Home Sistemas de Armas VL MICA naval

VL MICA naval

883
20

vl-mica-naval-3

vinheta-destaqueO MBDA VL MICA é um sistema de defesa antiaérea que emprega o mesmo míssil ar-ar usado no caça Mirage 2000 e no Rafale, adaptado para o lançamento vertical (Vertical Launch), a partir da superfície. Cada míssil pesa 112kg e tem uma ogiva de fragmentação de 12kg. O VL MICA oferece cobertura de 360°, alcance efetivo de cerca de 10km (máximo de 20km, segundo o site do fabricante), para alvos a cerca de 9.000m de altitude.

O desenvolvimento do VL MICA começou em 2005, pelo financiamento da DGA (Délégation Générale pour l’Armement) no âmbito do Programa “Salva”, com o apoio das Forças Armadas francesas.

Segundo o fabricante, o míssil MICA é o único em sua categoria no mundo capaz de ser equipado com uma cabeça rastreadora por radar ativo ou um rastreador IR: esta capacidade oferece a garantia de uma resposta eficaz contra ataques de saturação em um ambiente com severas contra-medidas eletrônicas.

O VL MICA utiliza um sistema de lançamento vertical para garantir cobertura em todos os azimutes. A munição está alojada num ambiente fechado, que atua tanto como recipiente de armazenamento e lançamento (ver os silos verticais nas imagens abaixo), garantindo a proteção dos mísseis contra as condições ambientais. Este sistema tem a vantagem de reduzir as operações de manutenção preventiva, com uma simples verificação periódica, que melhora significativamente a vida útil do míssil.

O VL MICA faz parte do sistema de armas das fragatas FREMM oferecidas à Grécia. O sistema também seria uma opção de baixo custo para o Brasil, no lugar do Aster, caso a FREMM seja selecionada como a futura escolta brasileira.

vl-mica-naval

vl-mica-naval-2

NOTA do BLOG: Leia aqui como é feita a proteção de forças-tarefa no mar contra aeronaves e mísseis inimigos.

Subscribe
Notify of
guest
20 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Alexandre Marlon
11 anos atrás

Olá Alexandre!

Gui_Bronco
Gui_Bronco
11 anos atrás

Obrigado Galante, não sabia das vendas do Mica VL. Afirmei que os Aster eram mais simples por serem sistemas mais dependentes do radar dos navio lançador. Por tudo que li até hoje sobre o Aster, imaginei que fosse um míssil de guiagem semi-ativa mais moderno que os da geração anterior. Já o Mica, pra mim, seria um sistema mais independente uma vez que a aquisição do alvo não depende especificamente do sistema de combate do navio. A guiagem ativa pode permitir o lançamento para posterior aquisição, antecipando um ataque por saturação e limitando a capacidade de defesa do navio apenas… Read more »

Galante
11 anos atrás

Prezado Bronco. O VL MICA já foi vendido pra duas Marinhas e pode emplacar, justamente por ser uma alternativa de baixo custo ao Aster 15, muito mais complexo.

Gui_Bronco
Gui_Bronco
11 anos atrás

Exato, Galante. Por isso eu disse que aceitaria uma redução na casa de 40 a 50% do alcance por conta da aceleração que o míssil é obrigado a fazer na corrida para o alvo, uma vez que no caso de ser transportado por um caça ele partiria de uma velocidade inicial de pelo menos 600 km/h, em um ambiente de ar mais rarefeito, enfim. Então que os franceses resolvam o mais rapidamente possível esse problema adaptanto um booster ao Mica que é, reconhecidamente, um senhor míssil, de características muito próximas aos de sua classe nos EUA. Do contrário estará fadado… Read more »

Galante
11 anos atrás

Bronco, segundo a MBDA, o VL MICA é muito mais barato que o Aster. O VL MICA tem alcance muito mais curto que a versão lançada do ar porque ele não possui um booster (estágio acelerador), normalmente usado nos mísseis especificamente antiaéreos. No caso do MICA lançado do ar, a velocidade do vetor aumenta sensivelmente o alcance da arma.

Gui_Bronco
Gui_Bronco
11 anos atrás

Para um míssil com alcance efetivo entre 45 e 60 Km na versão aerotransportada, acho 10 mil metros muito pouco para o mesmo míssil na versão naval. Aceitaria até uns 25 ou 30 Km por conta do gasto de propelente na aceleração. 10 mil metros é, sinceramente, muito, mas muito pouco para um míssil dessa categoria.

Chega a ser um desperdício de recursos usar um míssel guiado por radar e reconhecidamente eficiente em ambientes de elevadas contramedidas eletrônicas para um alcance tão curto.

Continuo achando os Aster 15/30 uma opção mais interessante (e provavelmente muito mais barata).

rodrigo rauta
rodrigo rauta
11 anos atrás

Galante, agora vc me confundiu..o Aster 15 tem duas versões? Ou na verdade o alcance maximo dele seria de 30 km, com alcance efetivo de 15-20km?

Abraços!

alfredo.araujo
alfredo.araujo
11 anos atrás

Ja passou da hora de termos um sistema de lançamento vertical de misseis…

Será q existe mta diferença na versão aerotransportada e a navalizada ??

Jonas Rafael
Jonas Rafael
11 anos atrás

Bronco, o ASTER não tem guiagem semi-ativa. Ele tem guiagem inercial até uma certa distência do alvo (como todo míssil lançado verticalmente ele precisa saber pra que lado manobrar primeiro). Inercial quer dizer que ele recebe uma indicação aproximada da posição do alvo que ele deve abater e é comunicado sobre correções sobre essa trajetoria até o momento em que o radar do míssil adquire o alvo e ele passa a se guiar sozinho pelo seu próprio. Outra coisa, o ASTER é oprvavelmente muito mais manobrável que o Mica, já que possui um sistema de empuxo vetorial inédito. Ele possui… Read more »

RicardoPinto
11 anos atrás

Temos mais alguma noticia sobres as novas escoltas ( eu torço pelas FREMM )

Não vi mais nada sobre este assunto…

Almeida
Almeida
11 anos atrás

Se é pra falar de relação custo/benefício, prefiro uma versão da classe Lafayette + Mica VL ou invés de FREMM + Mica VL. Se é para baratear, façamos meia dúzia de Lafayettes com Mica VL e duas ou três FREMM GP com uma combinação de Mica VL + Aster 15 e 30 + SCALP Naval. Nesta linha de pensamento, colocaria pelo menos um lançador vertical de 8 Mica VL nas Barroso melhoradas, fecharia com Rafale e Mica no FX-2 e ainda comprava uns caminhões com VL Mica pro EB e pra FAB protegerem suas instalações. Boa capacidade, baixo custo e… Read more »

Bosco
Bosco
11 anos atrás

Rodrigo, o Aster 15 é menor, pesando uns 300 kg e foi concebido para prover o navio dotado do sistema PAAMS de um míssil de defesa de ponto/anti-míssil compatível. Embora pelo seu alcance (30 km) ele provê capacidade de defesa de área curta para os navios na proximidade também. Já o Aster 30 pesa 450 kg e tem alcance nominal de 100 km, mas ele só consegue atingir alvos nessa distância que estejam em grande altitude (acima de 6000m). Contra alvos ao nível do mar ele está limitado a engajar alvos que estejam a uns 35/40 km, já que além… Read more »

Galante
11 anos atrás

Sim Rodrigo, existem duas versões do Aster: Aster 30 (de 80 a 100 km de alcance) e Aster 15 (alcance de uns 30 km).

Patriota
Patriota
11 anos atrás

Acredito que a FREMM é uma das melhores opções para a MB, o VL MICA seria
uma boa opção para a MB devido ao baixo custo todo mundo sabe que a marinha não dispõe de um grande orçamento e que muitas vezes ocorre contigenciamento de verbas

Rodrigo Rauta
Rodrigo Rauta
11 anos atrás

Entaun era como eu sabia….na verdade, o alcance do Aster 30 é limitado pelo radar usado pelo navio!

Jonas Rafael
Jonas Rafael
11 anos atrás

Na hipótese de uma opção "baixo custo" , não seria melhro o Umkhonto sul-africano que tem alcance superior e provavelmente custe ainda menos?

Bosco
Bosco
11 anos atrás

Os EUA testaram com sucesso um míssil AIM-9X lançado de terra contra um drone.
Ele foi lançado de um Hummer.
Em 2007 foi testado um AIM-9X de um lançador vertical fazendo parte do programa americano para se chegar a um míssil anti-helicóptero lançado por submarino submerso (LWMS ?). Parece que o programa foi descontinuado.
Tudo indica que o sucesso desse último teste vai abrir caminho para versões sup-ar tanto terrestres quanto navais, incluindo lançado por submarino.

Bosco
Bosco
11 anos atrás

Hummer não, Humvee é mais correto. rsrsrs…. Voltando ao assunto dos mísseis sup-ar navais, vale salientar que está em desenvolvimento também por parte dos EUA, uma versão do Slamraam (versão do Amraam lançado do solo) com alcance estendido. É o Slamraam-ER. Ele usa o radar ativo do Amraam na estrutura de ESSM, o que aumentará o alcance do míssil de 20 para 50 km e permitira o lançamento vertical. Esse Slamraam-ER está sendo oferecido à USN no lugar do ESSM tradicional. Vale salientar que o míssil Standard SM-6 que deverá estar operacional em 2011 também contará com o radar do… Read more »

marujo
marujo
11 anos atrás

Concordo com os companheiros que acreditam que o VL Mica tem um alcance muito pequeno, logo não é a melhor soluçãos para nossos futuros escoltas de 6 mil toneladas. Mas acredito que eles podem ser um excelente sistema secundário de mísseis AA. Qualquer que for o míssel escolhido (Aster 15. ESSM), é necessário um novo sistema AA do porte do RAM, Unkonto-Ir ou o próprio VL Mica,

Bosco
Bosco
11 anos atrás

O sistema de lançamento vertical trás uma série de vantagens, mas também uma desvantagem. Um míssel de pequeno porte tem reduzido seu já curto alcance .
No caso de lançadores conteráveis o míssil já aponta para a direção do alvo não consumindo combustível no processo de se posicionar em direção ao alvo.
Mas é claro que as "vantagens" superam essa desvantagem e cada vez mais será adotada.