Home Noticiário Internacional Reserva de urânio no Brasil pode ser uma das maiores do mundo

Reserva de urânio no Brasil pode ser uma das maiores do mundo

2601
16

Estudos realizados pelo Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN), Indústrias Nucleares do Brasil (INB) e órgãos do governo federal revelam que o Brasil pode ter a segunda maior reserva de urânio do mundo. “Hoje ocupamos a 6ª posição, mas apenas 25% do nosso território foi prospectado. Atualmente contamos com 309 mil toneladas mas são estimadas ainda outras 800 mil toneladas em território nacional”, afirmou o contra-almirante da Marinha, Carlos Passos Bezerril, a uma platéia de dezenas de empresários durante evento realizado pela Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil (ADVB-SP)

A projeção viabilizaria a busca nacional pelo domínio da tecnologia de enriquecimento do urânio para que se possa gerar energia nuclear e também o combustível necessário para o submarino nuclear, projeto da Marinha. “Seria mais uma fonte limpa de energia que teríamos com base nossos recursos naturais.

Enquanto isso, mais uma mina com potencial em urânio começará a ser explorada. A mina de Itataia, em Santa Quitéria (CE) é rica em fosfato, mas ainda não teve o urânio ali contido explorado. Ela agora será explorada pela empresa Galvani, em associação com a INB.

Durante o evento, o contra-almirante falou sobre a tecnologia nacional em fase de desenvolvimento para a produção de energia a partir do enriquecimento do urânio e como essa tecnologia poderá ser usada pelo setor produtivo. De acordo com o almirante, o cronograma da Marinha prevê que o Brasil já detenha a tecnologia necessária para o desenvolvimento de outros projetos, incluindo os do setor privado, a partir de 2014.

FONTE: DCI

16
Deixe um comentário

avatar
16 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
13 Comment authors
Fábio Pessôaandre luizAntonioCastorTiao Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Carlos
Visitante
Carlos

O Brasil só não é uma super potencia por que não quer, temos de tudo aqui no território brasileiro, olha isso podemos ser a segunda maior reserva de urânio do mundo, mais um pais que pensa pequeno têm que ser pequeno tanto na economia como no aspecto militar, um dia vamos nos orgulhar desse pais.

Xr
Visitante
Xr

Sem falar que temos a maior reserva de Tório do mundo.O CTA, se não me engano,junto à outras instituições, está desenvolvendo, há alguns anos, um reator de ciclo rápido, que utilizaria o Tório como elemento combustível, o que nos garantiria o fornecimento de combustível para umas 300 usinas do porte de Angra III, sendo construída, por uns bons 200 anos.

Jlito
Visitante
Jlito

É o novo pre-sal.
Todos nossos problemas serão resolvidos.

João Curitiba
Visitante
João Curitiba

Precisamos lançar mão destas riquezas antes que algum aventureiro o faça.

J Roberto
Visitante
J Roberto

Será que com essas reservas de Urânio(2º maior do mundo) e as novas descobertas de petróleo e o pré-sal,o Brasil não poderá ter uma Marinha na altura do valor econômico do país?
Se não tiver,é um convite para um banquete!

Jacubão
Visitante

Ô Galante, se candidata a deputado federal junto com Bolsonaro para defender os interesses do nosso país e das fôrças armadas e tenta convencer o Gen. Heleno para se candidatar a presidente em 2014, voto ele vai ter e muuuuuuuuuuuuito só da caserna, rsrsrs.

Um abraço a todos.

Jacubão
Visitante

Se somar os votos:
1 – da caserna das três fôrcas,
2 – dos familiares,
3 – dos parentes,
4 – dos amigos
5 – de alguns vizinhos
6 – dos simpatizantes e é claro,
7 – da rapaziada do blog.

A soma disso tudo, significa milhôes de votos, quem sabe ele não aceita a proposta???

Galante
Visitante

Jacuba, não me animo muito com Política, pela “natureza” da mesma, que todos nós conhecemos. Mas quem sabe daqui a alguns anos?
Peço a você, que é um dos mais ativos leitores do BlogNAVAL, a manter o tema do post, para não desviarmos a atenção da discussão em pauta.
Abraços!

Jacubão
Visitante

Outro para vç, e desculpe ter desviado do tema, é que eu me empolguei.

RJ
Visitante
RJ

E a quantas andam nossas ultra-centrífugas? E o nosso reator nuclear?
Temos que dominar o ciclo completo da energia nuclear, para ter independência total e se tornar realmente uma potência nessa área.

Tiao
Visitante
Tiao

Realmente as riquezas do nosso querido BRASIL, são um belo banquete gratuito para quem quiser se servir!!!!

Castor
Visitante
Castor

Xr, o reator era de neutrons rápidos (pode ser chamado também de regenerativo, ou fast breed). O projeto foi parado a muito tempo. Estava sendo desenvolvido junto com o CDTN em Belo-Horizonte.

Xr
Visitante
Xr

Castor,
Espero que desconsidere o erro quanto à terminologia, não sou físico, mas acho que ouvi alguma coisa sobre este reator nas aulas no Ipen.Uma pena tal projeto ser descontinuado, uma vez que temos Tório de sobra!
Grato pelo esclarecimento.
Abç.

Antonio
Visitante
Antonio

Nos anos 70 e 80 exaltavam-se os predicados da mina de urânio em Poços de Caldas – MG. Ela era um “orgulho nacional”. O Brasil seria auto-suficiente com o minério de lá extraído. Passados alguns anos a mina exauriu-se, virou um enorme buraco; os rejeitos estão expostos a céu aberto e gerou-se uma degradação ambiental desproporcional aos benefícios auferidos. Parte dos resíduos, inclusive, estão estocados inadequadamente no bairo de Santo Amaro, capital paulista. Nos anos 90 a estrela da vez era a mina de urânio de Caetité, BA. Na época dizia-se que ela tornaria o Brasil auto-suficiente, blá, blá, blá… Read more »

andre luiz
Visitante

concordo temos um grande potencial mineral so existe um mineral que temos muito pouco e o carvao

Fábio Pessôa
Visitante
Fábio Pessôa

Essa informação só fortalece a posição do Brasil em relação ao problema do Irã. Sabemos que a contrariedade em relação ao enriquecimento do urânio pelos iranianos não se deve a um (de novo) suposto processo de construção de armas de destruição em massa. Trata-se de domínio tecnológico sobre uma importante fonte energética. Na prática a pressão sobre o Irã hoje pode significar uma pressão sobre nós amanhã. Ou será que só iremos exportar a matária bruta sem dominar a tecnologia de transformá-lo (o urânio) em energia?
Temos que defender nossos interesses hoje e sempre.