmb

O Brasil tem demanda reprimida para a instalação de dois novos estaleiros. Levantamento realizado pelo Centro de Estudos em Gestão Naval (CEGN), ligado ao Departamento de Engenharia Naval e Oceânica da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), aponta que falta ao País capacidade de construção de seis a oito embarcações por ano, especialmente devido aos pedidos feitos pela Petrobras. Existe atualmente demanda consolidada de 14 navios de apoio portuário até 2020, ao passo que a capacidade de construção do País para este tipo de embarcação é de apenas 11. Há ainda pedidos e licitações concluídas para aquisição de cargueiros e sondas para exploração offshore.

A discussão em torno desta carência por embarcações ocorreu durante o workshop Construção Naval para Exploração e Produção de Petróleo e Gás Natural no Litoral Paulista, que reuniu autoridades, pesquisadores e empresários do setor, no último mês, na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), em São Paulo. Durante o encontro, os participantes propuseram soluções para que a Baixada Santista atraia novas plantas da indústria naval. A proximidade com a Cosipa, maior fabricante nacional de aço naval, proporciona ganho de competitividade às cidades do Litoral Paulista, em uma possível queda de braço com outras regiões do estado ou do País.

s-fragata-rc-021106-foto-luis-felipe-g-vaz-via-nmb

As condições naturais do estuário, com águas abrigadas e boa profundidade de navegação, ­ também contam a favor. No entanto, a inexistência de áreas com tamanho suficiente para receber este tipo de empreendimento no canal onde está instalado o Porto de Santos é, hoje, o principal entrave. “A demanda de espaço é de 120 mil metros quadrados, em média, para cada um desses estaleiros. Eu não sei quais das áreas são propícias na Baixada”, afirmou o coordenador do estudo da USP, Marcos Pinto. Para ele, “certamente” seria possível a adequação de glebas também na Área Continental de Santos ­ mas seria necessário mais tempo para a viabilização. “Falta o estado atrair o estaleiro. Santos ficou com o estigma de dificuldades ambientais. Agora existe uma nova postura, um tratamento muito profissional da questão eacho que o quadro vaise reverter em pouco tempo”.

O coordenador-executivo da Comissão Especial de Petróleo e Gás Natural do Estado de São Paulo (Cespeg), José Roberto dos Santos, por sua vez, praticamente descarta a instalação de estaleiros na Baixada Santista. “Para construir plataformas e sondas, por exemplo, que são as construções navais com maior valor agregado, é necessária uma área maior. Na Baixada há áreas menores, com 200 mil a 300 mil metros quadrados. Não há como colocar um estaleiro lá”. Para o representante do Cespeg, o Porto de Santos é ideal para receber um estaleiro especializado na construção de navios de apoio a plataformas para exploração de petróleo e gás, como o da Wilson, Sons, que opera na Margem Esquerda ­ único em funcionamento no Estado. A região poderia ainda receber unidades de reparos navais e de montagem.
Na tentativa de viabilizar empreendimentos, a equipe da Cespeg tem acompanhado visitas de empresários interessados em plantas para o setor naval a Santos, Cubatão e, em menor escala, a Guarujá. “Existe um grupo de empresas interessadas. Por isso, estamos buscando áreas nessas cidades, de preferência alfandegadas e fora do porto organizado”, de acordo com Santos.

Fonte: Santos Export

Fotos, via NMB (site Navios Mercantes Brasileiros, hospedado no Poder Naval  Online): Rogério Cordeiro – construção do PSV Saveiros Fragata, no estaleiro Wilson, Sons (Guarujá – SP) citado na matéria; Luis Felipe G. Vaz – PSV Saveiros Fragata em Santos – SP.

6
Deixe um comentário

avatar
6 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
4 Comment authors
direto do fundo do marNunãoJoão-CuritibaJACUBÃO Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
João-Curitiba
Visitante
João-Curitiba

A questão ambiental hoje está se tornando um entrave à expansão da indústria pesada. Aqui no Paraná a baia de Paranaguá possui excelentes áreas, mas os órgãos de protenção ao meio ambiente estão sempre pondo obstáculos. O próprio presidente Lula já afirmou que os ambientalistas são os maiores inimigos do progresso.

direto do fundo do mar
Visitante
direto do fundo do mar

E tem que ver a data deste estudo, pois, com o dólar ao preço que está, a Petrobras está freiando um pouco o impeto.
Eu li o projeto dela de aquisição de meios e é espantoso realmente, mas, antes da caida do preço do barril de petroleo.
Oxalá as coisas normalizem e esse projeto seja tocado pra frente.
Neste caso, o estudo acima estaria por demais acertado.
Vamos torcer para as coisas entrarem no eixo outra vez!

direto do fundo do mar
Visitante
direto do fundo do mar

Se bem quer gosto muito do lcool custando R$ 1,389 e a gasolina a R$ 2,499. rsrsrsrsrsrsrs

Nunão
Visitante
Nunão

Direto, isso porque vc está no Rio, pra lá e pra cá pela Baía de Guanabara… Aqui no Estado de SP, quanto mais próximo das usinas, o álcool fica ainda mais barato, aproximando-se de 1 real o litro já pelas bandas de Pirassununga / Ribeirão… Por essa lógica, a gasolina devia ser mais barata no seu Estado, não? Quanto às encomendas da Petrobras, cada dia sai uma notícia sobre manter valores de investimento ou cortar, sobre um novo canal pra conseguir financiamento abrindo e outro fechando. Mas o que acontece na real só com “informação privilegiada” pra saber. Uns dois… Read more »

João-Curitiba
Visitante
João-Curitiba

Quanto tempo leva para se construir um estaleiro? Se levar mais de dois anos, a crise já terá passado e quem investir agora, estará pronto para auferir os lucros mais tarde. Se pegar financiamento do BNDES, deve ter um prazo de uns 5 anos para começar a pagar. Logo, agora é a hora. Empresário que é empresário não é imediatista, enxerga longe. Se ninguém se apresentar para o empreendimento com medo da crise, então não é empresário. Só como ilustração: a Petróleo Ipiranga foi fundada e construiu sua primeira refinaria em Rio Grande – RS durante a crise de 29,… Read more »

JACUBÃO
Visitante

Por falar em estaleiros, estão cunstruindo um dique muuuuuuuuuuuuuuuito grande em RIO GRANDE, daria até para docar um super porta-aviões.